Boteco: Cinco cervejarias dos EUA

 por Marcelo Costa

Abrindo uma série de cervejas estadunidenses por Portland, no Maine, com a Shipyard Brewery, que retorna ao site com a Nightwind, uma Winter Ale lançada oficialmente no final de 2017 e cuja receita combina maltes Pale Ale, Crystal, Chocolate, Roasted Barley com trigo e os lúpulos Cascade, Goldings, Chinook e Glacier. Trata-se de uma cerveja de coloração âmbar escura translucida com creme bege de média formação e retenção. No nariz, o perfil de torra leve do malte sugere uma paleta aromática com remissão a calda de ameixa, cappuccino e chocolate levemente amargo. Na boca, o primeiro toque é marcado por remissão a cappuccino seguido de leve doçura tostada, um pouco de café e também de chocolate amargo (a sugestão de calda de ameixa desaparece). A casa antecipa 43 IBUs, mas a sensação é metade disso, ou seja, praticamente nada, com a doçura de malte tostado brilhando. Já a textura é de leve para suave. Dai pra frente, um delicioso cappuccino alcoólico que finaliza com sugestão de café e tosta de malte. No retrogosto, mais cappuccino e mais tosta.

A segunda da Shipyard, Little Horrors of Hops, nasceu em 2014 em meio ao Portland Beer Week, em que a cervejaria criou uma série de receitas especiais para o evento inspirada em… Bill Murray. O sucesso dessa Rye IPA (que relembra o filme “A Pequena Loja de Horrores” – Little Shop of Horrors – de 1986) no evento fez com que a cervejaria produzisse um lote sazonal nos anos seguintes. Na receita, um blend de maltes Pale, Crystal 77, Carafoam e aveia com os lúpulos Bravo, Apollo, Centennial e Cascade. De coloração âmbar com creme bege claro de boa formação e ótima retenção, a Shipyard Little Horrors of Hops apresenta um aroma leve que combina doçura frutada com doçura caramelada de malte. Há, ainda, um suave floral. Na boca, a leveza da doçura frutada chega antes no primeiro toque, e continua brilhando na sequencia, deixando o malte caramelo em segundo plano. O amargor é moderado (baixo para quem esperava algo pancada pelo nome e não sabia que essa é a mais inglesa das cervejarias norte-americanas), a textura, leve, e o conjunto prima por essa deliciosa combinação de suavidade, leveza, doçura e refrescancia frutada. No final, leve percepção de casca de laranja. No retrogosto, caramelo e doçura de frutas.

De Portland para São Francisco com duas Fruit Beers da lendária Anchor Brewing. A primeira é a Giants Orange Splash, uma Hop Lager colaborativa entre a cervejaria e o time de beisebol San Francisco Giants, cuja receita combina os maltes Pale 2-Row, Caramel e Patagonia Especial com os lúpulos Apollo, Bravo e Steiner Experimental No. 07270 além de adição de suco de tangerina. O resultado é uma cerveja de coloração âmbar com creme bege de boa formação e média retenção. No nariz, a doçura do malte surge na dianteira, surpreendendo. Ainda é possível perceber um leve frutado cítrico, que remete a tangerina, e mais caramelo e biscoito além de floral sutil. Na boca, leve frutado cítrico no primeiro toque seguido, com força, por doçura de caramelo, que atropela tudo e domina o conjunto. O amargor é baixo e a textura leve querendo caminhar para o cremoso. Dai pra frente, uma cerveja bem maltada, com lúpulos em segundo plano (a versão fresca deve ser outra coisa). No final, caramelo e tangerina. No retrogosto, mais caramelo em destaque, com tangerina em segundo plano.

A segunda Fruit Beer, Mango Wheat, tem como base uma Wheat Ale. A receita combina trigo e malte Two Row Pale com os lúpulos Cascade e Golding. O diferencial é a adição de mangas californianas! De coloração dourada com creme branco de boa formação e retenção, a Anchor Mango Wheat apresenta um aroma bastante frutado, com sugestão tanto da manga (adicionada) quanto de pêssego e damasco. Há doçura perceptível tanto derivada do malte quanto da fruta. Na boca, doçura de manga no primeiro toque com leve floral e leve condimentado na sequencia. Há, ainda, doçura de trigo e o amargor é bem baixo. Já a textura se mostra levemente picante no começo e, segundos depois, cremosa. Dai pra frente surge uma Wheat Ale bem saborosa, com recrescência e doçura da fruta marcando presença de forma deliciosa. No final, doçura frutada de manga com leve picância. No retrogosto, doçura de trigo, frutado que remete mais a pêssego, mas também manga e damasco.

Partindo agora para Chicago com duas Moody Tongue! A primeira é a Sliced Nectarine, uma IPA com lúpulo Chinook e pêssego Nectarina. De coloração âmbar alaranjada com creme bege bem clarinho de ótima formação e longa retenção, a Moody Tongue Sliced Nectarine IPA apresenta um aroma com predomínio de notas frutadas cítricas (destaque para laranja, mamão e o pêssego adicionado) além de percepção herbal (grama), doçura caramelada e leve resina. Na boca, doçura caramelada suave no primeiro toque seguida de pêssego, casca de laranja, grama e amargor leve. A textura é suave, quase cremosa, com leve picância. Dai pra frente segue-se um conjunto que combina a contento doçura caramelada, frutado (pêssego e laranja) e amargor médio (não passa dos 45 IBUs). No final, secura e amargor leve. No retrogosto, caramelo, pêssego, laranja, grama cortada e leve (mas bem leve mesmo) resina, além de refrescância.

A segunda Moody Tongue é a Caramelized Chocolate Churro, uma Baltic Porter cuja receita combina adições de baunilha de Madagáscar, canela mexicana e chocolate escuro Oaxaca além de utilização de levedura lager. De coloração marrom escura turva com creme bege de excelente formação e longa retenção, a Moody Tongue Caramelized Chocolate Churro Baltic Porter apresenta um aroma provocante em que a canela toma a dianteira e traz consigo tanto notas suavemente avinagradas como leve presença de frutas vermelhas. Na base, chocolate amargo, café e malte tostado. Na boca, azedume leve e canela no primeiro toque seguido de leve doçura de baunilha e chocolate amargo delicioso – ainda que o amargor seja deixando em segundo plano devido ao azedume (mesmo suave). A textura é suave e vai se tornando cada vez mais cremosa sobre a língua. Dai pra frente toma forma a pegada de vinificação e azedume sobre uma base de chocolate amargo, canela e café. No final, doçura frutada (uva passa) e canela. No retrogosto, café, chocolate amargo e azedume suave.

De Chicago para Newport, Oregon, casa da Rogue Ales, que retorna ao site com a Yellow Snow, uma Pilsner de inverno cuja receita combina os maltes Weyerman Pilsner e Carabelge com os lúpulos Perle e Sterling além de uma curiosa adição: folhas de Picea, um género de coníferas vulgarmente designadas como, entre outras coisas, pinho-alemão, e que nada mais é do que uma espécie daquelas árvores natalinas. De coloração amarela dourada com creme branco de boa formação e retenção, a Rogue Yellow Snow apresenta um aroma levemente maltado, com doçura caramelada sutil e percepção leve de notas herbais. Na boca, as mesmas sensações que o aroma adianta com doçura marcando o primeiro toque e cereais e herbal surgindo levemente na sequencia. O amargor é bem baixinho (19 IBUs) e a textura é bem leve. Dai pra frente surge um conjunto agradável, com doçura à frente, mas herbal sutilmente presente. No final, doçura. No retrogosto, herbal, caramelo e cereais.

A segunda Rogue é a Counter Currant, que utiliza groselhas negras (também conhecida como cassis) plantadas na fazenda da cervejaria. Na receita, maltes 2-Row, Munich, Wheat, Red X e Dextrapils combinados com o lúpulo Rogue Farms Liberty e levedura Pacman Yeast além de agua costeira. De coloração vermelha groselha com creme vermelho intenso de ótima formação e média alta retenção, a Rogue Counter Currant apresenta um aroma com intensa presença da fruta, que domina completamente a percepção do bebedor, que não irá perceber nada mais além do cassis – nem os 6.4% de álcool. Na boca, a mesma sensação: cassis no primeiro toque, intenso, espalhando-se pelo passeio seguinte sem dar espaço para mais nada. O amargor é desconsiderável (11 IBUs) e a textura, leve. Dai pra frente, uma Fruit Beer deliciosa, com muito gosto de fruta, e pouco de cerveja – mas os 6.4% de álcool estão ali, para turvar o bebedor. No final, cassis. No retrogosto, cassis.

Do Oregon para Fort Bragg, na costa do condado de Mendocino, na Califórnia, com duas versões Barrel Aged da menina dos olhos da cervejaria North Coast, a maravilhosa Old Rasputin. A primeira é a Barrel Aged Old Rasputin XVIII, safra 2018, envelhecida em barricas que antes maturaram uísque de centeio (as marcas mais famosas são Hudson Manhattan, Whistle Pig e Knob Creek, mas até Jack Daniels e Wild Turkey têm suas versões rye). Na taça, essa BA apresenta uma coloração marrom escura praticamente preta com creme bege de boa formação e média alta retenção. No nariz, chocolate, cacau, baunilha, coco bastante leve, mas perceptível e presença de notas sutis de torra, mas nada que remeta a café. Há, ainda, leve uísque. Na boca, doçura média remetendo a chocolate no primeiro toque seguido de marcas de barril sugerindo carvalho, uísque e centeio sem deixar de lado as variantes de chocolate, cacau e baunilha nem a de torra. O amargor é médio alto e traz reforço de torra e de álcool (11.3%). A textura é picante no começo e vai ficando sedosa (o álcool aparece pouco, mas aparece). Dai pra frente, uma RIS BA elegante e deliciosa, com uísque e centeio marcantes. No final, baunilha, uísque, picância e calor alcoólicos. No retrogosto, madeira, uísque, chocolate…

A segunda é a North Coast Barrel Aged Old Rasputin XIX, safra 2019, envelhecida em barricas que antes maturaram Bourbon. De coloração marrom escura praticamente preta com creme bege de boa formação e média alta retenção, a Barrel Aged Old Rasputin XIX Bourbon apresenta baunilha, caramelo, avelã, cacau e chocolate com o Bourbon parecendo de maneira leve e trazendo consigo os 11.3% de graduação alcoólica (delicados no aroma). Na boca, doçura de baunilha no primeiro toque abrindo-se na sequencia para as demais variantes adiantadas pelo aroma (caramelo, avelã, cacau e chocolate), porém, com pouca presença de Bourbon, que soa distante. O amargor é muito mais contido do que na versão Rye, mais arisca – aqui a doçura se sobressai com facilidade, abrindo caminho para uma textura com suave que vai se tornando sedosa e picante (de álcool). Dai pra frente, a sensação de gotas de chocolate com uísque aumenta, assim como aumenta a percepção de uísque e álcool no conjunto, até então tímida, mas a grande sensação é que o barril de Bourbon favorece imensamente à doçura, grande destaque no conjunto. No final, pegada suave de Bourbon e baunilha. No retrogosto, Bourbon, chocolate, baunilha, cacau, caramelo e calor alcoólico.

Balanço
Começando por Portland com a Shipyard, uma das mais inglesas cervejarias norte-americanas, que aqui marca presença com a Nightwind, uma Winter Ale que remete a um delicioso cappuccino alcoólico. Já a segunda da Shipyard, para quem esperava algo pancada lupulada pelo nome Little Horror of Hops, essa cerveja que homenageia Bill Murray é bem macia, adocicada e saborosa. Boa surpresa. Agora com a Anchor, que decepciona com sua Fruit Lager Tangerina, a Orange Splash, muito pela falta de frescor, que matou a lupulagem e elevou os maltes. Na fonte deve ser outra cerveja, e muito melhor. Já a Mango Wheat está muito mais inteira, saborosa e refrescante. A Moody Tongue Sliced Nectarine IPA combina frutado, doçura e amargor de forma muito caprichada. Já a Caramelized Chocolate Churro é uma Baltic Porter bastante agradável, com a baunilha bem presente. A Rogue Yellow Snow é uma interessante Pilsner natalina, mas há outras ofertas para a época bem mais interessantes. Já a Rogue Counter Currant é uma Fruit Beer bem interessante, com intensa presença de cassis, as groselhas pretas. Fechando com duas belas versões BA da North Coast Old Rasputin. A sensação é de que nenhuma das duas bate a versão base, mas ambas trazem particularidades interessantes, com a versão Rye mais arisca e versão Bourbon mais macia. Fodas.

Shipyard Nightwind
– Produto: Winter Ale
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.8%
– Nota: 3.29/5

Shipyard Little Horror of Hops
– Produto: Rye IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.9%
– Nota: 3.31/5

Anchor Giants Orange Splash
– Produto: Fruit Beer
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.2%
– Nota: 2.78/5

Anchor Mango Wheat
– Produto: Fruit Beer
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 4.5%
– Nota: 3.22/5

Moody Tongue Sliced Nectarine IPA
– Produto: IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.8%
– Nota: 3.38/5

Moody Tongue Caramelized Chocolate Churro
– Produto: Baltic Porter
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3.49/5

Rogue Yellow Snow
– Produto: Pilsner
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.5%
– Nota: 3.17/5

Rogue Counter Currant
– Produto: Fruit Beer
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 6.4%
– Nota: 3.31/5

North Coast Barrel Aged Old Rasputin XVIII Rye Barrels
– Produto: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 11.3%
– Nota: 4.03/5

North Coast Barrel Aged Old Rasputin XIX Bourbon Barrels
– Produto: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 11.2%
– Nota: 4.08/5

Leia também
– Top 2001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.