Três Filmes: Hawks 1938, 1941 e 1944

por Marcelo Costa

Titulo Original: “Bringing Up Baby”, 1938
Titulo Nacional: “Levada da Breca”

Quatro anos antes, em 1934, Howard Hawks havia lançado “Twentieth Century” (no Brasil, “Suprema Conquista”), filme que ao lado de “It Happened One Night” (“Aconteceu Naquela Noite”), de Frank Capra, é apontado como precursor do gênero screwball comedy, um estilo de comédia de fala rápida, tendência romântica e personagens femininos fortes. Tudo isso está presente em “Levada da Breca”, que conta a história de David Huxley (Cary Grant, espetacular), um paleontólogo abobalhado que está de casamento marcado, e, nesse interim, precisa agradar um ricaço durante um jogo de golfe, pois este irá doar 1 milhão de dólares para o museu onde trabalha. No campo de golfe, Huxley conhece a espevitada Susan Vance (a empolgante Katharine Hepburn), que, entre um desastre e outro (e são muitos), se apaixona por ele. Susan decide então se casar com David e, para mantê-lo ao seu lado, utiliza todos os recursos possíveis transformando a vida do pacato homem em uma sucessão interminável de problemas. Hoje um clássico (considerado por alguns como um dos melhores filmes de Hawks), “Levada da Breca” fracassou nas bilheterias americanas causando a demissão do diretor e a rescisão de contrato de Katharine Hepburn.

Titulo Original: “Ball of Fire”, 1941
Titulo Nacional: “Bola de Fogo”

Billy Wilder havia escrito o argumento de “Bola de Fogo” ainda quando estava na Europa, com a trama espertamente baseada em “Branca de Neve e os Sete Anões”, e não só assina a adaptação do roteiro com o parceiro Charles Brackett e Thomas Monroe como também, autorizado por Hawks, acompanhou o serviço de direção visando aprender o oficio. Nesta versão apimentada (para a época) do conto de fadas, a Branca de Neve é a dançarina de bordel Katherine “Sugarpuss” O’Shea (Barbara Stanwyck), que precisa fugir da polícia pois seu namorado, o mafioso Joe Lilac (Dana Andrews), pode ser preso caso a investigação consiga traçar um paralelo entre os dois. A bela dançarina acaba então em uma velha casa, que abriga oito professores que estão escrevendo uma enciclopédia, e interessados nas gírias ditas pela moça, deixam que ela fique na casa, começando o choque entre o homem puro (e, por vezes, tolo) com uma mulher esperta e maliciosa. O professor coordenador Bertram Potts (Gary Cooper) é o tipo clássico das screwball comedy, um homem cuja inteligência teórica não se adequa a agilidade do cotidiano, e cai de amores por Sugarpuss, que, mesmo maliciosa, também se apaixona em uma adaptação esperta e deliciosa. “Bola de Fogo” foi indicado a seis Oscar (incluindo Melhor Atriz e Melhor História), mas não levou nenhum. Vale ir atrás!

Titulo Original: “To Have and Have Not”, 1944
Titulo Nacional: “Uma Aventura em Martinica”

Em 1944, o terceiro casamento de Humphrey Bogart não ia lá bem das pernas e bastou encontrar a jovem Lauren Bacall, então com 19 anos (25 anos mais nova), no set de “Uma Aventura em Martinica” para que uma nova paixão florescesse. Bogart e Bacall casaram-se em 1945 e tiveram um casamento feliz, e “Uma Aventura em Martinica” tem seu lugar na história muito mais pelo encontro dos dois do que pelas qualidades do filme, que reuniu um timaço nos créditos (Ernest Hemingway, autor do livro “To Have and Have Not”, base para o roteiro assinado por Jules Furthman e William Faulkner, mais Hawks e Bogart), mas não conseguiu se livrar da comparação e soa como um “Casablanca 2”. O Rick de “Casablanca” aqui se chama Harry. Ele não tem um bar, mas um barco, no entanto mora em um hotel e passa quase todo o tempo no bar comandando a ação que, por fim, concentra-se em ajudar um casal francês a escapar da perseguição nazista. Há até um simpático pianista (Hoagy Carmichael), que não existe no livro de Hemingway, e vários atores de “Casablanca” marcam presença aqui. Bacall se mostrou um furacão em cena, ganhou mais espaço na trama e atropelou Dolores Moran, que deveria ser a Ingrid Bergman da vez, mas teve seu papel reduzido. Para assistir e comparar.

– Marcelo Costa (@screamyell) é editor do Scream & Yell e assina a Calmantes com Champagne

Leia também:
– Filmografia comentada: todos os filmes de Billy Wilder (aqui)
– Três Filmes: Howard Hawks -> 1940, 1952 e 1953 (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *