Música: Serenade of a Sailor, Momo


por Renata Arruda, com colaboração de Ricardo Gameiro

Momo – alcunha do músico mineiro-carioca Marcelo Frota (ex-Fino Coletivo) – lança o terceiro ato de sua discografia após o aclamado “A Estética do Rabisco” (2006), estreia que entrou para a lista de melhores do ano do crítico americano Peter Margasak, do Chicago Reader e foi indicado como revelação pela revista francesa Muziq, e “Buscador” (2008), que lançado de forma independente abocanhou boas críticas na grande mídia brasileira e rendeu uma indicação ao Prêmio Quem de melhor cantor. Em “Serenade of Sailor”, seu novo disco (lançado via selo Pimba), Momo parece navegar em direção a outros mares, distanciando-se levemente da proposta dos trabalhos anteriores, fortemente influenciados pela geração setentista oriunda de Minas Gerais, apontando sua proa para o folk melancólico de Nick Drake e o lirismo de Leonard Cohen, além de Gonzaguinha e Fagner.

Em “Serenade of a Sailor”, Momo incorpora o marujo solitário cujas únicas companhias são a imensidão do mar e o seu violão. E se antes Marcelo Frota não considerava sua música “essencialmente folk”, agora assume-se como músico de um certo folk psicodélico “Porque o violão está muito presente, e também porque o compositor folk é o que está cantando ali, na reta, sem rodeios”. Para a divulgação do disco, investiu no interessante projeto de vídeos com trechos de suas canções, tocando apenas em voz e violão, sendo a bela “My Sea” – que conta com uma guitarra slide que remete aos arranjos de “Buscador” – uma das primeiras a serem divulgadas e também a única que se encontra disponível para download em sua página no site ReverbNation, onde pode-se ouvir em streaming todo o álbum.

O músico, que traz em sua bagagem influências de sua vivência em Angola, Estados Unidos e Espanha, pela primeira vez nos apresenta composições em inglês, mas garante que não é uma tentativa de penetrar no mercado americano, onde realizou uma turnê de 40 dias, percorrendo 12 estados americanos em 2009. “Às vezes, a melodia pedia versos em inglês. Uma letra em português não se encaixava em ‘Blue Bird’, assim como seria difícil pensar algo em inglês para ‘O Morro’”, declarou em entrevista ao Globo. “Serenade of a Sailor” conta com a parceria do compositor Ronaldo Bastos, a participação dos músicos Lucas Santanna, Régis Damasceno, Domenico Lancellotti, Jam da Silva, Max Sette, e a co-produção de Caetano Malta, ao lado de Marcelo.

O disco abre com “Tenho que Seguir”, uma canção positiva composta por um doce arranjo de xilofone que ambienta o ouvinte para as canções que virão ao longo do álbum. Em seguida “Blue Bird”, uma das mais belas canções do disco, possuindo uma guitarra com um quê de flamenco na introdução e que não surpreenderia se se tornasse o “hit” do CD. Avançando um pouquinho, nos deparamos com “Pescador”, onde versos como “É que às vezes eu me sinto assim tão só / Pescador em alto mar / Minha casa não é minha / E o meu amor não se cansa de esperar” sintetizam a rotina angustiante de um verdadeiro pescador.

Em seguida surge “Wake me Up” – faixa em que na letra Momo se oferece para aliviar a dor alheia “Don’t be scared of darkness in your eyes / Hold me tight and I’ll shelter you my joy”. Uma música conduzida por um violão dedilhado, que começa silenciosa até o clímax com coro, órgão e uma guitarra fuzz – que chega a transmitir um quê de esperança no ouvinte. Mas ao final da audição, somos tomados pela instrumental “Solitute”, outro dos destaques do disco (pelo seu clima de profundo lamento, talvez o momento mais sombrio do álbum). “Solitute” nos convida à introspecção, sentimento que é reforçado pela suave flauta, que remete às velhas canções de povos primitivos muito ligados às questões do espírito. Ela funciona desta maneira: como uma canção para o espírito e parece querer nos dizer que “devemos olhar um pouco mais para dentro.”

Outro destaque de “Serenade of a Sailor” é a curiosa “Madeleine, música em clima de Bossa Nova, com Momo encarnando um crooner a la Sinatra. A canção segue numa ponte para a psicodelia, que permeia toda a obra de Momo, com acordeão e guitarra slide com bastante ambiência.

Diferente dos anteriores, que foram gravados de maneira mais orgânica, sem edição, afinação de vozes e uso de instrumentos virtuais, desta vez é perceptível que houve maior elaboração na gravação e produção do som. Também nota-se que as guitarras, que eram mais ruidosas e lisérgicas anteriormente, agora estão mais orgânicas e, de certa maneira, contribuem para a tradução em sons que remetam a solidão ao mar. Outro fato curioso são os trompetes da também instrumental e faixa-título “Serenade of a Sailor”, lembrando trilhas de western spaghetti. Intencional ou não, mais uma vez Momo usa da sutileza dos sons para nos remeter à solidão.

Outra diferença em relação aos seus trabalhos anteriores é que a voz está bem a frente neste disco. Além de fruto da produção mais caprichosa, parece que a intenção do músico foi dar um foco maior às letras, que às vezes perdiam espaço nos arranjos lisérgicos dos trabalhos anteriores. Em um disco temático e bilíngue, isto é fator essencial para conectar as canções. O que permanece, quase como uma característica principal do trabalho de Momo são as letras simples, mas que tocam fundo na alma, falando de sentimentos íntimos comuns a todos nós. Mesmo mesclando composições em inglês e português, Momo realizou o CD mais acessível de sua carreira, com melodias e arranjos que transmitem mensagens universais.

– Renata Arruda (@renata_arruda) é jornalista e colaboradora na empresa Teia Livre e na Revista Cultural Novitas
– Ricardo Gameiro é músico integrante das bandas Sobre a Máquina e Duques

3 thoughts on “Música: Serenade of a Sailor, Momo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.