“Shine a Light – Live”, Rolling Stones

por Marcelo Costa

Existem duas maneiras de ‘curtir’ a música de “Shine a Light”: a primeira, óbvia, é dentro de uma boa sala de cinema, com as imagens sensacionais que praticamente colocam o espectador no gargarejo de uma das melhores bandas do mundo sobre um palco. Nesta primeira opção há um artifício que funcionou a perfeição no filme: quando a câmera foca um integrante da banda, o que ele estava fazendo pula a frente dos outros instrumentos, o que dá um colorido todo especial ao som, mas que funciona ali, na sala de cinema.

A segunda maneira de curtir “Shine a Light” é se jogar no CD duplo que chega às lojas com o melhor das duas noites em que os Stones se apresentaram – no segundo semestre de 2006 – no histórico Beacon Theatre, um pequeno teatro nova-iorquino, o que por si só já atiça a curiosidade de qualquer fã de rock acostumado a trombar com o grupo em estádios lotados quando não praias. Se na telona, as boas tomadas, a bela iluminação e a vitalidade dos sessentões sobre um palco impressionam, o que “resta” para o CD é um conjunto de canções afundadas em guitarradas.

“Shine a Light” é o nono disco ao vivo da carreira dos Stones, e entra de cara na briga pelo posto de melhor som que a banda já transpôs de um palco para um álbum. “Jumpin’ Jack Flash” nunca soou tão forte ao vivo como agora, e só não bate a versão sinuosa e clássica do álbum “Get Yer Ya-Ya’s Out!”, deixando para trás os registros do álbum “Love You Live” (1977) e “Flashpoint” (1991). “Tumbling Dice” é outra que cresce ao vivo, embora as versões do álbum “Love You Live” e “Rarities” sejam brilhantes. “Sympathy for the Devil”, “Start Me Up” e “Brown Sugar” também são honradas com boas versões.

Apesar de ser uma apresentação dentro da turnê “A Bigger Bang”, o repertório do show do Beacon Theatre não seguiu o padrão balanceado que reunia canções de 1965 a 2005 na “A Bigger Bang Tour”. A música mais “nova” do repertório escolhido é “She Was Hot” (em versão arrasa quarteirão), do álbum “Undercover”, de 1983, ignorando completamente material mais “recente” (inclusive as canções do excelente “A Bigger Bang”). Das 18 canções reunidas no filme (no CD são 22), a mais antiga é “As Tears Go Bye”, gravada por Mariane Faithfull em 1964, e o álbum mais privilegiado foi “Some Girls”, que completa trinta anos em 2008.

Detonado na época do lançamento e atropelado pelo punk, “Some Girls” marca presença com quatro músicas: a faixa título, “Shattered” e “Just My Imagination”, as duas em versões superiores as do “Still Life” (1981), e o excelente country “Far Away Eyes”. Dentre os convidados, Jack White divide violões e vocais com Mick Jagger em uma pungente versão de “Loving Cup”; Christina Aguilera se sai bem em “Live With Me”, mas o grande momento acontece em “Champagne & Reefer”, única canção inédita do show, um cover dos Stones para o original de Muddy Waters. Buddy Guy entra com guitarra e um vozeirão que arrepia. No fim, ganha a guitarra de Keith Richards.

Entre as quatro canções que estão no CD, mas não estão no filme, “Paint it Black” aparece em uma boa versão, mas a do álbum “Flashpoint” ainda é a mais contagiante. “Little T&A” surge em grande versão e traz novamente Keith para frente do palco. “I’m Free” também mantém está no alto nível de qualidade do álbum, mas é inferior a versão do álbum “Stripped” (1995) e a cover do Soup Dragons, que retirou a canção do limbo e a tranformou em hit mundial em 1990. Para fechar, “Shine a Light”, a canção que dá título ao filme de Scorsese, e só aparece no filme em um curto trecho no final, outra que também ganhou uma versão irrepreensível no álbum “Stripped”, mas que aqui também surge emocionante. Fora essas quatro, “Undercover of the Night” entrou de bônus na edição japonesa.

Dentre os nove álbuns ao vivo dos Stones, “Shine a Light” traz um dos melhores repertórios já apresentados ao vivo pela banda além de dar um tratamento para lá de especial às guitarras de Keith Richards e Ron Wood. A voz de Mick Jagger (como ele consegue cantar tão bem correndo tanto de lá pra cá e de cá pra lá prestes a completar 65 anos???) e a bateria de Charlie Watts não ficam atrás (o baixista Darryl Jones, um monstro nas quatro cordas, também merece destaque, assim como a backing Lisa Fisher, o tecladista Chuck Leavell e o saxofonista Bobby Keys) construindo uma massa sonora de qualidade impressionante que confirma o óbvio: sobre um palco, os Stones são imbatíveis.

“Shine a Light”, Rolling Stones (Universal)
Preço em media: R$ 35
Nota: 8

4 thoughts on ““Shine a Light – Live”, Rolling Stones

  1. Muito bom os Stones ao vivo, mas já é mais que comprovado em pesquisas de sites relacionados em música que ao vivo o Kiss é a melhor banda!
    Um abraço!
    Danilo Oliveira

  2. Mac,

    apesar de o grande Nicky Hopkins ter participado de vários discos dos Stones (e várias outras pérolas), o verdadeiro “sexto stone” era o falecido Ian Stewart.
    Acontece que o Nicky Hopkins também já morreu, não podendo estar no Shine A Light…
    Quem pilota os teclados dos Stones, já há algum tempo (pelo menos desde a Steel Wheels/Flashpoint Tour, apesar de já aparecer dos discos de estúdio desde o Undercover, se não me engano), é o Chuck Leavell, que já tocou com Eric Clapton e Allman Brothers.

    Um abraço.

  3. Entramos na seara do gosto pessoal, mas a participação de Cristina Aguilera é risível. Parece uma daquelas calouras do Raul Gil. Keith Richards, que sabe das coisas, preferiu ficar ao lado do Bobby Keys durante a destruição de “Live with Me”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.