Música: “Daddy’s Home”, a versão setentista de St. Vincent

 texto por Fernando Yokota

Desde o lançamento de “Daddy’s Home”, o sétimo disco da carreira de St. Vincent, na segunda semana de maio, muito se fala do tom confessional e de uma certa fragilidade autorreflexiva nas letras do álbum. De fato, é possível compreender a tentação de se seguir esse fio narrativo, começando pelo título, em confessa alusão ao seu pai que depois de anos saiu da prisão, mas daí a decretar que temos “o álbum autobiográfico de Annie Clark” ao invés do “novo disco de St. Vincent” seria incorrer, no mínimo, num exagero estético em meio à discografia de uma artista que sempre teve um pé e meio no aspecto introspectivo e pessoal.

Em diversas entrevistas, Clark afirma que tomou a decisão de abraçar uma sonoridade setentista, chegando a especificar os anos entre 1971 e 1976, em mais uma empreitada ao lado do aclamado músico e produtor Jack Antonoff. Outro ponto importante: “Daddy’s Home” é o momento posterior à explosão da supernova pop que foi seu trabalho anterior, “Masseduction” (2017). Dos arranjos desenhados à perfeição, passando pelas infinitas dobras de voz e os incontáveis e quase irreconhecíveis timbres de guitarra embebidos por camadas de modulação e até mesmo os apertados figurinos de látex da produção da última turnê, “Masseduction” tornou-se a gaiola dourada na qual, ao final do ciclo do álbum, Clark se encontrou sufocada.

“Daddy’s Home”, por sua vez, é a antítese de seu predecessor e tudo nele é perfeitamente imperfeito: as dobras de voz foram substituídas por backing vocals “de verdade”, a bateria quase sempre atrás das cabeças dos compassos (o molho não tão secreto do groove), o caminhão de sintetizadores substituído por piano e (muito) Wurlitzer e as guitarras que agora passam a dividir espaço com uma onipresente cítara.

O clima é mais relaxado, mas nem por isso é desleixado e o álbum não deixa de permitir momentos musicalmente inspirados como a performance vocal de Clark no primeiro single, “Pay Your Way In Pain”, a simplicidade harrisoniana do solo de guitarra em “My Baby Wants A Baby”, ou o caloroso abraço melódico que ganhamos em “…At The Holiday Party”.

Sim, Clark fala sobre assinar autógrafos na sala de espera do presídio ao visitar o pai, mas os versos mais inspirados do disco talvez se encontrem em momentos como “Melting Of The Sun” (e seu belíssimo solo de guitarra) e a sua homenagem a grandes mulheres que a inspiraram como Tori Amos, Joni Mitchell e Nina Simone – não é todo dia que você dá de cara com “Nina” rimando como “subpoenaed”. No lado musical, a cereja do bolo é “Live In The Dream”, que é como se alguém tivesse misturado os rolos de fita de “Us and Them”, “Comfortably Numb” e “The Great Gig In The Sky”, do Pink Floyd, com “Sun King”, dos Beatles.

Talvez a mais natural dos herdeiros de David Bowie, St. Vincent é, assim como o Starman, uma artista de fases, com metamorfoses não só musicais como visuais. “Daddy’s Home” e o seu climão setentista marinado em Sly and Family Stone é um “álbum de descompressão”, um momento de se livrar das amarras do electropop polido de “Masseduction”, e o início de um novo momento. Em “Daddy’s Home”, a vodca com energético na pista de dança dá lugar a uma taça de vinho na poltrona favorita no canto da sala (ou, como ela receitou recentemente na Esquire: “Coloque-o em um toca-discos. Sirva-se de um copo de tequila ou bourbon (ou qualquer que seja sua bebida favorita), fume um baseado e ouça”.

Uma estéril análise laboratorial dos dois álbuns talvez aponte que “Masseduction” é um disco mais notável (e, provavelmente, o melhor disco de Clark) mas à artista que se lança ao desafio da mudança constante a pergunta nunca é se este álbum é melhor que o anterior: o constante processo dialético da arte em transformação torna a simples comparação entre álbuns menos relevante que a análise da discografia como um todo. A artistas como Annie Clark, a questão sempre será “qual será o próximo passo?”. Arrisca um palpite?

– Fernando Yokota é fotógrafo de shows e de rua. Conheça seu trabalho: http://fernandoyokota.com.br/

Leia também:
Em “Strange Mercy”, St. Vincent canta mais desejo (quase nunca correspondido) que sexo em si
Solitária, St. Vincent fez um dos melhores shows do primeiro dia do Lollapalooza Brasil 2019
Boston Calling 2018: St. Vincent é uma baita guitarrista, inventiva e versátil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.