Faro: Panoramas de JULHO 21 na Música e Cultura Ibero-americana

Argentina | Brasil | Chile | ColômbiaCubaEspanha | México | Peru | Uruguai

Dez sites de nove países unidos pelo ideal de compartilhar cultura e, com ela, ideias, sonhos, desejos, revoluções.

ARGENTINA
por Juampa Barbero / do site Indie Hoy

Durante o mês de julho surgiram várias estreias que não podemos deixar de destacar. Lançamentos musicais dos mais variados entre si, mas com uma energia vital que os une. Com tudo isso para comemorar, a esperança de que em breve tudo volte ao normal é mais vigente do que nunca. O avanço do processo de vacinação permitiu a progressão de eventos culturais na Cidade de Buenos Aires e em todo o país. As restrições foram atenuadas e foi alterada a capacidade de teatros, cinemas e centros culturais, que agora podem funcionar com uma capacidade máxima de 50%, cumprindo os protocolos sanitários. Razão mais do que suficiente para sentir que estamos na reta final de um longo e obscuro caminho, por isso temos que comemorar, sem deixar de cuidar uns dos outros.

MI AMIGO INVENCIBLE – “EN VIVO VOL. 1”: Mi Amigo Invencible publicou a primeira parte, em formato EP, do streaming show que aconteceu no ND / Teatro de Buenos Aires em novembro de 2020. O volume 1, do que será uma trilogia, é composto por quatro peças que evidenciam o calor do grupo ao vivo: um instrumental chamado “Nuestro Mundo”, “Jardín Secreto”, “Suavemente Entusiasmado” com Anyi e “Algo No Ha Terminado”. Ouça aqui.

PYRAMIDES – “ATLÁNTIDA”: Pyramides abriu o baú de memórias para tirar o pó de “Atlántida”, peça composta em 2015 que fará parte do sucessor de “Vacíos y Variables” (2017) juntamente com os singles anteriores “Frágil” e “Propaganda”. Com o lançamento editado pelo selo Casa del Puente Discos, o grupo pós-punk anunciou uma mudança em sua formação, enquanto aquece os motores para o que viria.

TRUENO – “SOLO POR VOS”: Depois de lançar “Panamá” com Duki, Trueno compartilhou a segunda prévia do tão esperado sucessor de “Atrevido” (2020). “Solo Por Vos” é uma faixa frenética na tonalidade boom bap de amor e é acompanhada por um vídeo chocante gravado na Terra do Fogo. O audiovisual ficou a cargo de Lucas Vignale e El Dorado, a dupla por trás da realização de todos os clipes do álbum de estreia do rapper de La Boca.

NATHY PELUSO – “MAFIOSA”: Nathy Peluso compartilhou “Mafiosa”, uma canção incendiária que valoriza o empoderamento feminino com a atitude desafiadora que a caracteriza. O novo single da cantora argentina radicada na Espanha combina elementos da salsa e do bolero com uma facilidade fascinante que faz vibrar os alicerces do patriarcado.

COGHLAN FEAT. JUAN WAUTERS – “JOVEN GUARDA”: Coghlan e Juan Wauters se uniram em “Joven Guarda”, uma nova prévia do que será o segundo álbum do cantor e compositor argentino, “Bossa Buenos Aires”. A colaboração entre os rioplatenses irradia uma sobrecarga de energia jovial com toques de candombe e pinceladas psicodélicas. O single foi acompanhado por um vídeo colorido e bem-humorado dirigido por Salvador Cresta.

PALO PANDOLFO – 1964/1921: Entre tantas boas notícias, lamentamos a morte de Palo Pandolfo, uma das grandes figuras do rock argentino das últimas décadas, aos 56 anos. O líder da lendária banda Don Cornelio y la Zona e Los Visitors deixou um amplo legado musical com canções e discos que confirmam sua constante exploração. Agora eles cairão na memória da sociedade para se tornarem eternos em nossos corações. Sua última música, “Tu Amor”, em colaboração com Santiago Motorizado, saiu este mês.

MARIANA MICHI – “IR AL CIELO”: O novo single de Mariana Michi é a segunda amostra de seu próximo álbum – a anterior foi “New Age”. “Ir Al Cielo” aborda um equilíbrio atmosférico entre sintetizadores, baterias e samples, enquanto a compositora expressa suas emoções mais profundas com uma fragilidade efusiva que comove até a medula.

OKUPAS NO NETFLIX: A reestreia de Okupas, a minissérie que foi um furor em 2000, reacendeu tanto adrenalina quanto nostalgia. Como parte da comemoração do Dia dos Amigos, a Netflix colocou em seu catálogo os 11 capítulos remasterizados da obra dirigida por Bruno Stagnaro (“Pizza, Birra, Faso”). E por motivos de direitos autorais, a trilha sonora ficou a cargo de Santiago Motorizado.

BIZZARAP, DUKI Y NICKY NICOLE – “YA ME FUI”: Bizarrap e Duki sacudiram as redes com a promessa de que se a Argentina vencesse a Copa América fariam uma nova “sesión del productor estrella”. Messi finalmente ganhou a glória e os artistas dobraram a aposta: não só confirmaram o que prometeram, mas também surpreenderam com uma faixa que todos festejaram com a mesma intensidade do gol contra o Brasil: “Ya Me Fui” com Nicki Nicole .

PREMIOS GARDEL 2021: Numa cerimónia virtual, foram entregues os Premios Gardel 2021, reconhecendo os destaques da música argentina. Entre os artistas mais premiados estão Fito Páez e Nathy Peluso, ambos com quatro prêmios. Outras figuras que fizeram história com suas últimas gravações foram Bandalos Chinos e Barbi Recanati. Por sua vez, Cazzu e Lali ganharam o prêmio de “Melhor Canção” e, na parte mais emocionante da noite, foram homenageados Luis Alberto Spinetta e o recém-falecido Willy Crook.



BRASIL
por Marcelo Costa / do site Scream & Yell

O Brasil pegou fogo em julho. De um lado, a estatua de um colonizador cruel, Borba Gato, que só matava os pais indígenas após ter estuprado as filhas, foi incendiada por manifestantes em São Paulo. Em resposta, um mural em homenagem a socióloga e deputada Marielle Franco, assinada por milicianos no Rio de Janeiro em 2018, foi vandalizado com citações de grupos neonazistas – no mesmo mês em que foi encontrada uma antiga carta de Bolsonaro num site neonazista e que o presidente se reuniu com uma deputada alemã neta de um ministro de Hitler. Nos últimos dias de julho, completamente abandonada pelo governo, um galpão da Cinemateca Brasileira (com 2 mil cópias de filmes e 4 toneladas de documentos históricos) pegou fogo. A mensagem é clara: destruir a história da cultura brasileira é um projeto escancarado do governo Bolsonaro.

As coisas andam bem estranhas por aqui.

Enquanto isso, apenas 20% dos brasileiros estão completamente imunizados contra a Covid-19 (cerca de 40 milhões do total de 220 milhões da população). O vírus segue ceifando vidas, mas os números vêm caindo numa média de 1000 óbitos diários. Bolsonaro passa mais tempo fazendo campanha para se reeleger em 2022 (se fosse hoje, perderia com ampla margem de vantagem para o ex-presidente Lula – e, por isso, utiliza a mesma estratégia de Trump, buscando tumultuar desde já o pleito) e muitos governadores começam a relaxar as regras de segurança contra a transmissão do vírus. O setor cultural está fervendo de lançamentos, mas apresentações ao vivo seguem vetadas. Abaixo, alguns destaques da cultura brasileira em julho.

MARIA BETHÂNIA – “NOTURNO”: Uma das vozes mais importantes da música brasileira, Maria Bethânia está de volta com “Noturno”, um belíssimo disco gravado sob direção musical do maestro Letieres Leite e com músicas de Adriana Calcanhoto, Tim Bernardes e pelo sobrinho Zeca Veloso (filho de Caetano), que busca investigar o contraste entre a claridade e a escuridão.

RODRIGO AMARANTE – “DRAMA”: Oito anos após seu primeiro disco solo, “Cavalo”, Rodrigo Amarante (Los Hermanos) apresenta “Drama”, segundo episódio de uma discografia que necessita do ouvinte um mergulho no universo bastante pessoal do compositor, quase como se precisássemos de uma lupa para enxergar as delicadezas presentes aqui, num disco que necessita de silêncio e contemplação.

TUYO – “CHEGAMOS SOZINHOS EM CASA – VOL. 2”: Em maio, a Tuyo lançou “Chegamos Sozinhos em Casa – Vol. 1”, com 8 faixas (o trio conversou com o Scream & Yell na época). Em julho, com mais 9 canções, o trio apresentou “Chegamos Sozinhos em Casa – Vol. 2”, um disco elegante que traz nomes como Lenine, Drik Barbosa, RDD, Jonathan Ferr e Shuna, e mostra o trio ainda investindo no trip hop, no R&B e no dream pop.

DARIO JULIO & OS FRANCISCANOS – “SUÍTE BIPOLAR EM DÓ MAIOR”: “Fé, desencanto, resistência, tragédia, resiliência, é um morde-e-assopra que dialoga com a realidade brasileira em tom de esperança”, explicou Dary Esteves Jr. no Scream & Yell sobre a inspiração de “Suíte Bipolar em Dó Maior“, novo EP de seu projeto Dario Julio & Os Franciscanos, pop rock classudo com “referências claras a Smiths, Housemartins e R.E.M.”.

TRIPLX – “SALVE FAMÍLIA”: Após participação marcante no Big Brother Brasil 2021, Lucas Koka Penteado ressurge como vocalista da TRIPLX, grupo que nasceu em meio às manifestações de estudantes em São Paulo, 2015, e que reúne nomes tarimbados do cenário roqueiro do Brasil apostando no funk metal em “Salve Família”, poderoso disco de estreia. O baixista Rod Krieger conversou com o Scream & Yell.

LIÈGE – “ECDISE”: A ancestralidade é um fio condutor para que a cantora e compositora Liège se coloque de forma inteira em suas canções: amor, cuidado, autoconhecimento e liberdade são temas que formam “ECDISE” (2021), disco de estreia interessantemente pop “incluindo um pouco de r&b, um lance de world music”, segundo a artista, que comentou cada uma das canções no Scream & Yell.

MÁRCIO GRINGS – “QUANDO O SOM BATE NO PEITO”: “Sou obcecado pelo registro documental, luto para que as memórias não se apaguem”, afirmou o jornalista Márcio Grings em entrevista no Scream & Yell sobre seu novo livro, “Quando o Som Bate no Peito“, coletânea imperdível com 34 resenhas e mais de 140 imagens de shows internacionais (Dylan, McCartney, The Who, Roger Waters…) vivenciados nos últimos 23 anos!

+ SINGLES
Tatá Aeroplano regravou a maravilhosa “Cama”, de sua ex-banda Cérebros Eletrônicos; Inspirados pelo filme “Bacurau”, Macaco Bong retorna com o single “Hacker de Sol“; Jorge Du Peixe (Nação Zumbi) mostra “Rei Bantu”, primeiro single de seu novo projeto que homenageia Luiz Gonzaga; Valcian Calixto investiu no brega funk em “Desmistificando Pombagira”.

+ DISCOS
Um dos músicos mais interessantes da cena brasileira atual, Kiko Dinucci (Metá Metá) lançou “VHS”; o mítico Ney Matogrosso gravou o EP “Nú Com a Minha Música”; a rapper Linn Da Quebrada apresentou o aguardadíssimo “Trava Línguas”; feminilidade, maternidade, família, misticismo e amor se misturam em canções pop no segundo disco de mãeana.

+ CLIPES
A roqueira Pitty resgatou de seus arquivos a inédita “Tempo de Brincar” (acima); o psicodélico Tagore ressurge com “Capricorniana”; o empolgante duo Lovnis regrava Kinks em “Tudo Isso Eu Já Sei” (com a benção de Ray Davies); de seu experimental segundo álbum, Botika mostra o clipe da faixa título, “Carnívora”, que traz Alice Caymmi (abaixo).



CHILE
pela Equipe do site POTQ Magazine

Entramos no inverno aqui no sul do continente, mas estamos um pouco assustados, porque não está frio! Entre o sol forte, o ar quente e a reabertura de bares, cinemas e teatros, devido à queda no número de infecções por Covid-19, pouco sabemos sobre o que o futuro reserva. Claro, já existem algumas datas de shows ao vivo nos próximos dias. Uma luz de esperança? Pode ser. O certo é que continuamos nos apegando às canções para enfrentar a incerteza.

GIANLUCA – “SIGO AQUÍ”: Uma das vozes mais reconhecidas do trap chileno atual retorna à independência: Gianluca. Após uma passagem relevante pelo selo Quemasucabeza, gravadora com a qual lançou seu debute, “Yin Yang”, o músico retorna às suas raízes na prática e no som. Depois de experimentar o pop e o indie, o músico nos apresenta “Sigo Aquí”, um funky melancólico em que nos conta como sua vida mudou nos últimos meses; tudo sob uma track que lembra suas primeiras incursões, acrescentando um evidente crescimento na construção de suas letras.

DENISE ROSENTHAL – “ME ENAMORÉ DE MÍ”: Extraído de seu último álbum lançado há algumas semanas, “Todas Seremos Reinas”, Denise Rosenthal encerrou julho com o videoclipe de um dos principais singles do disco: ‘Me Enamoré de Mí’. Com a participação de diversos influenciadores locais, a artista antecipa a primavera com um vídeo colorido em que sua atuação mais uma vez rouba a cena. Uma história sobre a relação com as redes sociais, trolls e amor próprio em um vídeo dirigido por Javiera Eyzaguirre com a produção do Estúdio FE.

PODER FANTASMA – “KIN”: Em 2020, Poder Fantasma – um grupo formado por Katherine Caballero e Francisco Heredia – lançou seu segundo álbum, um dos destaques desta parte do mundo: “Canciones para el siglo xxi”. Um remix de Fonosida para a música “Nada Es Real” já havia sido retirado do álbum, e alguns dias atrás eles repetiram a experiência junto a mitimitis para dar uma nova vida synthpop a “Kin”, a peça encarregada de nos contar a relação que a humanidade tem com o sol e como as mudanças climáticas deixaram de ser uma emergência para poucos. Além desta nova versão, o lançamento trouxe um vídeo da faixa original, gravado no hi8.

NATISÚ – “AMORES”: As últimas notícias sobre Natisú destacam o fato dela ser a primeira mulher a ganhar o Prêmio Pulsar de “Melhor Produtora Musical” (neste ano), mas depois desse reconhecimento é preciso falar também de seu trabalho artístico. Se no ano passado a cantora apresentou “Hay un Fuego”, primeiro single do seu novo álbum, agora ela nos traz “Amores”, uma faixa que demonstra seu poder de compositora e que nos deixa com vontade de ouvir o álbum brevemente. Advertância: canção de amor com uma letra altamente poderosa.

ENTRÓPICA – “MONARCA”: Como uma prévia para seu próximo álbum, “Sigma”, Entrópica começou a falar sobre os monarcas de nossa sociedade que supostamente já haviam deixado a monarquia de lado. Com base no rap alternativo, “Monarca” mostra uma crítica direta a personagens com poder, especificamente pessoas más com poder. O melhor exemplo disso é a parte final da canção, onde há uma amostra de uma entrevista com Manuel Contreras (chefe da polícia secreta de Pinochet), onde ele fala sobre detidos e desaparecidos. O amálgama perfeito entre o poder e a maldade.

ROSARIO ALFONSO – “NEGACIÓN”: Quem acompanha Rosario Alfonso há algum tempo já deve ter ouvido a música “Negación” em algum de seus shows. Chegou a hora da apresentação oficial da música como single. O título já deixa bem claro do que se trata o assunto, mas o melhor é o crescimento que a história que Alfonso conta vai tomando, que embora cante para nós desde o início que “não pode aceitar”, outras vozes somam-se no caminho terminando com um de seus clássicos refrões simples, mas bonitos: “como o amor dói quando não funciona para nós, e quando não acontece é pior”. Venha cantar também.

GLO HERRERA – “PÁ’ TI NUNCA MÁS”: Um tema inconfundivelmente triste sobre o fim de um relacionamento (um assunto que se repete muito nestes tempos de pandemia 💔) que, desta vez, é um meio para o electropop mais depurado e o R&B mais chill possível. E a combinação desses elementos dá uma música especial, uma joia na produção e também na letra. A jornada de Glo Herrera apenas começou e estamos ansiosos para ver mais. Ouça aqui.

JARDIN MOJADO – “ETERNO”: Com uma proposta que busca uma sonoridade próxima ao pop neo-psicodélico do renomado Tame Impala, a banda Jardin Mojado, de Viña del Mar, apresenta “Eterno”, um single que vai direto ao osso com seus sons dançantes, um baixo feito para a pista de dança e um labirinto de teclado e guitarras processadas. Precisa levantar seu ânimo? Experimente o Jardin Mojado.

CONCON FEAT MOVEDIZA – “EFÍMERO”: Concon é produtor e multi-instrumentista, mas mais importante do que tudo isso: é um excelente músico, que já há algum tempo explora os sons mais incidentais e ambientes. E agora, a caminho de seu primeiro álbum, que se chamará “Estado”, ele apresenta “Efímero”. uma linda música que traz as vozes e guitarras da dupla MOVEDIZA e alguns arranjos de violino muito interessantes do Monoplancton. Não tem desperdício.

M4NU, TODOS ME CAEN BIEN Y CHARLIE GUNS: “USHOULDKNOW”: Poderíamos dizer que “Ushouldknow” é uma canção que vem a ser um grande sucesso para os projetos independentes de Antofagasta, uma cidade no norte do Chile. A ideia da música nasceu de m4nu, que contatou o pessoal de Todos Me Caen Bien e Charlie Guns para criar esse single dançante e com muito cheiro de festa. O resultado deve ser uma das melhores músicas de julho, e esperamos que também sirva de porta de entrada para drogas pesadas, como a música solo de m4nu, Charlie Guns ou a de Todos Me Caen Bien, que também podem ser encontrados no Spotify.



COLÔMBIA
por Fabián Páez López do site Shock.co

No final de julho, com a vacinação avançando na maioria das regiões, foi anunciada a reabertura do setor de música ao vivo nos mais importantes palcos colombianos. Finalmente temos uma agenda de shows em palcos grandes e pequenos, bem como um eventual festival programado para ser anunciado no próximo mês. Tudo, é claro, com algumas limitações de capacidade

Em 30 de julho, por exemplo, a Movistar Arena, a sala de concertos mais importante de Bogotá, reabriu com El Rito, uma homenagem ao Soda Stereo. Para a primeira semana de agosto, eles também montaram uma lista de artistas em três datas: La 33, Ali AKA Mind, La Etnnia, Systema Solar e Puerto Candelaria y Salsa n ‘Groove voltarão a tocar novamente para o público em Bogotá . E no dia 8 de agosto, em um palco com capacidade para 600 pessoas, a Shock apresenta o DJ e produtor Julio Victoria no Teatro Mayor em uma apresentação luxuosa com banda e a orquestra Nueva Filarmonía.

Os lançamentos locais seguem sendo sucessos. Aqui estão nossas recomendações para julho.

ALCOLIRYKOZ – “ARANJUEZ”: Gambeta, Kaztro e Fazeta, as três figuras por trás do grupo de rap Alcolirykoz, mantiveram este álbum guardado desde 2020: “Aranjuez”, uma placa que leva o nome da comuna de Medellín onde nasceram, cresceram e onde ainda vivem. É o seu sétimo álbum e uma obra de rap colombianíssimo com um olhar cru e muito social: os samplers, as letras e o flow corroboram isso. 11 cortes dos quais, a maioria, já foram lançados, mas trazem mais surpresas, como a colaboração com o espanhol Tote King.

KASBEEL – “YO SOY DIOS”: Verónica Riascos, natural de Buenaventura, região portuária do Vale do Cauca, é Kasbeel. Uma das vozes emergentes mais enérgicas, promissoras e originais da música local. Essa jovem estudante de graduação em Arte Dramática que se deu a conhecer dando sua opinião e denunciando abusos nas redes sociais ecoou na internet em 2020 com o single “Don José”, e agora apresenta ao mundo sua quarta música, “Yo Soy Dios”, com um projeto audiovisual animado, a se reafirmar e com muitos ritmos afros condensados em uma estrutura pouco convencional.

MNKYBSNSS – “PIXELATED”: MNKYBSNSS é, sem dúvida, a dupla mais descolada da música eletrônica colombiana. Os barranquilleros estão lançando seu segundo álbum de estúdio aos poucos. Primeiro eles mostraram “Haze” e agora vem “Pixelated”, uma música composta pelos próprios Monkey, Kike Vélez e Mono Urina, em seu estúdio em Bogotá e produzida por Filip Nikolic aka Turbotito (produtor de artistas como Poolside, Pabllo Vittar, GZA de Wu-Tang Clan e Azealia Banks). Há muitas cores de festa neste single.

BOMBA ESTÉREO – “CONEXIÓN TOTAL (TIERRA, EP)”: Bomba Estéreo irá lançar um novo álbum este ano, que será dividido em quatro EPs de três canções cada. Primeiro foi a “Agua”, depois “Aire” e, agora, com o lançamento do single “Conexión Total”, eles apresentam o terceiro, “Tierra”. “Conexión Total” é uma colaboração com o artista nigeriano de afropop Yemi Alade, uma música dançante para se desconectar da internet e se livrar do narcisismo.

LOSPETITFELLAS – “LA CAUSA”: Depois da Greve Nacional de 2021, que trouxe pelo menos metade do país às ruas para protestar, a banda LosPetitFellas, de Bogotá, lançou “La Causa”. É uma música que é mais um projeto audiovisual e político gravado no Monumento a Los Héroes, um dos pontos de concentração durante as manifestações. “Estamos prontos, e estamos prontos para La Causa”, anuncia Los Petit, que também participou das manifestações nos últimos meses.

JUNIOR JEIN – “LA RECOMPENSA”: No dia em que Junior Jein foi assassinado na cidade de Cali, no final de junho, ele vestia um traje de mariachi. Ele estava prestes a entrar em uma discoteca onde lançaria seu último single. Embora a música de Junior sempre tenha sido mais próxima do rap, do dancehall, da salsa, do folclore do Pacífico e do reggaeton, naquele dia ele planejou cantar um trap pela primeira vez. A música foi lançada por sua equipe, conforme planejado em vida, no dia de seu aniversário: 3 de julho. Em “La Recompensa”, Junior reflete sobre a vida, as falsas amizades e as bênçãos que recebem as pessoas que se dão bem. Ouça aqui.

LAS YUMBEÑAS – “MI ÁNGEL”: O punk rosado do trio Las Yumbeñas, que tanto nos emocionou com “Yumbotopía” (2019), manifestou-se novamente com a primeira prévia do seu próximo EP, “Amigas para Siempre”. A música se chama “Mi Ángel” e, antes que você venha ouvi-la aqui, avisamos que a letra é curta, triste e melancólica. Se você não sabe quem são os Yumbeñas, aqui eles se apresentam:

LALO EBRATT Y BAD GYAL – “ESTA NOCHE”: Para encerrar homenageando esta Aliança de mídia ibero-americana, recomendamos este cruzamento de fluxos transoceânicos entre o cantor da cidade de Santa Marta Lalo Ebratt (nascido no coletivo Trapical Minds) e a espanhola Bad Gyal. “Esta Noche” é uma canção alegre e psicodélica de afrobeat, dançante e divertido, que tem por trás uma briga entre Lalo Ebratt e a gravadora que o representava. Lalo Ebratt diz que é uma vítima da indústria, mas finalmente conseguiu colocar um ponto final no assunto.



CUBA
pela Equipe do site Magazine AM:PM

O que se viveu a nível social em Cuba neste mês de julho desde os acontecimentos do dia 11 foi sem precedentes. Nas ruas, a população gerou uma onda de protestos em face do desacordo com a realidade socioeconômica e política. Esta situação, aliada à grave crise de saúde no país, desencadeou o medo e, com ele, dois sentimentos crescem: o da polarização do pensamento e a incerteza sobre o futuro de quem aqui vive. A arte não deu as costas a esses eventos. Muitos artistas cubanos se uniram na rejeição da violência, defendendo o diálogo e o entendimento entre o governo e o povo.

Depois dessa breve revisão político-social do nosso país, vamos passar às recomendações musicais do mês.

FITO DEL RIO Y LA GRANJA – “EN VIVO”: Depois de um longo tempo de espera, por parte de todos aqueles que acompanham Fito del Rio, finalmente vem à tona uma gravação de boa qualidade de sua música. Neste primeiro EP – gravado ao vivo na República Records, casa da nova geração de música alternativa da ilha –, Fito defende uma forma muito própria de fazer música contemporânea. Com sons da trova destes tempos e uma forte projeção de palco, o fonograma apresenta uma das figuras mais emblemáticas da nova geração de trovadores cubanos que vale a pena seguir no futuro. Ouça aqui e não perca a crítica em nosso site.

EL NIÑO Y LA VERDADE – “EL HIJO DEL VIENTO LIVE”: El Niño y La Verdad, um dos grupos mais conhecidos da timba contemporânea, festeja oito anos de sua fundação em 2021. Para celebrar este aniversário, a orquestra realizou um concerto online em que apresentou seu novo álbum “El Hijo del Viento Live”. O show aconteceu no Hotel Nacional de Cuba e se você curte música dançante cubana, com certeza irá aproveitar. Está disponível no YouTube e nas demais plataformas de streaming e conta com convidados como Horacio El Negro Hernández, Kimiko e Yordy, Adonis Panter e Osain del Monte.

ATLANTA – “FAKIR”: No âmbito da cena hip hop cubana, Rapzodia se juntou ao produtor Miguel Parapar para formar o projeto Atlanta e apresentar sua produção musical mais recente para nós. “Fakir” é o resultado da conjunção que se cria entre rap, R&B, jazz e trap, com os compassos contínuos de Leonard Acosta harmonizados pela voz de Daniela Pérez. Hoje, eles nos dizem, “somos heróis do silêncio salvando nosso espaço.” Sem dúvida, outra das propostas emergentes a seguir. Ouça a versão de estúdio aqui.

MARCOS MORALES QUINTET – “LA LUZ QUE ESCONDE LA SOMBRA”: O projeto de jazz contemporâneo Marcos Morales Quintet lançou seu fonograma “La Luz que Esconde la Sombra” (Mercurio Sessions) em todas as plataformas digitais. Ao ouvi-lo, sua mente viaja em uma aventura instrumental épica e inquieta entre mercadores e rainhas.

EDUARDO MARTÍN – “LABERINTO”: O conceituado violonista e compositor Eduardo Martín decidiu realizar um video para a peça “Laberinto”, pertencente à sua obra “Suite Habana”. Dupla de guitarras com sua filha Galy Martín, e sob a direção do diretor Joseph Ros, essa bela produção em preto e branco usa imagens evocativas para complementar a já misteriosa canção.

LA DAME BLANCHE – “VENENO”: O canal Colors convidou a flautista e cantora cubana La Dame Blanche para uma performance picante de seu novo single, “Veneno”, dentro de sua série de vídeos A COLORS SHOW. Você não pode perder o fluxo desta diva poderosa entre os riffs de sua flauta e evocações poderosas do mais profundo cubanismo.

DJ JIGÜE – “SOMBRAS”: O produtor e compositor DJ Jigüe aliou-se ao trompetista Julio Rigal e ao percussionista Iván Farías El Menor para lançar ao mundo esta mescla de trompete com música eletrônica. “Sombras” é uma daquelas músicas que você sente falta de ouvir em festas que parecem tão distantes.

DÚO JADE – “CAMINANDO”: O Dúo Jade lançou este mês, sob a direção de Armando Capó, o videoclipe que dá nome ao seu álbum de 2020, “Caminando” (Bis Music). O tema se aventura pela música tradicional cubana trazida pela voz de Yanaysa e, acompanhada pela guitarra de Maygred, que lhe dá aquele toque cubano único.

CONJUNTO CHAPPOTTÍN – “CHAPPOTTÍN IN MEMORIAM”: Durante o Festival Internacional Jazz Plaza 2020, o Conjunto Chappottín integrou-se a uma banda de jazz dirigida por Eduardo Sandoval para gravar uma homenagem audiovisual a Félix Chappottín, fundador de um dos mais prestigiosos e antigos grupos cubanos. O resultado é “Chappottin in Memoriam”, um mano a mano entre conjunto e banda de jazz lançado pelo selo Unicorn; um DVD / CD composto por dez canções entre clássicos e versões selecionadas.

PAVEL URKIZA Y DAYMÉ AROCENA – “TODO POR TI”: Apesar do pouco tempo decorrido, já são várias as reações artísticas dos músicos cubanos aos acontecimentos de 11 de julho em Cuba. O compositor Pavel Urkiza aliou-se à potente voz de Daymé Arocena para nos apresentar a canção “Todo Por Ti” e transmitir sua dor pelo ocorrido na ilha. Ambos cantam ao povo cubano entre belas harmonias vocais, em um videoclipe que mostra fragmentos das fortes manifestações e da repressão de 11 de julho.

O QUE VEM EM AGOSTO
Em agosto, as turnês da música cubana ao redor do mundo continuarão. O Jazz apresentará Rolando Luna, Rodney Barreto, Gastón Joya e Carlos Sarduy em festivais na França; enquanto o Cimafunk fará uma turnê pelos festivos palcos da Espanha, França e Estados Unidos durante o verão. Além disso, um dos álbuns mais esperados do ano parece finalmente chegar este mês. “Los Británicos”, de El Taiger, com lançamento marcado para o dia 22 e que esperamos nos faça dançar ao ritmo do reggaeton de que tanto necessitamos.



ESPANHA
pela editoria dos sites Mundo Sonoro e Zona de Obras

Parece incrível, mas em julho de 2020 antígenos, testes, incidência e muito mais daquelas palavras que já nos fartam ainda estão em uso diário. Sim, com a vacinação a situação melhorou e o número de mortos caiu significativamente. Mas, ao mesmo tempo, notamos que ainda estamos longe de pensar numa normalidade real, de alguns anos atrás. Enquanto isso, vivemos um verão atípico (outro) curtindo novas canções e propostas culturais que chegam em conta-gotas, algo normal para esta época do ano.

GINEBRAS – “LA CIUDAD HUELE A SUDOR”: Acontece a mesma coisa em todos os verões e cada vez mais canções postulam a façanha de ser o grande hit da temporada. Aquele som refrescante, divertido e um tanto simplista que nos alivia da onda de calor. O mundo pop alternativo também apresenta as suas candidaturas e, entre todas, ficamos com este vídeo bandido de um dos nossos grupos femininos preferidos, as madrilenhas Ginebras. Power-pop tradicional para todos os públicos.

CAROLINA DURANTE: “MORENO DE CONTRABANDO”: Seguimos no modo verão porque o segundo single do vindouro novo trabalho de Carolina Durante, também de Madrid, reflete exatamente isso: que verão e pandemia não se dão bem. “Moreno de Contrabando” é uma crítica nada velada às proibições associadas a estes tempos de Covid que, aliás, aproxima a banda de um som de guitarras muito mais noventista, ao mesmo tempo que nos deixa sorrindo na espera pelo segundo disco cheio do grupo.

VETUSTA MORLA – “FINISTERRE”: Sabemos que “Cable a Tierra”, o novo trabalho de Vetusta Morla, chegará no final do ano. Como uma pílula para combater a ansiedade da espera surge “Finisterre”, uma canção que conta uma história de amor inusitada e pouco complacente, envolvida em uma mistura mais do que interessante de folclore, rock e eletrônica. O single é acompanhado por um sugestivo clipe cinematográfico, com uma ideia original e dirigido pelo conceituado fotógrafo madrilenho Jerónimo Álvarez.

JÚLIO DE LA ROSA – “MEJOR QUE NO”: Passados quatro anos desde o seu último trabalho discográfico, o cantor e compositor jerezano Júlio de la Rosa regressa com “Mejor Que No”, uma canção raivosa e melancólica sobre a reciprocidade que é uma nova prova da sua extrema sensibilidade e que nos mostra seu lado mais contundente. Seu novo álbum dará forma a um projeto ambicioso: ele terá uma faixa única de quase 50 minutos onde as canções aparecem e desaparecem sob a mesma harmonia e passagens sonoras que o tornam uma obra de arte entre os formatos de trilha sonora e canções.

FUEL FANDAGO Y AMADOU & MARIAM – “NOISE”: Fuel Fandango é a dupla formada pela cantora Nita (Cristina Manjón) e o produtor Alejandro Acosta. Seu próximo álbum se chamará “Romances” e, até o momento, pudemos escutar três grandes singles que contaram com as colaborações de María José Llergo, Mala Rodríguez e, no mais recente, com Amadou & Mariam. “Noise” é, como os próprios Fuel Fandango afirmam, “um abraço entre Mali e Espanha”. A dupla conhece e admira os músicos cegos Amadou & Mariam há muito tempo e por isso decidiu realizar esta colaboração para mostrar que “a música não compreende linguagens nem fronteiras, mas sim emoção”.

ROJUU – “¿CUÁNTO TIEMPO NOS QUEDA?”: Em pouco mais de cinco anos, o jovem barcelonês Rojuu deixou de fazer canções em seu quarto para se tornar uma grande promessa do pop espanhol. Logo depois de atingir a maioridade e deixar para trás uma carreira marcante como youtuber, Rojuu apresenta “¿Cuánto tiempo nos queda?”, uma ótima música que tem um videoclipe do pessoal da agência Shoody e que significa sua estreia no prestigioso selo Sonido Muchacho.

SEN SENRA Y JULIETA VENEGAS – “DE TI”: Agora vamos com uma reunião transoceânica, das que mais gostamos. O galego Sen Senra, um dos nomes do momento na cena espanhola e que deu um grande salto com o mini-LP “Corazón Cromado”, e Julieta Venegas, de Tijuana, sempre atenta a novos sons e artistas, se encontram em “De Ti”, uma requintada canção pop que transpira melancolia e sensualidade. Milagres que acontecem quando desaparecem as distâncias que separam a Espanha da América Latina.

DOBLE PLETINA – “ESDRÚJULOS EPÍTETOS”: Uma das funções deste Panorama é tornar conhecidos grupos da cena mais indie que dificilmente ultrapassariam os limites estabelecidos pelo seu estilo. Um desses grupos, digamos pequenos, mas que fazem grandes coisas, são os catalães Doble Pletina. Agora fomos surpreendidos por serem os protagonistas de “Stop”, um filme musical dirigido por Stanley Sunday que pode ser visto através da plataforma Filmin. Além disso, você também pode curtir o clipe de “Esdrújulos Epítetos” o tema divertido, excêntrico e engenhoso que fecha o filme.

YES I M Y MIRLO – “UNDER THE BRIDGE”: Seguimos dando voz a esses projetos minoritários, mas extremamente interessantes. Como mostra a colaboração que Yes I M (Mario Gutiérrez Brun) fez com o guitarrista catalão Mirlo, membro de Ljubliana & The Seawolf, para fazer uma versão em espanhol de “Under the Bridge”, do Red Hot Chilli Peppers, e dar a este clássico um twist, levando-o para um terreno muito mais flamenco e dançante. O violão clássico de Mirlo e a produção e voz de Yes I M conseguem criar uma música completamente nova e mais próxima dos estilos de ambos: um “Red Hot Folkie Flamenco” que não dá para parar de ouvir.

LA MAR DE MÚSICAS: Focado na nova geração de artistas que se aproximam da tradição da vanguarda, o festival La Mar de Músicas celebrou em grande estilo sua 26ª edição, oferecendo um impecável “Especial Espanha”. Muitos dos nomes mais proeminentes da atualidade como Baiuca, Califato ¾, Los Planetas e Niño de Elche, Queralt Lahoz, Rocío Márquez, Kiko Veneno, Los Hermanos Cubero, Silvia Pérez Cruz, Verde Prato, Maria Arnal e Marcel Bagés, María José Llergo, Sen Senra ou Rigoberta Bandini, entre muitos outros, passaram pelos diferentes palcos do evento de Cartagena. Como de costume, La Mar de Músicas ofereceu qualidade e bom gosto para o deleite dos amantes da boa música.

O que vem em agosto
Apesar da fatídica e inesperada quinta onda da pandemia na Espanha, os programadores continuam determinados a poder desfrutar de boa música. Um exemplo claro são os ciclos que serão realizados em várias cidades durante este mês de agosto, aproveitando locais emblemáticos e com o público convenientemente sentado e separado. Em Barcelona devemos destacar o Nits del Fòrum com artistas nacionais, mas também internacionais como Nicola Cruz. Em Málaga, o Brisa Festival vai deixar a sua marca no final de agosto com grupos emblemáticos como Los Planetas e Sidonie. E em Almería, o Cooltural Fest fará o mesmo com, entre outros, Dorian e Viva Suécia. De fato, quase todas as cidades têm um ciclo semelhante, mas poucos apostam num festival com um programa tão peculiar e interessante como o do Eufònic Fest de Terres del Ebre. Uma iniciativa muito corajosa que esperamos possa ser realizada. Desejamos o mesmo ao Sonorama Ribera, que irá programar, em Aranda del Duero, durante os dias 12, 13 e 14, artistas tão variados como Amaral, Delaporte ou Cala Vento no que nos parece uma proposta tão interessante como é arriscada. Boa sorte!



MÉXICO
por Anali Rodriguez do site Indie Rocks!

Julho foi cheio de altos e baixos. A terceira onda de COVID-19 varreu a vida de milhares de pessoas e, embora o programa de vacinação continue, mais uma vez a angústia de sair às ruas e retomar as atividades começa a fazer-se sentir. Do lado político, Andrés Manuel López Obrador continua consultando os cidadãos sobre como deve administrar seu governo. A violência no México não para e o presidente continua em sua luta de “abraços, não balas”. Essa frase realmente erradica a violência? O que precisamos são ações, não palavras, senhor.

Por outro lado, o sétimo mês do ano também foi inconsistente com seu clima e seus lançamentos. Você sente a mudança de estação. O verão que vem com a ausência de gente; crianças que terminam os anos escolares e aquelas que, apesar da pandemia, decidem dar um passeio nas praias. Embora tenha sido um mês preguiçoso no que diz respeito ao conteúdo musical, chegaram lançamentos musicais bastante interessantes.

AZAIN – “CANCIÓN PARA ESTAR SIEMPRE JUNTOS”: Envolvida entre o misticismo e o soft ambient surge “Canción para estar siempre juntos”, a novidade da AZAIN que flui com a sua suavidade para aliviar a dor de ter perdido alguém. A mesma banda dedica esta melodia assim: “Olá, venho do futuro para te dizer que mesmo que essa pessoa não esteja mais fisicamente em sua vida, ela estará sempre com você e você com ele”.

PAHUA Y GIZMO VARILLAS – “LA CURA”: Se conhecer para crescer, curar e viver. Com seu projeto solo, Paulina Sotomayor continua demonstrando essa força interior por meio do folclore e de sons místicos que funcionam como uma espécie de antídoto. Desta vez, Pahua se junta ao cantor espanhol Gizmo Varillas para apresentar “La Cura”. Você sentirá seu corpo vibrar assim que ouvir esse single.

GEO EQUIHUA – “LA BARCA”: Navegue pelas memórias mais íntimas da cantora e compositora Geo Equihua com seu single “La Barca”; uma linda recordação para seu pilar, sua mãe. A construção dessas histórias se traduz em uma combinação de elementos orgânicos e eletrônicos. Pureza e sinceridade se transmitem em cada uma de suas linhas.

ANAN – “PASADO YA”: Incentivar e consolar a si mesmo pode parecer complicado, mas você é sua melhor fonte de motivação. De Aguascalientes, ANAN estreia com “Pasado YA”, uma mensagem harmoniosa e simples que te ajudará a seguir em frente. Ouça aqui.

AXEL CATALÁN – “TRUENO”: Axel Catalán vive uma nova etapa musical que definiu isoladamente durante a pandemia. Para sua nova música, o cantor de Michoacán funde folclore com sons eletrizantes produzidos por uma guitarra elétrica; o resultado é intitulado “Trueno” e sua versatilidade sonora consegue hipnotizar você em um segundo.

PERRITOS GENÉRICOS – “YA NO QUIERO PENSAR EN NADA”: Entre distorções, música eletrônica e arranjos experimentais nasce “Ya no Quiero Pensar en Nada”, a nova canção de uma proposta que gostamos muito: Perritos Genéricos, que, como o próprio nome indica, convida o ouvinte a desligar-se da sua realidade e curtir um pouco de coisas banais. Moises Mendez e Gabby Garcia Steib foram os encarregados de fazer o videoclipe que acompanha este alegre lançamento.

SILVANA ESTRADA – “MARCHITA”: A cantora de Veracruz aprendeu a curar a dor por meio da música folclórica. Em seu novo single, “Marchita”, Silvana Estrada expressa em versos poéticos e comoventes a paixão e a dor provocadas por uma ruptura amorosa. Sua performance vai tocar a alma e o sentimento vai contagiar você com a filmagem, que foi dirigida por Karla Read e Edwin Erazo.

PELÍCULAS GENIALES – “ALEGRIA”: Garage enérgico e divertido animará o seu dia com “Alegría”, o novo single do Películas Geniales que fará parte do seu álbum de estreia. A canção surge acompanhada de um videoclipe no qual Rufis é visto cantando a música ao lado de uma margarida. AJ Dávila o acompanha nesta edição.

DOROTHEO – “COMO ES”: O grupo de Guadalajara, Dorotheo, lançou seu segundo álbum de estúdio “Como Es” (2021); um projeto dedicado à experimentação sonora que figura entre o krautrock e o psych rock. A jornada que a banda permite nesta produção é mágica, e ainda por cima, fora deste mundo. A cosmovisão da banda e de seu produtor Hugo Quezada, transcende e se conecta em infinitas visões de mundo. Ouça o disco aqui.

POLICÍAS Y LADRONES – “NUBES”:Nubes”, um álbum que nasceu em meio à pandemia com o único objetivo de ajudar a enfrentar os dias de reclusão, acaba de chegar via Arts & Crafts Mexico. As 12 músicas do novo trabalho da Policías y Ladrones é um projeto inspirado na incerteza coletiva, que vai te estimular a se sentir melhor e muito mais relaxado. Muito shoegaze, rock e dreampop para desfrutar.

MENGERS – “SQUASH 73 (EN VIVO)”: Em “Golly” há muito barulho, um barulho com eloqüência que constrói muitos cenários mágicos. O último álbum dos Mengers chegou no meio da pandemia e devido a esta situação atual, a banda não conseguiu promovê-lo adequadamente, apresentando “Squash 73 (Em Vivo)”, um EP composto pelas cinco músicas mais emblemáticas do álbum. Aproveite e sinta os Mengers.

O que vem para agosto:
As perspectivas para agosto indicam que as pessoas continuarão voltando ao normal, apesar das condições atuais. No lado musical, muitos shows estão chegando este mês. Verifique nossa lista completa neste link.



PERU
pela equipe do site Rock Achorao

A reativação cultural no Peru é iminente. Nas últimas semanas temos assistido a várias iniciativas musicais e artísticas no país que nos dão alguma segurança e esperança. Cidades como Lima, Cusco, Arequipa ou Trujillo já vêm trabalhando lado a lado com o Estado em uma reativação formal e necessária, respeitando os protocolos e convidando os cidadãos a participarem.

Na política, finalmente e depois de mais de um mês de espera, Pedro Castillo foi reconhecido como o legítimo vencedor das últimas eleições presidenciais pelo Júri Eleitoral Nacional e em 28 de julho foi empossado em local histórico: La pampa de Quinua, nos Andes de Ayacucho, cenário testemunha de um confronto que selou para sempre a independência do Peru. É a primeira vez que um professor da área se torna presidente do Peru, sem dúvida um marco histórico no ano do Bicentenário do país.

A semana pátria significou um grande fluxo artístico e turístico em todo o país. Sentimos aqueles ares de nostalgia, compromisso e amor pelo país que esperamos seja o ponto de ruptura para refletir e construir uma nação mais inclusiva, justa, diversa e empática.

Claro, a música, como sempre, nunca deixou de soar alta e forte. Aqui está um resumo dos destaques de julho

SILVERIA – “VOLVER”: Uma dupla que não deves deixar de seguir. Os talentosos músicos Noelia Cabrera e Natalia Vajda resolveram se juntar e colocar tudo em Silveria, um projeto musical promissor que nos deixou em julho “Volver”, uma agradável peça de estreia. A música contém elementos de new wave, pós-punk e eletrônica pop de alto nível, graças à experiência de seus membros. Recomendado.

PLASTICAL PEOPLE x LORENA BLUME – “PASEO x EL UNIVERSO”: Em boa hora, a Plastical People concretizou sua primeira colaboração! E nada melhor do que com a talentosa Lorena Blume, uma das cantoras e compositoras peruanas mais ativas até agora em 2021. O resultado deste encontro é uma peça sonhadora em um código ‘retro-pop’ com uma mensagem de redenção e esperança. Uma música necessária para tempos incertos.

MUCHACHA PUNK – “DUDAS Y FALLAS”: O que leva uma banda a colocar-se como líder do “Pop ruidoso para almas inquietas”? A dupla peruana nos dá uma proposta enérgica em um single. Tendo sido composto em 2019 sem considerar a pandemia, “Dudas y Fallas” foi recentemente produzido para uma compilação do selo Trilce Discos. O single coloca a banda emergente no mapa a ser considerado na segunda metade do ano.

SEBASTIAN GEREDA – “LA SOMBRA DE MI BB”: Sem se desvincular da proposta peculiar ligada ao vaporwave e ao pop, Gereda se arrisca a vivenciar o gênero urbano com “La sombra de mi bb”, mantendo a base da música eletrônica e do synthwave. Além disso, o single já possui um videoclipe dirigido pelo youtuber peruano “Graça en Internet”, realizado em Puno, no Peru. Isso significará uma mudança de cenário para Sebastián?

CRÓNICA DE MENDIGOS – “YMA SUMAC”: O post ‘Post Folclor’ da Crónica de Mendigos voltou às suas origens e eles confirmaram que o seu lugar é a fusão andina com aquele espírito constante de quebrar regras e transformar a música com a sua própria essência. Yma Sumac é claramente uma homenagem à cantora peruana de maior reconhecimento mundial e que deixou o DNA da música peruana impregnado em todo o globo. Merecido.

YANNA x AR13$ x LUANDA – “QUEMA”: Yanna apareceu na cena ‘under’ no Peru como uma onda que muda tudo. As suas letras transgressivas que questionam e perturbam, a sua proposta musical muito cuidada e uma estética em que coexiste o tradicional e a aspereza da rua, fazem dela um dos projetos revelação de 2021. Em “Quema”, Yanna alia-se ao produtor AR13$ e Luanda para entregar uma combinação de celebração-trap imperdível.

DAN DAN DERO – “CÍCLOPE”: Ciclope é um tema de comemoração e reflexão composto a partir das massivas manifestações contra o governo golpista do ex-presidente Manuel Merino em novembro de 2020. O Terceiro Olho que vê além do comum, sendo esta a representação do despertar de uma nova geração, a geração do bicentenário. Senhores, isto é indie pop politizado.

MAURICIO MESONES – “VIAJE TROPICAL”: A variada proposta do músico peruano e ex-integrante do conhecido grupo de cumbia Bareto garante um trecho musical elegante e contundente onde reúne estilos sonoros típicos do Peru. O álbum representa muito o trabalho árduo e a perseverança de Mesones e companhia durante os tempos difíceis que o país vem passando. Como ele mencionou em uma entrevista: “Nós caímos, mas nos levantamos”. Ouça aqui.

FLAMENCO INFLABLE – “¡QUE CHILLE!”: Este é o verdadeiro New Cream da música peruana. Flamenco Inflable está se posicionando como uma das bandas revelação de 2021, a passo lento, mas seguro. Seu recente EP, “¡Que chille!”, pega várias nuances do indie pop com um frescor e uma inocência adolescente dirigida pelas grandes mentes de Lucho Quequezana, Daniel Ruiz-Gonzalez e Justin Moshkevich. Ouça aqui.

Entre outras novidades, duas interessantes novas plataformas musicais surgiram para contribuir com os processos de sistematização e rentabilização dos artistas nacionais:

Plugmusix, a primeira plataforma de interação musical, oferece aos artistas novas maneiras de tornar seu público lucrativo por meio de experiências, que podem ser colocadas à venda diretamente de seu perfil público, experiências como dedicatórias de videoclipes, streaming de concertos, concertos privados, M&G, aulas personalizadas e muito mais.

Musiclink, o primeiro marketplace para músicos peruanos. Permite pesquisar músicos de diversos gêneros, ouvir seu material, contratá-lo e pagá-lo com segurança, com apenas alguns cliques. Desta forma, centraliza os talentos peruanos e latino-americanos em um só lugar, e ainda permite que a experiência musical seja personalizada de acordo com as necessidades do usuário.

O que vem em agosto:
• A terceira edição do Corriente | Mercado Internacional por la Música. Mais de 100 especialistas e 500 participantes nacionais e internacionais do Peru, Chile, Espanha, México, entre outros países; Eles vão compartilhar mais de 20 atividades de networking, pitchs musicais, videosalas, master classes, entre outras atividades, gerando redes de contato para capacitar os agentes do setor musical. Confira toda a programação aqui.



URUGUAI
por Kristel Latecki do site PiiiLA

Julho trouxe um inverno rigoroso, e também um pouco de vida noturna: a trégua que a pandemia está nos dando graças às extensas vacinações fez com que os shows voltassem aos palcos e os bares fechassem um pouco mais tarde. Ainda que com os devidos cuidados devido às diferentes variantes que nos afligem, a sociedade recuperou um pouco da necessária atividade e socialização. No entanto, a situação política está longe de acompanhar: aumentos das taxas, “poupanças” públicas à custa de cortes, desinformação e setores anti-vacinas no Parlamento. Há muita discordância e isso está se refletindo nas músicas.

LUIS ANGELERO – “LEJOS”: Depois de lançar quatro singles promissores, o álbum de estreia do músico e produtor Luis Angelero finalmente viu a luz este mês. Suas nove composições mais compactas acabaram dando forma a um trabalho que revela com orgulho sua personalidade musical: uma combinação particular entre a música de raiz (revelada em seu jeito quase nostálgico de tocar violão) e o que há de mais moderno na música eletrônica e urbana. “Lejos” é um álbum musicalmente atraente e envolvente, que exibe o mundo interior do músico com letras que muitas vezes seguem a linha de pensamento para destinos mais sombrios ou inesperados. Mas sempre no trilho pop. Assista ao clipe de “Preguntas”.

JORGE DREXLER – “LA GUERRILLA DE LA CONCORDIA”: Se você adicionar um coro gospel a uma música feliz, é quase impossível que ela não soe incrivelmente exultante. E em “La Guerrilla de la Concordia”, de Jorge Drexler, é exatamente isso o que acontece. Nesta nova e contagiante canção, o músico surge acompanhado pelo Coro Gospel Factory cantando sobre o amor, ou mais especificamente, para celebrar o amor em vez do ódio. O vídeo, direto e simples, também evoca a necessidade de comunhão, de compartilhar um espaço e uma voz após meses de confinamento.

PAPINA DE PALMA Y INÉS ERRANDONEA – “EL BÁLSAMO”: Em clima semelhante, Papina de Palma e Inés Errandonea celebram a amizade e o vínculo especial de ambas em “El Bálsamo”. Nesta bela canção acústica, a amizade é o aloe vera, a brisa fresca de que você precisava, o paraquedas que o salva na hora certa. O vídeo que acompanha reflete tudo isso com humor e intimidade.

MARTES – “RODRA”: Com “Martes”, o cantor e compositor Rodra oferece a primeira prévia do que será seu próximo LP, “Al Humo”. Aqui a urgência, a indignação e a raiva são evocadas com uma fusão de rock e candombe; às vezes vai para o lado mais rítmico do espectro, enquanto no clímax tende para a distorção e gritos. Sua própria voz é utilizada de forma melódica e percussiva, construindo a tonalidade do candombe e somando-se à bateria.

EROS WHITE Y DAVUS: “OTRO DÍA MÁS”: Eros White retornou este mês junto com o ragman Davus com uma faixa que explicita verdades envoltas em humor, tenta se livrar de quedas e dúvidas dançando e evita o choro cantando. “Otro Día Más…” deixa com que as letras de ambos os vocalistas digam tudo enquanto a base minimalista faz o corpo se mexer e se soltar ainda mais no funky. Em tempos de Covid, confinamento e isolamento, tudo isso é muito empático. E como dizem na internet, é engraçado porque é verdade. Ouça aqui.

SANTI MOSTAFFA Y AGUSTÍN CASULO: “SAGRADO PRESENTE”: Ainda em um plano funky e dançante, e em sintonia com Jorge Drexler em sua afirmação de que o amor é para os valentes, Santi Mostaffa lançou sua nova colaboração com Agustín Casulo intitulada “Sagrado Presente”. Falando em romance, domesticidade e aqueles pequenos gestos que têm um grande significado, os músicos construíram uma verdadeira celebração do amor em um tom cativante.

ZEBALLOS: “WINTER IS COMING”: Continuando com o hip hop, o rapper Zeballos apresentou nova música e vídeo onde mais uma vez mostra sua habilidade e destreza lírica, atacando os odiadores, combinando sua força com Blockchain e piscando para seu colaborador, o rapper e produtor Mili Milanss. “Winter is Coming” é frio e cortante, mas seu vídeo dirigido por Julio Viera Goyeneche de Cuatro+ traz aconchego com cenas cheias de camaradagem e carinho.

LALI GASPARI – “ENEMIGA MORTAL”: A cantora e pianista Lali Gaspari apresenta a primeira faixa do que será seu segundo álbum: “Enemiga Mortal”. “Se vier o fim do mundo, não reclamo / prefiro que tudo afunde”, canta Lali, colocando em palavras sentimentos que certamente foram despertados nesta pandemia. Enquanto as teclas são a base e a delicada ornamentação desse tema, é a guitarra levemente distorcida e a firmeza da bateria que acabam lhe conferindo potência e amplificação pop. Ouça aqui.

DIEGO MATTURRO – “PANTALLA AZUL”: O músico Diego Matturro decidiu refletir a complicada realidade uruguaia e os efeitos do novo governo na canção “Pantalla Azul”. “Sei que nem todos pensamos o mesmo e que provavelmente muitos vão discordar”, diz ele, “mas por respeito e pelo valor da palavra como arma, decidi expor o que sinto neste momento tão delicado para a cultura e o próprio Uruguai “. Ele a acompanhou com uma arte criada pelo coletivo Uruguai Nomá, cujas versões críticas do Escudo Nacional viralizaram nas redes sociais. Ouça.

EL PEYOTE ASESINO: “ES LO QUE HAY”: Finalizando, El Peyote Asesino lançou “Es Lo Que Hay”, a terceira faixa de seu próximo álbum e um som diferente do normal. Entre hip hop e milonga, rock e música eletrônica, a voz de Carlos Casacuberta toma a dianteira e usa o ditado popular uruguaio (“es lo que hay” equivale a resignação) para criticar e exercitar a rima, coroando seus versos com uma estrofe de payada, como se tirando o chapéu para o gênero popular. Ouça aqui.

LEIA OS PANORAMAS ANTERIORES DA FARO

One thought on “Faro: Panoramas de JULHO 21 na Música e Cultura Ibero-americana

Deixe um comentário para Ronaldo Lisboa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.