Boteco: De São Paulo, Dogma (parte 2)

por Marcelo Costa

Lançada em dezembro de 2016, a Dogma Metamorphose é uma Belgian Saison que recebe dry hopping do lúpulo norte-americano Mosaic. De coloração amarela levemente turva com creme branco de baixa formação e rápida dispersão, a Dogma Metamorphose exibe um aroma com notas cítricas em primeiro plano (melão, limão siciliano e laranja) seguidas por condimentação derivada da levedura, percepção de acidez e discreta doçura de trigo. Na boca, frisante típico do estilo seguido de cremosidade. O primeiro toque reforça o caráter cítrico (frutas amarelas dominando), mas a pegada acética (outra marca do estilo) é mais presente do que no aroma e auxilia a função de amargor, que é baixa (27 IBUs), mas interessante, marcando a garganta com prazer. Dai pra frente, uma cerveja altamente refrescante e bem saborosa, com muito cítrico e uma leve frisância ácida que acompanha o bebedor até o final, seco e levemente adstringente. No retrogosto, acidez suave, cítrico e leve condimentação. Bacana.

A segunda da leva de lançamentos de dezembro de 2016 da Dogma foi essa Mindless, uma American Blond Ale de “teor alcoólico e amargor baixos, só que com um dry hopping bem alto, com bastante aroma de lúpulo, mas no paladar ela é muito leve”, conforme apresentou o cervejeiro da casa, Bruno Moreno. De coloração amarela com turbidez intensa e creme branco de boa formação e media alta retenção, a Dogma Mindless exibe um aroma intensamente lupulado ofertando um balde de notas de frutas amarelas, outro balde de notas herbais e uma leve remissão a chá inglês. Na boca, a textura é levemente picante e cremosa. O primeiro toque traz notas cítricas (frutas amarelas) seguidas de leve efervescência e herbal. O amargor é médio (20 IBUs bem presentes) e abre caminho para um conjunto refrescante, cítrico e herbal, que finaliza remetendo a chá Earl Grey, sugestão que retorna no retrogosto, junto com herbal, que se sobressai ao cítrico numa cerveja que melhorou com o tempo.

Com nome que homenageia William Wallace, guerreiro que liderou os escoceses contra os ingleses abrindo caminho para que Robert The Bruce estabelecesse a independência escocesa (saca “Coração Valente”, do Mel Gibson?), a Dogma The Wallace é uma Strong Scotch Ale, também conhecida como Wee Heavy, uma cerveja de coloração âmbar caramelada turva com creme bege de excelente formação e média alta permanência. No nariz, doçura de caramelo, frutas secas, toffee e um sutil amadeirado e defumado. Na boca, textura cremosa e sedosa. O primeiro toque confirma a pegada de doçura adiantada pelo aroma, mas com bastante toffee na sequencia. O amargor é praticamente inexiste (25 IBUs que estão ali só pra equilibrar as coisas) e, dai, pra frente, um conjunto bastante agradável com toffee e doçura muito bem apresentados. O final é levemente doce com um tiquinho de presença de álcool. O retrogosto traz doçura frutada e mais toffee. Muito boa!

Lançada em novembro de 2016, a Dogma E.A.P. homenageia a meca da cerveja artesanal na capital paulista, o Empório Alto de Pinheiros, aberto em 2008 e hoje uma unanimidade entre os cervejeiros da cidade do país. Buscando fazer uma cerveja a altura do EAP, a Dogma optou pelo estilo Russian Imperial Stout, mas deu um jeito de dar uma piradinha na receita, que leva aveia e café especial Catuaí, do oeste do Paraná, envelhecido em barricas que antes continham o whisky single malt britânico Balvenie. De coloração preta bastante intensa com creme bege escuro de baixa formação e rápida dispersão, a Dogma E.A.P. exibe um aroma com incríveis notas que remetem a café acompanhada de uma suave doçura (mas nada de barrica e muito menos de uísque). Na boca, textura sedosa e picante. O primeiro toque traz café seguido de doçura e, pela primeira vez, percepção de uísque. O amargor cumpre os 50 IBUs anotados no rótulo e dai pra frente surge um conjunto bastante saboroso, com nuances de chocolate ao leite e amargo ao lado de café e uísque. O final é seco com café e uísque. No retrogosto, mais uísque, bem suave, e café, delicioso. Que baita cerveja!

Antes da Dogma E.A.P., porém, os cervejeiros paulistas já tinham no cardápio uma belíssima Russian Imperial Stout, Orfeu Negro, lançada oficialmente pela primeira vez em 2015, mas também com uma versão 2016 disponível nas gôndolas dos empórios. De coloração preta bastante intensa com creme bege escuro de boa formação e média dispersão, a Dogma Orfeu Negro exibe um aroma que combina incríveis notas que remetem a chocolate amargo com leve amadeirado mais baunilha e discreto conhaque. É possível sentir café também de maneira discreta. Na boca, a textura é cremosa, quase licorosa, e bastante picante (dos 12% de álcool). O primeiro toque oferece doçura achocolatada e picância alcoólica quase ao mesmo tempo. Na sequencia, amadeirado, café discreto, baunilha e uma pancada de álcool agindo como se fosse amargor. Dai pra frente, uma cerveja que cresce conforme aquece na taça. Só melhora. O final traz leve terroso achocolatado e picante. No retrogosto, álcool, baunilha, chocolate amargo e madeira. Incrível.

Balanço
Abrindo mais uma série de Dogma com Metamorphose, uma Belgian Saison inspirada em Kafka que recebe dry-hopping de lúpulo Mosaic. O resultado é bacana. Curti. A Mindless, uma Belgian Blond Ale atolada de lúpulos norte-americanos no dry-hopping, desceu muito melhor dessa vez do que da primeira. É deliciosamente arisca e algo me lembra… o chá inglês Earl Grey. A Dogma The Wallace mantém o nível e é uma Wee Heavy finíssima. Já a Dogma E.A.P. é uma deliciosa homenagem a meca da cerveja em São Paulo, o Empório Alto de Pinheiros. Ficou muito, mais muito boa! Melhor ainda é a Orfeu Negro, a Russian Imperial Stout lançada pela primeira vez pelos paulistanos em 2015, e ainda excelente.

Dogma Metamorphose
– Produto: Begian Saison
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6.1%
– Nota: 3,51/5

Dogma Mindless
– Produto: American Blond Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4.2%
– Nota: 3,71/5

Dogma The Wallace
– Produto: Wee heavy
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 3,72/5

Dogma E.A.P.
– Produto: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 3,98/5

Dogma Orfeu Negro
– Produto: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 12%
– Nota: 4,01/5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *