E o preço dos CDs começa a cair…

Uma vez, alguns anos atrás, assisti (aqui mesmo no prédio do iG) a uma palestra de André Midani, um dos poderosos presidentes de majors no País entre os anos 60 e 90. Na época (2004, acho), Midani estava em evidência por uma excelente entrevista concedida ao jornalista Pedro Alexandre Sanches, que escancarava o jabaculê, pagamento clandestino feito por gravadoras para que emissoras de rádio e televisão tocassem determinadas músicas. No meio do papo, muito interessante, questionei: “Por que o preço final de um CD de major no Brasil é tão caro?” O argumento do ex-presidente de gravadora era de que as majors haviam padronizado os preços, e que um CD de R$ 39 no Brasil custava US$ 13 nos Estados Unidos (em tempos de dólares a R$ 3).

É lógico que não me convenci. Na época, Wander Wildner vendia o seu CD solo, “Paraquedas de Coração” (prensado em fábrica, com encarte e acabamento profissional), por R$ 15, e gravadoras como a Trama e a (falida) Sum Records chegavam ao mercado com lançamentos, no máximo, a R$ 23. Enquanto isso, a Universal lançava um álbum de PJ Harvey no Brasil por R$ 39. Falei sobre tudo isso para o empresário, além, claro, do óbvio: não dá para comparar a renda norte-americana com a brasileira. Ele, lacônico, disse que – além da padronização de preços – os compradores de CDs pagavam as viagens dos executivos para vários lugares do mundo, hotéis cinco estrelas e jantares regados a tudo que existe de melhor. E você achando que só estava comprando um CD, certo.

O tempo passou, a crise das gravadoras frente à música digital virou pauta de grandes revistas, a venda de CDs caiu assustadoramente (será que ninguém mais “consome” música?) e muitos futurólogos de boteco anunciaram o fim do disquinho prateado aos quatro ventos no mesmo momento em que artistas pop comemoravam 1 milhão de downloads pagos de suas canções. Mesmo assim, os benditos CDs continuavam chegando às lojas, e, pasmen, algumas gravadoras começam a baratear seus preços. Nos últimos dois meses, os lançamentos da Universal (Kaiser Chiefs, Klaxons, Amy Winehouse) chegaram ao patamar dos R$ 23, máximo R$ 25 em uma loja honesta. Na sua cola, a Sony/BMG (Travis, Beyoncé, Avril Lavigne) também baixou a tabela, e suas novidades estão chegando as prateleiras entre R$ 26 e R$ 28. Na seqüência, a EMI (Stooges, Arctic Monkeys, The Good, The Band and The Queen) ultrapassa a barreira dos R$ 30 batendo nos R$ 32, e a independente Slag Records colocou “Néon Bible”, dos canadenses do Arcade Fire, no mesmo patamar.

Penso comigo: R$ 30 em um CD é pra lá de abuso. Mas tem como piorar: a Warner (Bloc Party, Linkin Park, White Stripes) chega às lojas com CDs entre R$ 38 e R$ 42. A Warner deve acreditar realmente que a renda do público comprador equivale ao do mercado norte-americano. Mas em tempos de dólares abaixo dos R$ 2, comprar CD importado com frete gratuito se tornou uma vantagem para os fãs de música dispostos a ter o disquinho em casa (e os MP3 no computador): recebi nesta semana uma edição especial do álbum “At San Quentin”, de Johnny Cash, contendo dois CDs (31 músicas), mais um DVD com um documentário da época (1969), pela bagatela de US$ 19,95. Pelo dólar de hoje, esse pacote bonitinho com um CD duplo mais um DVD me saiu mais barato que o novo disco do White Stripes, que será lançado pela Warner por algo em torno de R$ 40.

Apesar da falta de noção da alta cúpula da Warner, a atitude da Universal e da Sony/BMG mostra que as gravadoras estão apostando as poucas fichas que lhes restam na redução do preço do CD. E a última tenta uma cartada a partir do próximo dia 28: o CD Zero, um formato de álbum que trará cinco músicas, preço de R$ 9,99 estampado na capa, e que será uma espécie de “versão resumida” do disco (que será lançado em seu formato “cheio” ao mesmo tempo). Opinião deste colunista: o formato vai fracassar miseravelmente. Não é má vontade, juro. Tenho mais de 5 mil CDs em casa, continuo comprando CDs (apesar de começar a achar o ato muito mais vício do que necessidade) e acho essa idéia tremendamente tola e canibalizadora. Se você comprar o CD Zero, você irá se animar a desembolsar seu dinheiro suadinho para comprar um disco do qual você já tem cinco músicas? Mais: Para que pagar R$ 9,99 em um CD com cinco músicas se o CDR cheio estará sendo vendido nos camelôs por R$ 5, máximo R$ 10? Mais: os donos de loja vão mesmo vender o CD por R$ 9,99? Testes anteriores de singles com preço fixo não vingaram. Ou seja, esse CD Zero é um bebê morto no parto.

Nos planos da Sony/BMG, no entanto, depois de Vanessa da Mata, estão os CDs Zero dos novos lançamentos de Capital Inicial e Lobão, que fracassaram em suas primeiras semanas nas lojas. Lobão anda cantando aos quatro ventos que seu disco é um sucesso de crítica e público, mas seu “Acústico MTV” não comoveu as massas. Com um show agendado para Curitiba, duas semanas atrás, após ter marcado (alugado?) presença por meia hora no Domingão do Faustão, e suas músicas terem voltado misteriosamente a tocar nas rádios, Lobão fez uma apresentação para 600 pessoas em um local preparado para receber 2.500, um fiasco tão retumbante quanto as vendas pífias do novo álbum do Capital Inicial. Se no caso Lobão, o ouvinte pode argumentar que nem se lembra do velho lobo após tanto tempo fora da mídia, com o Capital Inicial a coisa é bem diferente. Uma das principais bandas dos anos 80 em atividade no País, o Capital viu seu público rejunescer, foi abraçado pela geração MTV, e a pouca procura dos CDs nas lojas é muito mais sinal de crise econômica do que de esquecimento dos fãs.

Não bastasse o fantasma das trocas de arquivos de MP3, e os camelôs descolados que diversificam cada vez mais seu leque de “ofertas” para o público, as grandes gravadoras nacionais voltam a enfrentar outro vilão: a queda do dólar. Com a moeda norte-americana batendo R$ 2, o novo disco do Wilco, “Sky Blue Sky”, que a gravadora EMI está prestes a lançar no mercado nacional (por volta de R$ 30/32), pode chegar as mãos do consumidor brasileiro em uma versão importada por R$ 29 em uma loja virtual internacional isenta de frete. Se o comprador quiser pagar um pouco mais do que a edição nacional, por R$ 38 ele assegura a versão limitada com CD e DVD do mesmo produto, inédita no País. A vida é dura, meu amigo, mas poderia ser mais fácil. Se as gravadoras abrirem o olho, diminuírem a margem de lucro, e entregarem um CD em preços competitivos para as lojas, é possível que ainda exista um próximo round nesta dura batalha das gravadoras contra o avanço da tecnologia (e da pirataria). Do jeito que as coisas estão, infelizmente, o nocaute está bem próximo.

Agora, me conta caro leitor(a): você ainda compra CDs? Qual o preço que você consideraria justo pagar por um CD? Se o CD fosse mais barato, você compraria? O MP3 veio para ficar? Os comments estão a sua disposição. :o)

Rapidinhas – justiça seja feita: a ST2, que acabou de lançar o álbum da atriz e duble de roqueira Juliette Lewis com sua banda The Licks, bate na casa dos R$ 20. E independentes como a Monstro Discos e a Mondo 77 quase sempre não passam desse valor. E “Send Away The Tigers”, disco do Manic Street Preachers que foi tema desta coluna algumas semanas atrás, só chegará ao Brasil como download pago (?!?).

103 thoughts on “E o preço dos CDs começa a cair…

  1. CD 5.00 R$, no maximo 7.00 R$, nãso vale mais do que isso e a esse preço, os camelos iriam a falência, o MP3 veio pra ficar com certeza…

  2. No site do Supercanguru (www.supercanguru.com.br) tem uma promoção de CDs a partir de R$ 1,29. Isso mesmo!! Apenas R$ 1,29. Vale a pena conferir.

  3. Até R$10,00, compro “tudo”…acabei de comprar nas Americanas a coletânea do Pearl Jam, Rearview Mirror, por R$ 14,99…assim dá!

  4. Já faz muito tempo, diria anos, que não compro um CD. Quando me interesso por determinada música baixo em formato mp3. Comprar músicas individuais é mais prático do que comprar um álbum inteiro (por valores assustadores) quando você só quer ouvir 1, 2 no máximo 3 músicas.

  5. Bom dia!!

    Desculpe não sou erudito ,mas a palavra é Jabaculê e não Jacabulé, eu acho que o Aurélio explica melhor.E viva os sites de música o gravador de cd ,dvd e tudo gravável ,bem vindo os camelos.R$9,99 por cinco músicas?

  6. Concordo com o Jefferson, e acrescentaria além dos cds de música; softwares, jogos etc, tem que reverem seus conceitos e adequar os preços a realidade brasileira, onde as pessoas querem consumir, mas não vão deixar de comprar pão e leite para gastar de 30, 40 reais num cd e comer oq? como ficam os consumidores que querem consumir mais de um cd? pagam 80 reais em caso de lançamentos ? ninguém são tem esse dinheiro para gastar num bem de consumo que não está em uma lista de necessidades prioritárias básicas mas sim em um entretenimento ocasional. Tenho certeza que se esses produtos estivessem a preços honestos a nossa realidade, todo mundo assim o consumiria.

  7. Com certeza eu compraria Cd´s originais se os preços baixassem. Comprariam não, compro! Algumas lojas já estão vendendo Cd´s mais baratos. Claro que não são lançamentos, mas…
    Eu pagaria até uns R$ 25.
    Nossa! Baixar música é muito fácil e barato, com certeza veio pra ficar!
    Gostei muito da matéria! Parabéns!

  8. Sinceridade,acho que os responsaveis peles gravadoras sempre vao achar um desculpa para manter o alto padrao de vida de alguns chefoes do mercado,porem se tem gente vendendo CD de qualidade a precos entre 15,00 e 20,00 – isso prova que é possivel – a margem de lujcro é que deve diminuir – com certeza pela quantidade vendida o lucro será bastante considerável . Acho também que seria uma ótima estratégia de marketing,informando ao cliente que é a unica gravadora que se preocupa com o bolso do cliente e a cultura em geral !!!!
    Pena que nao é tao facil assim,nos sabemos que ainda existe uma Mafia de gravadoras que inclui o famoso JABÁ !!!!!!

    Os camelos é que comemoram !!!!

  9. Bem, a uns 6 meses atrás ouvi um álbum da Laura Pausini (gosto é gosto, hehehe), uma coletânia com músicas de vários álbuns da cantora. Aprecio a música dela, e pensei “…vou comprar o origina!”, fui até uma loja bem conceituada de Porto Alegre e o valor me deixou bem decepcionado (R$ 33,00), o vendedor argumentou “…mas é um álbum importado…”, desculpa me a ignorância mas com selo da Zona Franca de Manaus também é? Ou agora importação também se dá entre estados?
    Embora minha vontade ainda sim era de levar o CD, virei as costas e infelizmente, digo infelizmente por não achar que isso foi a forma mais correta, baixei o álbum todo de gráça.
    O preço regulava com álbuns de lançamento, este não era. Alguns lançamentos justificam em partes seus preços como por exemplo horas em estúdios, mas este que é apenas uma coletânia, como se fosse nós mesmos a fazê-lo simplesmente juntando mp3 daqui e dali e gravando um CDR em casa.
    Assim como eu, conheço mais várias pessoas que comprariam CD’s se fossem menos caros.

    Fico por aqui, um abraço a todos.

    Mário Russel

  10. Mac, só compro CD´s se o preço for uma barbada. Abocanhei os 2 Interpol e o primeiro do B&S por r$6,90 no Submarino. Em preços normais, prefiro comprar DVD´s.

    E qual importadora não cobra frete? Tô querendo o DVD do Jeff Tweeedy. Senão cobrarem frete, já peço algum CD também. Abraço!

  11. Eu acho justo pagar no máximo o valor de R$ 20,00. As gravadoras parecem ser alienadas, pois deixo de comprar vários cds por causa do preço alto.

    Quanto mais baixo o preço, mais se tenta o consumidor a adquirir o produto. É questão de lógica.

  12. Não compro mais cd’s. Acho um absurdo pagar R$ 30 até R$ 40 num cd que posso baixar as músicas no kazaa ou no limeware e faço um cd por R$ 5?
    Pagaria num cd de R$ 15 a R$20.
    E se o cd fosse mais barato compraria sim, mas acho que o MP3 veio pra ficar!!

  13. Acho que até $10 é um preço aceitável para um cd. Mais do que isso eu não estou disposto a pagar, por isso, obviamente não compro mais cds. Os meus últimos cds originais foram Think Tank do Blur, em uma promoção de 5 reais no Carrefour, e o primeiro do Audioslave, na semana do lançamento, quando paguei $30 e me arrependo até hoje.

  14. Realmente o preço dos cds é um absurdo. Acho que no máximo R$ 15,00 seria bem pago, eu pagaria numa boa. è por isso que a pirataria não vai acabar tão cedo, a tendencia é sempre suber e o sálario medilcre do brasileiro mal dá pra comer, vestir e viver, qto mais pra cd original.

  15. Eu acho que não deveriamos chegar aos extremos de um CD original (no lançamento) ser pago a R$ 5,00 mas até R$ 10,00, seria um preço que poderiamos pagar sem dor no bolso,assim como fizeram com CD de musicas ja fora de moda, haja visto que um CD pirata Vc rorre o risco da midia dele dura pouco e estraga muito facil.

  16. cd eu parei de comprar a mt tempo, eu era viciado tb em comprar as bolachas, mas ficaram mt mt caros, desembolsava de 30 a 40 reais, depois percebi q pegar na internet as musicas e comprar um mp3 player era mt mais interessante pra mim, mas eu pago até 25 reais num cd, dependendo do artista.

  17. eu compro cd, mas só aqueles q eu realmente gosto, é uma pena! pq perdemos de conhecer outros músicos, com tanta riquesa musical aqui no brasil. esses empresários vão falir…

  18. concordo com a critica e vou mais alem. As grandes gravadoras pagam para tocar musicas nas radios e emissoras, so que tocam um musica do artista(a chamada musica de trabalho) que tocam a exaustão. Alem de enjoar e nao compro o cd do artista porque fica aquela impressao de que o artista so tem esta musica. as outras musicas acabam ficando em segundo plano. Vejam um exemplo:
    Os titas lançaram seu cd ja algum tempo, agora eu pergunto quem se lembra de suas musicas. aposto que todo mundo so lembra da musica principal!!!!!!!!!t

  19. Engraçado sinto na pele tudo isso, trabalhei por quase 20 anos em gravadora de certo modo acompanhava como era gasto muito dinheiro com certas mordomias, e sabendo que poderia se baratear os Cds. Hoje estou a procura de emprego e nesse mercado não tenho mais oportunidade, em função da idade.

  20. Olá, pessoal.
    Eu não compro CD com muita frequência, mas eu ainda compro.
    Preço justo para CD é no máximo R$ 20,00 reais.
    Eu comprei recetemente cd da trilha sonora do filme Velozes e Furiosos em Tóquio, paguei por uma loja online com frete incluso R$ 18,00, achei o preço justo.
    Mas, acredito q CD não vai sumir de uma hora pra outra.
    A população brasileira não tem dinheiro pra comprar MP3/MP4 são muito caro, para padrão de vida do brasileiro.
    Então, nem todo mundo consome música online, porque muitos nem tem micro em casa, piorou MP3 pra armazenar suas músicas.
    O q está crescendo mesmo eos cd’s piratas vendidos pelas barriquinhas espalhados em cada esquina do Brasil.

    Valeu!

    Beijos

  21. Chará, eu tbém sou do tempo que a coleção, de vinis, depois os cds era o esporte preferido nas manhãs de sábado. Manipular os encartes, ler as letras e saber um pouco mais além da música faz parte da nossa curtição. Mas as gravadoras enlouqueceram!!! E estão ficando pra trás, pois na estante o número de cds é pequeno, mas no HD vai longe. Dá aí umas dicas de sites onde encontramos os cds importados a preços justos.
    Abaixo o CD abusivo!!!!
    abraço e parabéns pela cacetada!

  22. Prezado Marcelo.
    Concordo com a sua coluna em número, genero e grau.
    Creio que o preço mais justo para um CD de audio não deveria passar dos R$ 15,00 / R$ 18,00. Tá bom demais…. Ja não me lembro mais quando foi a última vez que comprei um CD original (falando sério).
    Abraços
    Sergio.

  23. Ora vejo as bandas de forró como limão com mel, calcinha preta, caypso, que tem seus cds vendidos a R$ 10 reais, pq vou pagar R$ 20 ou mais por um cd que tem duas ou três musicas que dar pra ouvir?
    Enquanto isso os piratas lucram milhões e vendem por apenas R$ 5 reais. Se as gravadoras fizessem o mesmo preço da bandas de forró, com certeza venderiam seus cds e teriam lucro. Os piratas estão aí para provar isto.

  24. Marcelo, penso exatamente como vc disse. Compro CD sim e às vezes prefiro comprar o importado que sai MUITO mais em conta do que o nacional, só pelo fato do disco incluir um DVD bônus ou por ser em um material digipack.
    Obviamente nos EUA os discos vendem mais pq custam apenas U$ 13, U$ 15 em quase TODAS as lojas. Agora imagina se uma gravadora resolvesse apostar num lançamento por R$ 15? Não teria uma venda absurda de discos? Eu acho que sim…
    o CD Zero vai virar piada assim como o SMD (semi-metalic disc).
    Um abraço.
    =))

  25. Eu só compro cd original. Antes de comprar, pesquiso em várias lojas virtuais e acabo achando muita coisa boa a preços incriveis, como por exemplo, o 2º cd do Franz Ferdinand que vem com o DVD por R$4,90, isso mesmo R$4,90. Dá pra achar muita coisa boa nos sites. Mas eu nunca compro lançamento, sempre espero o preço baixar.

  26. Já não compro cds originais faz pelo menos 3 anos… pois da pra achar qualquer cd em mp3 para baixar com a letra e foto do encarte… acho que não comprarei mais cds originais…

  27. Meus parabéns pela matéria, estou em pleno acordo com voce.

    Esta belisima materia reflete bem o cenário atual.

    Gostaria de irmais longe e extender esta materia ao ramo de Software para computadores, eu acredito piamente que a Microsoft assim como outros fabricantes incentivão a pirataria no Brasil, se iludindo que a renda do povo brasileira seja ate mais alta que nos estados unidos.

    Cobrar mais de 800 reais no windows vista é um roubo sendo que hoje em dia voce monta toda a cpu de seu computador com isso ou talvez menos….

    vou indicar seu blog para muitas pessoas.

    Abraços,

    Henrique

  28. Também descobri a maravilha dos CDs importados. Não sou viciada, mas com certeza gosto de ter a música em uma qualidade bacana. Com MP3 pirata, isso nem sempre é possível.

  29. É claro que compraria. Todo mundo quer um CD com capa nova e encarte original. Só que, como bem visto no texto, fica muito difícil nos preços praticados. Esse raciocínio se aplica também aos DVDs e jogos de videogame, sendo que, no último caso, nem a paridade dólar/real se aplica; vê-se, além da conversão do câmbio, uma margem absurda de 50 a 100%. Isso explica muito o sucesso da pirataria.

  30. Eu concordo plenamente com você em gêneno, grau e principalmente, número! Hoje eu só compro cd daquelas bandas que eu gosto muuuutio, pois faço questão de ter o original. O resto, eu baixo da internete usando aqueles programinhas “share” mp3 e “produzo” meus discos em casa mesmo, com capa e tudo!

  31. Muito bacana o texto. Achei bacana ter visto CDs de majors a R$22 nas lojas, como o novo do Kaiser Chiefs, Klaxons e The Fratellis. Pena que acordaram muito tarde para isto. Acho R$20 um preço honesto para um CD. O problema é que a molecada de hoje em dia nunca teve o hábito de comprar discos como nós, tiozões. Agora a estratégia certa para as gravadoras no Brasil é ir retirando o time de campo aos poucos e investir num plano B para ganhar uma graninha com a música digital.

    Gigantes adormecidos sempre caem…

  32. Claro que eu compraria! Lembro de uma vez que eu eu fui em uma loja e comprei dois CDs do Cake por 20 reais cada. Lembro que sempre que eu comprava um CD eu fica horas vendo o encarte, e de quando o encarte vinha magrinho era uma decepção. Lembro do encarte do Sex Blood Sugar Magic, era incrível…eu gostava disso tudo. De ter um prensadinho na mão, sorrindo pra mim. Mas fazem 6 anos que eu não compro nenhum CD original, apesar de todo aquele velho prazer. Acho que seria justo um CD de 25 reias. Você pod epagar 1 pela mídia, 15 por um pirata com capa feia, mas pagaria 25, sem dúvida, em um com capa bonita. Pura vaidade, mesmo assim, o faria.

    Gostei muito da matéria! Sugiro ainda, para os que gostam de seus cds e suas capinhas, procurarem na internet os Mojo Books, são livrinhos com histórias em baseadas em discos famosos, que podem ser impressos e colocados dentro da caixinha do CD (O PDF vem no tamanho certinho!).

  33. EXCELENTE MATÉRIA! É OBVIO QUE AS GRAVADORAS SABEM QUE O CD NO BRASIL É ALTÍSSIMO, MAS, ESTAMOS NA TERRA DO ‘TUDO PODE’, E É ASSIM COM TODOS OS PRODUTOS SIMILARES, VENDIDOS EM OUTROS LUGARES. ENQUANTO NOS ESTADOS UNIDOS, QUANTO MAIS PROCURA, MAIS OFERTA (ENTENDA-SE: PREÇO REDUZIDO), NO BRASIL É O CONTRÁRIO: QUANTO MAIS GENTE QUER COMPRAR, MAIS ALTO TEM DE PAGAR.
    E É ASSIM TB COM A MÚSICA DIGITAL: ESTAVA INTERESSADO EM COMPRAR O CD DIGITAL DE UM CERTO ARTISTA NACIONAL, E FIQUEI PASMO AO VERIFICAR QUE O PREÇO DE CADA MÚSICA ERA $2,00!!! (TODO O CD CUSTARIA $28,00) – SE EU JUNTAR MAIS $3,00, COMPRO O CD PIRATA. NA VERDADE, ENCONTRO ATÉ POR $3,00!!! A MÚSICA DIGTAL NÃO VEIO PARA BARATEAR? VEIO SIM, MAS PARA OUTROS PAÍSES, NÃO É PRO BRASIL, DE CAPITALISTAS CANIBAIS. E O PIOR AINDA: NA TAL PÁGINA DE VENDA DIGITAL, VINHA A OPÇÃO DE COMPRAR O ‘CD FÍSICO’ POR $21,00, UM PREÇO MENOR. QUER DIZER, EM VEZ DE ESTIMULAREM A COMPRA DIGITAL, ELES ESPANTAM OS INTERESSADOS, OFERECENDO O CD ORIGINAL MAIS BARATO, QUER DIZER, MENOS CARO.
    SÓ A ‘LEGIÃO URBANA’ PODERIA RESPONDER SUA PRÓPRIA PERGUNTA: QUE PAÍS É ESSE?

  34. Gostaria também de comentar que comprei cd original por anos, fazia questão de pagar honestamente, mas, ficou impossível, pelo preço cada vez mais alto. Penso que o preço justo seria de $10,00 à $15,00, mais pela realidade econômica do país do que qq outra coisa. Afinal, se ganhássemos justamente, o preço poderia ser mais alto, mas, os praticados no Brasil são para os que podem pagar 35, 40, 45 reais POR CD.
    Mas é legal ler aqui que, muitos fazem questão de pagar pelo cd original, e principalmente, que GOSTARIAM de pagar por ele. Isso prova que o POVO não é desonesto e sem caráter, e sim AQUELES QUE DETÉM O PODER DA ECONOMIA.

  35. Parabéns pela ótimo artigo sobre o comércio de cds. Eu confesso que tem mais de 8 anos que não compro cd em lojas e tudo pelo alto preço do produto. Se um cd-r é vendido por 85 centavos ao consumidor final, ele sai por muito menos para uma grande gravadora. Antigamente se tinham lojas e lojas de cds espalhadas e o que temos hoje em dia? uma ou outra. Com a evolução dos mp3 players, Ipods e outros, a tendência é o formato cd se acabar e os dowloads pagos ou gratuitos ocupar esse espaço do CD. Essa é minha opinião.

  36. Continuo comprando, sendo que, dos meus artistas preferido.Uns R$ 15,00 é um preço bacana,se fosse esse preço concerteza a pirataria acabaria , mais fazer o que se os empresários só pensam nos seus lucros…
    Já o mp3 veio pra ficar até que apareça outra técnologia mais avançada

  37. bem feito para as gravadoras estrangeiras estarem com vendas de cd diminuindo!! quem pode pagar mais de 10,00 num CD?? eles são tão burros que já perderam a guerra contra a pirataria, pois não abaixam os preços. pirateie, copie, distribua, chega de enfiar grana nesses executivos estrangeiros. e mesmo nos brasileiros, chega de lançar um disco e sentar e ficar esperando só a grana. todo mundo trabalha e ganha pelo dia, porque as pessoas querem ganhar pelas idéias? o que é físico, palpável, pode ser considerado seu. mas como pode ser sua uma idéia? uma fórmula, um software ou uma música? se eu posso cantar uma música a hora que quiser, posso copiar também. e parabéns ao presidente quebrando a patente do remédio. VIVA O COPYLEFT!

  38. lógico..com certeza compraria, acho que sempre terá pirataria né…mas barateando os preços, com certeza isso diminui a pirataria e aumenta a venda dos cds de qualidade

  39. Cara, você tem toda a razão. Acabei de receber um Frank Zappa pelo correio, que vai me custar menos de R$ 25. Cara, fiquei curioso pra saber que site internacional é esse sem frete?

  40. Eu então Marcelo…

    Eu ainda compro cds sim…E muitos…Sou viciados em CDS!
    Das minhas bandas favoritas (Yeah Yeah Yeahs, My Chemical Romance e Weezer) eu compro tudo…Até vinil se conseguir!
    Compro bastante coisa pelo usados do Amazon…Já achei cds do New Order por U$ 0,01!

    Mais tirando o vicio…
    O preço este ano caiu bastante…porem ainda tem alguns cds caros no mercado…
    O Juliette eu compre semana passado por $19,90 na Fnac da paulista em São Paulo…Foi uns dos cds mais baratos que comprei até hoje…
    Tomare que continue assim…!

    $15 á $20 é um preço justo!

    MP3 veio mesmo para ficar…
    A semana a atras um cd do Bob antigão foi relançado em pen drive aqui no Brasil!
    iTunes vende música pra caramba! Naum sei como isso ainda naum caiu no Brasil!

    Acho que falei de mais né! uhauhauhauha!

    Flw!

  41. É engraçado como várias lojas conseguem vender cd’s até R$15 reais e ainda lucram. Agora faço uma pergunta, como que as outras não conseguem ? Esse capitalismo é uma %!@$&@#

  42. Des do vinil , a musica e muito cara.
    Chegou a hora das gravadores e até os cantores, começar a trabalhar e nao viver de renda.
    Não compro cd a mais de 10 anos.
    por causa do preço.
    o preço mais ou menos aceitavel seria entre 7,00 a 10,00 .

  43. Na boa, só compro CD em promoção tb. R$ 9,99 até R$ 15,00 tá de bom tamanho. Se os CDs não chegarem a esses preços, vão acabar virando artigo de sebos fazendo compania aos discos e fitas.

  44. é, eu sou de uma geração que está tentando se adaptar à ausência do suporte material. Sou adepto do mp3 (e quem não é?), mas ainda me permito uns anacronismos. Aqueles discos REALMENTE bons, que atravessam estações sem cansar, esses merecem a aquisição, DESDE QUE, observado um valor razoável. R$39 eu não pago nem no OK Computer, nem no Pet Sounds, nem no Maiden Voyage… Não que eles não valham mas, a diferença do mp3 (de graça) para o CD, não justifica. Bom mesmo é quando você encontra CDs pelos quais até pagaria uns vinte e blau por R$12 (os do Tortoise pela Trama por ex.).
    A verdade é que só me agarro ainda ao formato cd pela relação diferente (privilegiada?) que ele cria entre o ouvinte (EU) e a música. Com o CD, acabo ouvindo mais o disco. Dou uma atenção aos ‘filhos legítimos’ (tá, anacronismo) que os filhotes paridos na promiscuidade do soulseek acabam não recebendo, (há exceções, é claro, e justamente elas são as que acabam incorporadas também à coleção ‘ legítima’). Mas, longe de mim afirmar que os filhos legítimos são melhores. Só tenho com eles uma relação mais completa… tá, é anacronismo, sim. rs.
    E viva a promiscuidade!

  45. Pocha eu axo q o valor a ser pago nao deveria estrapolar os 20 reais…. poxa aqui na minha regiao sul… tem bandas gauchescas que vende a 15 o seu cd,,, vejam q o lucro deles e bem menor q um linkin park da vida.. mas mesmo assim o cd deles e mais barato… mesmo sendo feito por uma gravadora… agora pense… se eles q tem um publico bem menor podem vender a 15 reais o cd… pq uma gravadora tem q vender um cd sei la do white stripes com valor acima de R$30,00… pow eu nao pago … e digo mais pego as musicas q eu gosto na net.. e pronto…

  46. Para começar, belíssimo serviço público, o seu. Matéria para se fazer pensar.

    Enfim, acho realmente que o cd está perto do último round, ou até mesmo, do nocaute, pois com a chegada do MP3, a desvalorização do dólar, a globalização para poucos, mas presente, preço altíssimo dos cds nacionais, a superficialidade, o interesse em cosumir rápido e cada vez mais, leva ao falecimento do cd.
    Eu, me considero um lunático por comprar discos, me sinto um “otário” quando entro numa loja deste departamento e tiro minhas ecomonias por um disco, porém, sou ainda do tempo de escutar um disco, ler o encarte, ver as fotos, oq cada músico tocou em cada música, enfim, gosto de sentir o disco ou o cd, em minhas mãos. Mas reitero, sou um dos poucos.
    Compro cd por amar a música, as bandas q eu coleciono e acompanho de perto, escutá-lo no sofá enquanto o mundo corre lá fora, e claro, minha condição social que me permite fazer esta escolha.
    Acho q o consumidor atual, na maioria os jovens, nao preza pela estética do disco e tê-lo em mãos. Acredito na competição ter mais músicas, mais artistas, mais espaço no Ipod, enfim, uma competição de quantidade do que qualidade, uma pena. Claro, existem exceções. Poucas.
    O cd é caro, na minha modéstia opiniao, pois nossa renda econômica nao faz juz, ao poder de compra de um cd.
    É um assunto, este, muuuuito complexo, envolve o bom senso e o lado econômico, que num mundo capitalista, estas duas conjunturas, nao se associam, nao se homogenizam-se.
    Ainda, acho q o barato para mim, pode nao ser o barato para o outro, devido a disparidade socio-economica de nossa sociedade. Acho um tanto subjetivo esta questão, mas acredito no bom senso de baixar os valores dos discos.
    Bom, a indústria fonográfica nacional esta mesmo perdida, lançar um disco para download, e ainda pago, de uma das bandas mais legais como o Manic Street Preaches, é no mínimo, brincadeira.
    Mostra a valorização do superficial, doq vende mais, oq dá mais dinheiro. Pensar em quantidade de lucro, pela qualidade insignificante de lucro. A cultura desce. O preço sobe, e a população fica à mercê destes calhordas. Uma vergonha!

  47. Eu fico com pena dos lojistas….pq as majors se falirem, os dogs já tão bem gordinhos. Se der me passa o site com free shipment, eu uso o cdconnection (bom acervo, rápido e preço justo), só que cobra um fretezinho honesto….pena que a sun faliu, lançaram muita coisa legal…para finalizar, acho que um preço justo para um Cd são 10 dólares. Para acabar com a pirataria predadora: Back to Vinyl!!!! Abração.

  48. Cara, ainda compro, e vou continuar comprando… mas compro usados (como novos!!), no ebay, por U$ 5-10… Acharia justo 20 pilas – compraria com prazer os nacionais. Tenho 2500 cds, a maioria importados e teria muitos mais, se o preço fosse justo.

  49. E o DVD. O preço não baixa por quê? Com tanta pirataria, porquê as distribuidoras não barateiam? Preferem não vender ou vender menos?

  50. Enquanto as gravadoras mantiverem essa psotura exploradora, o que vai continuar roando é piratraria mesmo!!! O mercado de CDs vai acabar como o de fitas cassete: 100% se as gravadoras nao mudarem de postura rapidamente. E viva a queda do dólar: esses dias eu comprei a edição limitada do HOLY BIBLE dos Manic Street Preachers na amazon americana por menos de R$ 40,00!!! E ai o mercado brasileiro chora e eu não dou a mínima. Eu ainda compro todos os CDs originais que eu quero, pois sou colecionador, mas importo quase todos pela amazon…E Digo mais: a pirataria DEVE continuar, se for a unica forma de as pessoas terem acesso a cultura. Danem-se as gravadoras!!!

  51. Também sou viciado em CD, e até hoje ainda compro alguns, tipo um Arcade Fire novo ou mesmo das bandas nacionais independentes(que faço questão de compar). Mas em geral CD é muito caro. Se fosse algo em torno de R$ 15,00 ou R$ 20,00 compraria com prazer, mais que isso acho muito caro. Com relação ao MP3, com certeza veio para ficar, mas a qualidade ainda é ruim, nada se compara ao CD, ou mesmo a um Vinil. Grande abraço.

  52. Eu continuo comprando cds, mas procuro promoções,frete grátis e alguma outra vantagem que as lojas oferecem, como a maioria dos comentarios acho que um preço justo para lançamento seria no máximo R$20,00. Agora passa pra moçada os site das lojas pra comprar cds importados com preço justo e de preferencia sem frete, pois aqui no Brasil as lojas de cds importados chegam ao absurdo de cobrar mais de R$100,00 por um cd, quero continuar comprando meus cds originais e a unica opção em muitos casos vai ser importar, por exemplo os artistas do catálogo da falida Sum Records, quem vai lançar os cds deles no Brasil?
    Parabéns pela matéria. Um abraço

  53. Ótima matéria. Ótima! Disse tudo o que eu queria dizer! Respondendo à pergunta final: eu não compro mais cds. Ao longo da minha vida, já comprei muito mais de 1000 cds. Nunca gostei de baixar músicas, sempre dei valor ao encarte, essas coisas. Mas, de 7 meses pra cá, eu já devo ter baixado uns 150 discos, a maioria deles importado para nós. Sabe quanto eu gastei? 150 reais, 1 real por mídia. Quando se tem o disco em mãos, o que importa é a música, e fiquei pensando em quanto eu não teria gastado para ter as versões oficiais… se os preços fossem mais em conta, talvez eu continuasse a comprar. Mas hoje em dia, não consigo mais. E meu bolso agradece!

  54. CD’s são uma paixão, pra mim vão além doconteúdo musical. Adoro o simples (mas às veezes muito difícil) ato de rasgar o plástico protetor, correr na ficha técnica pra olhar de quem é o projeto gráfico, enfim: pra mim é insubstituível, ainda. Até pouco tempo me recusava a baixar qualquer música ou disco, ms mudei e hoje baixo e se gostar muito compro o cd. Ainda acho mais seguro, pois não tenho hábito de fazer back-ups das músicas que baixo. Além de tudo é um hobby, gosto de organizá-los por rodem alfabética (cada vez mais necessária a medida que vai aumentando sua coleção que já passa de 2000, no meu caso).
    Quanto ao preço, acho que essa baixa nos valores vai dar uma sobrevida ao cd, pois não vejo queda no movimento das lojas (Fnac, Cultura) nos departamentos de música e vejo esse valor entre 20 e 25 reais como mais que justo.
    Resumindo: compro e continuarei comprando, adoro!

  55. Compro todos meus CDs originais, e acho justo um valor até R$ 35, pois um cinema custa R$15,00, um futebol no estádio R$ 25,00 e por aí vai. O brasileiro é sem vergonha, safado e adora levar vantagem, financiando a pirataria e a roubalheira. A gravadora quer ganhar dinheiro, se não quiser pagar, não ouça.

  56. Quando morei em outros países e tinha dinheiro no bolso, comprava uma média de três CD’s por semana. Hoje, no Brasil, com a renda que tenho, não consigo comprar três CD’s nem em um mês!

    Acho que R$15,00 seria um preço justo por um lançamento. Se os preços baixassem, eu certamente compraria os CD’s. Acredito até que poderia pensar em tomar menos nos botecos e voltar a frequentar as lojas de discos. ;o)

    Abraço.

  57. Para quem comprava 4 ou 5 CDs por mês há dois anos e hoje compra 1 a cada dois ou três mesese se for um %!@$&@#lançamento legal, tipo o último do Arcade Fire. No meu caso a culpa é do alto preço dos CDs, a facilidade do MP3 e a miopia das majors que deixam de lançar muita coisa boa em nosso mercado Convenhamos, R$ 15,00 a R$ 20,00 é preço mais do que justo por um CD, dependendo do artista e claro de quanto custa para uma gravadora promovê-lo. Ótimo tema e assino em baixo seu ponto de vista. MAX!!!!!!

  58. Fala Mac, num país que o SMD é vendido por 5 reais e tem a mesma qualidade de som do CD normal, o futuro das grandes gravadoras é a falência mesmo.

  59. Tem tempo que não compro CDs. Na verdade, nunca comprei muito, achava música superfluo e meu dinheiro pífio.

    Acho que os preços JUSTOS são : ATÉ R$ 7 reais o CD super lançamento, ATÉ R$ 5 o CD que é catálogo. Até quer dizer “o máximo”, pois o JUSTO MESMO é cincão!

    Música digital ? Bom, os mp3s “pagos” tem a desvantagem de terem pior qualidade som (em relação ao CD) e por isso deveriam ser BEM mais baratos e tb por não ter encarte/capa/embalagem/CD prensado (mídia e prensada)! Mais um fator que desvaloriza o produto!

    Visto tudo isso (e COMO eu disse que preço JUSTO de um CD é R$ 5 e considerando que o mesmo tem em médias 14 músicas, saindo cada uma a uns 35 centavos, netse preço hipotético de R$ 5), a música digital mp3 “legal” deveria custar O MÁXIMO de 10 CENTAVOS de real por música baixada! E olha lá!

    Mas ainda devem demorar PELO MENOS uns 150 anos até a MEGA HIPER GANÂNCIA dos americanos e seu “exportado” “modo de vida” (e lucro): American way of life (american way of EXPLOTATION) e STATUS QUO ENXERGAREM que só se combate a “pirataria” e o desaquecimento das vendas com PREÇOS JUSTOS e MATERIAL DE ALTO VALOR DE CUSTO-BENEFÍCIO! Até lá…

    Se eles já CHORAM pra cair 10 reais no preço SUPER FATURADO de suas mídias, imagine cair 20 ou 30 reais e rebaixar o valor a 10% do que é hoje.

    Acho que eles não vencem essa. Simplesmente porque a ganância deles impedirá de usarem o remédio certo.

    Enquanto isso…

    Enquanto isso, eles vão ficar pressionando os “governos” corruptos e as mídias (televisão, etc) vendidas pra fazerem mais leis duras contra as cópias, prisões, etc.

    Mas não irá adiantar. Infelizmente eles só sabem trabalhar assim. Quero ver é os preços despencarem.

    T+

  60. Não pago mais que R$8.00 em um Cd original, como sei que nunca chegará a esse preço, vou continura com os Piratas, Mp3 Pirata é melhor ainda.

  61. Eu acho que as gravadoras tanto da música quanto do cinema já perderam a batalha para a pirataria e a internet. Eles podem até baixar os preços para 10,00 reais (como todo mundo acha justo) mas muita gente como EU não vai comprar nem a pau… Uma que a industria nacional não traz a variedade para todos os gostos.E outra que já é uma questão de cultura baixar músicas e filmes sem pagar por eles. Nunca vão reverter essa situação!… a fenda foi aberta: Música e Filme para todos… só paga caro quem quer…

  62. Eu só compro CD’s de artistas que gosto mesmo, de música pop internacional. Mesmo assim não posso negar que são uma facada no bolso. Mesmo assim acho interessante esse novo formato de EP, porque se vingar os fãs de artistas internacionais vão poder ver no Brasil mais um item para colecionar. Eu, por exemplo, adoraria ter “CD’s Zero” da Britney Spears. Mas será que eles vão lançar artistas internacionais nesse formato? Duvido ein…

  63. Cara, é isso mesmo! %!@$&@#que o %!@$&@# há cerca de 10 anos (um pouco mais), o CD custava R$ 18! E era coisa boa! Agora as gravadoras têm de baixar a bola com tudo isso que tá contecendo (piratas, Internet). E o dólar hoje caiu para menos de R$ 2! Um Cd naum pode custar muito mais que R$ 20! Abraço grande.

  64. Eu costumo a comprar. Preço justo eu considero até 25 reais, por mais que nas lojas aqui de Cuiabá eu pago até 30, pela dificuldade de encontrar as coisas. mas, creio que o CD mais caro que eu já comprei foi o Yankee Hotel Foxtrot, que paguei uns 38 reais.

  65. Pf. Um cd custa no máximo cinco reais pra ser feito. Um do cedê em si, um da capa, um do encarta, e dois pra pessoas envolvidas(banda, produtor, artista da capa), vá lá que seja. Se vender por 10, o lucro da gravadora já é de 100%. Se fosse 10 reais o preço do cd, eu compraria na boa.

  66. o comentário tá deslocado aqui, mas td bem…
    o cd do Lobão pode não ter vendido o que ele diz que vendeu e está vendendo, mas achei bem legal, cara! desde escolha de repertório aos novos arranjos.
    e olha que nunca fui fã do Cordeirão…

  67. Acho justo um valor em torno de 10 e 15 reais. Concordo plenamente a respeito do CD zero… Não faz nenhum sentido. Sou a favor da pirataria mesmo… São 50 anos de orgia em nossos rabinhos miseráveis. É a hora da vingança

  68. Há anos eu não comprava CD. Outro dia rolou uma promoção no Submarino e comprei 2 dos Libertines, cada uma a R$6,99. Não pago mais de 12 reais por um CD original.

  69. Prezado Marcelo,
    Me conta direito sobre esse lance de loja virtual internacional “isenta de frete”, pois faz tempo que pretendo comprar e as lojas que conheço sempre cobram o dito cujo do frete.

  70. Marcelo, acho que o preco ideal de cd seria entre 25 a 30 reais. Acho um preco bacana .
    Mas essa coisa do cd do capital inicial que nao esta vendendo nada, pra mim nao é nem tanto pelo preco. Eu sempre achei que o grande publico brasileiro consumia cds nao por gostar mesmo do cd, mas por estar na moda, ou algo assim. Prioridades. Por exemplo, o publico do Caldeirao do Huck, que comprou demais o acustico do Capital Inicial, provavelmente tem 30 reais para ir a uam balada , nao tem? Ai deixa o cd pro lado…

  71. Marcelo parabéns por esse texto. você falou a masi pura verdade. Sou vendedor numa loja de cds e realmente as gravadoras são as principais responsáveis pelo preço absurdo dos cds, eles colocam os preços baseados na “importancia” de determinados artistas.
    Apesar de ser vendedor estou rindo á toa vendo as gravadoras morrerem aos poucos. Há 4 anos atras os representantes conversavam comigo como se fossem “gênios” e cahando que o mp3 não atrapalharia a industria. A Warner e a Emi ( Mais safadas do mundo) chegaram a lançar cds por R$ 43,00 como Gorillaz e Wilco. Comprei depois de 1 ano (já tinha o mp3) comprei o disco novo do Razorlight lançado pela Universal por R$ 23,00 , porque acho um preço justo e gosto muito da banda. Mas me revolta coisas como as gravadoras lançam porcarias e ignoram coisas boas ( ou comentadas) no Brasil. É um absurdo não lançarem aqui coisa como : Manic, We Are Scients, B.R.M.C. , Maximo Park .
    Viva a liberdade , viva o MP3.

  72. Muito legal a matéria. Sempre fui consumidor de música e tenho CDs esparramados pela minha casa toda. E sabe como eu os ouço ultimamente? Tudo em MP3. Converti tudo. Resumo, entendo quem goste do CD como objeto, eu também gosto, mas o principal eu tenho, no carro, no Ipod, etc. E realmente dou gargalhadas por dentro quando penso nas gravadoras, me sinto vingado. Quanto ralei pra conseguir aquele album que nunca lançavam por aqui. Agora leio sobre, faço o download e ouço. Simples. Chega de preços absurdos pagos por CDs importados e por nacionais também. Acho que o lance dos artistas agora são os shows, não vai ser de outro jeito. E acho legal porque é mais democrático. Não me esqueço do comentário de um cara numa revista, isto nos anos noventa, que morava em algum fim de mundo do Brasil e que dizia que gostaria muito de ouvir Radiohead, que todo mundo falava, mas que ele não tinha acesso. Tenho certeza que ele hoje ouve Strokes.

  73. eu sempre compro cd’s, gosto de colecionar, de ver a pilha aumentando.. e gosto de ouvir o cd com o encarte na mão.. mas geralmente compro mais das minhas bandas favoritas (que são tantas…)
    há um ano passei a comprar cd’s da Inglaterra, acabam saindo até mais baratos, geralmente pago menos de 30 reais (convertento o valor) por um album que é special edition. vale muito mais a pena, sendo que aqui vendem por 30 reais em média a versão normal do album.
    o cd mais caro que comprei foi ano passado, o limited edition do Eyes Open do Snow Patrol, pela Cdpoint daqui, paguei mais de 80 reais, só que eu “burra” ainda não conhecia o ebay (rs).. poderia ter comprado por metade do preço, mas sabe como é, não conseguia esperar..
    não sou muito fã de mp3 não.. até baixo muitos albuns, principalmente de bandas novas pra conhecer, por mais que eu acabe gostando, fico no mp3 mesmo pois não dá pra comprar todos os cds também.. e não gosto de ouvir mp3 no computador, não tenho paciência, prefiro gravar em cds mesmo..
    enquanto tiver cds à venda vou continuar comprando, mas não só porque é uma coisa que eu goste de colecionar, mas por respeito a banda, afinal ninguém gostaria de passar meses num estúdio trabalhando pra depois as pessoas se “aproveitarem” disso gratuitamente.. é como trabalhar de graça, mesmo que o artista só receba alguns centavos, é direito dele.
    tem algumas bandas que estão abrindo selos independentes e assim por album vendido recebem até uns 5 dólares..
    aqui no Brasil acho legal a revista OutraCoisa, onde o cd é vendido por 15 reais.. muito barato. acharia caro só se vivesse de mesada do pai..

  74. Ainda compro CDs, mas compro apenas das bandas que realmente curto. Nesse caso, não me importo de pagar um preço elevado, por outro lado tenho pesquisado e descobri que dependendo da loja os preços realmente compensam, ou seja, vale a pena pesquisar.

  75. Textaço Mac. Muito bom!
    Eu ainda compro cds sim, sou meio viciado pelo negocio da arte envolta e tal, so nao compro mais porque nao tem muita edição nacional e importo pouco hoje (se bem que o dolar ta começando a ajudar).
    A epoca que mais comprei cds foi entre 92 e 98/99, acho que comprava uns 10,12 por mês, hoje devo comprar uns 4 ou 5…tenho uma coleçao de uns 800 discos só de pop, soul e rock…por ai, fora os de mpb…
    Acho que o disco por R$ 15,00 a R$ 22,00 estaria de bom tamanho…e meu velho, vai ser dificil tirar o mp3 do nosso mundo agora, essa eu pago pra ver….

  76. Não compro CDs novos há anos, frequento sempre lojas de usados e saldões das grandes lojas. Moro em Salvador, onde não há tradição rock ou jazz e os discos invariavelmente vão para o saldão. Recuso-me a comprar um CD a 40, 50 reais. A ganância dos caras é tanta que cobram esse mesmo preço por discos antigos e coletâneas, o que derruba a justificativa de retorno de investimento, produção etc. Outro dia vi um “Let it Be” a R$ 43 nas Americanas! Os caras tão viajando! Quem gosta dos populares (axé, os ditos sertanejos etc) se socorre no vendedor de piratas mais próximo; quem tem gosto musical mais apurado (que quer saber das novidades lá fora, que gosta de jazz, de rock antigo, eruditos etc) descobre um caminho sem volta, o de downloads pela internet. A cada dia descubro um blog mais fantástico (conhecem o chris goes rocks?) que outro. Ainda compro CDs de quando em vez, mas por conta do hábito de mais 25 anos, desde os tempos do vinil. O último mesmo foi um do Badfinger de 1970, o “No Dice”

  77. Grande Mac,

    Sim eu ainda compro CDs. Mas no final de semana recebi questionamentos sobre o tema. No sábado, passeando pelas Grandes Galerias com a amada perguntei a ela, depois de ter arrebatado o Nadadenovo, do Mombojó, o Simetria Radial, da Pipodélica (tive que ir a São Paulo pra achar um disco de uma banda de Florianópolis!) e a estréia dos Los Porongas: “Você acha que eu devo comprar o Ok Computer?”. Apesar de gostar bastante de Radiohead ela devolveu: “Ah, não sei. Por que você vai comprar uma coisa que você já tem em MP3?”. Pensei em responder que o disco é um clássico, que todos devem ter em suas casas, que vale a pena folhear o encarte, mas apenas fiquei quieto e continuei descendo as escadas. Pesou na consciência o dinheiro que já tinha gasto antes e o salário atrasado. Ainda compro o CD, mas ficou pra próxima.

    Mas acho que é mais uma questão de hábito mesmo. Como você disse em um comentário anterior, eu também quase só escuto meus MP3, mesmo tendo o disco em suporte físico. E, quando o disco é de banda nacional, também compro pra valorizar o trabalho.

    Abs

  78. Cara,
    era uma prática minha comprar em lojas antigamente. Parei. Depois da primeira compra pela internet não parei mais. Enquanto nas lojas você achava um preço de 32 reais no Lullabies to paralyse do QOTS, na net vc achava por metade do preço. O justo, pra mim, fica na faixa de 7 (porque cds excelentes são vendidos a esse preço) e 22 reais. Mas até na net é preciso tomar um cuidado na pesquisa. O cd “With Teeth” do Nine Inch Nails, por exemplo, tá 54,90 nas lojas americanas, enquanto na Saraiva vc o acha por 18,90 (3 X MENOS!). Enquanto aos mp3 eu procuro baixar aqueles cds que eu sei que nunca vou achar por aqui, como todos os do John Frusciante, que são magníficos; ou que são muito caros nas lojas. Aí eu espero até baixar o preço.
    Até mais e ótima matéria…

  79. Então,até compro cd’s,mas na maioria das vezes,de bandas independentes,que pago no máximo R$ 20.De gravadoras grandes,faz muito tempo que não compro.Acho que acabei me tornando um viciado em baixar cd’s.

  80. Fala, Marcelo. Primeiramente, parabéns pelo seu ótimo trabalho, o qual venho acompanhando desde as primeiras edições digitais do Scream Yell. Hoje em dia compro pouquíssimos álbuns. As edições nacionais não suprem a minha necessidade e o meu receio de importar e ter a encomenda retida na Receita é outro empecilho. Você tem importado por que site? Pelo que sei, as importações encaminhadas por pessoas jurícas são taxadas em 60%. Isso encareceria bastante o preço para o importação. Abraços

  81. Ótimo texto.

    Continuo comprando CDs, pois sou colecionador e fanático, mas não na mesma quantidade de antigamente.

    Acho um absurdo o preço atual, ainda mais considerando os encartes chulés de alguns discos (por exemplo, me recusei a comprar o ótimo Road To Rouen do Supergrass, que eu já tinha baixado mas queria “ter” mesmo assim, ao ver o encarte medíocre do CD).

    Baixo muitas raridades dos anos 60 e 70, que é o que mais gosto, simplesmente porque não se acha no Brasil e comprar tudo importado sairia uma fortuna. Hoje, só compro mesmo os “prediletos da casa”.

    Nem me sinto culpado, pois já dei bastante dinheiro à indústria, comprando mais de 2000 CDs e 600 DVDs, vc não acha?

    Em compensação, tenho comprado muito DVD, mas também já estou me sentindo meio idiota, vendo que o pessoal já tá copiando direto, ou mesmo baixando na net.

    Agora, POR FAVOR, ME TIRA UMA DÚVIDA: nessas suas compras de lojas gringas, não tem que pagar o imposto de importação? Se tem, quanto é?

    Um abraço.

  82. Sempre fui fã de cd, do objeto cd, mas hoje em dia é impossível comprar todos os álbuns dos músicos que eu gosto. Pense bem, eu baixo de 2 a 5 discos por dia na net e muita coisa é boa, dá vontade de comprar. Agora me diz, quanto eu precisaria receber de salário para satisfazer essa minha vontade (necessidade?)? Te garanto que meus modestos R$ 1200 por mês (sem churumelas, sou privilegiado por ter um salário) não dá nem pra 1% do que queria. O preço é absurdo, é fato, é real, é visível demais, além da conta.

  83. ah, apareceu num banner do MSN um anúncio da FNAC vendendo o “you could have it so much better” do FF por 12 reais (edição com dvd)!

  84. surtei quando entrei na Virgin Mega Store de Orlando. me senti como me sentia quando tinha meus 17, 18 anos e comprava em média uns 3 cd’s por mês. muita coisa boa, novidades, coisas antigas. comprei a caixa do echo & the bunnymen + crocodiles, porcupine e ocean rain remasterizados, grace do jeff buckley (maravilhoso), o single walk away do Franz Ferdinand (pela versão rocker de Sexy Boy, do Air), Achutung Baby (o meu nacional tava com o encarte surrado e todo arranhado). teria comprado muito mais, mas aí iria a falencia. outro dia fiz as contas no meu iTunes e acho que “devo” em média pras gravadoras/RIAA uns 800 dólares. o preço justo é na faixa dos 25 reais. quase compro um cd semana passada por esse preço do Galaxie 500. mas faltou aquela vontade de arriscar que eu tinha há 10 anos. vou baixar primeiro o G500 e depois ver se compro ou não!

  85. A Sony poderia ser mais criativa. já existe no mercado o SMD por R$ 5,00 com 16 faixas. Que inveja em SONY? Quer dizer que o Ralf tá certo?

  86. compro cd, sim, mas bem menos que antes. ao mesmo tempo, aumentou a freqüencia com que baixo músicas da internet e com que troco mp3’s com meus amigos. na verdade, caro marcelo, não importa mesmo o formato físico da música, mas o que ela proporciona ao sujeito que busca arte ou diversão. o mp3 parece ser o próximo formato da música (dá-lhe Cansei de Ser Sexy, Gnarls Barkley e coisas parecidas). esse tem sido o tempo mais aberto para a música, acredito, e a frase da madonna, retomada pelo alexandre matias naquela profética matéria da BIZZ (antes era o mp3 agora é a revolução) resume tudo isso o que está acontecendo: music makes te people come together.
    abraçooos

  87. Olá Marc, adorei a sua matéria, casou perfeitamente com meus questionamentos internos em relação ao que é realmente ético: comprar o original ou baixar pela net, tenho me perguntado bastante sobre isso nos últimos tempos, se devo ser totalmente inflexível e comprar só o original, mesmo sabendo do abuso das gravadoras, ou se devo continuar baixando, pois a cultura deve ser acessível à todos e não tenho renda para dar 150 reais num cd importado….acho que tudo tem um lado bom e outro ruim, tudo. Por exemplo, se eu não baixasse o cd do Dresden Dolls, jamais teria a oportunidade de conhecer a banda, é lógico que o you tube ajuda bastante, mas não há nada como ter o trabalho inteiro em mãos, além do que é muito caro também já que não tem pra vender onde moro…acho que isso ajuda bastante as bandas independentes de qualidade, que têm a oportunidade de divulgar o seu trabalho e ganhar fãs em diversos lugares do mundo, ao mesmo tempo que gravadoras falem e empregos são perdidos…Enfim, é uma questão subjetiva, polêmica, pra se pensar…uns tempos atrás comprei o cd carioca do chico por 60 reais, sou fã e além de tudo tb gosto do contato com o cd, mas toda vez que olho pra ele dá uma dorzinha no meu bolso…Sobre isso o Trent Reznor, do Nails comentou algo, sobre o seu Year Zero, disse que entrou numa loja de cds e o cd da Avril custava metade do dele, e aí entendeu e aceitou que as pessoas realmente baixem os cds, assim ele questionou a gravadora sobre isso, que respondeu que a banda, o Nails, tem um público fiel que pagaria qq preço por um de seus cds…ele ficou indignado e eu tb junto! Vê se pode, ser penalizado por ser fã, ser fã agora é sinônimo de poder ser explorado? um absurdo! Obrigada por contribuir para o enriquecimento de meu pto de vista, um abraço!

  88. Justo eu acho 20 reais pra qualquer lançamento em edição nacional. Importado poderia chegar a 25 reais levando em conta q as gravadoras sempre recebem benefícios na importação de grandes quantidades. E o mesmo para DVD`s. Acho um absurdo os preços praticados no Brasil! Sou cliente assíduo de lojas gringas com preços muito mais vantajosos. Sem contar o sem-número de produtos com apresentação muito melhor!
    Vergonha na cara das gravadoras ou torrent no rabo deles!

  89. Não compro mais cd’s, e quando os compro, pago no máximo R$ 28, que pra mim, seria um preço justo a ser pago, um preço mais acessível seria entre a faixa de R$ 20 e R$ 28. Se o cd fosse mais barato, eu compraria, quem não gostaria de ajudar o seu artista favorito? Mas, na atual conjuntura, prefiro ficar em casa, ouvindo mp3, fazendo dowload… Isso está longe de terminar…

    CONTRA BURGUÊS, BAIXE MP3!

  90. Só compro cd´s de bandas independentes do Brasil, porque o preço normalmente não passa dos R$15, e mais para dar uma força para as bandas.

  91. Não compro, baixo. Mesmo que o preço caísse, ainda assim não compraria. Pelo menos no momento, onde sou estudante universitária e estagio sem-remuneração. O dinheiro que eu consigo gasto em livros.

  92. Sim eu ainda compro CDs. Considero de R$ 20,00 a R$ 23,00 o preço justo para se pagar num CD. Edições especiais, com DVD, R$ 34, R$ 35, 00. O MP3 veio para ficar sim mas não para eliminar o CD… eu espero!

  93. Já fui um colecionador de Vinil, de CD e de MP3. Mas, em tempos de streamings poderosos como LAst.fm, sonora, musicovery e etc. porque ficar colecionando coisas se qualquer coisa que se quiser ouvir está ou estará on-line o tempo todo? Acho que vamos ter que suprir esse desejo (?) de colecionar com outros objetos. Na minha opinião o melhor é juntar esse dinheiro para gastar em shows ou em viagens para ver shows lá fora. Chega de dar dinheiro para disquinhos. Enfim estamos livres!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.