Boteco: Três cervejas colaborativas brasileiras

por Marcelo Costa

Parceria da ótima Invicta, de Ribeirão Preto, com a Sixpoint Brewery, do Brooklyn nova-iorquino, a 6 o’Clock é uma Session IPA cuja receita une os maltes Crystal, Munich, Pale Ale e Pilsener com os lúpulos Amarillo, Simcoe e Warrior. De coloração dourada com leve turbidez a frio e creme branco de boa formação e média permanência, a 6 o’Clock destaca um aroma lupulado (norte-americano) que valoriza as notas frutadas cítricas (laranja lima em primeira plano mais maracujá e melão) e um suave (e muito agradável) toque floral (remetendo também a ervas). Ainda é possível perceber algo de caramelo no aroma. Na boca, um equilíbrio – para se aplaudir – entre o toque cítrico encantador dos lúpulos e a pegada de caramelo do malte. O amargor é suave (apesar dos 60 de IBU, imperceptíveis) e levemente cumulativo – como nas boas IPAs inglesas. O conjunto segue unindo cítrico e caramelo de forma bastante agradável. O final traz caramelo, leve resina e cítrico (maracujá). No retrogosto, refrescancia. Num dia quente como hoje é para pedir em casamento: casa comigo, 6 o’Clock.

Colaboração dos cariocas da 2Cabeças com os escoceses da Brewdog (e produzida em Ellon, na Escócia), Hello, My Name Is Zé é uma India Pale Ale que recebe adição de maracujá em sua receita (assim como a Maracujipa, rótulo famoso da 2Cabeças – a diferença, avisa o release oficial, é a composição de maltes e a lupulagem mais agressiva da Hello, My Name Is Zé). De coloração âmbar alaranjada com creme de boa formação e media permanência, a Hello, My Name Is Zé apresenta um aroma que equilibra a contento as notas cítricas derivadas da lupulagem e da inserção do maracujá com a doçura do malte num conjunto que une maracujá e abacaxi com caramelo e resina. Na boca, novamente bastante equilíbrio (o que é uma surpresa) entre a doçura caramelada do malte (com um toque de resina) e as notas cítricas. O maracujá está presente, mas não é a estrela do conjunto (como era de se esperar – e essa garrafa vence só em abril de 2015, ou seja, está bem fresca). No final, leve resina (que não incomoda), caramelo e maracujá. No retrogosto, leve cítrico e quase nada de amargor. Delícia.

Fechando o trio com a Nieuw-West, uma colaboração dos paulistanos da Urbana com os holandeses da Brouwerij ‘t IJ, a singela cervejaria do moinho, em Amsterdam, uma interessante Quadrupel Hop com 10.5% de álcool e 45 de IBU cuja receita une seis estilos de maltes com três de lúpulos norte-americanos (Amarillo, Citra e Cascade) e é produzida pela Blondine, em Itupeva. De coloração âmbar caramelada e creme levemente bege de ótima formação e media permanência, a Nieuw-West exibe um aroma que valoriza o lúpulo e deixa o malte em segundo plano com herbal em destaque (pinho) e leve acento cítrico (abacaxi). Ainda é possível ainda perceber algo de resina, açúcar queimado, toffee e, muito na retaguarda, ameixa. A boca mantém a impressão adiantada pelo aroma: doçura muito rápida (e textura levemente sedosa no primeiro toque) e amargor potente, que se fixa na garganta e não desaparece. Em meio ao oceano de lupulagem é possível perceber leve ameixa e toque de açúcar queimado. O final é herbal, amargo e caramelado. No retrogosto, herbal, cítrico e toffee.

Balanço
Não poderia abrir de melhor forma: produzida em Ribeirão Preto, a 6 o’Clock, da Invicta com a Sixpoint, é uma Session IPA (não tão session assim, já que tem 5.8% de álcool, e meia dúzia dela podem elevar a alegria de quem está acostumada a beber 4.5% além do normal) de responsa, cítrica, caramelada e saborosa. A Hello, My Name Is Zé, parceria da 2Cabeças com a Brewdog, mantém o nível em alta no formato de uma IPA agradabilíssima, mais lupulada que a 6 o’Clock (e, por isso, mais de nicho), mas ainda assim ótima. Fechando o trio, uma parceria da Urbana com a Brouwerij ‘t IJ que soa mais São Paulo que Amsterdam: a ideia era fazer uma Quadrupel lupulada, e o lado norte-americano bateu de longe o modelo europeu resultando em uma receita desiquilibrada (no que tange a valorizar dois estilos complexos), mas ainda assim, numa cerveja agradável.

6 o’Clock
– Produto: India Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5.8%
– Nota: 3,58/5
– Preço pago em São Paulo: R$ 17,90 (500 ml)

Hello, My Name Is Zé
– Produto: India Pale Ale
– Nacionalidade: Escócia
– Graduação alcoólica: 6.4%
– Nota: 3,56/5
– Preço pago em São Paulo: R$ 11 (330 ml)

Nieuw-West
– Produto: Belgian Quadrupel
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 10.5%
– Nota: 3,18/5
– Preço pago em São Paulo: R$ 23,50 (500 ml)

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.