Boteco: Cinco Farmhouse Ales belgas

por Marcelo Costa

Abrindo uma série de autênticas Farmhouse Ales belgas com duas Saison Dupont, de Tourpes, a cerca de uma hora de Bruxelas (mais perto ainda da fronteira com a França). A primeira é a Cuvée Dry Hopping, versão Single Hop anual que em 2014 recebeu o lúpulo britânico Challenger, cultivado na própria fazenda Dupont. De coloração amarela bastante turva com creme branco de excelente formação e longa retenção, a Saison Dupont Cuvée Dry Hopping 2014 exibe um aroma deliciosamente cítrico (laranja, lichia, abacaxi e limão) e herbal (grama cortada) com leve presença floral (fazenda, campo), charme de especiarias e acidez delicada. Na boca, a textura é picante. O primeiro toque sugere um pouco mais de aridez do que o aroma antecipa com herbal e cítrico seguidos de acidez e especiarias (viva a levedura!), que trazem algo que remete a maçã verde e capim limão. O amargor é marcante abrindo as portas para uma Saison de respeito, cítrica, herbal e arisca, como tem que ser. O final é deliciosamente amarguinho e herbal. No retrogosto, especiarias, cítrico, herbal e sorrisos. <3

Minha sétima Saison Dupont (outras cinco estão aqui) começou a ser produzida em 1970 como presente de ano-novo para os melhores clientes da cervejaria – “Avec les bons vouex de la brasserie Dupont” significa “Com os melhores votos da cervejaria Dupont” – e logo a fama fez com que a casa passasse a produzir lotes pequenos anuais para atender aos fãs. De coloração amarela bastante turva com creme branco de excelente formação e longa retenção, a Avec Les Bons Vouex de La Brasserie Dupont, versão 2014, exibe um aroma com a levedura Bretta em destaque sugerindo rusticidade e acidez seguida de notas cítricas e florais incríveis além de trigo (pão de forma). Na boca, textura é picante com leve percepção de álcool (9.5%). O primeiro toque traz acidez, cítrico, couro, trigo e tudo mais elevando a experiência nos segundos seguintes, ariscos, mas também refrescantes. O álcool é imperceptível na taça, mas cuidado ao levantar da cadeira, pois ele está ali na taça, belamente escondido, uma arte que finaliza seco e cítrico enquanto o retrogosto oferecendo campo, fazenda e muita alegria. Incrível.

Da cidade de Blaugies (a meia hora de Tourpes e mais perto ainda da fronteira da França), na Valônia belga também quase na fronteira com a França, com minha quarta cerveja da Blaugies, a D’epeautre, que é produzida com cevada mais a tradicional linhagem de trigo antiga chamada espelta. Na descrição da cervejaria, a Blaugies D’epeautre é uma cerveja “mal-humorada, um pop ultrajante”. De coloração amarela bastante turva com creme branco de excelente formação e longa retenção, a Saison D’epeautre exibe um aroma com o trigo espelta à frente oferecendo cereais com leve presença cítrica enquanto a levedura varre tudo por baixo com acidez, especiarias e rebeldia campestre. Na boca, textura levemente picante. No primeiro toque juntam-se a leveza cítrica com o trigo espelta e a tradicional acidez que, conforme a carruagem anda, se sobressai potencializando o amargor, que é leve e rápido abrindo as portas para um conjunto agradável e menos ultrajante do que a casa imagina. O final é seco enquanto o retrogosto oferece cereais, um pouco de acidez e refrescância.

Subindo um pouco no mapa da região da Valônia encontramos Soy, pequena vila que integra a cidade de Érezée (com 3.200 habitantes), a cerca de uma hora e meia de Blaugies e Tourpes (e mais uma vez próxima da fronteira com a França). É nessa pequena vila que é produzida as cervejas tortas da Brasserie Fantôme, que surge aqui com a famosa Magic Ghost, Saison que recebe adição chá verde (e espinafre, especulam alguns) e, por isso, é uma cerveja… verde (sem corante artificial!). O creme tem ótima formação e longa permanência. No nariz, uma oferta agradável de cítrico, herbal e rebeldia ácida e condimentada derivada da levedura além de suave terroso. O chá marca presença com delicadeza, mas nem presença dos 8% de álcool. Na boca, a textura é levemente frisante, mas também cremosa. O primeiro toque traz muito mais chá (e espinafre!) do que no aroma seguido de amargor condimentado e herbal. Dai pra frente, uma cerveja exótica e arisca (menos campestre, mais floresta) como grande parte das boas Farmhouse Ales. O final é seco e herbal. No retrogosto, acidez suave, herbal e amor. <3

Fechando a série com a Fantôme Chocolat, uma Farmhouse Ale inusitada que recebe cacau em pó e pimenta na receita. De coloração âmbar caramelada com creme de baixíssima formação e rápida dispersão, a Fantôme Chocolat exibe em primeiro plano uma série de notas rústicas que soam tradicionais ao estilo e à cervejaria: couro, curral, leve avinagrado, casca de uva, discreto chocolate e, assim que aquece na taça, maçã verde, limão, especiarias (erva cidreira) e herbal suave além de distante picante. Na boca, a textura suavemente frisante e picante. O primeiro toque deixa a dúvida: é uma Gueuze ou é uma Saison? O ataque é suave, mas rebelde, com leve azedume, acidez comportada, mas presente, e uma vasta oferta de especiarias e notas, que vão se intercalando até o final, suavemente arisco e, acredite, com mais presença de chocolate e pimenta do que todo o conjunto. No retrogosto, azedume e acidez suaves com leve rastro de pimenta e cereja.

Balanço
Abrindo uma série deliciosa de cervejas ariscas com a Saison Dupont Cuvée Dry Hopping 2014, uma bela Farmhouse Ale com tudo o que o estilo tem de direito. Mesmo sendo uma versão de dois anos atrás, o lúpulo ainda mantém características marcantes no conjunto, o que só referenda ainda mais a versão anual: se a de 2014 ainda está “inteira” em 2016, imagina a versão fresca, do ano. Quero. A Avec Les Bons Vouex de La Brasserie Dupont vai ainda além e consegue equilibrar um conjunto impecável com uma potência alcoólica que impressiona, assumindo a ponta das sete cervejas da casa que já experimentei. Absolutamente incrível. Já a Saison D’epeautre, minha quarta cerveja da Blaugies, é boa, mas não mantém o pique das três anteriores (nem das duas acima). Ainda assim é bem bom o uso do trigo espelta na receita. Fechando a série com a Fantôme Chocolat, que eu esperava mais rebeldia e ataque, e se portou bastante calma, mais como uma Gueuze amaciada do que uma Saison apimentada. O cacau e a pimenta aparecem de forma bem discreta. Interessante, mas discreta.

Saison Dupont Cuvée Dry Hopping 2014
– Estilo: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 6,5%
– Nota: 3,78/5

Avec Les Bons Vouex de La Brasserie Dupont 2014
– Estilo: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 9,5%
– Nota: 3,91/5

Blaugies D’epeautre
– Estilo: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,48/5

Fantôme Magic Ghost
– Estilo: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 3,61/5

Fantôme Chocolat
– Estilo: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 3,49/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *