CD: The Flying Club Cup, do Beirut

por Marcelo Costa

Zach Condon tem apenas 21 anos e já é considerado uma das mentes brilhantes do novo pop de vanguarda norte-americano com seu projeto Beirut, que lançou em 2006 o soberbo “Gulag Orkestar”, um álbum que levava o folk alternative punk de gente como Decemberists e Neutral Milk Hotel por um passeio pelos balcãs e o chocava com a música cigana de gente como Emir Kusturica e Goran Bregovic alcançando um resultado arrebatador. “The Flying Club Cup”, segundo álbum do Beirut, surge para mostrar que a grandiosidade do álbum de estréia não foi sorte de principiante.

Em seu segundo lançamento, Zach Condon permanece perambulando pela musicalidade impar de uma Europa perdida na memória, mas desce dos Bálcãs para a Europa ocidental, e senta-se para admirar uma corrida de balões de ar ocorrida na Paris do início do século XX. E dá-lhe chanson francesa entoada entusiasmadamente em formato novo pop – a influência central do álbum é a obra de Jacques Brel, mas namora também a classe do Magnetic Fields, projeto do multi-instruementista Stephin Merritt, sem abandonar a sonoridade cigana da estréia.

Viola, acordeom, bandolim, trompetes, flugelhorn e orgão criam um clima tão rico de sons e imagens que é difícil não se apaixonar e/ou não se perder por “The Flying Club Cup”. Da voz de Zach Condon escorre uma poesia melancólica que comove enquanto conta a história de uma paixão proibida de um tempo qualquer (existem paixões proibidas hoje em dia?) que pode causar o enfrentamento de duas grandes famílias (nem Montechios nem Capuletos, mas poderiam ser estes os personagens) e colocar a perder a organização de uma corrida de balões.

“Nantes” abre o disco (após os 18 segundos de “A Call To Arms”) de forma quase desorganizada, como se o Beirut fosse uma orquestra de rua. Da voz de Zach escorre saudade e tristeza: “Já faz muito tempo que eu vi você sorrir”, canta o jovem que só vê um sentido na noite: chorar. “A Sunday Smile” narra uma das paisagens mais deliciosas de se ver: um cachorro deitado na sombra lambendo suas feridas em um dia de domingo. A conquista segue em “Cliquot”, cujo personagem pergunta no refrão empolgante: “Que melodia levará minha amante para a cama”?

A musicalidade do Beirut não é algo que desce fácil a ouvidos acostumados com o clássico pop britânico (digerido e devolvido com poucas variações pelos norte-americanos) dos últimos quarenta anos. Porém, para brasileiros acostumados com a delicadeza da bossa nova, com os acordes dissonantes da tropicália e com os tambores de maracatu do manguebeat (e, porque não, com a influência latino-caribenha do reggae e do calipso na axé music), o Beirut é uma surpresa de final de noite, quando após noites em claro estamos prestes a dormir, e a sonhar, e nos deparamos com o último acontecimento, aquele que vai dar o tom do sono – e dos sonhos.

A orquestra cigana de Zach Condon dá vida a uma arte que – cada vez mais – se ampara na reciclagem e na repetição. Acompanhado de músicos tão jovens quanto ele, este garoto de 21 anos de Albuquerque, nos Estados Unidos, não se prende a uma corrente pop, ao contrário, navega solitário por terras quase desabitadas desse mundo velho sem porteira. Seu passeio musical em um balão rende um repertório cuidadoso de 13 canções inspiradas e inspiradoras que servem para fazer a alma do ouvinte – afogada na desilusão de uma música pop que padece de criatividade – respirar novamente enquanto observa a lua velejar nos olhos da amada. Para ouvir sem piscar.

– Marcelo Costa (@screamyell) edita o Scream & Yell e assina a Calmantes com Champagne

LEIA MAIS TEXTOS, ENTREVISTAS E REPORTAGENS SOBRE MÚSICA

10 thoughts on “CD: The Flying Club Cup, do Beirut

  1. Maravilha de disco. Maravilha de crítica. Coisa de mestre o providente paralelo com a música produzida fora do eixo anglo-saxão. Parabéns, camarada!

  2. OI Marcelo,
    Nesta linha do BEIRUT achei mais interessante o primeiro disco do ALASKA IN WINTER(Dance party in the Balkans), que conta com a participação do Zach Condon.
    Abração

  3. Puxa, Marcelo. Mto obrigado por lembrar esta grande banda que merecia maior destaque. Lembro de ter ouvido o primeiro disco deles junto do Gogol Bordello, que segue a mesma linha, conseguiu mais destaque que eles, mas que eu acho uma coisa mais voltada para o chiste e a brincadeira (pra não dizer puro pastiche mesmo). Descobrí-los foi uma agradável surpresa. Agora, só sei que vou seguir adiante até Beirut, com certeza. Vlw.

  4. impressionante o fato dele ser tão jovem e criar músicas com sonoridades riquíssimas. ainda não ouvi este último, nem os eps que ele lançou neste ano, mas adoro o “gulag orkestar”.

  5. Beirut é espetacular, mas acho que houve uma evolução e tanto do gulag orkestar para o flying club cup, que tem músicas muito mais harmoniosas. No primeiro álbum, só vejo essa harmonia em “Postcards from Italy”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.