Respostas: Entrevista ao Yer Blues

Entrevista concedida a Jonas Lopes (07/2004), do Yer Blues

Para aqueles que gostam de ler e-zines, provavelmente nunca haverá tão cedo um período fértil como o de 2001/2002, quando ótimos sites como o Scream & Yell e o Quadradinho nos ajudavam a entender um pouco mais esse bicho tão abrangente quanto pouco compreendido chamado cultura pop.

Claro que hoje há alguns zines de alto nível, e isso só comprova a minha teoria, pois várias das pessoas que escrevem neles eram leitores ou escreviam para o S&Y nesta época áurea. Liderado e idealizado por Marcelo Costa, o Scream & Yell impressionava pela qualidade e produtividade – tinha texto novo praticamente todo dia, graças ao batalhão de colaboradores do site.

No fim de 2002, Marcelo anunciou o fim do zine, para surpresa dos leitores. A comoção foi geral. Mac ensaiou uma volta no ano passado, que durou alguns meses, mas não vingou completamente. Hoje ele mantém um blog na página principal do S&Y. Nesta entrevista ele conta algumas histórias curiosas da trajetória do zine e até vislumbra uma possível volta, entre outras coisas interessantes. Vamos torcer.

Uma pergunta vaga e bem pessoal: pra você, o que é cultura pop e que importância devemos atribuir a ela?

Putz, pegou pesado para começar, hein (risos)? Bem, entendo cultura pop como um braço mais deslocado da cultura, um caminho mais leve, desencanado e que permite muito mais maneirismos do que a cultura sedimentada. Vai desde gibis, revistinhas Tex (Sabrina e Julia também), passa por discos e chega ao cinema. É tudo de uma leveza e uma urgência que demarcam muito o tempo que vivemos. Fico cá imaginando a atemporalidade dessa cultura, mas se um livro do Marcelo Paiva de 1982 ou um disco dos Beatles de 1967 continuam atuais, acho que não temos muito com o que nos preocuparmos, né? Quanto à importância, putz, vai da vida de cada um. Conheço muita gente que não sabe nada de Belle & Sebastian, nunca passou perto de um livro de Salman Rushdie e deve achar que Matrix é um xingamento, e essas pessoas são felizes. Cada um tem que se satisfazer e descobrir o que pode retirar de bom da vida. Na verdade, e chulamente falando, cultura pop se assemelha ao futebol. De que adianta ficar se remoendo, torcendo, brigando por 22 homens peludos correndo atrás de uma bola e que ganham em um mês a grana que eu deverei juntar trabalhando a vida toda? Adianta porque é passatempo, é diversão, é emoção. Faz a vida valer a pena, faz o mundo pessoal de cada um ter sentido. A importância cada um dá.

Como e quando surgiu a idéia do Scream & Yell?

Foi um tremendo acaso. Eu sempre fui bicho do mato. Tinha centenas de vinis e passei a adolescência toda lendo, ouvindo música e jogando jogo de botão, sempre sozinho, muito pelo fato da minha família se mudar constantemente, o que me atrapalhava em fazer novas amizades. Isso tudo para dizer que quando o Scream & Yell surgiu eu tinha noção quase zero do que era um fanzine. Mas eu gostava de escrever, era metido a enciclopédia de música, tinha uma coleção invejável de vinis e muitas pessoas próximas freqüentavam a minha casa ou para ouvir um som ou para gravar fitas. Na época, eu estava cursando o segundo ano de publicidade e propaganda na Universidade de Taubaté, local onde eu trabalhava também (era auxiliar de biblioteca na faculdade de Direito de lá). E foi lá que eu conheci o João Marcelo, um cara que amava Metallica e Engenheiros do Hawaii em proporções iguais (risos). Foi ele que em plena tarde de 25 de dezembro de 1996, apareceu na minha casa com a idéia de fazer um fanzine. O pessoal da minha sala da faculdade já tinha feito um, o Gambiarra, bem bacana por sinal, então as idéias brotaram com facilidade. Ali mesmo, ouvindo Smiths, Jesus & Mary Chain e Smashing Pumpkins, rascunhamos o número 1. O problema foi que ambos eram muito perfeccionistas. O João estava aprendendo a mexer em pagemaker e toda vez a gente mudava algo, tinha uma nova idéia, e tudo mudava. Fizemos um zine profissa, com espaços para anunciantes e tudo mais. Outro grande problema é que, já na fase de acabamento, o João se acidentou. Enfiou a moto no meio de uma Brasília amarela e se foi. Fiquei sem chão pela perda do amigo e nem quis mais saber do projeto. Um ano depois o retomei, por uma paixão enlouquecedora pelo álbum Carnaval na Obra, do Mundo Livre. Daí tem um intervalo, né, entre o fanzine sair do papel e virar site. Eu tinha vindo para São Paulo já, e conversava sempre por email com um cara politizado e bem bacana, chamado Hugo. Quando mostrei o Scream & Yell em papel, ele pirou.Tinha planos de fazer um site e fez mesmo. O Scream & Yell que está hoje no ar ainda é o mesmo HTML que o Hugo colocou no HPG em novembro de 2000. Mudei alguns detalhes depois, mas em essência é a mesma coisa.

No zine você já fez coisas como entrevistar o Ian McCulloch, que é um grande ídolo seu. Que outros momentos você destacaria em toda a trajetória do site?

A entrevista com o Lambchop que o Leonardo Vinhas fez, é muito melhor que a publicada em qualquer grande veículo, mesmo. Tem muita coisa no site que bate material publicado na grande mídia, mas eu sempre curti mesmo dar aos colaboradores a oportunidade de falar sem rabo preso. Mas o que mais me emocionou neste tempo foi uma história bem legal. Estava eu bebendo cerveja em um boteco na Augusta com alguns amigos quando me liga uma grande amiga para contar uma novidade: ela estava vendo o DVD do filme Concorrência Desleal e, na parte dos extras, um atalho leva para os comentários da imprensa e tava lá, entre Folha, Veja e Estadão: “Um filme inesquecível” – Marcelo Costa, do Scream & Yell. Foi muito legal ter esse reconhecimento. Meio que mostrou que o site era uma fonte de referência. Mas, sobretudo, acho que o grande momento do site aconteceu quando anunciei seu fim. Não me passava pela cabeça que tanta gente lesse e se importasse com o Scream & Yell. Foram três dias seguidos chorando. Toda hora que eu abria o email tinha uma mensagem linda, emocionada, que me chapava.

O Scream & Yell conta com textos de vários colaboradores. Como você fazia a seleção do que dá pra entrar e o que não dá? Rolava muito de você discordar completamente da opinião de algum colaborador e mesmo assim publicar o texto?

Essa sempre foi a parte mais simples do negócio, e você mesmo pode contar melhor que eu. Na verdade, muita gente tem o S&Y como um grande veículo. É sério. Tem gente que já colocou em currículo! Mas sempre foi simples. A pessoa entra em contato, passa a pauta (na maioria resenhas, pouca gente oferece uma pauta de entrevistas ou de pesquisa, por exemplo) e eu analiso mais o texto e a viabilidade da idéia. Por exemplo, discordo muito tanto do Leonardo Vinhas quanto do Diego Fernandes, mas os textos deles são tão bons que fica impossível não publicar (risos). É básico. Não basta dizer que Radiohead é chato, tem que explicar. Se explicar bem, de maneira convincente, sem ataque gratuito e tal, entra, mesmo comigo amando Radiohead.

Quais eram os pontos fortes e fracos do site? Que outros zines você curte?

O grande destaque do Scream & Yell é poder falar de tudo e todos. Poder ter uma boa entrevista com Renato Teixeira, uma boa entrevista com o Interpol e uma boa entrevista com o Autoramas. É não se prender a nichos. Falar do que der vontade, porque uma pessoa faz um zine para falar do que der vontade, não para ficar atendendo a expectativas alheias. O ponto fraco era a falta de uniformidade nos textos. Adoro o HTML do site, mas ele não funciona em vários aspectos, como busca. Sem contar que, como foi feito tudo no braço, para alterar ou corrigir alguma coisa é um trampo. Quanto aos e-zines, puxa, são tantos que até dá medo de citar e esquecer de algum.

Muito se fala na decadência do jornalismo musical e até cultural no país. As poucas revistas não são tão lidas, a qualidade dos textos vem caindo bastante. De quem é a culpa: leitores que não correm atrás, jornalistas que têm se achado tão importantes quanto os artistas ou editoras que não deixam o produto se firmar? Você enxerga melhoras para o futuro?

Cara, há muito de nostalgia ai, sabe? As coisas não estão tão ruins agora quanto estavam dez anos atrás, ou vinte, ou cinqüenta. Pega um jornal dos anos 60 que você vai encontrar muitos erros também. O que acontece é que, hoje em dia, tudo é mais visível, muito pela internet. E quase todos os bons textos e jornalistas sensacionais que eu admiro nem jornalistas são. Como explicar que os jornalistas que melhor traduzem a música não são jornalistas? Ou seja, vai muito do feeling. Do jeito do cara se expressar. Então, o presente está maravilhoso como sempre esteve. Não é apologia da cegueira. Também tem essa dos jornalistas superstar (risos), mas é a indústria. Cara, como dizia um filme, todo mundo precisa de um guia, “seja ele Buda, Jesus ou Elvis”. Ou Álvaro Pereira Júnior (risos). Cada pessoa tem o guia que merece, pode ter certeza…

Você fazia parte do projeto inicial da Zero e saiu por “diferenças profissionais”. Que diferenças foram essas e o que você acha do rumo que a revista vem tomando?

Primeiro é bom que se esclareça que eu não saí da Zero. Eu fui “saído”. Seria altamente nobre da minha parte dizer que saí por não concordar com diversas coisas da revista e blá blá blá, mas, infelizmente (risos), não foi isso que aconteceu. O que aconteceu é que, no final de 2001, quando o número 0 da Zero estava sendo feito, eu descobri uma série de coisas erradas no que diz respeito a honestidade e idoneidade de uma das pessoas do grupo. E isso, simplesmente, me bloqueou. Aquela época foi a que menos escrevi na vida, por absoluta falta de tesão. Não me via fazendo uma revista que iria contar com matérias duvidosas. O certo, claro, seria reunir o grupo e abrir o jogo. Mas faltou culhão da minha parte em jogar sucrilhos no ventilador. E também da parte deles, afinal, eu era um nome no projeto, participava de reuniões com editoras, mas não estava rendendo como jornalista. Nisso fui me afastando, e eles se unindo. Colaborou para a minha saída o fato de eu assinar um contrato de um ano com o UOL para editar um site parceiro de esportes. Ou seja, eu estava cada vez mais fora da revista, mas só fui saber que estava fora ‘de fato’ quando recebi o release da número 1 e eu não estava lá. Ao contrário de ficar chateado, eu comemorei, afinal, estava livre. No fim, ficou todo mundo em paz, claro, eles por um tempo, como conta a história (hahahaha).

Quanto ao rumo que a revista tomou, isso me dá um alívio. Imagina se eles vão e fazem uma puta revista bacana? Eu ficaria mordido de vontade de estar lá (risos). Mas, como demonstra a história, não foi bem isso que aconteceu. A Zero é uma revista absurdamente sem foco, sem ideologia. Sem rumo musical, político ou social. É claro que tem o seu valor. Se uma pessoa não consegue comprar revistas gringas (Q, Mojo, Uncut, Rolling Stone, etc…), não tem acesso à internet (para se informar em sites de música, e-zines, sites dos próprios artistas, etc…), não consegue acompanhar os cadernos culturais dos principais jornais do país (Caderno 2, Ilustrada, Segundo Caderno, Zero Hora, etc…), uma revista como a Zero terá a sua utilidade. E eu seria altamente maldoso se dissesse que a revista toda é ruim. A coluna do André Fiori é muito boa, a melhor coisa da revista (e nem é por ele ser um grande amigo – risos). E tem gente muito boa que colabora com a revista, como o Jardel Sebba, o Luciano Vianna, o Alex Antunes. Na edição passada, com Caetano e Gil na capa, o resgate daquelas fotos merece aplausos. É claro que, para isso, eles poderiam ter feito um álbum de fotos e não uma revista, mas está valendo. Com certeza deve dar para salvar uns dois ou três textos por edição. E, por mais que isso venha a soar rancoroso, é só uma análise fria e séria da publicação, e só quem me conhece sabe que eu não brincaria com um assunto desses. No mais, o esforço deles em manter a revista nas bancas é louvável. Só é preciso deixar claro que isso não justifica a qualidade questionável da publicação. Interessante é que acho o site deles mais bem definido.

Dizem que os blogs mataram os zines, que por sua vez mataram as revistas. Até que ponto isso é verdade e qual seria o espaço de cada um destes veículos?

Quem está dizendo que os blogs mataram os zines que, por sua vez, mataram as revistas, está completamente enganado. Primeiro: as revistas não morreram. Segundo: os zines não morreram. Terceiro: os blogs são apenas mais uma fonte de informação. Para provar que as revistas não morreram é só pegar a tiragem de uma Caras, de uma Veja, de uma Playboy, de uma SuperInteressante, de uma Vip. O problema não é com o mercado de revistas. O problema é com a indústria musical no Brasil. É esta indústria que dificulta a existência de revistas de MÚSICA, porque é tudo uma engrenagem só.

O Skank está feliz da vida porque vendeu 100 mil cópias do Cosmotron. E eles já venderam 2 milhões de cópias do Calango. O Caetano estava festejando as 50 mil cópias do A Foreign Sound. E ele vendeu 1 milhão de cópias do Prenda Minha – Ao Vivo. Transponha isso para o mercado: imagine uma revista de música para um público que compra 2 milhões de discos e a mesma revista de música para quem compra 100 mil. A distância é enorme. O que significa que a indústria musical brasileira está falida e absurdamente perdida. Como uma revista de música pode ter uma vida saudável em um país que não tem uma vida cultural saudável? Você sempre irá escrever para os mesmos gatos pingados. A indústria musical colocou tudo a perder com preços abusivos, jabás em excesso e nenhuma noção de mercado. As gravadoras são culpadas pela programação ‘flashback’ das rádios. Não há espaço para o novo. E se não há espaço para o novo, como a massa de 170 milhões irá ter acesso ao novo? No Domingão do Faustão que não será. Eu assisti a uma palestra do André Midani no ano passado e ele dizia que a idéia das majors era de deixar o preço de um CD nacional equivalente com o de um CD gringo. Então, você chega para comprar o novo álbum da PJ Harvey e está R$ 39, aproximadamente US$ 13, preço de um CD nos Estados Unidos. É preciso muita percepção para notar que não é possível comparar a economia norte-americana com a brasileira? Que pouca gente tem condições de pagar esse preço por um CD no Brasil? E se formos comparar um CD independente (por exemplo, da Monstro Discos) com um CD de uma major, não veremos nenhuma diferença: a qualidade de gravação, a arte gráfica, o produto é totalmente equivalente. E um CD independente sai exatamente pela metade do preço. O Wander Wildner vende o CD dele por R$ 15!!!!!

Então esse papo de que a Internet colaborou para o fim das revistas é uma tremenda balela. Por exemplo: enquanto eu tiver uma grana sobrando, eu vou comprar uma Uncut, que, para mim, é a melhor revista de música do mundo. Só que seria utopia acreditar que uma revista como essa cresça no Brasil. É preciso começar de cima. É preciso reestruturar o mercado, gravadoras, rádios. Se nós tivéssemos um mercado cultural saudável, teríamos boas revistas com grandes tiragens.

Existe alguma chance, ainda que remota, de o Scream & Yell voltar enquanto zine?

Eu, sinceramente, espero que o Scream & Yell volte. O que acontece é que eu sempre consegui conciliar o tempo no emprego que paga as contas, as cervejas e os CDs com um tempo de folga em que eu editava o Scream & Yell. Mas ultimamente não estou conseguindo. O meu trabalho é absurdamente envolvente, não há como me desvencilhar, não sobra tempo. Então quando chego em casa não quero saber de jornalismo (risos). Mas a idéia é ter um trabalho mais leve que permita pagar as contas e manter o Scream atualizado. Eu sempre disse que o Scream & Yell era um site tosco e passional demais, o que soava um tanto desrespeitoso da minha parte com algo que me surpreendeu mais do que qualquer coisa na vida. De um tempo para cá tenho admirado demais esse projeto que nasceu tão idiotamente (em um dia de natal) e, depois de quase oito anos, após ter se envolvido na vida de tanta gente, me orgulha demais. Ele vai voltar sim, provavelmente reformulado visualmente, mas com as mesmas ideias editoriais. Não dá para dizer ao certo se será em uma semana, um mês, ou até o fim do ano. Mas ele voltará.

Veja outras entrevistas aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.