Discografia comentada: Midnight Oil

por Leonardo Vinhas

Publicado originalmente no Scream & Yell em 2003. Atualizado e revisto para 2016

Após o AC/DC, o Midnight Oil é o nome mais lembrado do rock australiano ao redor do mundo. Na segunda metade dos anos 80, o quinteto era anunciado como sendo “the next big thing”, o “próximo U2” – o forte ativismo político, social e ecológico que a banda sempre desempenhou colaborou para isso e para que lhe imputassem uma aura de messianismo. Porém, a promessa de grande sucesso nível Bono Vox e cia. nunca se cumpriu plenamente. O que não impediu os “Oils”, como eram conhecidos, de deixarem seu legado.

Apesar desses dados, o mérito maior do Midnight Oil é majoritariamente sua música. Passado o rascunho incipiente do álbum de estreia, a banda burilou uma combinação explosiva de vocais conclamatórios, rock’n’roll rápido e direto e detalhes suntuosos de teclados, uma mistura que raras vezes desandou. Longe das afirmações preguiçosas que os jogam na vala comum do pejorativo rótulo “rock australiano” (por si só, uma caracterização para lá de duvidosa), as composições do quinteto emolduravam com vigor letras que atacavam da intervenção britânica na política de seu país até questões globais como o desmatamento e a exploração religiosa. Logicamente, nunca agradaram muito à turma de “sexo, drogas e rock’n’roll”, que os viam como chatonildos ecológicos e humanitários, mas também nunca precisaram dessa aprovação: arregimentaram, em mais de 25 anos de carreira, fãs para sua retórica e para sua música, tão poderosas e cativantes que não há sinais de que soarão datadas (e olha que não faltam vícios de produção oitentista em alguns de seus discos).

Tudo começou em 1972, quando o trio de garotos Rob Hirst (bateria), Andrew James (baixo) e Jim Moginie (guitarra e teclados) montou a banda cover Farm. Em 1977, mudariam o nome para Midnight Oil e começariam a fazer suas primeiras composições. Com a entrada do guitarrista Martin Rotsey e do empresário Gary Morris, completou-se a formação – sim, Morris, mesmo não sendo músico, sempre foi considerado integrante do Midnight Oil, já que ele foi o grande responsável pela banda conseguir se manter financeiramente mesmo nos piores momentos comerciais da carreira, e também por conseguir viabilizar seus projetos mais ambiciosos. Entre 1978 e 2003, lançaram 11 álbuns de estúdio, dois ao vivo e dois EPs. Postumamente, duas coletâneas e um ao vivo entrariam na discografia da banda.

No final de 2002, o vocalista Peter Garrett abandonou a banda para se dedicar em tempo integral à uma organização não-governamental que cuida dos direitos dos aborígenes e da preservação da vida selvagem na Oceania. Não muito depois, foi eleito para o Senado australiano pelo Partido do Trabalho, e iniciou uma acidentada carreira política que, apesar de longeva, custou-lhe parte da credibilidade, já que boa parte dos seus fãs passou a vê-lo como um “vira-casaca”, devido à flexibilidade que ele demonstrou ao ceder em algumas causas eleitorais.

Após a saída do carecão, Rob Hirst declarou que a banda continuaria, mas logo voltou atrás e em 2003 a banda emitiu um comunicado dizendo que não faria sentido seguir sem o vocalista. Fora shows beneficentes em 2005 e 2009, a banda não voltou a se juntar, apesar de Hirst, Moginie, Rotsey e Hillman manterem contato e tocarem uns com os outros em diversos projetos. Porém, em 2016 anunciou que tem planos de uma turnê mundial que pode incluir o lançamento de material inédito. Enquanto não se sabe mais sobre esse retorno aos palcos, o Scream & Yell aproveita para repassar a discografia do quinteto.

MIDNIGHT OIL (1978)
O ex-advogado e fotógrafo amador de surfistas Peter Garrett se juntou a quatro garotos que mal haviam saído do colégio para montar uma banda. Dos ensaios do Farm (eita nomezinho infeliz!) nasceu o Midnight Oil, ainda negativamente influenciado pelo hard rock que tocavam em versões de garagem antes de serem contratados pela gravadora Columbia. Muitas boas intenções nas letras e no som, mas só “Used and Abused”, “Run By Night” e “Surfing With A Spoon” chegam perto de agradar no coquetel hard rock setentista + surf rock + energia punk que inocentemente tentavam equalizar. “Powderworks” trazia um texto de alta combustão que só teria moldura sonora à altura em versões ao vivo posteriores. O resto das composições varia do sem sal ao ruim. O baixista aqui ainda era Andrew James e no encarte se lia: “Australian Performance, Australian Compositions”, afirmação que seria impressa nos compactos e LPs até 1981 .

Sucessos: “Powderworks” teve algum sucesso na Austrália.
Melhor faixas: “Surfing With A Spoon”.
Pior faixa: “Nothing Lost… Nothing Gained”.
Preferida: “Surfing With A Spoon”.
Nota: 5

HEAD INJURIES (1979)
Melhor produzido e próximo de honrar a potente pegada ao vivo da banda. “Head Injuries” bota pra foder já na capa, com Garrett berrando na cara do ouvinte. “Cold Cold Change” abre com riff fodão e o resto do álbum mantém o pique com muita crueza e fúria, surpreendendo quem conhece a banda só pelos hits do disco “Diesel And Dust”. O teclado aparece raramente, cedendo às guitarras espaço para embalar os “hard punks” (hard rock com pique punk) “Back On The Borderline” e “Stand In Line”. “Section 5” era mais “sofisticada”, com mudanças de tempo, apliquezinhos curtos de teclados e tal – mas nem por isso era menos violenta, em seu curtíssimo solo de baixo cheio de fuzz. Um disco suarento e invocado.

Sucessos: “Back On The Borderline”, “Cold Cold Change”.
Melhores faixas: “Section 5 (Bus To Bondi)”, “Cold Cold Change”.
Pior faixa: “No Reaction”.
Preferida: “Section 5 (Bus To Bondi)”.
Nota: 7

BIRD NOISES (EP – 1980)
“Bird Noises” é mais um single que um EP, trazendo apenas quatro faixas que não acrescentam nem depõem contra a banda. Uma espécie de intervalo, um ensaio cru do rock minimalista que seria desenvolvido no álbum seguinte, este disco apresenta o baixista Peter Gifford, que substituiu o demitido Andrew James (embora a razão diplomática informada tenha sido “problemas de saúde”). Traz o primeiro instrumental gravado pela banda, “Wedding Cake Island”, a misteriosa “I’m The Cure” (a melhor delas), a fraca “Knife’s Edge” e a letra provocadora de “No Time For Games”.

Nota: 5,5

PLACE WITHOUT A POSTCARD (1981)
O peso de “Head Injuries” aparece menos bruto nesse álbum que é o primeiro a trabalhar diferentes climas de forma satisfatória e a trazer letras com temas mais globais. Contribuiu para isso o amadurecimento da banda, não só em shows, mas em outros setores das vidas de seus integrantes, e é claro que a produção do experiente Glyn Johns também fez muita diferença. Garrett economiza nos falsetes e as guitarras “vazam” menos, com timbres mais secos para elas e para os teclados, que ganham discreto destaque no hit “Don’t Wanna be The One”. A velocidade e o ataque de temas como “Written In The Heart”, “Someone Else To Blame” e “If Ned Kelly Was King” combinavam-se ao sabor quase pop de “Burnie” e “Brave Faces” (a canção mais arejada do Oil até então). O resultado final do disco e a presença de Johns fizeram com que imprensa e público chamassem o Oil de “Clash australiano”, alcunha que sempre repudiaram. Realmente, o caminho de ambas as bandas era muito distinto, mas a dignidade deles poderia ser parelhada.

Sucessos: “Don’t Wanna Be The One”, “Burnie”, “Someone Else To Blame”.
Melhores faixas: “Written In The Heart”, “Brave Faces”, “Burnie”.
Pior faixa: “Loves On Sale”.
Preferida: “Written In The Heart”.
Nota: 8

10, 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1 (1983)
A abertura assusta: “Outside World” é quase um mini-exercício progressivo, cheio de teclados e bateria entrando em tempos quebrados e crescentes. Felizmente era um formato isolado, mas a partir deste álbum de título boçal, guitarras e teclados teriam igual espaço nas composições. O Midnight Oil que estouraria três anos depois teve seu embrião aqui, na redondinha “Power And The Passion”, nos rocks mais climáticos e cadenciados “Maralinga” e “Short Memory”, nos vocais e coro de “US Forces” e na beleza de violinos e teclas de “Tin Legs And Tin Mines”. Ainda sobrava espaço para o rock sem freios nas marcantes “Read About It” e “Only The Strong”.

Sucessos: “Power And The Passion”, “US Forces”, “Short Memory”.
Melhores faixas: “Tin Legs And Tin Mines”, “Maralinga”, “Read About It”, “US Forces”.
Pior faixa: “Somebody’s Trying To Tell Me Something”.
Preferida: “Short Memory”.
Nota: 8

RED SAILS IN THE SUNSET (1984)
Se o caminho rumo ao pop parecia promissor no álbum anterior, aqui o Oi joga todas as expectativas no chão ao cometer um funk new wave aguado e cheio dos piores maneirismos dos anos 80 (vocais “picados” na mixagem, bateria eletrônica com som de brinquedo). “When The Generals Talk”, a faixa de abertura, parece um Gang Of Four dos últimos dias cruzando com o Heaven 17 num desfile de modas, piorada pelos vocais afeminados de Rob Hirst no refrão. Ele se redime quanto à voz cantando “Kosciusko” quase inteira, a única faixa realmente boa desse disco, que ainda tem um ou outro roquinho passável. Uma lástima que levou merecidas pedradas de público (embora parte da crítica tenha amado) e provocou o sumiço da banda, que foi se dedicar mais às causas dos aborígines do que à turnê.

Sucessos: “Kosciusko”, “Best Of Both Worlds”.
Melhores faixas: “Kosciusko”, “Best Of Both Worlds”, “Helps Me Helps You”.
Pior faixa: “When The Generals Talk”.
Preferida: “Kosciusko”.
Nota: 2

SPECIES DECEASES (EP – 1985)
Esse segundo EP do Oil tem sua produção creditada à banda e a François Kevorkian, que parecem dispostos a recolocar o Midnight Oil de volta ao trilho rock’n’roll de onde nunca deveria ter saído. Já abre chamando na chincha com a intimidante “Progress”, que emenda em “Hercules”, uma espécie de choque entre o Oil e o Who (!), ambas faixas de sucesso. A frenética “Blossom And Blood” e a discreta “Pictures” mantém o pique de locomotiva nesse “quase single” redentor, que trazia no encarte a frase “ainda estamos vivos”, evidente resposta às críticas e ao sumiço pós “Red Sails In The Sunset”. Um alívio compensador.

Nota: 8

DIESEL AND DUST (1986)
As composições do disco que projetou o Midnight Oil para o mundo encontram-se numa interseção entre o melhor de seu trabalho anterior, o rock e o pop oitentista. Nesse ponto, é quase desnecessário dizer que os megahits “The Dead Heart” e “Beds Are Burning” são o melhor exemplo desse cruzamento. Os teclados de “10, 9, 8…” voltam a aparecer, evidentemente acompanhando a tendência do pop então vigente, o que produz resultados mais (“Put Down That Weapon”), menos (“Sell My Soul”) ou nada (“Gunbarrel Highway”, faixa-bônus do CD) interessantes. Há ainda uma surpreendente balada anti-religiosa de fé com sobretons góticos (“Whoah”), o quase-hino paulada “Sometimes” e pop praiano do bom (“Dreamworld” e “Warakurna”). Mais australiano nos temas (com foco na causa aborígine) e mais global no som (com algumas programações e metais), o álbum produziu singles de sucesso e a controvertida turnê “Black Fella, White Fella”, realizada em guetos e reservas para os “abos”, definindo a imagem da banda junto ao grande público. É o último álbum com o baixista Peter Gifford, que abandona a banda para virar proprietário de uma grife de biquínis (!). Ele foi substituído pelo carismático Bones Hillman, que permanece no posto até hoje.

Sucessos: “Beds Are Burning”, “The Dead Heart”, “Warakurna”, “Dreamworld”, “Sometimes”.
Melhores faixas: os sucessos, “Whoah”.
Pior faixa: “Gunbarrel Highway”.
Preferida: “Warakurna”.
Nota: 8,5

BLUE SKY MINING (1989)
Após protagonizar duas turnês diferentes por quase dois anos, em terras natais ou estrangeiras, a banda entrou em estúdio com o produtor Warne Livesey, o mesmo do álbum anterior, com a responsabilidade de corresponder às expectativas comerciais e artísticas de fãs e gravadora. Esse intento, raramente obtido por astros pop, se cristaliza naquele que a maioria dos fãs considera o melhor disco da banda – e também que fornece aos detratores maior munição. A sociedade australiana está presente na exploração sofrida pelos milhares de mineradores do país, mas o foco do disco está em questões ecológicas que irritam qualquer um que tenha aversão à militância verde. O som, por sua vez, burila ainda mais o elemento pop do álbum anterior, mas deixa o excesso de teclados e climas para apenas duas faixas: “Antarctica” e a xarope “Mountains Of Burma”. As excelentes faixas restantes se alternam entre pop vigoroso e cheio de brisas (as sempre curtíveis “Stars of Warburton” e “King Of The Mountain” em destaque) e uma estranhamente agradável grandiloqüência messiânica (os andamentos à U2 de “One Country” e “River Runs Red”). De quebra, “Blue Sky Mine”, amada por muitos e odiada por outros tantos, talvez a canção que melhor expresse, de forma condensada, as propostas da banda. A entrada de Bones Hillman ajudaria a firmar a assinatura vocal do Midnight Oil. Embora Peter Gifford e Rob Hirst já tivessem formado um coro bastante identificável nos anteriores, a voz aguda e afinada do baixista neozelandês aumentaria o tom e a personalidade dos backing vocals – e até lhe renderia um “quase dueto” com Garrett nos contracantos de “One Country”.

Sucessos: “Blue Sky Mine”, “Forgotten Years”, “King Of The Mountain”, “One Country”.
Melhores faixas: “Blue Sky Mine”, “Stars Of Warburton”, “River Runs Red”, “King Of The Mountain”.
Pior faixa: “Mountains Of Burma”.
Preferida: “Blue Sky Mine”.
Nota: 9

SCREAM IN BLUE – LIVE (1990)
Compilando números extraídos de shows de 1984, 1987, 1989 e 1990, “Scream In Blue” tem o mérito de recuperar boas canções que ou estavam meio deixadas de lado ou eram conhecidas apenas na Oceania, como a faixa-título (um instrumental esquisito de “10, 9, 8…”), “Brave Faces”, “Read About It” e “Hercules”. A essas mesclam-se hits (“Dreamworld”, “Bed Are Burning”, “Sometimes”, cuja versão aqui presente ganhou audiência na MTV) e momentos menores (“Sell My Soul” e uma versão sem punch de “Progress”). O fato de não ser um registro de uma única apresentação deixa o disco com certa falta de unidade, mas pelo menos dá um gosto do que os cinco podem fazer num palco. O resgate de “Powderworks”, contudo, em versão cheia de testosterona, já justificaria sua existência. Completa o disco uma versão acústica (não creditada na capa) de “Burnie”, gravada em estúdio.

Sucessos: “Sometimes”.
Melhores faixas: “Beds Are Burning”, “Hercules”, “Read About It”, “Powderworks”.
Pior faixa: “Sell My Soul”.
Preferida: “Hercules”.
Nota: 7

EARTH AND SUN AND MOON (1993)
O hiato de três anos entre este álbum e o anterior foi bem aproveitado em apuração dos arranjos e horas de estúdio. Nunca o Midnight Oil soou (e nunca mais soaria) tão elegante e bem produzido quanto aqui. A variedade de timbres de teclados (principalmente) e de bateria confere ao disco uma aura luxuosa, porém discreta, cujos possíveis excessos são evitados pela sutileza das melodias. Ainda assim, o disco passa longe da frouxidão: tem “Feeding Frenzy” e “Now Or Never Land”, duas pérolas pop de estrutura incomum, balizando o disco, e entre elas, hits do porte de “My Country” e “Truganini”. Na suavidade, destacam-se a plácida faixa-título e o embalo sincopado de “Bushfire”, além da simpática “In The Valley”. Mas ok, dava para dispensar a melosidade new age de “Outbreak of Love” e a sem-gracice de “Tell Me the Truth”.

Sucessos: “Truganini”, “In The Valley”, “My Country”, “Tell Me The Truth”.
Melhores faixas: “My Country”, “Bushfire”, “Now Or Never Land”, “Feeding Frenzy”.
Pior faixa: “Tell Me the Truth”.
Preferida: “Now Or Never Land”.
Nota: 8

BREATHE (1996)
“Blue Sky Mining” domina o coração dos fãs, mas esse álbum é, disparado, o ápice do talento do Midnight Oil. Abandonando a suntuosidade do antecessor e creditando as faixas coletivamente, a banda retoma algumas premissas de “Head Injuries” e “Place Without A Postcard” com a sabedoria que a experiência lhe proporcionou. As guitarras já não precisam mais soar tão altas para se destacarem, e a discreta constância do órgão elétrico de Moginie dá o contraponto ideal em canções memoráveis como “Underwater”, “Surf’s Up Tonight” e a sentida “Commom Ground”. A melancólica “In The Rain” prosta o ouvinte de quatro, mas “Bring On The Change” vem montada numa suingada e pesada britadeira de baixo e bateria para botá-lo de pé a tempo de ouvir um belo dueto com Emmylou Harris (“Home”), e “E-Beat”, um libelo ecológico cheio de wah-wahs e batidas de timbre metálico. “Barest Degree” sacaneia The Doors, o mundo rock’n’roll e puxa a orelha dos fãs numa espécie de country igualmente metalizado e estradeiro, enquanto o instrumental “Gravel Rash” alucina num clima de experimento rock praiano. “Time to Heal” é uma pérola leve e injustamente aquecida, e sua delicadeza faz boa companhia aos tons country-folk de “One Too Many Times” e à já citada “Home”. Breathe é uma rara mostra de como o rock pode ser pop sem perder a dignidade ou cair naquele estranho e inócuo buraco chamado “pop rock”.

Sucessos: “Surf’s Up Tonight”, “Sins Of Omission”, “Underwater”.
Melhores faixas: “Surf’s Up Tonight”, “E-Beat”, “In The Rain”, “Barest Degree”, “Common Ground”, “Gravel Rash”.
Pior faixa: “Star Of Hope”.
Preferida: “E-Beat”
Nota: 10

REDNECK WONDERLAND (1998)
Disco para lá de atípico, cheio de programações, “eletroniquices”, baixos distorcidos e uma enorme vontade de soar “atualizado”. O resultado é tão confuso quanto: “Cemetery In My Mind” é a única que tem parentesco com o som que consagrou a banda, e não por acaso é a melhor. A faixa-título, “What Goes On”, “Safety Chain Blues” e “Return to Sender” enganam bem, e “A Drop In the Ocean” é um suspeito (e bem-vindo) acena aos Beach Boys. O resto soa como uma cópia sem muita graça do Nine Inch Nails ou de qualquer genérico “industrial” que estivesse em moda na época. Mesmo nas faixas boas, falta… carisma, digamos assim. É um álbum incapaz de provocar empatia.

Sucessos: “Cemetery In My Mind “, “Redneck Wonderland”
Melhores faixas: “What Goes On”, “Cemetry In My Mind “, “Return to Sender”, “Redneck Wonderland”.
Pior faixa: “Blot”.
Preferidas: “Cemetery In My Mind”.
Nota: 4

THE REAL THING (2000)
Aproveitando o embalo “acústico” do final dos anos 90, a banda saiu com esse “The Real Thing” trazendo versões desplugadas de dez de suas canções, sete delas extraídas de um show de 1994 em Sydney e as outras três do MTV Unplugged que a banda gravou para a emissora em 1993. Muitas dessas faixas já eram conhecidas graças ao disputado pirata “Blue Sky Red Earth”, o que tirou um pouco do impacto, mas o disco tem seus méritos principalmente por fugir do clima asséptico dos discos no mesmo formato, com versões adrenalínicas de “The Dead Heart” (com intervenções de didgeridoo), “Blue Sky Mine”, “Truganini” e “Feeding Frenzy”. O disco ainda recuperava a beleza de “Tin Legs And Tin Mines” e trazia uma sutil e bela recriação de “In The Valley” ao piano. Se a premissa não era uma ideia original, pelo menos mantinha as qualidades da banda e ainda justificava sua existência com três boas faixas novas de estúdio: “Spirit Of The Age”, com seu clima de luau; a balada gótica “The Last Of The Diggers”, e a faixa título, cover de um sucesso australiano dos anos 60, cheias “um-mow-mow-mows”. Tinha uma quarta inédita, “Say Your Prayers”, porém essa era uma tentativa de refazer “Beds Are Burning” para os anos 90: estão lá os metais, o baixo em primeiro plano e a bridge crescente e pesada. Só que não colou…

Sucessos: “The Real Thing”, “Tell Me The Truth”, “In The Valley”, “Say Your Prayers”.
Melhores faixas: “Spirit Of The Age”, “The Real Thing”, “The Dead Heart”, “In The Valley”.
Pior faixa: “Tell Me The Truth”.
Preferida: “Spirit of Age”.
Nota: 7,5

CAPRICORNIA (2001)
Produzido novamente por Warne Livesey, o Oil parece disposto a se reconciliar com a música que o celebrizou, vontade já expressada nas quatro faixas inéditas do disco anterior. Estão aqui, vibrantes como nunca, os riffs dedilhados de Rotsey intercalados aos violões e teclados de Moginie, com Hirst jogando viradas uma atrás da outra e Garrett trabalhando todos os timbres de sua voz. Impera um clima de “rock australiano”: decidido, forte, ensolarado e estradeiro. Se é o disco derradeiro, não podiam ter encerrado com mais dignidade. Dos momentos mais agitados de “The Golden Age” e “Been Away Too Long” às rústicas “Tone Poem” e “Under The Overpass”, passando pelo pop puro de “Capricornia”, “Mosquito March” e “World That I See”, o talento da banda desponta vigoroso e marcante. Uma espécie de “The Best Of” com faixas inéditas. À época, Garrett declarou no site oficial do Oil que sabia que esse poderia ser o último disco da banda, e por essa razão se inspiraram nas “grandes bandas que ainda estão em atividade e nos inspiram” – citando o Teenage Fanclub como a principal delas (!). “Capricornia” tem três edições diferentes: a australiana vem com 11 faixas; a norte-americana (e que foi a editada no Brasil) traz “Say Your Prayers” regravada sem muitas novidades; e a europeia, a maior delas, tem 13 canções: “Say Your Prayers” fica de fora, mas entram a okzinha “Kiss That Girl” e a excelente versão para “Pub with No Beer”, inicialmente incluída em um tributo ao músico folk Slim Dusty (“Not So Dusty”, de 1998)

Sucessos: “Capricornia”, “Luritja Way”, “The Golden Age”
Melhores faixas: “Capricornia”, “World That I See”, “Under the Overpass”, “Tone Poem”.
Pior faixa: nenhuma.
Preferida: “Under the Overpass”.
Nota: 9

COLETÂNEAS
“20,000 Watts RSL” saiu em 1997 como protocolar coletânea de hits que já era esperada e há muito cobrada pela gravadora. Traz uma seleção bastante óbvia dos sucessos da banda, completada por duas faixas que integrariam o álbum seguinte, “Redneck Wonderland”: a barulhenta e legal “What Goes On”, com suas sirenes, guitarras velozes tocadas com delay e loops de bateria; e a chupada caradura do U2 fase “Achtung, Baby” em “White Skin Black Heart”. Bom para quem quer conhecer a banda ou para levar em viagens. “Essential Oils” apareceu em 2012 e perde em concisão: o CD duplo não faz jus ao seu título, usando todos os hits (alguns em versão remasterizada) e umas velharias queridas pelo fãs. Ignore. Menos óbvio é “Flat Chat” (2006), que alegadamente se concentra nas canções mais pesadas. Meia-verdade: tem popices como “Dreamworld” e “Tell Me the Truth”, mas não dá para negar que é uma seleção bastante criteriosa do material mais bruto da banda.

PÓS-MIDNIGHT OIL
Peter Garrett entrou para a política, Andrew James aparece vez ou outra tocando jazz em pequenos clubes e Peter Gifford, apesar de tocar blues em uns botecos, virou empresário de moda praia de gosto duvidoso até se retirar do ramo, vendendo sua parte da empresa, em 2016. Os ex-integrantes que realmente mantiveram-se no front musical foram Rob Hirst, Jim Moginie e Bones Hillman. Ah, sim: Martin Rotsey virou o amigão da galera – mais sobre isso adiante. Hirst assumiu guitarra, bateria, teclados e vocais no Ghostwriters, uma gororoba que lançou quatro álbuns entre 1991 e 2007 (“Second Skin”, de 1996, foi lançado no Brasil). Richard Grossman, do Hoodoo Gurus, ficou com o baixo e a vergonha de fazer parte dessa porcaria onde o descomunal ego do baterista faz com que composições com uns três minutos excedentes (são muitas as faixas de 6 minutos ou mais) emoldurem letras de um panfletarismo constrangedor de tão lerdo. Prova de que ele, um dos principais compositores do Oil, só produz coisas boas quando tem alguém para lapidar suas ideias burocráticas. “Political Animal”, de 2007, é uma exceção na discografia, com algumas boas canções. Teriam as participações de Martin Rotsey, Warne Livesey e Charlie McMahon (colaborador frequente dos Oils) algo a ver com isso? Faça a matemática…

Outros projetos de Hirst foram mais interessantes: a banda de blues Backsliders, que lançou seis discos; o duo guitarra-e-bateria Angry Tradesmen (com Dom Turner, dos Backsliders) e o disco pop lançado em parceria com o atleta olímpico e músico Paul Greente (“In the Stealth of Summer”, creditado a Hirst & Greene). Vale correr atrás, principalmente do Angry Tradesmen.
O neozelandês Bones Hillman foi morar em Nashville (EUA), onde trabalhou como músico contratado para cantoras country como a australiana Anne McCue e a norte-americana Elizabeth Cook, e também com o músico indie canadense Matthew Good. Fez ainda coisas para Sheryl Crow. Em 2014, apareceu com o bom trio indie The Graysmiths. Moginie lançou três discos solo, trabalhando com formatos que não têm qualquer ligação com a banda que fundou, como música folk irlandesa e rock lo-fi. Também produziu diversos artistas, inclusive os Backsliders. Aliás…

Hirst, Moginie, Rotsey e Hillman mantiveram-se em contato e colaborando em discos e shows uns dos outros desde que o Oil encerrou as atividades. Fica claro que a banda só terminou devido à saída de seu emblemático vocalista, já que mesmo Rotsey, que não teve nenhum projeto solo específico, aceitava todo e qualquer convite para voltar a tocar com os antigos companheiros (tocou em quase tudo que foi citado aqui). Ele, Hirst e Moginie formaram, com Brian Ritchie (Violent Femmes), a banda de surf rock instrumental The Break, que lançou dois bons álbuns – o segundo, “Space Farm”, incluiria o trumpetista Jack Howard na formação e teria uma dinâmica mais variada, não ficando tão presa ao cânone surfer.

Em 15 de maio de 2016, Peter Garrett anunciou que não só tinha voltado a pisar em um estúdio de gravação depois de 15 anos de ausência, como sairia com um seu primeiro álbum solo, a ser lançado em junho. “Tall Trees”, a primeira faixa disponível, anunciava um sub-Strokes que em nada honra o passado do vocalista. Simpatiquinha, mas sem personalidade. E olha que é Martin Rotsey quem está na guitarra…

VÍDEOS
O Midnight Oil lançou quadro vídeos: “Black Fella, White Fella” e “Black Rain Falls” foram lançados em VHS no Brasil, ambos em versões legendadas. O primeiro traz a turnê homônima feita em territórios aborígines junto da Warumpi Band, uma espécie de Yothu Yindi mais roqueiro, intercalando excelentes interpretações ao vivo de sucessos e faixas menos conhecidas como “Helps Me Helps You” com trechos de entrevistas e informações sobre a situação de abandono em que eles se encontravam. O segundo traz a famosa apresentação em cima de um caminhão em frente à sede da Exxon em NY, em protesto ao absurdo descaso da empresa para com o meio ambiente (ocorreram diversos vazamentos em regiões árticas sem que a empresa tomasse qualquer providência). Às imagens do show, que inclui um excelente cover de “Instant Karma” (John Lennon), somam-se chocantes cenas de degradação ambiental e poluição. Ambos valem a procura, mas “Black Fella…” é bem mais fácil de encontrar, já que veio como DVD-bônus numa reedição comemorativa de “Diesel and Dust”. “20,000 Watts RSL” teve uma edição em vídeo, com quase todos os clipes lançados até então (1997), mais várias canções ao vivo pinçadas de diferentes períodos da carreira. Vai bem tanto para fãs como para quem quer conhecer a banda. Dá para ver pérolas como uma versão ao vivo de “Stand In Line”, gravada em 1985 no porto de Sydney, em um pique “The Who Live at Leeds”; ou o clip cru e molecão de “Used and Abused”, com Garrett sem camisa fazendo poses de sex symbol.“Best of Both Worlds” traz dois shows antigos na íntegra: “Saturday Night at The Capitol”, concerto de 1982 no famoso Capitol Theatre de Sydney, e “Oils on the Water”, um show gravado em 1985 em comemoração aos dez anos da rádio Triple J. Além de serem boas apresentações, são boas oportunidades de viver em ação um Midnight Oil mais pesado e inconsequente, com Garrett e Rotsey se atirando pelo palco enquanto Hirst faz malabarismos com as baquetas e surra peles e couros de seu kit à Ketih Moon.

– Leonardo Vinhas (@leovinhas) assina a seção Conexão Latina (aqui) no Scream & Yell

Outras discografias comentadas
– Discografia comentada: Pin Ups, por Richard Cruz (aqui)
– Discografia comentada: Paralamas do Sucesso, por Leonardo Vinhas (aqui)
– Discografia comentada: Ramones, por Leonardo Vinhas (aqui)
– Discografia comentada: The Clash, por Marcelo Costa (aqui)
– Discografia comentada: Sinéad O’Connor, por Renan Guerra (aqui)
– Discografia comentada: Babasonicos, por Leonardo Vinhas (aqui)
– Discografia comentada: Suede, por Eduardo Palandi (aqui)
– Discografia comentada: Alanis Morissette, por Renata Arruda (aqui)
– Discografia comentada: Pato Fu, por Tiago Agostini (aqui)
– Discografia comentada: Mogwai, por Elson Barbosa (aqui)
– Discografia comentada: Wander Wildner, por Marcelo Costa (aqui)
– Discografia comentada: Foo Fighters, por Tomaz de Alvarenga (aqui)
– Discografia comentada: Morrissey, por Marcelo Costa (aqui)
– Discografia comentada: Bob Dylan, por Gabriel Innocentini (aqui)
– Discografia comentada: Paul McCartney, por Wilson Farina (aqui)
– Discografia comentada: Elvis Costello, por Marco Antonio Bart (aqui)
– Discografia comentada: Echo and The Bunnymen, por Marcelo Costa (aqui)
– Discografia comentada: The Cure, por Samuel Martins (aqui)
– Discografia comentada: Nick Cave, por Leonardo Vinhas (aqui)

MAIS SOBRE MÚSICA, ENTREVISTAS E REVIEWS NO SCREAM & YELL

8 thoughts on “Discografia comentada: Midnight Oil

  1. No terceiro parágrafo do texto não é mencionado o período de entrada do vocalista e há um erro em relação à quantidade de discos de estúdio (onze). No mais, um excelente review sobre uma ótima banda.

  2. como alguém pode dar 8, 9, 7 pros classicos, e dar 10 pro breathe, o disco mais insosso do universo, considerando o “ápice” da banda. só pode ser zoeira pra criar polemica. impossivel alguem achar isso

    1. Rafael, as notas se baseiam na avaliação do disco musicalmente, no contexto histórico da obra e, evidentemente, numa avaliação pessoal, como em toda resenha.

      De qualquer maneira, a opinião não é isolada. A Rolling Stone, por exemplo, celebrou efusivamente o disco quando saiu, dizendo-o melhor que seus antecessores: https://web.archive.org/web/20080725135841/http://www.rollingstone.com/artists/midnightoil/albums/album/154066/review/5945984/breathe

      É um disco diferente dos que o precedem? Sim, era o Oil querendo voltar a soar mais básico, sem pesar a mão nos arranjos, e também querendo fazer um disco mais simples de ser executado ao vivo. Ao mesmo tempo, é um disco cheio de variações no climas, apoiado principalmente no trabalho de guitarras, e trouxe coisas que os Oils nunca tinham feito antes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *