Iron Maiden ao vivo em Belém

por Adriano Costa

Iron Maiden em Belém. A notícia quando começou a ser vinculada gerou surpresa e uma imensa gama de piadas, afinal o dia do show seria 1º de abril. Para uma cidade extremamente carente de shows de rock de grande porte, os sustos e comentários eram plenamente compreensíveis. No dia da apresentação então, a coisa se intensificou. Preconceito, desconhecimento e devoção andavam de mãos dadas com uma intimidade alarmante.

Tudo ocorreu muito bem, o que de certa maneira foi até surpreendente. Trânsito tranquilo, acesso fácil e saída idem. Até o suporte de bebidas e comidas mesmo não sendo espetacular era bem bom. Antes do show, o espaço do Cidade Folia parecia uma imensa área de recreio da escola. Amigos e conhecidos de tempos idos se confraternizavam e bradavam gritos de guerra. Gritos que hoje com outra vida encaminhada talvez fossem mais prazerosos que outrora.

O clima era muito bom. Quando o Stress subiu no palco para fazer a abertura melhorou ainda mais. Bala Roosevelt é um figuraça do rock local e estava visivelmente empolgado por fazer parte desse dia. Foi um ótimo aquecimento. Agora era esperar a Donzela de Ferro subir no palco e realizar o catarse coletivo que se esperava. Enquanto isso o ideal era beber o maior número possível de cerveja e papear com os amigos que se acumulavam ao lado.

Assim que Bruce Dickinson, Steve Harris e Cia. começaram a tocar, uma certa emoção prevaleceu. Afinal estávamos em Belém e via-se uma banda importante do rock mundial (que marcou a adolescência de muitos – em menor e maior escala) se apresentando na cidade. O que era surreal até dias atrás se transformava em realidade, para emoção da mais variada gama de pessoas.

O show começou com duas músicas do disco do ano passado e que dá nome a turnê: “Satellite 15…..The Final Frontier” e “El Dorado”. A empolgação era grande, mas foi com “2 Minutes To Midnight” que a apresentação realmente tomou corpo. Daí em diante vários clássicos foram apresentados: “The Tropper”, “The Evil That Men Do”, “Fear Of The Dark” e “Iron Maiden”, que em maior ou menor escala invariavelmente eram cantados pelo público presente.

Depois de cantar esses sucessos, mas longe de ainda estar exausto, o público teve o bis com “The Number Of The Beast”, “Hallowed Be Thy Name” e “Running Free”. Faltaram canções? É claro que sim. Afinal um grupo com o número de discos do Iron sempre vai ter problemas em agradar todo mundo. “Be Quick or Be Dead” e “Run to the Hills”, por exemplo, poderiam entrar facilmente no set list, mas teve Eddie no palco, Bruce correndo e pulando, e muitas outras coisas mais.

As 11 e pouco da noite, após pouco mais de duas horas de show, enquanto os corpos das mais de dez mil pessoas presentes se carregavam (alguns literalmente) para a saída, a satisfação era visível no semblante de todos. A apresentação do Iron em Belém teve tudo o que se espera primordialmente de um show: diversão, sorrisos, confraternização e muita música cantada a plenos pulmões e serviu para trazer esperança para a inexpressiva história de shows da cidade.

Set List
Satellite 15… The Final Frontier
El Dorado
2 Minutes to Midnight
The Talisman
Coming Home
Dance of Death
The Trooper
The Wicker Man
Blood Brothers
When the Wild Wind Blows
The Evil That Men Do
Fear of the Dark
Iron Maiden

Bis
The Number of the Beast
Hallowed Be Thy Name
Running Free

*******
– Adriano Mello Costa (siga @blogcoisapop) assina o blog Coisa Pop
– As fotos são do show de São Paulo por Marcos Hermes/Divulgação

*******

Leia também:
– Especial: as muitas faces de Eddie pós-Derek Riggs, por Renato Beochi (aqui)
– “Final Frontier” tem apenas 4 minutos de novidade, por Renato Beolchi (aqui)
– Pagando uma dívida para Steve Harris, por Marcelo Costa (aqui)

One thought on “Iron Maiden ao vivo em Belém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.