Um mergulho nos primeiros trabalhos de Franco Battiato (65/71)

texto por Eulalia Cambria

Olhar para a foto em primeiro plano de Franco Battiato (1945/2021) impressa na capa rosa shoegaze de um single 45 rpm de 1969 tem um efeito alienante. O cantautor da maturidade que buscava o eco das danças sufis aqui usa óculos redondos e escuros, atrás dos quais parece observar com ar de desafio. Todos conhecem o lado pop de sua produção, uma parcela menor ouviu os aspectos mais experimentais e vanguardistas, mas muito poucos ouviram sua estreia e seus primeiros 45 rpm.

Franco Battiato ganhou as manchetes pelo grande número de estilos que aprofundou e combinou de forma eclética e pessoal: após a fase inicial da música pop na segunda metade dos anos 60, passou para o rock progressivo e o avant-garde em obras consideradas importantes também fora da Itália. A partir do álbum de 1979, “L’era del Cinghiale Bianco”, ele se afasta da música experimental e passa a produzir uma pop art muito pessoal, que começou a torná-lo conhecido do público e, posteriormente, a vender milhões de cópias (em particular em 81 com “La Voce Del Padrone”, seu pico de vendas, embalado pelo single “Bandiera Bianca”), com textos enigmáticos, música com influências new wave e a presença de incursões clássicas nos arranjos. Mas o que nos interessa aqui é o começo dessa história.

Francesco chegou a Milão em 1965 vindo da Jônia, uma cidade da Sicília que não existe mais, ou melhor, foi dividida em duas após o fim da segunda guerra. Na capital lombarda fez apresentações num cabaret, o Club 64, onde conheceu Enzo Jannacci, Bruno Lauzi, mas sobretudo Gaber, que também o ajudaria na composição de algumas canções. Se olharmos entre suas produções antes de “Fetus” (1972), seu álbum conceitual de estreia inspirado no clássico livro “Admirável Mundo Novo” (1932), de Aldous Huxley, encontramos algumas joias absolutas. Estes são os anos da canção de protesto, e depois dos primeiros singles distribuídos junto com as revistas de palavra cruzada da Nuova Enigmistica Tascabile, a era beat chega à Itália.

“La Torre” é a peça que também coincide com a primeira experiência na televisão, durante a transmissão apresentada por Giorgio Gaber e Caterina Caselli. As críticas choveram em rajadas e distâncias de um mundo errado na fórmula dançante feliz da música, então retomadas em uma música com o mesmo título contido na “Arca de Noé”. Pertencem a esta fase “Il Mondo Va Così”, que oferece uma comparação entre o conforto e o luxo de uma parte da humanidade em relação ao resto: “Estou aqui com o colchão de espuma, com a plataforma giratória e com o banho de espuma “, num clímax que vem trazer à tona até os marcianos que, ao contrário daquele que coleciona chaveiros, constroem naves espaciais. Também pela mesma gravadora, a Jolly, são lançados dois outros singles, “Le Reazioni“, com guitarras fuzz dissonantes no refrão, e “Triste Come Me”.

Com “Vento Caldo”, de 1968, gravado para a Philips no single que também incluía “Marciapiede”, percorremos caminhos mais complexos, em que Battiato canta as sensações de um verão que termina retrabalhando o tema do Concerto nº 1 por Pëtr Il’ič Tchaikovsky. Muito mais tarde, em 1980, “Il Vento Caldo Dell’Estate” também foi cantada por Alice com um arranjo e texto completamente diferentes.

O sucesso comercial vem com “È l’amore”, que inaugura uma veia mais romântica dessa fase pré-experimental. A peça tem uma ambientação tradicional, mas possui uma estrutura menos imatura que as anteriores. Do lado B aparece uma peça de rock, que se parece com algumas canções de Lucio Battisti, “Fumo di una Sigaretta“. As praias, ainda não solitárias, mas certamente tristes, aparecem em “Bella Ragazza”, com a qual Battiato participou do festival Un Disco per l’Estate, de 1969. A música mais surpreendente, porém, é “Occhi d’or”, lançada nesse mesmo single, com uma roda de acordes que sai para o oriente – sem nunca voltar dali – presa em sugestões distantes: “ali entre os desertos de ouro, eu deixei meu coração / lá embaixo sob um sol branco eu conhecia o amor ”.

Com notas muito doces, no final da década de 1960 foi lançada “Sembrava Una Serata Come Tante”, composta por Giorgio Logiri, guitarrista do grupo beat The Red Devils, menos original que o lado b, “Gente”, igualmente comovente. Mas com a nova década começando, Battiato encontra sua verdadeira dimensão pessoal. Antes do lançamento de “Pollution”, seu segundo disco (também de 1972), ainda há espaço para dois singles que testemunham a abertura para a fase mais louca e experimental. Das mensagens extraterrestres e sintetizadores de “Convenzione” aos distúrbios psíquicos de “Paranóia”: “Um dia sairemos para a rua, ofereceremos cebolas a amigos, dormiremos juntos em cálidos quartos cor-de-rosa”.

A pré-discografia de Franco Battiato é um turbilhão de experiências sonoras e explorações de diferentes estilos que verão uma evolução completa na virada pop a partir dos anos 1970, num processo nunca realmente interrompido de transformação e retrabalho.

Texto publicado originalmente no site italiano Kalporz, parceiro do Scream & Yell

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.