HQs: “Astro City – Vol. 11″, “Vazio”, “Luzes de Niterói”, “Crossed – Vol. 1: Primeira Vez”

Resenhas por Adriano Mello Costa

“Crossed – Volume 1: A Primeira Vez”, de Garth Ennis e Jacen Burrows (Panini)
“Crossed – Volume 1: A Primeira Vez”, que a Panini publica em 2019 com 256 páginas e capa dura, traz as 10 primeiras edições comandadas pelos criadores Garth Ennis e Jacen Burrows (que depois deixaram a série). Lançada nos EUA entre 2009 e 2010 pela Avatar Press, essa série mostra um Garth Ennis forçando os limites que explorou em obras-primas como “Preacher” e “The Boys”. O autor libera as poucas amarras que ainda exibia para contar a história de um mundo onde uma praga ou vírus desconhecido se espalhou transformando a população em uma espécie de zumbis com inteligência, ainda que básica. Chamados de cruzados distribuem atrocidades e mais atrocidades enquanto o mundo definha e um pequeno grupo tenta sobreviver. A arte limpa de Burrows ressalta ainda mais as insanidades do roteiro e faz de “Crossed” um trabalho que mostra a verve de Ennis, mas acaba parecendo gratuita demais no que almeja contar.

Nota: 5

“Vazio”, de João Vitor Palermo (AVEC Editora)
A vida deixou de fazer sentido. Todo dia é uma batalha já perdida onde o único momento de alívio é o álcool, companheiro constante nessa ladeira que cada vez é descida com mais e mais velocidade. É nesse ponto que encontramos o protagonista de “Vazio”, obra do quadrinista João Vitor Palermo (de “Solidão”) que foi impressa no final do ano passado. Viabilizada por financiamento coletivo e com posterior impressão da AVEC Editora com 96 páginas, a arte é em preto e branco e não há texto que é justamente para realçar o duro momento que o personagem passa. Se arremessando com afinco na direção do próprio aniquilamento, aos poucos é apresentado o motivo que provocou tudo, um motivo extremamente pesado que o assombra até por alucinações do meio para o final. “Vazio” discorre sobre depressão, auto-destruição, dor, erros, culpa e sobre a importância de tentar seguir em frente apesar de tudo.

Nota: 7

“Astro City – Vidas Privadas”, de Kurt Busiek, Brent Anderson e Alex Ross (Panini)
“Astro City” é uma estupenda série de quadrinhos. Concebida pelo trio Kurt Busiek (roteiro), Brent Anderson (arte) e Alex Ross (capas e concepção visual) desde 1995 encanta ao mostrar uma cidade onde heróis e vilões são rotineiros com seus poderes e trajes coloridos, fazendo parte do cotidiano das pessoas. É pela visão dessas pessoas normais que a série se constrói e se desenvolve a exemplo do que Busiek e Ross fizeram na clássica “Marvels”. Claro que brigas e cenas de ação estão presentes nas histórias em uma homenagem declarada e apaixonada a todo universo de supers e seus ícones, contudo o viés avança por outro lado. Desde 2015 a Panini Comics publica ela por aqui e em 2019 outro volume chega às bancas com 180 páginas que reúne edições lançadas em 2014 nos EUA. “Astro City – Volume 11: Vidas Privadas” é coisa fina e mais uma etapa desse processo de encantamento.

Nota: 8

“Luzes de Niterói”, de Marcello Quintanilha (Editora Veneta)
Marcello Quintanilha fabricou obras do porte de “Tungstênio”, “Talco de Vidro” e “Hinário Nacional” o que o coloca como um dos nomes mais importantes dos quadrinhos nacionais, reconhecido por prêmios e mais prêmios (internacionais, inclusive). Essas obras ganham esse ano uma ilustre companhia chamada “Luzes de Niterói”, parcialmente financiado coletivamente no final de 2018 pela Editora Veneta que publica o trabalho com capa dura e 232 páginas. O autor volta para a cidade de Niterói onde cresceu e ambienta a história nos anos 50 em um Rio de Janeiro (e um país) que parece que ficou para trás há mais tempo. Focado em dois amigos conta uma história sobre amizade acima de tudo, mas que no meio tem momentos de tensão, aventura, raiva e amadurecimento misturando futebol, pescadores, família e responsabilidades com arte e roteiro casados perfeitamente que fazem o leitor mergulhar de cabeça nesse outro gol de placa do autor.

Nota: 9

– Adriano Mello Costa assina o blog de cultura Coisa Pop ( http://coisapop.blogspot.com.br ) e colabora com o Scream & Yell desde 2009!

One thought on “HQs: “Astro City – Vol. 11″, “Vazio”, “Luzes de Niterói”, “Crossed – Vol. 1: Primeira Vez”

  1. Li poucos números de “Crossed” e achei muito, muito ruim. É só “shock value”, como quase tudo que o Ennis faz. Aliás, não consigo ver muito mérito nele: conta sempre a mesma história, com os mesmos clichês, e sua apelação visual e textual passa por “coragem” e “transgressão” para muita gente, infelizmente.

    Por outro lado, “Astro City” é Busiek fazendo o que faz melhor. Coisa linda! To curioso pra ler esse volume. E os dois nacionais parecem interessantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.