O Ben para todo mal: André Barcinski

por Homero Pivotto Jr.

O projeto O Ben para todo mal — série de entrevistas em vídeo que aborda pessoas ligadas à música para falar sobre a relação entre filhos e o fazer criativo — já colocou na tela cantores e instrumentistas, do Brasil e de fora. Para dar uma diversificada, desta vez, o protagonista não escreveu canções conhecidas, mas sim textos de repercussão que versam sobre bons sons e outras manifestações artísticas. Falamos de André Barcinski, jornalista e agitador cultural.

No papo, o pai da Nina e do Noel fala sobre a inspiração para o nome dos filhos — que é uma homenagem a artistas que admira —, a trilha sonora pensada para o nascimento da primogênita, a relação fraternal com José Mojica Marins, como as audições das crianças impactam suas listas nos players digitais e o que pensa para o futuro da música.

Além de ter colaborado para veículos de imprensa como a extinta revista Bizz e o jornal Folha de São Paulo, Barcinski também escreveu livros. Entre eles, o cultuado “Barulho”, no qual entrevistou grandes nomes do rock estadunidense nos anos 90, como Joey Ramone e Jello Biafra (Dead Kennedys), além de integrantes do Nirvana, Red Hot Chili Peppers, The Cramps e Ministry. Barcinski ainda colocou no papel as biografias de João Gordo (vocalista do Ratos de Porão) e de Zé do Caixão (que virou documentário). Não bastasse, ainda trabalhou com direção de cinema, fotografia e foi dono de casa de noturna.

Este episódio faz parte da temporada “se criando no isolamento”, em que realizamos bate-papos remotamente com os entrevistados em razão das restrições impostas pela pandemia no novo coronavírus. O nome é assim mesmo, com grafia fora do padrão — como nossa ideia de parentalidade — trocando a ênclise, que seria o correto, pela próclise. A expressão “se criando” é uma gíria comum no Rio Grande do Sul e significa, grosso modo, “se desenvolvendo”, “nascendo”.

A estreia dessa fase do projeto foi com Iggor Cavalera (Mixhell, Petbrick e ex-Sepultura), e a sequência contou com o rapper Afro-X e a cantora Fernanda Takai (Pato Fu). A montagem e edição dos vídeos tem tutela do diretor Sérgio Caldas, da Subverse Media House. Para ouvir a entrevista completa com a Barcinski, sem cortes, ouça o podcast d’ O Ben para todo mal.

– Homero Pivotto Jr. é jornalista, vocalista da Diokane e responsável pelo videocast O Ben Para Todo Mal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.