Meus caraminguás sobre o Oscar 2014

por Marcelo Costa

PRÉ
Muita gente acusou 2013 de ser um ano mediano, mas, no quesito cinema, a coisa toda foi acima da média. Abaixo seguem o que seriam meus votos (não minhas apostas!) para cada categoria e minha lista por ordem de preferência na categoria Melhor Filme. Três categorias foram apostas na base do chute: Documentário (vi apenas um), Curta Metragem e Curta de Animação (mas vou tentar ver todos os curtas antes da premiação). Das outras, se meus votos definissem os vencedores, “Gravidade” sairia da cerimonia com seis estatuetas deixando “Clube de compras Dallas”, “Ela” e “Nebraska” com dois Oscars, cada um. Será?

PÓS
“Gravidade” foi reconhecido como um excelente filme (técnico) saindo da premiação com sete estatuetas merecidas enquanto “Clube de Compras Dallas” e “12 Anos de Escravidão” empataram com três estatuetas cada um (o segundo eleito Melhor Filme). “Trapaça”, que recebeu 10 indicações, saiu com as mãos abanando (felizmente). E surpresa pra mim foi “O Grande Gatsby”, de Baz Luhrmann, arrebatar duas estatuetas. De resto, uma pena “Nebraska” passar batido (merecia ao menos por fotografia), mas fiquei feliz com a vitória de “A Grande Beleza” como Melhor Filme Estrangeiro. Abaixo, todos os premiados (e as minhas apostas).

MELHOR FILME
1) “O Lobo de Wall Street”: Martin Scorsese em seu melhor auxiliado por um elenco inspiradíssimo comandado por Di Caprio (apesar da edição capenga). É o tipo do filme que daqui 10 anos vão dizer que é clássico, como aconteceu com “Goodfellas” e “Taxi Driver”, mas não vai levar a estatueta. O drama de Scorsese é ele estar à frente de seu tempo, sempre.
2) “Gravidade”: sabe cinema, sala escura, pipoca, essas coisas? É isso que “Gravidade” representa. Quem baixou e assistiu em casa não tem a mínima ideia da qualidade deste filme, um pecado semelhante a beber cerveja boa em copo de plástico. Merece um caminhão de Oscars.
3) “Ela”: esqueça as baboseiras de futurismo a que muita gente tem se apegado ao falar de “Ela” e concentre-se no que o filme realmente é: um boy meet girl classudo, original e que, mais do que declarar uma revolução tecnológica, reconhece o quanto o ser-humano está, cada vez mais, sozinho.
4) “Clube de Compras Dallas”: Matthew McConaughey é o nome do momento, e esse momento já dura uns três anos, desde que ele encarou o papel em “Killer Joe”. Como não basta ser um grande ator para tirar leite de pedra (embora muita gente já tenha feito isso), a história de “Dallas Buyers Club” é tocante, emocional e importante para um mundo que não respeita diferenças.
5) “Nebraska”: A rigor, do terceiro lugar até o sétimo, há um equilíbrio delicado entre os filmes de 2013 e “Nebraska”, por exemplo, não teria concorrente se tivesse sido lançado no ano em que “Shakespeare Apaixonado” levou o Oscar de Melhor Filme. Alexander Payne desenhou um retrato profundo e delicado sobre um Estados Unidos que muitos querem esconder.
6) “12 Anos de Escravidão”: Outro grande filme de Steve McQueen, “12 Years A Slave” é daqueles filmes que deveria ser exibido e debatido em escolas de primeiro grau, buscando formar no adolescente o pensamento de que somos todos iguais e não podemos repetir erros cruéis como este. McQueen conduz a trama com maestria, sem se sobrepor a história.
7) “Philomena”: Outro grande filme sobre uma história absurda, de uma época sem leis, a história de Philomena Lee cresce nas mãos de Stephen Frears e no contraponto da atuação convincente de Judi Dench, que se amplia frente ao personagem chato de Steve Coogan.
8 ) “Capitão Phillips”: o “Guerra ao Terror” deste ano (e semelhante a outros em ocasiões anteriores) defende a supremacia dos Estados Unidos perante o mundo. Paul Greengrass consegue manter o filme em rédea curta durante 90% da trama, e tem a seu favor uma atuação brilhante de Tom Hanks e, principalmente, de Barkhad Abdi, mas o final, realista (e populista) passa um recado amargo de poder, que incomoda.
9) “Trapaça”: um sub-Scorsese de terceira categoria, com trilha sonora óbvia e apelativa, e que tem a seu favor figurino, maquiagem, cabelos e um elenco de primeira atuando em uma trama com requintes de realidade, e que você já viu. É um bom filme para sessão da tarde, nunca para o Oscar.

MELHOR DIRETOR
– Alfonso Cuarón, de “Gravidade” (MEU VOTO / OSCAR)
– Martin Scorsese, de “O lobo de Wall Street”
– Steve McQueen, de “12 anos de escravidão”
– Alexander Payne, de “Nebraska”
– David O. Russell, de “Trapaça”

MELHOR ATOR
– Christian Bale, de “Trapaça”
– Bruce Dern, de “Nebraska”
– Leonardo DiCaprio, de “O lobo de Wall Street”
– Chiwetel Ejiofor, de “12 anos de escravidão”
– Matthew McConaughey, “Clube de compras Dallas” (MEU VOTO /OSCAR)

MELHOR ATRIZ
– Cate Blanchett, de “Blue Jasmine” (MEU VOTO / OSCAR)
– Sandra Bullock, de “Gravidade”
– Judi Dench, de “Philomena”
– Amy Adams, de “Trapaça”
– Meryl Streep, de “Álbum de família”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Barkhad Abdi, de “Capitão Phillips” (MEU VOTO)
– Bradley Cooper, de “Trapaça”
– Michael Fassbender, de “12 anos de escravidão”
– Jared Leto, de “Clube de compras Dallas” (OSCAR)
– Jonah Hill, de “O lobo de Wall Street”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Sally Hawkins, de “Blue Jasmine”
– Jennifer Lawrence, de “Trapaça”
– Lupita Nyong’o, de “12 anos de escravidão” (OSCAR)
– Julia Roberts, de “Álbum de família”
– June Squibb, de “Nebraska” (MEU VOTO)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
– “Alabama Monroe” (Bélgica)
– “A grande beleza” (Itália) (MEU VOTO / OSCAR)
– “A caça” (Dinamarca)
– “The missing picture” (Camboja)
– “Omar” (Palestina)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– “Trapaça”
– “Blue Jasmine”
– “Clube de compras Dallas”
– “Ela” (MEU VOTO / OSCAR)
– “Nebraska”

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– “Capitão Phillips”
– “Antes da meia-noite” (MEU VOTO)
– “Philomena”
– “12 anos de escravidão” (OSCAR)
– “O lobo de Wall Street”

DOCUMENTÁRIO
– “The act of killing” (MEU VOTO)
– “Cutie and the Boxer”
– “Dirty Wars”
– “The Square”
– “20 Feet from Stardom” (OSCAR)

CURTA
– “CaveDigger” (MEU VOTO)
– “Facing fear”
– “Karama has no walls”
– “The lady in number 6: Music saved my life” (OSCAR)
– “Prison terminal: The last days of private Jack Hall”

MELHOR FOTOGRAFIA
– “O grande mestre”
– “Gravidade” (OSCAR)
– “Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”
– “Nebraska” (MEU VOTO)
– “Os suspeitos”

MELHOR EDIÇÃO
– “Trapaça”
– “Capitão Phillips”
– “Clube de compras Dallas”
– “Gravidade” (MEU VOTO / OSCAR)
– “12 anos de escravidão”

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
– “A menina que roubava livros”
– “Gravidade” (MEU VOTO / OSCAR)
– “Ela”
– “Philomena”
– “Walt nos Bastidores de Mary Poppins”

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
– “Happy”, de “Meu malvado favorito 2″
– “Let it Go”, de “Frozen: Uma aventura congelante” (OSCAR)
– “The Moon Song”, de “Ela” (MEU VOTO)
– “Ordinary Love”, de “Mandela: Long walk to freedom”

MELHOR EFEITO VISUAL
– “Gravidade” (MEU VOTO / OSCAR)
– “O hobbit: A desolação de Smaug”
– “Homem de ferro 3″
– “O cavaleiro solitário”
– “Star trek: além da escuridão”

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
– “All Is Lost”
– “Capitão Phillips”
– “Gravidade” (MEU VOTO / OSCAR)
– “O hobbit: A desolação de Smaug”
– “O grande herói”

MELHOR MIXAGEM DE SOM
– “Capitão Phillips”
– “Gravidade” (MEU VOTO / OSCAR)
– “O hobbit: A desolação de Smaug”
– “Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”
– “O grande herói”

MELHOR CURTA METRAGEM
– “Aquel no era yo”
– “Avant que de tout perdre” (MEU VOTO)
– “Helium” (OSCAR)
– “Pitääkö Mun Kaikki Hoitaa?”
– “The Voorman Problem”

MELHOR CURTA METRAGEM ANIMAÇÂO
– “Feral”
– “Get a horse!”
– “Mr. Hublot” (OSCAR)
– “Possessions” (MEU VOTO)
– “Room on the broom”

MELHOR FIGURINO
– “Trapaça” (MEU VOTO)
– “O grande mestre”
– “O grande Gatsby” (OSCAR)
– “The Invisible Woman”
– “12 anos de escravidão”

DESIGN DE PRODUÇÃO
– “Trapaça”
– “Gravidade” (MEU VOTO)
– “O Grande Gatsby” (OSCAR)
– “Ela”
– “12 anos de escravidão”

MAQUIAGEM E CABELO
– “Clube de compras Dallas” (MEU VOTO / OSCAR)
– “Jackass apresenta: Vovô sem vergonha”
– “O cavaleiro solitário”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.