Três CDs: The Verve, Damon Albarn e Oasis

por Marcelo Costa

“Forth”, The Verve (EMI)
Se anos após o fim da banda, a carreira solo e nem os projetos paralelos emplacaram, a reunião é inevitável. O Verve volta a ser quarteto (Simon Tong ficou de fora) com um álbum que não tem nenhum hino urbano, mas junta canções psicodélicas como a poderosa “Love is Noise” com baladinhas acústicas como “Valium Skies”. Assim como em “A Northern Soul”, das doze canções, dez ultrapassam os cinco minutos, o que faz ter saudades dos tempos do vinil. Nada que os bons oito minutos da porrada “Noise Epic” não resolvam.

Nota: 7,5

“Monkey: Journey to The West”, Damon Albarn (XL)
Em alguns momentos, “Monkey” – trilha inspirada na ópera adaptada de um romance chinês do século 16 por Albarn, Hewlett e Chen Shi-Zheng – parece como se os integrantes do Kraftwerk tivessem nascido em 1999 e lançassem agora o seu primeiro álbum (aos 9 anos). Em outros não se entende nada. Albarn, que já tocou com músicos de Mali, com o baixista do Clash e com personagens de desenho não descansa, o que não quer dizer que acerte sempre. Aqui, por exemplo, parece que ele errou. Será? Cadê o Blur??

Nota: :o)

“Dig Out Your Soul”, Oasis (Sony&BMG)
Descontando a chupada do Doors em “Waiting For The Rapture”, o 7º álbum de estúdio dos Gallagher faz bonito. “Dig Out Your Soul” perde para os dois primeiros álbuns, clássicos, mas briga a tapas pelo bronze com o drogadaço “Be Here Now”. O rockão de abertura “Bag It Up” (com riffs ásperos de guitarra e ótimo vocal de Liam), “The Shock of the Lightning”, “Lord Don’t Slow Me Down” (do excelente CD bônus da edição de luxo) e mesmo a “Five To One Oasis Version” (sic) fazem sorrir num discaço de rock.

Nota: 8,75

– Marcelo Costa (@screamyell) edita o Scream & Yell e assina a Calmantes com Champagne

5 thoughts on “Três CDs: The Verve, Damon Albarn e Oasis

  1. Esse do Verve eu ja comecei umas duas vezes e nao terminei…preciso acabar. Quanto ao Oasis, concordo contigo. Belo disco. O terceiro melhor deles, só perde para dupla de estreia. Abs,.

  2. Até que enfim o Oasis lançou um álbum bom.Depois dos dois últimos estava com o pé atrás…me surpreendi, com exceção de uma música achei o disco bem diferente do que eles já produziram, até a tradicional balada do Noel evoluiu….. Ah, tTbm reparei no vocal do Liam…
    Abçs

  3. Cara,minha mensagem não tem nada haver com a resenha dos discos…Peço licensa pra falar do preço do ingresso do show do REM aqui no Rio.Simplesmente custa 470 reais a pista perto do palco, 230 a pista na parte de trás.Cara perdi o show do Rock In Rio e to desesperado pra ir nesse…Mas a esse preço não dá.É muita covardia desses ladrões.
    Cara,simplesmente eu não sei pq vendem ingressos a esse preço aqui no RJ.Eu gostaria de ver o boicote, mas isso é impossivel. Grande abraço.

  4. obviamente o album do Albarn…precisa ser analisado dentro de um contexto diferente que é o espetáculo para o qual foi composto.

    não é um mero disco mais do mesmo…como oasis e verve

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.