Deolinda ao vivo no Sesc Santana

Texto, fotos e vídeos por Marcelo Costa

Eis um dos shows do ano na terra descoberta por Pedro Alvares Cabral. Principal nome da nova cena portuguesa, aliando sucesso comercial e elogio da crítica, o Deolinda baixou em São Paulo para mostrar o repertório do recém-lançado terceiro CD, “Mundo Pequenino”, em dois shows esgotados no teatro do Sesc Santana, e distribuiu simpatia em duas apresentações irrepreensíveis. No domingo, de vestido bufante amarelo, a vocalista Ana Bacalhau encantou em uma performance arrasadora (ela devia rodar o Brasil ministrando workshops sobre “como cantar e ser uma frontband que empolga o público”).

O delicado trio instrumental (sem o apoio da percussão presente na atual turnê), com dois violões (de Pedro da Silva Martins e Luís José Martins) e baixolão (José Pedro Leitão), fez a cama perfeita para a voz, e o Deolinda é o que é devido a junção das composições inteligentes e de letras críticas de Pedro com a interpretação espetacular de Ana, que não apenas canta as letras, mas as incorpora, engradecendo números como “Fado Toninho” (“Que é sobre um homem que se acha gostosão, mas não é”, explicou) e, principalmente, “Pois Foi”, uma canção sobre um cara que não dava atenção para sua garota, até que… (veja o vídeo).

O single mais recente, “Seja Agora” foi muito bem recebido, mas os grandes momentos da noite foram reservados para as divertidas “Fon Fon Fon” (com Ana rapeando no começo), “A Problemática Colocação de Mastro”, a sensacional “Fiscal do Fado”, que acabou ficando de fora do último álbum, e as politizadas “Movimento Perpetuo Associativo” (que já ganhou versão do Do Amor, disponibilizada pelo Scream & Yell) e “Que Parva Que Sou” (assista aqui), canção de refrão forte, que, em meio à crise de desemprego (portuguesa e mundial), atesta: “Que parva que eu sou! E fico a pensar / Que mundo tão parvo / Que para ser escravo é preciso estudar”.

Antes de apresentar “Que Parva Que Sou”, canção lançada oficialmente no show que rendeu o álbum duplo (e DVD) “Ao Vivo no Coliseu dos Recreios”, de 2011, Ana Bacalhau fez questão de explicar: “Vocês não usam a palavra Parva no Brasil, né? Significa idiota”, disse, contando que a canção, mesmo inédita, circulou bastante antes do DVD sair causando comoção em Portugal. A vocalista ainda aproveitou para elogiar as pessoas que foram às ruas no Brasil buscando cobrar o governo sobre seus direitos, e a primeira parte da noite terminou com a forte “Musiquinha” – outra com letra esperta.

No primeiro bis, a deliciosa fábula “Eu Tenho um Melro” (não apresentada na noite anterior), do primeiro álbum, “Canção ao Lado” (2008) levou os fãs mais antigos ao delírio (sim, eles existem em São Paulo, e colaram na frente do palco), mas foi com (a brasileira) “Garçonete Da Casa De Fado” que a o teatro quase veio abaixo. A emocional “Clandestino” pôs fim à festa no segundo bis. Se pudessem, eles voltariam para um terceiro bis, como costumamente fazem em Lisboa – o público até insistiu, mas as luzes acesas e a fila já grande na banquinha de CDs, a espera de autógrafos, dispersou a multidão em uma daquelas noites pra lá de especiais.

A sensação pós-show é de que o Deolinda é a melhor banda com letras em português e performance de palco em atividade no cenário atual. Do lado de cá, enquanto a música brasileira mainstream se pre-pa-ra para entrar em sua provável fase mais decadente (claro, é sempre possível afundar ainda mais na lama e no mau gosto), o cenário independente parece conformado com sua situação de indie e dependente. A crise maquiada, a diferença quase inexistente entre esquerda e direita e nem os 0,20 centavos parecem emocionar nossa combalida quase artística. Em 2013, os lisboetas, falando sobre seus problemas, falam mais sobre o Brasil que os próprios brasileiros. Faz se urgente descobrir o Deolinda. Não seja parvo.

– Marcelo Costa (@screamyell) é editor do Scream & Yell e assina a Calmantes com Champagne

Leia também:
– Entrevista: Deolinda -> “A individualidade é uma coisa muito rara hoje em dia” (aqui)
– É difícil botar algum reparo no repertório atual do Deolinda, por Bruno Capelas (aqui)
– Deolinda ao vivo em 2011: o triunfo do fado pop, por Pedro Salgado (aqui)
– Download: Do Amor regrava música do Deolinda. Baixe o EP “Projeto Visto” (aqui)

4 thoughts on “Deolinda ao vivo no Sesc Santana

  1. Tu sabe o que fala e concordo contigo. Principalmente na parte em que diz que os caras falam mais daqui do que os próprios perobos fãs de panelinha que são boa parte dos participantes da atual e bizarra e vendida mainstream brasilis.
    Bom. Não consigo mais acreditar em renascimento ou em retorno da era áurea em que tínhamos coisa boa pra ouvir. Que dava gosto e fazia pensar.
    Hj as pessoas não ligam pra qualidade. Tudo é descartável…até o prazer.
    Agradeço ai pela dica da banda.
    Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *