Faro: Panoramas de Março na Música e Cultura Ibero-americana

Argentina | Brasil | Chile | ColômbiaCubaEspanha | México | Peru | Uruguai

Nove países unidos pelo ideal de compartilhar cultura e, com ela, ideias, sonhos, desejos, revoluções.

ARGENTINA
por Juampa Barbero / do site Indie Hoy

Março nos surpreendeu com lançamentos para todos os gostos e com uma agenda cultural repleta de recitais, estreias em cinemas, peças de teatro e exposições em museus. Ao mesmo tempo, convivemos com o medo da ameaça latente de retrocesso devido à chegada da segunda onda, que pode consistir em novas restrições.

O rapper Trueno encerrou a saga audiovisual de “Atrevido” (2020), seu explosivo álbum de estreia, com o clipe de “Rain II”. Dirigido por Lucas Vignale e El Dorado, a sequência de seu vídeo anterior, “Background”, retoma influências orientais e o mostra duelando como um samurai.

Saramalacara, integrante do coletivo Rip Gang, lançou uma faixa desconcertante acompanhada por um vídeo feito por Juli Grasso. “Guchi Polo” não é como nada que ela fazia antes, e não encontra nenhuma semelhança com o som da cena trap. Junto com o produtor Evar, a jovem cantora exibe sua rebeldia sobre um beat influenciado por games como osu! e Pump It Up.

Após “Mil Días”, Mora Riel, cantora da dupla Riel, continua expandindo sua face solo. Seu novo lançamento, “Atardeceres”, é uma canção luminosa carregada de guitarras reverberantes, sintetizadores e batidas suaves de hip hop lo fi. “É uma canção de amor para qualquer pessoa, dedicada ao romance em si”, diz Mora Riel desta peça que tem a produção de Estanislao López

Fus Delei está prestes a lançar seu tão aguardado próximo álbum intitulado “Dímelo”. Precedido pelas prévias “Adopté”, “Cabeza” e “Chupasangre“, surge agora “Atlántida Hundida“, uma canção pop que reflete sobre a importância de se conhecer e se aceitar. O vídeo mostra os nativos de La Plata em diferentes paisagens diante da imensidão da natureza.

Duki estreou a música “Chico Estrella”, produzida por Asan e Yesan. Com seu estilo singular, a referência máxima do trap argentino canta a ascensão sideral de sua carreira em uma faixa com guitarras melódicas e um beat enérgico. Após ouvir sua colaboração com Ca7riel, as expectativas de seu próximo álbum, intitulado “Desde el fin del mundo”, não param de crescer.

A dupla rosarina Matilda pôs fim ao mistério evocado por “FM”, canção incluída no álbum “Imaginario Popular” (2019). Um vídeo animado revela que as iniciais se referem a Federico Moura, o líder do Virus, a mítica banda argentina dos anos 80. Feita pelo designer Manuel Manso, esta homenagem mostra a figura do icônico vocalista emergindo em uma paisagem árida de outro planeta.

Pommez Internacional ecoou seu nome no vídeo de “Anti-Canción“, estrelado por um grupo de bailarinas japonesas que interpretaram coreograficamente o ardor asfixiante de Buenos Aires a mais de 18 mil quilômetros de distância. Esta colaboração transcontinental foi dirigida por Masahiro Orishimo em conjunto com a Lady M Dance Company, expandindo o universo visual da opus Infierno Porteño.

Mariano Esain, vocalista do Valle de Muñecas, estreou as canções “Extranjero” e “Vos siempre te olvidás” com o nome de Manza, seu projeto solo. Dando continuidade aos lançamentos anteriores que publicou na quarentena, Esain mergulha na experimentação de uma vertente de sons espaciais e distorcidos que elevam o espectro melancólico de sua poética. Ouça as duas faixas aqui.

Santiago Motorizado revelou que está trabalhando junto com El Mató a un Policía Motorizado na trilha sonora da nova versão de “Okupas”, popular série argentina criada por Bruno Stagnaro que foi ao ar na televisão em 2000. A banda de La Plata recriou alguns clássicos de sua carreira para o retorno da série na Netflix, enfatizando sua trilogia clássica de EPs.

Em março comemoramos os 50 anos de um dos mais importantes álbuns do rock argentino: “La Biblia” (1971), de Vox Dei. Essa ópera rock idealizada por Ricardo Soulé ressignificou a leitura das sagradas escrituras com um olhar humano, pensando nos personagens como pessoas comuns e abandonando sua divindade inerente.

A sétima arte também teve a sua cerimónia: ao longo de 11 dias, o BAFICI invadiu diferentes espaços, tanto salas convencionais como espaços ao ar livre. Com uma programação exaustiva que incluiu produções nacionais e internacionais, o Festival de Cinema Independente mais uma vez cativou os seus fiéis espectadores com uma edição especial estendida ao mundo virtual após o seu cancelamento no ano anterior. Nossa cobertura completa aqui.

Mas nem tudo foi festa neste mês. No dia 29 de março, lamentamos a morte do escritor Carlos Busqued, aos 50 anos. Com apenas dois livros, “Bajo este sol tremendo” (2010) e “Magnetizado” (2018), o autor se consolidou como um dos nomes mais relevantes da literatura contemporânea em nosso país. Seu primeiro romance foi transformado em filme por Adrián Caetano com o título “El Otro Hermano” (2017).



BRASIL
por Marcelo Costa / do site Scream & Yell

É doloroso compartilhar isso com vocês, mas, nesse mês de março, o Brasil se transformou no epicentro da pandemia de Covid-19 em todo o mundo. Já perdemos mais de 320 mil vidas, e o número de mortes diárias só aumenta, aproximando-se dos 4 mil óbitos. É um cenário de abandono de um país sem liderança que tem, na figura de seu presidente, Jair Bolsonaro, o grande culpado por esse genocídio. A sensação é de que estamos presos dentro de um grande pesadelo que não tem hora pra terminar. O cenário de cultura passa por uma grande letargia. Discos continuam saindo, filmes e livros também, e eles trazem um pouco de distração em meio ao caos. Abaixo, alguns destaques do mês.

Após um bom tempo de silêncio, o rapper Rico Dalasam, de São Paulo, ressurge com o magnifico “Dolores Dala Guardião do Alívio”, um disco deliciosamente complexo que apresenta um artista maduro, que “trilha caminhos sonoros distintos, conseguindo casar rap e pop aos mais diferentes gêneros, em uma bela colcha de sentimentos”, como descreveu o jornalista Renan Guerra no Scream & Yell. Ouça o disco inteiro aqui.

Da Bahia surge outro dos grandes discos desse começo de 2021 no Brasil: “Olho de Vidro“, de Jadsa. “Quando se fala em música baiana, geralmente a primeira coisa que vem à mente é o axé e o pagode. No meu disco trago um lado mais subversivo, utilizando a linguagem do rock para explorar os estilos musicais mais populares da Bahia, como reggae, samba e outras referências locais”, explica a artista. Mergulhe.

Mantendo-se ainda no Nordeste brasileiro, mas saindo da Bahia para Sergipe com o primeiro disco solo do baixista Luno Torres (ex-Plástico Lunar), “Homo Pacificus”, um disco crítico de psicodelia nordestina que esbarra, ainda, no rock, no baião, no jazz e em sonoridades indianas. “É um dos grandes discos lançados no Brasil em 2021”, escreveu Luciano Ferreira no Scream & Yell.

“Destruir é necessário para se (re) construir”. Partindo dessa premissa, o mineiro Fernando Motta apresenta “Ensaio Pra Destruir“, um álbum poderoso inspirado pela necessidade de rupturas com sonoridades que passeiam pelo dream pop e pelo shoegaze.

Após “Navio Pirata” e “Recital Instrumental”, os dois primeiros atos do disco “OxeAxeExu”, o BaianaSystem liberou no final de março a terceira e última parte do projeto. Trata-se de “América do Sol”, que, segundo eles, é “um mergulho nas cores, na alegria, na luta, na identidade e nas conexões que unem a América Latina e nos trazem um sentimento de pertencimento a este território tão potente e grandioso”. Confira o clipe de “Pachamama”.

A cantora franco-brasileira Dom La Nena liberou “Tempo”, seu terceiro disco solo, que estava previsto para sair no primeiro semestre de 2020, mas só ganhou lançamento agora. É um disco que combina pop, world music e música de câmara, e que conta com a participação especialíssima de Julieta Venegas em uma das faixas: “A Julieta é uma referência para a minha geração de cantoras, é uma mulher muito forte, uma cantora extraordinária, com um talento e uma generosidade gigante”, comentou La Nena em entrevista para Ananda Zambi no Scream & Yell. Confira ao clipe da colaboração entre as duas artistas, “Quién Podrá Saberlo”.

No final de março, demos uma amostra do que será “Sob a Influência”, tributo a Tom Bloch, banda de rock de Porto Alegre, no Sul do país, mais um lançamento do Selo Scream & Yell, lançando um single duplo com as versões de Érika Martins e Ana Clara para “Amor (Zero Sobrevivente)” e “Questão de Tempo”, respectivamente. “A obra gravada da Tom Bloch é constituída por 22 canções, mas é das obras mais preciosas do rock brasileiro”, explicou o produtor Leonardo Vinhas. O disco foi liberado para download gratuito no primeiro dia de abril. Ouça na sua plataforma favorita ou baixe os MP3 aqui.

Também do Rio Grande de Sul, mas da cidade de Canoas, não da capital Porto Alegre, vem o documentário “This Is Canoas, not POA”, que cobre a cena local. Liberado na integra no Youtube, o filme é dirigido por Wender Zanon por recursos da Lei Aldir Blanc, criada para apoiar projetos culturais no meio da crise pandêmica. “Veja esse filme e faça o registro da sua cena também”, disse Wender em entrevista a Homero Pivotto Jr. no Scream & Yell. É só dar play.

Ale Sater, que é vocalista da banda Terno Rei, versa de forma íntima sobre medos, solidões e amores, sobre como essas relações e esses pequenos encontros ainda são nosso alento” em seu novo EP, “Fantasmas”. Ele conversou sobre os dramas da pandemia, a produção do EP e mais com Renan Guerra no Scream & Yell. Abaixo você assiste ao clipe de “Peu”.

Falando em clipes, março foi um mês prolifico. Aqui segue sete destaques: o duo eletrônico NoPorn  apresenta a dançante “Pérola Suja”; O power trio roqueiro sergipano The Baggios mostrou a intensa “Mantrayam”; O pernambucano Barro surge acompanhado de Luísa Nascim na suavidade dançante de “De Novo”; A paulista Vanessa Krongold mostrou o contagiante single pop rock “Dois a Dois”; Vocalista da lendária banda punk thrash Ratos de Porão, João Gordo surge acompanhado do Asteroides Trio no rock romântico “Deixe me leva lá pra Casa”; Recuperado da Covid, um dos grandes mestres da guitarra paraense, Manoel Cordeiro, lançou o chamego dançante “Pupunha com Mel” ao lado do trombonista carioca Marlon Sette; Ainda no balanço de Belém do Pará, a cantora Aíla mostra o clipe suingante de “Água Doce”; Para fechar, barulho dos bons: um dos nomes de destaque do Big Brother Brasil 2021, Lucas Penteado surge à frente do TRIPLX, uma super banda que lançou o single barulhento “Era Uma Vez?”. Ouça alto abaixo!



CHILE
pela Equipe do site POTQ Magazine

2021 não está sendo fácil, e dizer isso já soa pura demagogia. Março no hemisfério sul é o mês em que o ano formalmente começa: as férias terminam e um novo ciclo começa. E o novo ciclo no Chile é marcado por mais quarentenas, um governo surdo à ciência e rendido à comunidade empresarial, hospitais colapsados e um número recorde de mortes. E como se tudo isso não bastasse, o setor da cultura sobrevive a duras penas. E mesmo assim, em meio a esse cenário, ainda há canções novas, que são o pouco (e muito) que nos sustentam.

—-

Bronko Yotte começou e terminou o mês com novos vídeos. O primeiro foi o clipe de “Abajo”, música que faz parte de seu excelente álbum “Fuero Interno”, em que colabora com Ambar Luna e Masquemusica. O segundo foi ‘Si bien’, e como dissemos no comentário de sua estreia, é sempre emocionante ver como ao longo do tempo os artistas nos mostram mais de seu universo, como se fossem uma cebola, se desfazendo de suas camadas, sem fim. Este clipe aprofunda o sentimento.

Se as músicas fossem um abraço, “Tranquila” de Rosario Alfonso, seria o de uma amiga cansada de tudo. Já tínhamos ouvido a música, mas agora ela nos envolve novamente com um videoclipe dirigido por Chini Ayarza com direção de fotografia de Midori Parra.

E outro lançamento do selo Uva Robot neste mês foi “100 Asas EP”, do Luz en el mar, projeto de Niña Tormenta e Álvaro Solar de Protistas. São duas canções “Luz em el Mar” e “Desenterrar la Navaia”. Em uma carta de apresentação, Tiare Galaz (Niña Tormenta) explica:

“A falta de sentido dos dias e da vida tornou-se cada vez mais aguda. O exercício da fantasia do futuro que – agora vejo – consumiu muito da minha energia mental, foi bloqueado durante este ano de quarentena. Acho insuportável, às vezes, qualquer simulacro de felicidade para mim e para os outros. Na vida real e na vida exposta nas redes sociais. Brincamos com Marce que estamos ficando mais velhas e mais astutas a cada dia. Em todo o caso, durante este tempo consegui fazer algumas coisas que me dão orgulho, como não deixar morrer o pátio e as canções que compartilho”. É difícil não se sentir representado.

Pascuala Ilabaca continua a nos mostrar as canções de “Amatoria”, EP de contos populares vistos de uma perspectiva feminista. No dia 5 de março vimos o vídeo de “Gomero en Eros”, onde a música nos conta sobre uma manhã intimista e as imagens ficam a cargo de um videoclipe de Cristóbal de la Cuadra, junto com Pablo Miranda nas filmagens.

A rainha do electropop chileno também voltou com uma música nova, mas desta vez vestida de balada, coisa em que também é muito boa. Trata-se de “Dos”, de Javiera Mena, uma canção lenta ao piano em que a artista questiona se é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo. A música foi composta em um dia, no México, ao lado de Mariam Ruzzi e foi produzida por Pablo Stipicic.

La Vuelta al Mundo estreou um vídeo para a música “Poder”. É uma homenagem, sob a técnica de rotoscopia, a uma grande diversidade de mulheres chilenas e latino-americanas, como Gabriela Mistral, Violeta Parra, Mercedes Sosa, Elena Caffarena, Anita Lizana e Amanda Labarca, entre outras. O tema, segundo os seus autores, “centra-se na força interior da mulher, que ao longo da história teve de lutar contra os abusos, os maus tratos e as desigualdades. A letra fala da sua capacidade de convocar e acompanhar uns aos outros e de recomeçar quando parece que tudo está perdido”. O clipe ficou a cargo de Kotik Villela e é a quarta prévia do segundo álbum da banda.

Uma novidade da Masquemusica, o projeto solo da cantora Macarena Campos, é sempre uma boa notícia. Este mês conhecemos “Miedo”, seu segundo single oficial, que também apresentamos no espaço de Faro no programa Nemesis, da Reactor, rádio da Cidade do México. Estamos diante de uma colaboração poderosa com Ruzica Flores e Rvyo, que nos convida a abandonar a insegurança e seguir em frente. O clipe foi dirigido por Alessandra de Calisto.

Camila Moreno também voltou e o fez com uma balada. Trata-se de “Hice a mi amor llorar”, uma música que inevitavelmente associamos à “Trilogía del Despecho” (“Lo Cierto”, “Te Quise”, “Sem Mí”). E com este lançamento continuamos a ouvir o que a artista propõe no caminho para o seu próximo álbum, “Hombre”.

Durante este mês na POTQ Magazine estreamos o videoclipe de “Corazón de Humedal”, de Txakur, em colaboração com Fakuta. O músico por trás do projeto é Ariel Acosta e ele nos disse em entrevista que o plano é lançar um novo álbum que, explica, “desenvolva sons ligados à eletrônica e ambient”. O clipe foi dirigido por Cristian Pino Anguita e o terceiro single de Itaca, inspirado na revolta social de 2019.

Se o assunto for frescor recomendamos ouvir “A Solas”, primeiro EP de Gabriela Arcos, artista de 23 anos do norte do Chile, da cidade de Antofagasta. Cinco canções de puro pop: harmonias cativantes, uma voz brilhante em primeiro plano e letras que se inclinam para a narrativa. O verão acabou no hemisfério sul, mas Gabriela faz durar um pouco mais.



COLÔMBIA
por Fabián Páez López do site Shock.co

Os movimentos da música e do cinema colombianos permanecem estagnados em letargia e incerteza pandêmica. E tudo seria mais sério se não fosse o fato de que as músicas chovem sobre nós a cada oito dias e os lançamentos não cessam.

Apesar das advertências de novos casos e novos confinamentos, as vacinas avançam (quase tão lentamente) tanto quanto a reativação cultural. Pequenos festivais alternativos estão voltando com cautela na capital e o palco do Teatro Mayor, também em Bogotá, voltou a se encher (até onde a distância permitia) quando assinamos a segunda Shock Presenta do ano com a Armênia, no dia 21 de março.

Como sempre, celebramos cada novo lançamento. Neste 2021, estão sendo lançados álbuns e canções excelentes, e março nos deixou títulos dos quais certamente falaremos novamente em nossas listas de final de ano. Aqui estão nossas recomendações do mês.

CANÇÕES
Da cidade de Medellín, “A+D100”, colaboração entre o Sr. Pablo e Thomas Parr, afunda o pé no acelerador para entregar um trap sombrio e estonteante. A voz do Sr. Pablo dispara frases nesta música sem refrões ou pausas.

Há poucos meses comemoramos os primeiros 10 anos de carreira do Zalama Crew, grupo da cidade de Cali, com um show. Desde então, a banda iniciou esta nova década experimentando canções como esta, intitulada “La Noche”, e produzida em companhia de Nailú. Uma música com múltiplas abordagens vocais e um ar trap. Para rolar na cama numa noite de insônia.

O grupo paisa Margarita Siempre Viva está preparando um novo EP que será lançado no dia 23 de abril. Esta música simples e sincera no estilo indie rock é uma bela prévia do que chegará até nós. “Apología de una amígdala inflamada” é uma canção telepática para pedir amor.

O selo Discos Pacífico está trazendo à tona grande parte do arsenal sonoro que os grupos colombianos do Pacífico não conseguiam gravar. Um desses novos projetos é Semblanzas de Río Guapi, que anuncia seu próximo álbum com “Los Guasangú”, uma canção inspirada em seu território, o departamento de Cauca, e que ressoa nas vozes das cantoras Yamilé, Marbel, Libia e Yessica.

DISCOS
A cantora e compositora manizalita La Muchacha Isabel vive um grande momento criativo. “Más canciones Crudas” é a continuação de seu álbum anterior, “Canciones Crudas”, um dos nossos discos favoritos de 2020. Esta edição vem com nove canções dolorosas, cantadas com as entranhas e tão cativantes quanto parecem representar bem sua terra.

LosPetitFellas segue divulgando seu novo material em lotes de três EPs. A primeira parte foi “777: Buenos Dias”. O segundo, lançado em março, é intitulado “777: A Quemarropa”. São 7 canções com instrumentação que infla o peito e entre as quais Juan Pablo Vega e Roberto Musso (El Cuarteto de Nos) aparecem como convidados.

“El amor en los tiempos del perreo” é o novo disco do grupo Piso 21, de Medellín, um álbum com o qual DIM, Lorduy, Pablo e El Profe reforçam seu já consagrado catálogo com nomes internacionais como Black Eyed Peas, Zion & Lennox, Maluma e De La Ghetto e convidados colombianos como Mabiland, Moncas e o compositor César Pinzón. Abaixo eles comentam o disco faixa a faixa:

CINEMA
A Cine Colombia, maior distribuidora e exibidora do país, anunciou que reabrirá todos os seus cinemas em 1º de maio. Enquanto isso, o Festival Internacional de Cinema de Cartagena retomou suas atividades com um evento híbrido e permanente, o FICCI Interruptus. São palestras, agenda acadêmica, teleconferências e exibições que vão até outubro.



CUBA
pela Equipe do site Magazine AM:PM

Março em Cuba teve as mesmos matizes de fevereiro, embora no horizonte – e cada vez mais perto – vislumbremos cinco vacinas candidatas e a possibilidade de sermos vacinados até o final do ano, o mais tardar. Nesse ínterim, continuamos acumulando horas de nostalgia por shows. Como será o dia após a pandemia? Enquanto imaginamos, olhamos os momentos que mais nos chamaram a atenção em mais um mês dentro de casa.

Leoni Torres, aos 43 anos, decidiu recorrer aos gêneros tradicionais, um risco para um cantor com grande público como ele. O resultado é seu mais recente álbum, “Alma Cubana” (Puntilla Music, 2021), uma produção acústica, tendo um septeto como formação principal, e romântica. Porque, sim, mesmo quando arrisca, Leoni Torres não pode deixar de ser Leoni Torres. Ele canta o amor. Esse é o seu nicho, sua terra fértil. Ouça aqui.

Adonis e Osain del Monte colocam a rumba cubana no mais alto nível. Isso é sentido em “Sin Comentários” (Egrem, 2021), álbum que ainda conta com Alain Pérez (baixo e voz), Emilio El Niño Frías (voz), o baterista Rodney Barreto e o trombonista Eduardo Sandoval como convidados. A esta constelação de estrelas junta-se Alexander Abreu na produção musical, e o próprio Adonis. “Rumba hoje, rumba amanhã, sempre rumba.”

Três mulheres são as estrelas do novo fonograma do Los 4: La Diosa, Laritza Bacallao e Tania Pantoja. Jorge Jr., junto com seu inseparável produtor Batule Dj, convocou as cantoras para dar voz ao som do timbatón com um toque romântico. “En Un misma Pensamiento” (Puntilla Music, 2021) chega com a marca de produções de sucesso como “Privilegio’ (KaLa Records, 2016) e “Privilegio II’ (Eventime Sound Bcn Sl, 2017). Ouça.

“Yo vine a querer” (662750 Records DK, 2021) é o sexto disco solo de Boris Larramendi, onde o cantor e compositor de Havana, residente em Miami, mais uma vez se volta para o lúdico como um instrumento de reflexão. Com dez faixas, o novo álbum do ex-Habana Abierta refaz os caminhos do guajira, changüí, rock, funk e bolero.

As Ibeyi estão relativamente calmas há algum tempo. Mesmo assim, março foi o mês em que a dupla gêmea franco-cubana compartilhou sua primeira música em dois anos: “Recurring Dream”. O novo single pertence à trilha sonora do filme “How to Stop a Recurring Dream”, de Ed Morris; e hipnotizou os seguidores de Naomi e Lisa-Kaindé Díaz.

Yomil decidiu que “Perreo 2030”, o novo disco de Yomil e El Dany – primeiro após a morte de Daniel Muñoz, um de seus membros –, verá a luz single a single. Pelo menos por enquanto. E neste mês que deixamos para trás assistimos à estreia de duas músicas, cujos videoclipes podemos desfrutar abaixo. “Calentura” e “Estoy pa’ ti” trazem o som do trap e nos fazem dançar. Vamos participar da festa, então.

https://www.youtube.com/watch?v=LVbgRu8uBF4

Cimafunk segue aquecendo. “Auuuuh” é a nova música que ele promove em todas as plataformas, junto aos Cuban Deejays, e que aparece na cena sonora na forma de um videoclipe. Mais uma vez, a estética dos anos 80 toma conta do audiovisual e o autor de “Me Voy” novamente nos diz que “anda acelerado”. Apenas no caso de não termos notado.

Por fim, nasceu uma plataforma de conteúdo digital para o ecossistema da música cubana, cujos destaques são os primeiros vídeos e tabelas de consumo de música cubana em streaming. LaHabana.com pretende dar o pulso à produção nacional com notícias, entrevistas, playlists, showcases e lançamentos exclusivos. Vamos ficar atentos!

Cada aniversário de nascimento ou morte de Santiago Feliú desperta uma onda de homenagens. Não nos acostumamos com esta vida sem Santi. Em 29 de março, o cantor e compositor cubano faria 59 anos e Camila Daniela, Dúo Iris, Dúo Saudade e Abel Geronés decidiram reinterpretar sua mítica “Para Bárbara’. O resultado é o videoclipe feito por Mauricio Figueiral e Josué García que você assiste abaixo:

Encerramos esta edição com a recomendação de dois livros lançados em março. O primeiro, “Los Van Van de Juan Formell ¡Anda, ven y muévete!”, de Yasmany Pérez Martínez publicado pela Editorial Milenio. O segundo, “El Divino Guión de Habana Abierta”, de Arsenio Rodríquez Quintana, que nasceu sob o rótulo de Ediciones Muntaner. Dois volumes que recolhem parte da memória musical histórica da Ilha, através de dois grupos distintos.

O QUE VEM EM ABRIL
Nos dias 20, 21 e 22 de abril retorna o Concurso Primeira Base do Havana World Music Festival (HWM), novamente na modalidade online. Apoiar a carreira de artistas e bandas emergentes é o principal objetivo deste evento para o qual se apresentam todos os anos músicos entre os 16 e 32 anos nas categorias DJ Produtor/a, Juvenil e Seniors. Resta então aguardar as vitrines e saber o que há de novo no mapa da música cubana.



ESPANHA
por Rubén Scaramuzzino do site Zona de Obras

A primavera chegou e o cancelamento dos grandes festivais de música espanhóis está confirmado pelo segundo ano consecutivo. Ao mesmo tempo, Love Of Lesbian realizou um experimento-concerto para cinco mil espectadores com PCR negativo, teste rápido de antígeno e máscaras FFP2. Teremos que esperar 15 dias para avaliar os resultados e saber como isso afetará o futuro imediato da música ao vivo. Enquanto esperamos a aceleração da vacinação para recuperar gradativamente algo mais normal, aqui compartilhamos 10 propostas que tornaram os dias de março mais suportáveis.

Depois de acertar o alvo com “El mal” (2018), Kokoshca se inscreveu com tinta indelével na lista de nossos grupos favoritos de rock espanhol. Agora a banda de Pamplona volta a bater à nossa porta com “Himno de España”, uma verdadeira provação sonora e conceitual que vai muito além da aparente provocação do seu título. Uma colisão entre flamenco, funk, rap, krautrock e afrobeat.

Já dissemos por ocasião do lançamento de “La Gran Esfera” em 2019: Guille Milkyway é um gênio do pop poliédrico. Agora La Casa Azul volta com “Entre em Mi Vida”, uma nova canção que anuncia a chegada de uma nova etapa e de um próximo álbum a ser publicado em 2022. Aqui temos psicodelia, northern soul, europop, bubblegum, nu disco… Ventos, cordas, efeitos siderais … Dar play é uma obrigação.

A dupla formada pela poetisa e rapper Laura Sam e pelo músico Juan Escribano apresentou seu primeiro single “Nadie Nada”, uma prévia do que será seu álbum de estreia. Nesta música eles nos oferecem, com beats e guitarras, uma esperançosa reinvindicação de nossa capacidade de encontrar a luz mesmo nos momentos mais sombrios. Ainda mais neste momento de grandes incertezas.

Vamos com uma ave rara da cena: a banda cantábrica Los Estanques, que vive em Madri e é liderada por Íñigo Bregel. Sua proposta gira em torno do pop, rock, psicodelia, progressivo, funk, soul e jazz. Essa mistura musical funciona, ainda mais quando a sua desenvoltura e atitude surgem em cena, como no novo vídeo “Soy español pero tengo un kebab”, repleto de humor sarcástico. Imperdivel.

Solpor”, álbum editado por Baiuca em 2018, deixou um gosto muito bom na boca e posicionou o produtor galego como um dos nomes mais proeminentes do folktrónico espanhol. Também como um dos alquimistas sonoros de referência na recuperação de texturas, ritmos e códigos da música tradicional galega, juntando-a com a eletrônica mais vanguardista. Chega agora “Luar”, um adianto do que será o seu novo álbum, “Embruxo”, uma canção em que os sons tribais se fundem com a batida eletrônica e que conta com a participação de Lilaina, um grupo folclórico galego de pandeiristas e cantoras.

Isso já é conhecido há muito tempo. A projeção de Sen Senra prevê que ele se tornará uma figura brilhante na cena. Já o demonstrou com “Sensaciones” (2019) e com singles de sucesso. Agora o EP “Corazón Cromado” nada mais faz do que confirmar o que foi dito acima, com sete canções viciantes em que reminiscências urbanas e eletrônicas andam de mãos dadas com um pop de gala intimista. Ah, C Tangana e o colombiano Feid colaboram. Ouça aqui.

Expoente de uma nova geração de jovens artistas que recuperam a tradição popular basca, levando-a a lugares surpreendentes e emocionantes, Verde Prato, um projeto de Ana Arsuaga, apresenta o álbum “Kondaira eder hura”, uma preciosidade cantada quase inteiramente em basco que recupera a tradição oral da região nas suas canções, levando o passado ao futuro com a sua voz e a utilização da eletrônica.

“La contraçeña” é a grande prova definitiva de que Califato ¾ é muito sério. A banda almeja níveis muito altos dentro da expansão da dialética flamenca que extrai diretamente de um caldeirão eletrônico muito particular. Um (ótimo) álbum que funciona como um tratado inigualável sobre a transgressão divina, terrivelmente engraçado, que confunde as fronteiras entre a idiossincrasia cultural andaluza e a vanguarda sonora. Ouça aqui.

Agora é hora de falar sobre o Canal Connect, um festival de arte, ciência e tecnologia que teve sua primeira edição em Madrid entre 5 e 14 de março. O programa ofereceu espetáculos, instalações interativas, reuniões, conferências e workshops demonstrando que arte, ciência e tecnologia seguem caminhos paralelos e que a criatividade encontra um aliado extraordinário na tecnologia digital e na ciência. Esperamos que continue com edições sucessivas.

Dizemos adeus com design. A equipa da DIMAD (Associação de Designers de Madrid e Funação Design Madrid) inaugurou a exposição “Produto Fresco. 10 anos de design fresco em Madrid 2012/21”, uma retrospectiva do projeto “Produto Fresco”, da DIMAD, que mostra anualmente o melhor do design de produtos madrilenho e que, nesta ocasião, permite-nos ver nas 60 obras selecionadas uma evolução da disciplina na última década. A exposição pode ser visitada até 25 de abril na Central de Diseño de Matadero Madrid.

O QUE VEM EM ABRIL
Cinco anos depois de “El Poeta Halley”, Love Of Lesbian apresentará no dia 16/04 “V.E.H.N.” (Viaje épico hacia la nada), um novo álbum da banda catalã que contém 12 canções e que conta com a colaboração de Bunbury, Cristina Martínez e Álbaro Arizaleta, de El Columpio Asesino, além da produção de Ricky Falkner e Santos & Fluren.

Uma das grandes revelações da cena espanhola, Derby Motoreta’s Burrito Kachimba, lançará no dia 23 seu tão aguardado novo álbum, “Hilo negro”, que promete deliciar-nos com um hard rock repleto de riffs de guitarra explosivos, percussões monolíticas e arranjos proto -funk.

Para os amantes do melhor cinema, haverá um encontro duplo em Barcelona: acontecerá o BCN Film Festival (15 a 23), com 60 títulos de 24 países; e o D’A Film Festival (Festival Internacional de Cinema do Autor de Barcelona), que ainda não fechou sua programação e acontecerá entre 29/04 e 09/05.



MÉXICO
por Cynthia Flores do site Indie Rocks!

As coisas no México continuam difíceis em muitas questões em relação ao nosso governo, no entanto, o desaparecimento e os assassinatos de mulheres de todas as idades continuam e continuam na voz de todas. Houve passeata, uma greve nacional, reclamações nas redes sociais, porém, ainda há um longo caminho a percorrer para encontrar essa mudança de atitude, de proteção real por parte das autoridades do nosso país. O medo está latente. Um caso recente em Tulum, Quintana Roo, ocorrido no final de março, gerou indignação ao ver Victoria Esperanza Salazar, 36 anos, de El Salvador, agredida por policiais locais que causaram fratura na parte superior da coluna vertebral causando sua morte em plena luz do dia e é assim que os casos se acumulam.

Sobre este assunto da agenda nacional, Silvana Estrada, de Xalapa, Veracruz, apresentou o single e o vídeo “Si Me Matan”. Com o talento desta grande cantora e compositora, levantou-se a voz de todas essas irmãs que perdemos na história. Uma peça onde você ouve como ainda temos força para sair para curtir a vida e lutar por ela.

A cantora e compositora independente mexicana Geo Equihua estreou “Agüita”, uma faixa folk refrescante que ela apresenta como parte de seu novo EP, “Yo Soy Mi Casa’. A também antropóloga estreou o videoclipe com animações e ilustrações feitas por Pauz Peralta e Luis Cortez. Acompanhe-a, a voz e o estilo de composição dessa garota são extraordinários.

Em outro caminho musical, a Immasoul, de Cancún, estreou “Destino”, uma interessante produção de trap, mesclada com R&B e hip hop, dedicada a situações de vida que marcam o coração. Co-escrito por Oswaldo Uresti García e Jorge Guillé e produzido por Adrian Be, PHYNX e Zizzy (pertencentes ao coletivo de trap Aquihayaquihay, de Monterrey), surge este material de uma jovem promessa mexicana.

Com o seu R&B suave e característico, Noa Sainz está de volta com “Voluntad”, faixa produzida por Wet Baes e por ela mesma no Sagredo Studio. A canção é uma interpretação do tempo e de suas lições neste momento, e conta com um vídeo dirigido por Regina Isabel Vallejo e Adolfo Cisneros Molina.

Jenny Juárez, mais conhecida como Bratty, originária de Culiacán, Sinaloa, apresenta “tdbn” (Todo Bien) com produção própria em colaboração com Dan Solo (Technicolor Fabrics). Trata-se de um vídeo e single pop alternativo que fala sobre como procurar o lado positivo do dia e do futuro. Ela se pinta como uma palhaça e segue seu dia a dia à procura de alegria. O vídeo feito em Veracruz foi dirigido por Cristian Aguilar, da produtora Herokids.

Sebastian Neyra, membro do Mint Field e um jovem produtor prolífico (Señor Kino, Margaritas Podridas), nos leva de volta ao mundo de seu projeto solo Sonic Emerson com o vídeo e single para “Todo Va”. Esse mesmo projeto que no ano passado nos deu uma grata surpresa com a produção de seu primeiro LP, “Si tan solo supiera por qué estoy aqui”, entrega agora uma peça atmosférica de dream pop e psicodelia que antecipa um próximo EP. O vídeo dirigido por Santiago Padilla Arouesty tem uma fotografia incrível, não deixe de assistir.

Las Gardenias, um duo de experimentação minimalista composto por Sebastián Antón e Andrés Lupone, apresenta “Apertura”. Este single surpreendente cria uma atmosfera cinematográfica bastante dinâmica e muito especial, e conta com a colaboração de Mabe Fratti no violoncelo e da marimba de Ricardo Gallardo.

No âmbito da editora independente Hole Records, Concepción Huerta e José Orozco apresentam “Memorias Suspendidas”, um álbum que busca criar um diálogo especial entre eles, incorporando a ideia do som como presença única e ao mesmo tempo refletindo sobre o efemeridade da temporalidade desse encontro sonoro. Ambos os respeitados artistas experimentais vêm trabalhando em seus respectivos projetos solo há algum tempo, porém nesta pandemia eles conseguiram combinar seus talentos de uma forma muito especial. Ouça aqui.

De Torreón, Coahuila, Pablo Schmal apresenta uma trilogia de vídeos para seu single “Universo Inverso”, uma colaboração com Fer Casillas. Trata-se de uma complexa peça melódica de pop rock, que se complementa muito bem com as vozes de ambos. Pablo apresenta um trio de clipes com diferentes histórias ocorridas em um mesmo universo criado pelo diretor Bryan Escobedo. Assista aqui às três versões.

Maldita Vecindad e Los Hijos del Quinto Patio, Santa Sabina, Rubén Albarrán e Alfonso André homenagearam Rita Guerrero na data que marca os 10 anos de sua partida com a criação de “Rita Bonita”. Uma música que entrelaça as histórias desses personagens do rock mexicano com a relação que tiveram com essa grande artista de Santa Sabina, que se destacou no teatro e na música por sua voz característica.

Em 14 de março, um importante personagem do rock no México, Sax de Maldita Vecindad, morreu de complicações de saúde derivadas de Covid-19. Figura icónica em várias décadas, que anunciou recentemente “Otros Nosotros”, saiu deste plano para levar consigo a sonoridade especial que emergia do seu sax em tantos concertos que a comunidade do rock assistiu. Descanse em paz, Eulalio Cervantes Galarza, Sax.

Ainda não temos concertos na agenda da comunidade musical, embora algumas pequenas atividades tenham sido reativadas dando esperança de que os concertos estão cada vez mais próximos de acontecer. Também houve confirmações nas redes de que o mega festival Corona Capital vai acontecer em Guadalajara no próximo mês de setembro, mas o promotor garante que se as condições não o permitirem, ele poderá ser adiado.



PERU
pela equipe do site Rock Achorao

Em março de 2021, ano do bicentenário do Peru, a agenda política surge agitada às portas das eleições para definir quem ocupará a cadeira presidencial nos próximos cinco anos. Quanto ao panorama artístico, continua sem grandes novidades. Saímos recentemente da segunda quarentena obrigatória e o país está tentando se reativar aos poucos; Apesar de os espetáculos de artes cênicas poderem ocorrer com capacidade limitada (20% em espaços fechados e 30% em espaços abertos), o medo, as limitações e a crise aguda de saúde fazem com que o caminho permaneça incerto por pelo menos mais alguns bons meses. Mas, apesar do mau tempo, nunca faltam música e bom humor.

SINGLES
O ápice da experimentação e do talento numa peça divina de menos de três minutos, acompanhada por um videoclipe intenso, artístico e diferente. “Segunda Cita”, de Santa Madero, é a maturidade musical do grupo, que não deixou de experimentar fórmulas diferentes até chegar a um ponto de equilíbrio entre o som anterior e o que alcançou. Destaca-se o trabalho vocal de Karina Castillo, que também surpreende por sua atuação no clipe. Formidável.

Como qualquer ser humano numa pandemia, Ximena Vasquez viveu uma catarse e compôs a canção mais sombria, tétrica e sincera de sua carreira, deixando por um momento aquele brilho inocente e afável que sempre nos mostrou. “Pa’ No Enlouquecer” significa isso, uma rota de fuga através da música para não ficar louco e desfalecer. O combo foi realizado em colaboração com a produtora peruana AR13$, que contribuiu na parte sonora e acabou dando toques dark a este R&B. Ouça aqui.

Voz talentosa cheia de ternura e nostalgia ao ritmo do pop e de sentimentos puros, “Mailof”, o recente single da cantora limeña Lorena Blume, proclama uma contagiante “vontade de viver, Mailof … Mailof …”. Graças a este refrão contagiante e ao som retro adornado pelo riff relaxante, Blume talvez partilhe uma paisagem da sua vida, sendo inesquecível e indelével nesta música.

Depois de liderar a banda Cementerio Inocentes, da capital Lima, Ademilxhora venceu o concurso IMB Artist Talent Contest que lhe permitiu iniciar uma nova aventura musical na Espanha, com a ajuda de grandes profissionais do setor. Após lançar um punhado de canções, em março apresentou “777”, single que funde urbano e pop, escrito em um contexto cotidiano, mas de uma perspectiva poética e bela. Uma verdadeira promessa do novo pop peruano que vale a pena seguir com uma lupa.

Jorge Velasquez participa há vários anos de diversos projetos. Alguns vão se lembrar dele por ter acompanhado o Autobus numa temporada ou por liderar o Korea, ambos grandes projetos do pop peruano. Finalmente, e no meio de uma pandemia, ele lançou “6×8”, seu primeiro single solo sob o “pseudônimo” de Velásquez. Agora ele mostra um novo single, “Oportunidad”, que confirma sua exploração dos ritmos peruanos em tom pop. Recomendado. Ouça aqui.

O indie soa poderoso no sul do Peru. Em Camaná, Arequipa, a banda pós-punk Los Erizos compartilha seu single comemorativo e especial, ao celebrar suas duas décadas cheias de música e admiração. “Otra Dimension” expõe o trabalho sonoro constante e meticuloso do grupo, que continua a trabalhar arduamente, sendo uma das bandas mais relevantes do sul.

ÁLBUNS
Como exemplo de como fazer um álbum da forma mais criativa, econômica e honesta, a Niños Sin Smartphones mostra que mesmo em tempos difíceis, materiais dignos de respeito e reconhecimento podem ser produzidos. “Todos vamos a morir” reúne a produção repleta de talentos incessantes e marcantes de Daniel Ruiz-Gonzales e Dennis Garcia. Ciente do destino humano, a dupla aproveitou, aproveita e vai aproveitar cada dia do projeto como se fosse o último. Ouça aqui.

A princesa Inca do rap quechua, Renata Flores, dá-nos a joia pop que esperávamos há anos. Trata-se de “Isqun”, um álbum inspirado no empoderamento feminino através da comemoração de mulheres ícones da cultura peruana como Chañan Cori Coca, Francisca Pizarro e María Parado de Bellido. Um buffet de sons que remetem à tradição andina, principalmente da zona sul onde predominam a harpa e o violino, com base no hip hop, trap e pop. Este, queridos amigos, é um álbum que você não pode ignorar.

Acostumada a seus seguidores em todo o mundo, a Dj e produtora peruana Sofia Kourtesis, radicada na Alemanha, lançou “Fresia Magdalena”, um EP que, apesar de repetir a onda de trabalhos anteriores, navega sutilmente por algumas mudanças marcantes de mixagens e voz como vimos em “La Perla ”, single pré-álbum. Se você gosta de eletrônicos com batidas finas e elegantes, Kourtesis é uma boa opção. Ouça aqui.



URUGUAI
por Kristel Latecki do site PiiiLA

Chegamos ao final deste mês de março, que no Uruguai parecia um déjà vu de 2020, mas ainda pior. Alcançando picos absolutamente descontrolados de infecções por Covid-19 (quase 3.000 em uma população de 3,5 milhões), aqueles que podem retornam ao isolamento novamente e aos poucos as primeiras doses de vacinas chegam. Nesse sentido, a cultura foi suspensa novamente mesmo sem um plano de contingência. Sem possibilidade de trabalhar, o que nos resta é apoiar artistas no mundo digital. Então, sem mais delongas, vamos ouvir música uruguaia.

O grande Ruben Rada continua a explorar novos terrenos e sons. E para isso, em seu 29º trabalho de estúdio, a inspiração encontrou-se em sua mãe, brasileira de nascimento. “As Noites do Rio / Aerolineas Candombe” foi realizado junto com o compositor e poeta Ronaldo Bastos (além de seus colaboradores históricos como Gustavo Montemurro e seus filhos Lucila, Matías e Julieta) e explora as raízes que unem a música uruguaia e brasileira. Entre o samba e o candombe ele encontra o ponto ideal, mas acaba oferecendo muito mais do que isso. Existe rock, existe música popular e mais importante: uma emoção muito tangível.

A colaboração deste mês que não sabíamos que precisávamos veio do Bajofondo, que convocou nossa diva top máxima Natalia Oreiro para fazer uma nova versão da música “Pa ’Bailar” (originalmente lançada em 2007 com a voz de Julieta Venegas). Em “Listo Pa’ Bailar”, a cantora e atriz exala sua personalidade em espanhol e russo no agora clássico cravo de tango do Bajofondo. E como se isso não bastasse, eles oferecem cinco versões do tema para escolher. Escolha a sua favorita aqui.

Los Buenos Modales, a quintessência da boyband rapper uruguaia, lançou seu tão aguardado segundo álbum depois de vários singles e ótimos vídeos. “Vice City” é na verdade o primeiro trabalho feito como um coletivo (seu álbum de estreia foi mais um trabalho de estúdio criado pelos produtores Dubchizza e Pan acompanhados por MCs convidados) e isso fica facilmente perceptível. Mais focados como banda e mais experimentais em suas combinações musicais, eles têm as faixas que todos vão querer dançar e as músicas com potencial de hit.

Após um EP ao vivo em que apresentavam sua bela poesia e sua proposta de folclore moderno como uma musicalidade etérea e simples, os Animales de Poder finalmente chegam ao primeiro álbum. “Augura” incluiu canções de seus primeiros trabalhos em um mundo novo e expandido, mas sempre contando com suas vozes, um violão e percussão (bateria reduzida e bumbo). A arte que acompanha essas canções acaba confirmando esse trabalho na lista dos destaques deste ano. Ouça aqui.

Com o coração na mão, o músico Max Tejera oferece com “Intenso” mais uma grande obra para a lista crescente do pop uruguaio emergente. Tendo o romance como fio condutor, as canções vão do pop mais cativante à eletrônica mais irresistível. Você não será capaz de dançar no meio da multidão (por enquanto), mas sua cabeça certamente se moverá de uma trilha a outra.

E se falamos de dançar ou não poder dançar, temos que falar de Tinitus e LVZY. Os DJs e produtores decidiram criar um trabalho conjunto onde as faixas se intercalam, mas alcançam uma coesão excepcional. “Los Abstractos del Verano” é feito de partes iguais pela eletrônica experimental de LVZY e pelo ritmo e humor de Tinitus. Com essa estranha visão do verão, encerramos a temporada. Ouça aqui.

Mas Tinitus continua soando, pois sua parceria com Patricio Lavoreiro, a Maracaibo 360, acaba de lançar também uma “Sex Tape”, EP com convidados como Alfonsina, Inés Errandonea e Juana Núñez (Juana e los Heladeros del Tango). Com momentos de cinema noir, e outros mais baladeiros, seu funky experimental com ares vintage é o que mais chama a atenção.

O expatriado Juan Wauters lançará em abril “Real Life Situations”, álbum criado por colaborações de amigos: “Real” com Mac Demarco é talvez o encontro mais esperado, além das canções com El David Aguilar e Homeshake, entre outras. Enquanto isso, podemos ouvir “Unity” com Cola Boyy, mais uma união de sensibilidades e originalidades que nasce da amizade.

Com alguns anos de estrada, a banda El Color Ausente apresentou seu single de estreia este mês, “Fuego en el Corazón Negro”. Melancolia, sutileza e um pouco de pós-punk sonhador definem esta ótima carta de apresentação. Ouça!

Como uma prévia de seu primeiro álbum com o selo argentino Queruza (e o segundo de sua carreira), o cantor e compositor Leandro Aquistapacie apresentou “Rio 17”, uma bela canção que sugere certa depressão velada entre trompetes triunfais e crescente emoção musical. Ouça!

Envolvida em uma atmosfera dos anos 60 e evocando baladas de crooners de coração partido, Jhona Lemole oferece “Te Quiero”, um single que antecipa seu próximo álbum. Mas longe de ser uma canção de época, o músico se resigna ante o amor num arranjo que destaca incômodas e perturbadoras teclas e os coros de Selina Tarallo e Viviana Stagnaro.

Los Nuevos Creyentes também tem outro novo single que mostra seu próximo álbum. “La Mujer Lagarto” tem todos os melhores ingredientes da banda: garage psicodélica de puro reverb, teclas irresistíveis e uma cadência envolvente. Aqui.

Para finalizar o resumo uruguaio, temos o último vídeo de Dostrescinco para a música “Nuestra Huella”, com Emiliano Brancciari, do No Te Va Gustar. Inspirados nos tempos atuais, eles decidem ser conscientes, promover a generosidade, retribuir o que recebem e mais do que nunca superar.



LEIA OS PANORAMAS ANTERIORES DA FARO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.