Boteco: Oito cervejas da La Trappe

latrappe.jpg

por Marcelo Costa

A La Trappe é uma cerveja holandesa fabricada pela Koningshoeven, uma cervejaria fundada em 1884 no Mosteiro Onze Lieve Vrouw van Koningshoeven, em Berkel-Enschot, na Holanda. Apenas duas cervejarias fora da Bélgica fabricam cerveja trapista: Koningshoeven e a austríaca Stift Engelszell, reconhecida em 2012. A ideia inicial de produzir cerveja em Koningshoeven tinha por ideia financiar o mosteiro e contribuir para causas beneficentes, mas o sucesso transformou a cervejaria em uma das principais trapistas do mundo. A água para a cerveja é resgatada a partir de cinco poços de 200 metros de profundidade, e todas as cervejas, exceto a Blond, continuam sendo refermentadas na garrafa. Atualmente, a La Trappe produz 10 rótulos, incluindo o recém-lançado Jubilaris. As demais são a Blond, Dubbel, Tripel, Quadrupel, Quadrupel Oak Aged, Witte Trappist, Bockbier (sazonal), Isid’or e PUUR (orgânica). As oito cervejas de 330 ml abaixo foram adquiridas diretamente no mosteiro, em um kit que saiu por 11 euros (aproximadamente R$ 33 as oito garrafas). No Brasil, os preços saem entre R$ 14 e R$ 19 (cada garrafa de 330 ml) e de R$ 32 a R$ 45 (garrafas de 750 ml). Vamos a elas.

A La Trappe Witte Trappist (também comercializada como Koningshoeven Witte Trappist) é a única witte trapista do mundo, e os monges holandeses criaram uma versão economica e personal, que não recebe adição de especiarias, apenas água, trigo e lúpulo alemão Saphir com uma segunda fermentação na garrafa. De coloração amarelo palha, leve turbidez a frio e creme médio (em formação e permanencia), a La Trappe Witte Trappist é uma cerveja galante, com aroma dividido entre levedura e lúpulo em notas florais, frutadas (banana), herbais (feno) e cítricas (leve abacaxi). Apesar dos monges salientarem a não inclusão de especiarias, há uma interessante percepção picante que remete a semente de coentro (proveniente da levedura). No paladar, a textura é levemente frisante e o primeiro ataque traz cítrico, acidez e leve amargor que, combinados, criam um conjunto deliciosamente refrescante. O adocicado do malte (que remete a trigo e banana) reforça a maior qualidade de uma das raras cervejas da La Trappe (junto com a nova Puur) que, recomenda-se, deve se beber gelada. O final é picante e seco e o retrogosto, cítrico. Para beber várias e ser feliz.

latrappe2.jpg

Ainda no território das cervejas “leves” do mosteiro, a La Trappe Puur, com 4,7% de álcool, é um dos lançamentos mais recentes da casa, uma experiência que fica entre uma witbier e uma blond ale e se destaca por ser uma cerveja que utiliza apenas ingredientes organicos e energia sustentável. De coloração amarelo palha e creme branco, de boa formação e baixa permanencia, a La Trappe Puur traz no aroma a força dos lúpulos cítricos, que conferem ao conjunto notas frutadas que remetem a abacaxi, maçã verde e lima. Há sugestão de especiarias (semente de cravo). No paladar, a textura é levemente picante, com o amargor secudando por uma leve acidez replicando as notas percebidas no aroma (frutas cítricas e especiarias), e intensificando as notas herbais (grama, mate). O final é seco, cítrico e herbal enquanto o retrogosto reforça o carater cítrico e refrescante de uma bela cerveja.

latrappe3.jpg

A La Trappe Blond é uma cerveja de coloração dourada, turbidez a frio (mesmo sendo não filtrada) e belo creme branco de média permanência. É uma cerveja refrescante que também não recebe adição de especiarias, embora a levedura (adicionada junto ao açúcar na garrafa para uma segunda refermentação) distribua intensas notas condimentadas no aroma, que ainda traz sugestão herbal (feno, ervas), trigo, frutado (banana) e cítrico (limão siciliano, maçã verde e casca de laranja). No paladar balanceado, um interessante duelo entre o leve amargor do lúpulo (acentuado pela levedura) e o adocicado do malte (intenso) cria um conjunto delicioso, embora um pouco enjoativo. Há bastante percepção de trigo e sensação de banana com açúcar, que aumenta conforme o líquido esquenta. A picância (que remete a cravo) bate ponto marcando o céu da boca. O final é longo, adocicado e levemente ácido enquanto o retrogosto é frutado, remetendo a banana. Muito boa

latrappe4.jpg

Produzida pela primeira vez em 1987, a La Trappe Dubbel tem coloração avermelhada e creme denso bege, ótimo em formação e permanencia. O uso de malte de caramelo mais a segunda fermentação na garrafa (incluindo fermento e açucar) praticamente definem uma cerveja bastante especial. No aroma, o malte de caramelo levemente tostado consegue se sobresair sobre a levedura, que ainda assim bate ponto deixando notas de condimento e especiarias. No entanto, o destaque aromático se divide entre as notas que remetem a frutas escuras (ameixas, uva passa, nozes) e a adocicado (melaço, baunilha e caramelo), com percepção fácil dos 7% de álcool (mesmo com a cerveja gelada). O paladar, no entanto, promove uma surpresa: o amargor (uma união de lúpulo, levedura e álcool – os dois últimos colaborando com acidez), ainda que suave, é mais forte do que o aroma faz supor. Após a surpresa, notas adocicadas (chocolate) e frutadas (caramelizadas com álcool) promovem aquecimento até o final, melado e novamente adocicado. No retrogosto, um pouco de cítrico, amargor e muito de álcool. Bela garota.

latrappe5.jpg

A La Trappe Tripel é a primeira da lista a utilizar coentro e especiarias em sua receita, o que acentua caracteristicas picantes que já aparecem com naturalidade nas anteriores. De cor amarela quase alaranjada, devido a leve turbidez causada pela não filtração, a La Trappe Tripel exibe uma espuma de formação e duração médias. O aroma não se desprende tanto, mas permite perceber a força do malte (leve toque de melaço) e a união de lúpulo, levedura e especiarias num conjunto frutado que remete a frutas cristalizadas, banana, pêssego e calda de abacaxi. O paladar exibe uma textura frisante e corpo denso que destaca acidez cítrica e leve amargor no primeiro toque (remetem rapidamente a champagne) para, na sequencia, receber um banho de dulçor frutado (maçã e banana) caramelizado por malte e os 8% de álcool. O trecho final é deliciosamente licoroso, longo e cítrico, com leve percepção de álcool. Já o retrogosto traz frutado (banana) e melaço, além, claro, de calor no peito.

latrappe6.jpg

Rótulo “sazonal” da casa de Koningshoeven, a La Trappe Bockbier é produzida para os meses mais frios do ano, e, por isso, só está disponível no outono/inverno europeu – embora sua validade, de dois anos, permita que a produção escoe para o hemisfério sul no ano seguinte (ou mesmo seja encontrada na Europa nos meses quentes). De coloração ambar proveniente do leve tostamento do malte e creme denso e bege (de bela formação e longa permanencia), a La Trappe Bockbier traz notas que remetem a adocicado (caramelo, baunilha e melaço), frutas escuras (ameixa e passas) e leve percepção de álcool. O paladar, por sua vez, é leve e quase sedoso. O primeiro ataque é extremamente equilibrado, com doçura, amargor e acidez em perfeita sintonia. As notas que remetem a adocicado e frutas escuras, provenientes do malte tostado, se destacam, com a picância dos 7% de álcool batendo ponto e aquecendo o peito (manda descer a neve!). O final é levemente melado e alcoolico enquanto o retrogosto traz malte tostado e calor. Uma bela bock!

latrappe7.jpg

Em 2009, para festejar os 125 anos do mosteiro de Koningshoeven, os monges decidiram lançar uma Belgian Pale Ale comemorativa (com lúpulos Perle) e homenagear o primeiro frade mestre cervejeiro da La Trappe, Isidorus Laaber, um dos responsáveis por tornar a cervejaria famosa em todo o mundo. De coloração âmbar caramelo e belo creme (em formação e permanência), a La Trappe Isid’or traz no aroma notas suaves que remetem a caramelo, açúcar queimado e baunilha (provenientes do leve tostamento do malte) além de presença de trigo, notas herbais e sugestão de condimentação e frutas secas (uva passa e ameixa). Quem espera doçura no paladar irá se surpreender com uma bela dose de calor, acidez, picância e médio amargor – talvez na cerveja mais amarga da La Trappe. Os 7,5% de álcool marcam presença e, junto à levedura, criam um conjunto robusto e marcante, que se sobrepõe a doçura do malte tostado, que aparece levemente no retrogosto, encerrando uma bela experiência cervejeira.

latrappe8.jpg

Para encerrar com chave de ouro o passeio pelo cardápio básico do Mosteiro holandês de De Koningshoeven, La Trappe Quadrupel, uma Belgian Quadrupel de 10% de graduação alcoólica. De coloração âmbar e espuma de boa formação e média alta permanência, a La Trappe Quadrupel destaca um aroma deliciosamente frutado proveniente do malte tostado, que remete a figo, banana caramelada, uva, melaço e ameixa. Há algo de especiarias, um interessante toque de lúpulo cítrico e uma leve percepção de álcool, ainda quando a cerveja está gelada, e que aumenta conforme a cerveja aquece na taça. No paladar, a textura é aveludada, quase licorosa, e no primeiro toque é possível sentir a intensa doçura, que recebe o combate da acidez e de um leve amargor, equilibrando o conjunto de forma majestosa. É possível sentir as notas adocicadas e frutadas, os condimentos e o álcool. O final é levemente alcoólico, com sugestão de madeira, resina e frutas vermelhas. No retrogosto, calor, rubor nas faces, doçura do malte e álcool. Uma cerveja esplendorosa.

tampinhas.jpg

La Trappe Witte Trappist
– Produto: Witbier
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 5,5%
– Nota: 3,88/5

a La Trappe Puur
– Produto: Belgian Blond Ale
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 4,7%
– Nota: 3,70/5

La Trappe Blond
– Produto: Belgian Blond Ale
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 6,5%
– Nota: 3,67/5

La Trappe Dubbel
– Produto: Belgian Dubbel
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,86/5

La Trappe Tripel
– Produto: Belgian Tripel
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 3,95/5

La Trappe Bockbier
– Produto: Dunkler Bock
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,65/5

La Trappe Isid’or
– Produto: Belgian Pale Ale
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 7,5%
– Nota: 3,90/5

La Trappe Quadrupel
– Produto: Belgian Quadrupel
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,44/5

tour.jpg

Faça o tour virtual pelo mosteiro. Clique na imagem

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.