Boteco: Sete cervejas, sete países

por Marcelo Costa

Começando mais uma série “países” pela cigana dinamarquesa To Øl, que produz suas receitas quase sempre na cervejaria belga De Proefbrouwerij, e que aqui marca presençaco a A Peeling Pale, uma American Pale Ale que combina os maltes Cara Aroma, Munich e Pilsner com os lúpulos Citra, Jenny e Mosaic além de receber adição de casca de laranja. De coloração alaranjada e creme bege claro de ótima formação e média alta retenção, a To Øl A Peeling Pale exibe um aroma delicadamente cítrico, com sugestão de tangerina e grapefruit com suave doçura na base. Na boca, tangerina no primeiro toque seguida de um perfil bastante refrescante, com notas cítricas suaves e um amargor bem leve, que não deve passar dos 30 IBUs. A textura é de leve para suave e, dai pra frente, segue um conjunto bastante saboroso, com cítrico (e tangerina) dando as cartas. No final, amarguinho leve. No retrogosto, tangerina, grapefruit e refrescancia.

Seguindo da Dinamarca para a Holanda, com mais uma da cigana 4 Islands, de Roterdã, que produziu essa Twisted Fingers na fábrica da Dádiva, em Varzea Paulista, interior de São Paulo. Trata-se de uma Milk Stout com coco e lactose, uma atualização de uma receita que eles lançaram na Europa em 2018. De coloração marrom escura praticamente preta e creme bege espesso de boa formação e retenção, a 4 Islands Twisted Fingers apresenta uma aroma com uma pancada de coco queimado, achocolatado, café e cappuccino. Na boca, coco queimado sutil no primeiro toque seguido de café, chocolate, leite, cappuccino e mais coco. O amargor é bem baixo (não deve passar dos 20 IBUs) e a textura, suave, bem suave. Dai pra frente, uma Milk Stout absolutamente deliciosa, com o coco e a lactose levantando o conjunto e o tornando especial, delicioso. No final, cappuccino com coco. No retrogosto, doçura, coco e café. Uou!

Da Holanda para Santa Rosa, na Califórnia, com mais uma Russian River a passar por aqui (se não me engano a nona), a Mind Circus, uma New England IPA californiana com lúpulos Nelson Sauvin e Strata mais aveia. De coloração amarela, levemente turva (mas, sim, hazy, apesar de não parecer tanto juice) e creme branco espesso de ótima formação e média alta retenção, a Russian River Mind Circus exibe um aroma com deliciosas notas cítricas remetendo a abacaxi, toranja e melão com leve aceno herbal (pinho). Na boca, abacaxi incrível no primeiro toque com sensação suave de condimentação seguido de toranja, uva verde, melão, pinho e muita maciez. O amargor é moderado (sensação na casa dos 45 IBUs), a textura é suave e o conjunto subsequente soa como um verdadeiro encontro do modo de fazer IPA na Califórnia com o estilo do Atlântico, uma NE californiana mesmo, e bem saborosa. No final, cítrico e picância. No retrogosto, abacaxi, maçã, uva verde, toranja e refrescancia.

Da Califórnia para Murici, nas Alagoas, com uma colab da alagoana Caatinga Rocks com a paulistana Dádiva, a Twist & Sour Gose, uma Gose cuja receita recebe adição de sal marinho, limão taiti, limão siciliano e laranja Bahia. De coloração amarelo palha com creme branco de boa formação e média alta retenção, a Caatinga Rocks Twist & Sour Gose apresenta um aroma com azedinho provocante em destaque além de notas cítricas difusas e sugestão de acidez. Na boca, azedinho e limão juntos no primeiro toque seguido de acidez moderada, percepção de laranja e limão e mais azedume, bem sutil. Não há amargor, a acidez brilha distinta aqui. A textura é frisante, e dai pra frente surge uma Gose caprichadíssima, em que as adições de frutas não estão ali para amaciar com doçura a radicalização do clássico estilo alemão, mas sim dar um colorido tropical delicioso. No final, azedinho incrível. No retrogosto, salivação, adstringência, limão, laranja e refrescancia.

Das Alagoas para Estocolmo, na Suécia, com uma pequena parada em Bay Shore, pequena cidade do estado de Nova York que abriga a Great South Bay Brewery, que produziu essa Double Bruno para a cigana sueca Omnipollo homenagear um bebedor brasileiro, responsável por uma mega compra de Omnipollo que surpreendeu os suecos. Trata-se de uma Keetle Sour com adição de limão, framboesa e hortelã fresca, que exibe uma belíssima coloração vermelha com creme branco de traços vermelhos de boa formação e rápida dispersão. No nariz, um balde de framboesa com bastante doçura da fruta e pouca acidez. Tanto o limão quanto o hortelã aparecem de maneira tímida (mas aparecem). Na boca, framboesa incrível no primeiro toque seguida primeiramente de doçura e, logo depois, de acidez de limão. Não há amargor e a acidez é uma pancada rápida. Já a textura é leve com discreta picância. Dai pra frente, sensação de um suco de (6% de álcool com) framboesa (80%) e limão (19%) com hortelã (1%) que refresca deliciosamente. No final, framboesa e limão. No retrogosto, refrescancia.

Da Suécia para a Espanha com mais uma da Nomada Brewing, desta vez a Lum, uma Wee Heavy cuja receita combina os maltes Pale Ale, Carapils, Chateau Peated, Cararoma e Roasted Barley com o lúpulo Magnum resultado em uma cerveja de coloração âmbar acastanhada translucida com creme bege de média formação e baixa retenção. No nariz, intensas notas de frutas secas, cristalizadas e de doçura de caramelo. Há, ainda, leve percepção dos 10.2% de álcool. Na boca, caramelo tostado no primeiro toque seguido de leve percepção de álcool remetendo a conhaque e, ainda, um sutil turfado delicioso. Não há sensação de amargor (o caramelo domina tudo) e a textura é sedosa, caminhando para o licorosa, com discreta picância alcoólica. Dai pra frente, uma Wee Heavy bastante charmosa, elegante e envolvente. No final, doçura e frutas secas meladas em álcool. No retrogosto, frutas secas, turfa sutil e conhaque. Curti!

Da Espanha para a Sérvia com mais uma Kabinet, desta vez a Porter da casa, uma cerveja de coloração marrom escura com creme bege espesso de boa formação e retenção. No nariz, as notas tradicionais do estilo batem tudo marcando a derivação do malte defumado e torrado com sugestão de café e também de chocolate (se alguém disse que é uma Milk Stout não estaria tão enganado). Na boca, o café chega antes no primeiro toque e mostra mais intensidade na sequencia, ainda que seja possível perceber com facilidade o chocolate, tendendo ao leite. O amargor é médio, 30 IBUs acentuados pela torra do malte, e a textura é suave. Dai pra frente, uma Porter redondinha, que se divide em bastante café no começo e bastante chocolate depois, com um discreto aceno defumado. No final, café e chocolate, que se unem e retornam no retrogosto, com predomínio do segundo. Boa!

To Øl A Peeling Pal
– Produto: American Pale Ale
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 4.7%
– Nota: 3.33/5

4 Islands Twisted Fingers
– Produto: Milk Stout
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 6.7%
– Nota: 3.69/5

Russian River Mind Circus
– Produto: New England IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3.85/5

Caatinga Rocks Twist & Sour Gose
– Produto: Gose
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4.3%
– Nota: 3.74/5

Omnipollo Double Bruno
– Produto: Keetle Sour
– Nacionalidade: Suécia
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3.59/5

Nomada Lum
– Produto: Wee Heavy
– Nacionalidade: Espanha
– Graduação alcoólica: 10.2%
– Nota: 3.61/5

Kabinet Porter
– Produto: Porter
– Nacionalidade: Sérvia
– Graduação alcoólica: 6.2%
– Nota: 3.25/5

Leia também
– Top 2001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.