Scream & Yell recomenda: Agridoce

por Renata Arruda

Em Junho de 2010, durante os intervalos da turnê do álbum “Chiaroscuro” (2009), Pitty e o guitarrista Martin Mendezz se reuniram na casa da cantora e, influenciados pela música de Nick Drake, começaram a compor algumas canções no esquema voz, violão dedilhado, piano minimalista e letras “ora lúdicas e fofas, ora pesadas e melancólicas”, diferentes do conhecido trabalho autoral da cantora. Surgia o Agridoce, inicialmente idealizado como um projeto folk, e hoje melhor definido como “canção popular melodramática”, cuja premissa está na liberdade criativa de compor sem se prender a rótulos.

O projeto, de influências como o supracitado Nick Drake, Leonard Cohen, Sean Lennon, Velvet Underground, Iron&Wine, Elliott Smith e outros, em pouco tempo agradou ao público, que começou a pedir por shows e pelo lançamento de um álbum. “É surpreendente que essas músicas tenham tocado as pessoas”, chegou a declarar Martin.

A dupla começou a se animar com a ideia de levar adiante o projeto, mas foi quase um ano depois que o Agridoce arriscou sua primeira apresentação ao vivo. Chegando no palco de maneira um pouco apreensiva, Pitty chegou a pedir: “Espero que vocês sejam compreensivos”. A plateia embarcou na atmosfera intimista e delicada da apresentação, cantando todas as músicas em um coro baixinho. A noite estava ganha. Para o encerramento, Pitty e Martin chamaram ao palco os músicos Hélio Flanders (Vanguart), Bruno Kayapy e Ynaiã Benthroldo (Macaco Bong), Karina Buhr, Pupillo (Nação Zumbi) e a dupla Finlândia, que os acompanharam na dramática “O Porto”.

Com a repercussão positiva, finalmente Pitty e Martin fecharam com selo Vigilante (Deck) e, inspirados pelo documentário “Funky Monks”, do Red Hot Chilli Peppers, partiram para a Serra da Cantareira, onde montaram um estúdio caseiro na enorme casa de campo, que batizaram de Agridocelândia. Para os arranjos, além do piano meia cauda, violões, guitarras e chocalhos, apostaram em tirar sons de palmas e pés e improvisar com o que estivesse disponível: porta, corrente, gaveta de cabeça para baixo. “Tem duas músicas que a gente usou a técnica de piano preparado do John Cage, que você interfere o som colocando coisas nas cordas. Numa delas a gente colocou gizo, na outra colocamos garfo”, disse Pitty em entrevista e Martin prosseguiu: “Acabou saindo muita coisa que, na cabeça da gente, poderia ter feito de outro jeito. Pensávamos em colocar cordas, mas descobrimos que um dobro com um ebow e slide, dobrado três vezes, causava essa impressão”.

Para lá também se mudaram o produtor Rafael Ramos, o engenheiro de som Jorge Guerreiro e o fotógrafo e cinegrafista Otávio Sousa, que registrou toda a estadia do grupo durante os vinte e dois dias do isolamento. Pitty e Martin acabaram compondo mais do que o previsto, fechando o período de gravações com vinte e uma músicas prontas; entre elas, a balada pop “Upside Down”, recentemente lançada no site oficial do Agridoce (http://agridoce.net).

Enquanto isso, sete versões demo continuam disponíveis nas páginas da dupla, além do vídeo promocional da canção “B Day”, realizado por Daniel Weksler. Uma oitava, “Ne Parle Pas” – a única composição em francês – inspirou o produtor Daniel Tejo (Instituto) de tal forma que ele criou um remix trip hop com batidas de dubstep e trompete cool jazz, trazendo uma atmosfera sensual e melancólica à música. A ideia acabou resultando no lançamento de um compacto em vinil colorido 7″, que traz a demo original em um lado e o remix no outro e pode ser comprado exclusivamente no site da loja IdealShop.

O aguardado CD, batizado apenas de “Agridoce” e masterizado por Bernie Grundman (Tom Waits), chega às lojas na primeira quinzena de Novembro. O primeiro single, “Dançando” – que em sua versão demo teve o maior número de execuções nas páginas da dupla – estará nas rádios a partir de terça-feira, mas o Scream & Yell já teve acesso e traz o single com exclusividade, além de uma mini-entrevista. Ouça a música abaixo e confira o bate papo:

Sabemos que o Agridoce surgiu de maneira despretensiosa, influenciado pelo folk de Nick Drake, inclusive sendo apelidado de “fofolk” no começo. Agora que ganhou corpo, o que podemos esperar do CD?
Martin: Muita coisa mudou desde os tempos de ensaios e músicas disponibilizadas no MySpace até a finalização do disco. Isso somado ao fato de termos gravado num clima de liberdade criativa tão grande aumentou muito a distância entre a proposta inicial e o produto final. Nunca assumimos um rótulo folk ou minimalista, são apenas dois entre muitos elementos.

Pitty: No final das contas, deixamos a coisa voar para o lado que nos desse vontade, descobrindo enquanto fazíamos, a despeito da fagulha inicial que era esse lance mais acústico apenas. O método rústico da gravação dá totalmente o tom do disco; é possível sentir a atmosfera da casa, da madeira do piso e do teto, do ambiente de fora com vazamentos em geral já que não era um estúdio acusticamente isolado. E isso a gente queria mesmo, o clima de uma casa com amigos reunidos respirando música e criando 24h por dia. Hoje não sei como classificar o som, mas acredito que a proposta seja desenvolver canções intimistas e explorar experimentalismos tendo o piano e violão como base.

Podem contar um pouco sobre o processo de composição da dupla? Você também compõe no piano, Pitty?
Martin: Na verdade não existe um processo de composição, simplesmente vamos acolhendo as ideias que aparecem. Algumas vezes um dos dois traz um esboço e vamos desenvolvendo juntos, noutras um vem com a canção já mais finalizada e o outro interfere no arranjo ou letra. Algumas músicas foram compostas pelos dois a partir de improvisações livres. A regra é não ter regra.

Pitty: Tenho a mania de sempre fazer o texto primeiro, com calma, com tempo. No Agridoce foi interessante me ver arrancada dessa zona de conforto algumas vezes, quando tínhamos uma música pronta e Martin me incitava a fazer a letra ali, na hora. Eu dava uma surtada, ficava meio louca, achando impossível de acontecer; mas no final do dia acabávamos tendo a tal canção finalizada.

Martin: Criar em parceria gera uma tensão que pode trazer resultados muito legais, as estrofes de “Upside Down” são um exemplo disso. As inspirações para as letras são as mais variadas e apesar delas terem um tom biográfico não são necessariamente sobre experiências reais.

Pitty: Pra mim algumas são. Não sei escrever de “fora”. E sim, eu me aventurei a compor no piano. 🙂

Pitty declarou que quando lançou seu primeiro CD queria sair do marasmo da época, com letras “nem um pouco fofas” e rejeitou lançar a balada “Equalize” como primeiro single, o que deu muito certo. Porém, os tempos são outros, as rádios têm-se oposto a tocar músicas pesadas afirmando que não há um grande público para este tipo de som. Inclusive, no Rock in Rio, o grande momento da banda foi curiosamente durante as baladas. O que mudou em você como artista e o que acha que mudou para o público?
Pitty: Em mim não mudou muita coisa nesse sentido. Sempre acho que vale a pena experimentar a contramão pra dar um sacode nas coisas, como tentei fazer no primeiro disco. Hoje em dia talvez nem tivesse rolado, o funil está cada vez mais estreito. E ao mesmo tempo, lançar um disco de canções agora não tem nada a ver com esse afunilamento. Não quero fazer ou deixar de fazer nada movida por essa questão, a mola propulsora da criação é outra. Não sei o que mudou exatamente para o público, exceto pelo fato de que quem gosta de som mais pesado permanece carente de emissoras apostando nesse segmento e corre por outros lados como a internet, por exemplo.

http://www.facebook.com/agridoceoficial

– Renata Arruda (@renata_arruda) é jornalista e colaboradora na empresa Teia Livre e na Revista Cultural Novitas

122 thoughts on “Scream & Yell recomenda: Agridoce

  1. Te amo Pitty faria muitas coisas pra te conhecer.
    Espero que um dia eu te conheça.
    Se eu não te conhecer pelo menos quero ir a um show com certeza.
    Sei quase tudo sobre você,sou aquelas fãs que procuram sabe mais sobre os seus ídolos.

    *___*
    Bjs,Pamela

  2. Estou até agora chorando, essa música trouxe uma energia que não é deste mundo. Esqueci o que era gravidade quando ouvi. Emocionante! Não via um projeto assim há anos! Parabéns Agridoce, emoções estamos sentindo.

  3. Pra mim o single dançando é quase surreal, me leva a flutuar ao mesmo tempo q me joga de volta a realidade, simplesmente espetacular, incrível a emoção e o sentimento que me passa!

  4. Trabalho magnifico, uma de minha músicas preferidas do Agridoce, diz muito sobre mim, a capa do disco ficou ótima tbm, meu parabéns pra Pitty e pro Martin.

  5. “Tadinhas de vocês que ficam tirando sarro de uma pessoa que gosta da mesma artista que vocês…Lamentável. Bullyng total.”

    Exatamente, Laura.

    Senhoritas, entendam que há diferença entre criticar um comportamento e ser um babaca baixo. Um exemplo de baixaria depois dos dois pontos: vão ser idiotas no inferno.

  6. Bom, achei muito massa escolherem “Dançando” para ser o primeiro single , pois a música é “bem acessível” ao público e até quem não é fã do projeto acaba curtindo ! E essa música passa bem o recado do projeto : ela é fofa, mas ao mesmo tempo tem uma mensagem mais melancólica também . É dificil as pessoas não serem tocadas por essa música , enfim eu adorei a escolha (:

  7. As músicas tem uma melodia muito bonita de se ouvir, as letras acabam mexendo com o interior de alguma maneira; é simples e isso que me comove.
    A escolha do primeiro single foi um tanto quanto obvia, mas é com certeza a que os fãs do trabalho da dupla mais gostam. Eu adoro o trabalho da Pitty, e desse projeto paralelo mais ainda.
    Obrigada por trazer a nossa música brasileira uma coisa tão linda de se ouvir como o Agridoce.

  8. letra perfeita, ótimos arranjos, a Pitty cantando com a alma.
    É uma ótima música para nos pararmos um pouco para respirar, e pensar.
    Parabéns por este projeto, valeu muito apena seguir em frente com o Agridoce!

  9. Hahahahhahah
    Ana, o público desse tipo de artista é assim mesmo.
    São aborrecentes. Idealizam…

    PS: Gosto da Pitty. Nem tanto das músicas(uma ou outra é boa), mas da pessoa que ela parece ser. Enfim, das idéias.

  10. Nossa muito diferente da versão do myspace, mais ficou ótima, som os sinos o efeito da voz.
    Não vejo a hora de ouvi nas rádios.
    É bom que abre outro leck para as coisas e acho que essas músicas nunca se encaixariam com a banda Pitty ou a banda Martin e Eduardo.
    É isso =)

  11. Eu acho que o artista tem que se desprender total daquilo que faz pra poder dar uma viajada pelo espaço e rever os aspectos de musica, achei incrível o lance do agridoce, talvez se não estivesse nessa mesma nice do agridoce, eu acharia somente mais um trabalho de um artista que gosto muito, mas na realidade veio uma surpreendente maneira de conquistar mais ainda seu publico, sendo intencional ou não, deu certo.
    Agridoce na mina opinião é a maneira mais palpável de sutilezas e simplicidade, ricas em experimentos do que é novo e tendo sempre a mesma ideia de multiplicar a musica pelo mundo, eu to apaixonado pelo agridoce!

  12. Amei, reportagem perfeita. A arte da capa do álbum tá incrível. Simplesmente demais.
    Parabéns Pitty e Martin pelo trabalho impecável. Sou muito fã de vocês e da banda. Amo demais! beijos!

  13. Curti bastante ”Dançando”. O projeto é verdadeiro e acho que isso torna o resultado bastante agradável. As fotos de divulgação, capa do álbum e alguns vídeos que vi estão bem bacanas. Gosto disso. 🙂

  14. eu achei muito delicado, me pareceu necessário composições desse tipo, para o momento da carreira mesmo, o minimalista como descrição sem dúvida não é um adjetivo vazio, esperando para escutar o resultado total =)

  15. Dançando é uma bela musica, e eu acho que é otimo Dançando ser o primeiro single !!!
    E que venha esse CD Lindo 😉
    Otima materia 🙂

  16. orgulho de saber que aquela despretensiosa twitcam num domingo de tarde nos trouxe até aqui. e dançando sempre foi linda por excelência, mas agora sim recebeu um “tratamento” a altura. 🙂

  17. Eu gostei bastante do produto final. Tinha ouvido a versão de ensaio e me impressionei com essa versão fechadinha. Conseguiu ficar ainda melhor.
    Ah, adorei o climão no final da música.

  18. Acompanho a carreira da banda desde o início, e gostei muito do projeto Agridoce, me interessei por folk e percebi que as letras podem ser tão pesadas e fofas ao mesmo tempo não importa o rótulo. Sobre a musica ”dançando” a letra é capaz de dizer tanta coisa, cada um a interpreta de uma maneira, ví até uma apresentação de dança de um cego com essa musica. Mas pra mim, ”dançando” é a mais especial do Agridoce, por ter sido a trilha de um amor meu.

  19. Dançando é uma musica linda, tem uma letra épica e singular, e inspiradora, sem contar que é super fofa. Alem do puro romantismo, existe uma bela declaração na letra o que embeleza ainda mais a muisa. Com um ritmo super doce a musica faz todos dançarem para um lado e para o outro com a batida viciante. Dançando é simplesmente a escolha perfeita para o 1º single *-*

  20. Confesso que faz bastante tempo que não acompanho o trabalho da Pitty. Acho o Martin um guitarrista incrível, dá pra ver pelo monte de coisa que ele se mete a fazer.
    Quando ouvi falar nesse projeto, corri pra procurar algo pra ouvir, já que é uma tendência de que gente boa, bons músicos, que têm trabalhado no mainstream quando lança alguma coisa mais…alternativa, geralmente sai algo legal. Esse single é incrível! To bem curioso pra ouvir o álbum todo.

  21. Acompanho o projeto desde a sua criação, lembro quando a primeira demo foi colocada no myspace, não é surpresa que o projeto tenha crescido tanto, é um projeto sincero e humilde. O trabalho final deve estar lindo!

  22. Achei bem mais diferente do que a versão que havia sido publicada no MySpace, mas curti muito até sou suspeito para falar sobre todos os integrantes da banda Pitty.

    Desejo muito sucesso para eles e quero logo esse CD!!!!!!!!!!!!!!!

  23. Gostei do projeto desde a primeira vez que ouvi no MySpace. Essa capa com a foto do Instagram da Pitty, tirada na Serra da Cantareira no estúdio onde eles gravaram o disco, ficou foda! Vai ser lindo ver essa capa no meio de várias outras nas lojas =)

  24. Se mundo se acabasse hoje eu dançaria ” Dançando” com o meu namorado. Eu achei a idéia muito boa de escolherem ela como single, sempre gostei da pegada da música. Foi uma ótima escolha.

  25. Eu gosto muito desta coisa melodramatica… das frases dramaticas da vdd da gente mesmo acho que estava faltando um pouco sentir adorei… espero que continue inspirados adoro a Pitty acho ela um alien… e Martim só completa… muito bom mesmo

  26. Acho que a escolha da música “Dançando” como o single tem tudo haver, por que foi por causa desta música que o projeto foi reconhecido, e a letra já nos dá uma grande pista do que vai ser o CD, o ritimo a sonoridade da música realmente nós faz imaginar uma casinha no campo, sem falar na vontade que dar de dançar.

  27. Parte dessa música do álbum vai ser cortada na rádio, porque ela tem no final uma parte bem etérea, meio post rock, e essas rádios do BRASÉL não aceitam coisas inusitadas, bem ambient, etc. Acham isso imoral, putz.

    FUCK U BRAZIL RADIO STATIONS!
    FUCK U BRAZIL RADIO STATIONS!

  28. Dançando tem uma melodia “fofa”, suave e agradável. Porém com uma letra profunda, “pesada”, que nos remete tanto a pensar, pensar, pensar e pensar em tudo: na vida, no mundo, em outras pessoas, em nós mesmos… Foi uma ótima escolha para primeiro single, pois ela resume com belas palavras o que é o AGRIDOCE. E sim ” eu sei que lá no fundo há tanta beleza no mundo, eu só queria enxergar”

  29. O single “Dançando” já faz parte da playlist que monto no meu dia-a-dia. Sou movido a música, e Dançando tem me ajudado muito ultimamente. Pra mim não existe palavras que demonstrem toda essa grandeza que a música causou em mim. Posso dizer que hoje estou “Vivendo Dançando”. Caiu na minha história na hora certa, as palavras que compõe a canção e os batidos suaves que me encantaram. A música é encantadora!

  30. a canção “Dançando” traz em si toda uma atmosferada de inovação. com uma melodia incrivelmente acolhedora, faz com que nos percamos a cada palavra, a cada verso, a cada experimentação – e há uma sintonia única! é uma curiosa espécie de “abra-alas” para o trabalho do Agridoce. admirável e princípio de sucesso.

  31. a canção “Dançando” traz em si toda uma atmosfera de inovação. com uma melodia incrivelmente acolhedora, faz com que nos percamos a cada palavra, a cada verso, a cada experimentação – e há uma sintonia única! é uma curiosa espécie de “abra-alas” para o trabalho do Agridoce. admirável e princípio de sucesso.

  32. Torço para que Agridoce possa ser um grande sucesso, assim como todos os discos da banda.
    Sobre “Dançando”, bom essa sem dúvidas é uma música espetacular, que enquanto encanta com a letra, acalma e leva os pensamentos uma viagem dentro de um coração apaixonado com o som dos instrumentos, até mesmo o coração de quem não esteja. É simplesmente uma música fascinante!
    Parabéns a Pitty e ao Martin pelo ótimo trabalho 🙂
    Estou na expectativa do lançamento, afinal… Eu estarei dançando com você 😉 ♥

  33. Não tem como explicar uma musica tão linda,feita com tanto talento por dois artistas incríveis!Como a Pitty mesmo disse é muito fofolk esse projeto..Quando eu ouvi Dançando pela primeira vez eu me apaixonei de cara!

  34. Bem, aeu particularmente estava muito preso a primeira versão (Demo) que é bem ‘crua’ e tal. Mas essa ficou bem trabalhada, de forma a deixar cada detalhe muito bem colocado. Gostei muito e mal posso esperar o lançamento do CD para saber como finalizou as outras lindas e muito bem degustadas por mim: Romeu, Epílogos e Finais, B. Day!

  35. Achei sensacional! A Capa é perfeita para expressar o conteúdo do disco! Agresivo nas palavras, pacífico na melodia! Lindo! Melhor do que eu imaginava! Pitty é uma artista completa! Sabe criar muito bem, ainda mais com o Martin junto! PARABÉNS A ELES! Muito bom

  36. Além de ser uma canção linda de se ouvir, “Dançando” transmite um sentimento de paz que só quem ouve pode dizer. Pelo menos no meu caso é assim. O projeto já está dando certo. Parabéns Pitty e Martin. Sucesso!

  37. A música tem muito mais do que o refrão, só a Pitty consegue compor músicas assim leves para os ouvidos mais ao mesmo tempo pesadas para a alma. Parabéns Pitty, Martin, Rafa, Jorge, Otávio, Deck e todo o resto que ajudou nesse trabalho. E obrigado também por dar esse presente para os fãs de vocês tá “lindimais”.

  38. nossa, gelera deixa a menina ser feliz :/
    aposto que se fosse com vcs, vcs não iriam gostar, plmdd né?
    se ponha no lugar dela..

    mudando de assunto.. ” Dançando é uma música ótima para se o primeiro single” *-*
    para quem não presta atenção na letra essa é apenas mais uma música comum..
    as pessoas ultimamente não estão mais “ouvindo músicas que tenham conteúdo” isso é uma pena :/

  39. Amei o Agridoce logo de cara, a primeira música que eu ouvi foi “Dançando”, no começo eu só sabia “O mundo acaba hoje e eu estarei dançando”, passava o dia todo só nesse refrão e agora eu pude ver a música 100% finalizada isso é muito emocionante. Simplesmente amei, achei muito bacana, perfeita. Pitty e Martin começaram “tímidos” com o Agridoce, mas conseguimos fazer com que a timidez deles sumisse e desse espaço ao sucesso que eles conseguiram com o Agridoce

  40. Pricilaaaaaa..Tentarei até os ultimos dias de minhas vida pra te conheceer Ou pra ir em algum show seeeu…Adoro seu trabalho,Voçe é uma pessoa de muito talento!
    Desejo que vc sempre e sempre fasça esse sucesso Maravilhoso!
    Beeiijos*-*

  41. Amei, não preciso nem rasgar seda dizendo com todo o trabalho é maravilhoso.
    Pitty é a artista mais completa dos últimos anos.
    Adorei este trabalho.=)

  42. O que eu achei de “Dançando”? Achei demais! Mostra bem o lado despretensioso com que a dupla começou. Uma música leve, de melodia e letra simples, mas bem feitas. Tudo muito agradável aos ouvidos. =)

  43. Cara, a música prontinha ficou muito linda e achei super justa a escolha da música. Dançando foi a 1° música deles e tinha q ser o primeiro single tb! 🙂
    Enfim, adorei a escolha e o resultado… =)

  44. A música é maravilhosa, a letra então nem se fala, o projeto sempre me agradou demais. Me lembro de quando ouvi Dançando a primeira vez, fiquei ouvindo ela sem parar por horas e horas interruptas e sem enjoar, e o legal das músicas desse projeto é isso não são enjoativas e pegam rápido, Dançando tem tudo pra estourar nas rádios e que venha o disco que deve estar maravilhoso.

  45. Viver intensamente o presente, de maneira que esse momento especial seja uma lembrança para outros que irão por vir!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Até porque “pode ter sido a ultima chance de fazer tudo ter valido a pena.”

  46. Apesar de ser totalmente diferente do que eu estava acostumada a ouvir da Pitty tenho que admitir que amei as músicas do Agridoce. *-*
    Em partes por ser projeto da Pitty…
    Mas é quase indescrtível os “efeitos” das músicas. São simples, puras e completas.
    Surpreendente e lindo!!! 😀

  47. já conhecia Dançando dos ensaios e da demo lançada a mais de um ano atras, porem nessa versão fechada de estúdio(apesar de não ser essa a versão integra do cd, pois essa já é uma versão cortada para as radio, q ainda tiverão a pachorra de editar ainda mais) a proposta Agridoce vem com mais força, o tom suave do piano, o dedilhar firme do violão, os sons de garrafas e garfos no refrão e a entonação da Pitty sem esmero, limpo, quase como um depoimento faz da canção um ato sublime de se escutar, raro atualmente num cenário que não seja underground ou gringo. É nacional é intimista e sincero, puramente experimental.
    Estou muito ansioso para conferir todo o álbum, pq acredito que a Agridoce conta uma historia, é um conto contemporâneo(percebam as letras de alvorada e de upside down que se complementam, assim como Epílogos complementa o porto por exemplo.. que venha novembro…
    sei que tal qual a capa nos mostra a borboleta e a mariposa saíram finalmente de seus casulos e o vento esta soprando o som de suas asas para nossos ouvidos com sede e fome de algo que nos faça “enxergar” de dentro para fora. Parabéns ao site, a jornalista pela matéria…

  48. Posso ser babaca, mas por motivos que vocês desconhecem. Não vejo bullying algum com a minha frase, apenas fiz uma pergunta. Não posso? Se não puder, desculpa, acabei de fazer outra.
    Enfim, uma coisa é ser fã, outra coisa é ser maluco. Ou vai me dizer que esse comportamento aí é normal? Acho que não. Isso pode ser carência, baixa auto-estima, uma série de coisas. Não sou mãe dela, portanto, não posso falar.
    Reclamaram da minha crítica à Pamela, mas estão me criticando também. Viva a liberdade de expressão.
    Só pra constar, a música é realmente mt boa! Onírica!

  49. Quero ouvir o disco inteiro antes de emitir uma opinião definitiva, lógico. Letra fraca, mas a música é bonita. O fato de ser inspirado em Nick Drake dá um certo medinho, não daquele jeito bom. Mãs… vamos aguardar.

  50. Renata Arruda: oi! 🙂 então.. na entrevista que eles deram para a 89 fm(transmitido pela twitcan e tal) se não me engano eles disseram q essa versão q foi disponibilizada pras rádios inclusive atualmente já é uma versão editada pois a que esta no cd tem quase 3 minutos só de instrumental(q é o q as rádios cortam) q a musica totaliza quase 7 minutos.. mas agora vc me deixou em duvida rsrsrs sera q essa acabou sendo a definitiva q estará no álbum e a versão q toca nas rádios ja é editada a partir desta ou… .-.
    PS: acabei de saber q tem sorteio de compacto? geente quando sera sorteado? EU QUERO rsrs #mimimi

Deixe uma resposta para camila Tito Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.