Show: Franz Ferdinand no The Week

Por Marcelo Costa
Fotos Liliane Callegari

Setembro de 2006: o Franz Ferdinand encerrava em São Paulo uma turnê mundial ininterrupta de três anos, mais de mil dias pulando de lá pra cá e daqui pra lá tocando o mesmo grupo de canções, os mesmos instrumentos, vivendo a estrada no que ela mais tem de cansativo: a rotina. Não à toa, o show terminou com Alex Kapranos jogando a camisa e seu par de tênis pra galera enquanto Nick McCarthy entregou ao público o seu teclado após um show suado, vibrante, mas com uma boa dose de descompromisso. O Franz entrou no palco pensando nas férias e avisando: “Esta canção a gente vai tocar pela última vez”. Adivinha qual?

Estamos na virada de setembro para outubro de 2009. Três anos se passaram e a turma de Alex Kapranos colocou no mercado seu terceiro álbum, “Tonight: Franz Ferdinand”, e muitos estranharam sua forma mais orgânica. De uma forma natural, o Franz deixou de ser visto como a melhor banda dos últimos tempos da próxima semana para pensar em uma carreira de longa duração. “Tonight: Franz Ferdinand”, apesar de ser um grande álbum, não causou o alvoroço dos dois primeiros discos, e esse estranhamento parece ter servido a favor da paixão do grupo pelo palco (e do futuro dos quatro em estúdio).

Paixão pelo que se faz. Foi mais ou menos isso que o quarteto fez questão de mostrar no palco do The Week para um público de 1300 pessoas (jornalistas, gente de fã clube, sortudos que ganharam ingressos e outros que pagaram R$ 300 pelos tickets que esgotaram em menos de uma hora). “No You Girls” abriu a noite em uma versão impecável e abriu o caminho para uma seqüência de hits com força para causar terremotos: “The Dark of Matinèe”, “Walk Away” (apresentada como uma canção para corações partidos), “Tell Her Tonight”, “Can’t Stop Feeling” e “Do You Want To”.

“Bite Hard”, outra das faixas incendiárias do terceiro disco abriu o segundo bloco sendo seguida pela demolidora “This Fire”, canção que encerrou praticamente todos os shows das turnês dos dois primeiros discos, em uma versão de seis minutos e meio de pura adrenalina. “What She Came For” veio na seqüência, e o set list reservava espaço adiante para “The Scottish Song”, que nada mais era do que aquela canção que eles diziam estar tocando pela última vez em 2006: “Take Me Out”, um dos hinos roqueiros dos anos 00, fez a casa tremer. “Ulysses”, “40′” e “Outsiders” fecharam a noite.

Para o bis, duas das antigas e duas das mais novas: “Michael” e o b-side “Van Tango” acompanhadas de “Turn It On” e uma versão longuíssima de “Lucid Dreams”, que  encerrou a noite de forma psicodélica. Diferente da apresentação do Motomix, em 2006, quando a banda se entregou ao público literalmente distribuindo peças de roupa e instrumentos, neste show do The Week a entrega foi outra. Afiadíssimos no palco, o Franz Ferdinand fez um daqueles shows raros e memoráveis, que talvez possa ser resumido em uma palavra em português dita por Alex Kapranos no meio do show: “Fudido”. Não tem como discordar.

Leia também:
– Franz Ferdinand 2010: shows em SP, RJ, DF e POa (aqui)
– “Tonight: Franz Ferdinand”, por Marcelo Costa (aqui)
– Franz Ferdinand ao vivo no Rock Werchter 2009 (aqui)
– Franz Ferdinand ao vivo no Festival Motomix 2006 (aqui)
– Mais fotos do show e da coletiva de imprensa por Liliane Callegari (aqui)

4 thoughts on “Show: Franz Ferdinand no The Week

  1. Marcelo,

    Hoje mesmo estava ouvindo o “tonight” e pensando que ele têm varias músicas “astral” e dançantes e viajando num possível setlist ao vivo, mesclando as boas músicas antigas, rockeiras com as novas e na mesma hora imaginando que ver um show assim, seria “fodido”, já acenando para as apresentações deles do ano que vem. E agora, lendo aqui, deu pra imaginar o quão empolgante foi; tb tive a mesma sensação que a sua, sobre o disco em si, que vc resenhou no outro post, aliás, muito legal …

    abços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.