Ryan Adams, The Sea and The Cake e Iron and Wine

por Marcelo Costa

“Follow The Lights”, Ryan Adams & The Cardinals (Lost Highway)
Compositor mais prolífico de sua geração, Ryan lança mais álbuns do que o público consegue acompanhar. Nem bem seu novo CD (“Easy Tiger”) chegou às prateleiras e ele já lança outro. “Follow The Lights” é um EP com sete faixas: duas inéditas, quatro regravações ao vivo em estúdio e uma matadora versão de “Down In A Hole”, do Alice in Chains. Canções como “Blue Hotel” e “This Is It” poderiam ser ouvidas por anos, mas logo ele reaparece com outras tão belas pedindo atenção. Não tem como dizer não.

Nota: 8
Preço em média: $25 (Importado)

“Everybody”, The Sea and The Cake (Thrill Jockey)
Pouca coisa mudou no som do The Sea and The Cake entre a estréia de 1994 e este “Everybody”, sétimo disco do grupo, e isto não é demérito algum. Eles continuam emoldurando riffs sonhadores, fiéis ao rock regressivo. John McEntire (também do Tortoise) conduz a bateria de forma charmosa. Archer Prewitt concentrou-se na guitarra e em duelos de riffs calmos com Sam Prekop (de voz suave e doce) que podem hipnotizar o ouvinte num dos discos mais elegantes de 2007. Ouça “Too Strong” e deixe-se levar.

Nota: 8
Preço em média: $50 (Importado)

“The Shepherd’s Dog”, Iron & Wine (Sub Pop)
Samuel Beam é um herói da cena indie americana anos 2000. Sob o codinome de Iron & Wine, conquistou uma legião de fãs com seu alt folk country inspirado em Nick Drake, Neil Young e Elliott Smith. “The Shepherd’s Dog” é seu terceiro álbum, e nasceu inspirado na desilusão da reeleição de Bush. Desta vez, porém, Samuel Beam não está sozinho: integrantes do Calexico e músicos de jazz (Matt Lux e Rob Burger) amplificam a genialidade do compositor num dos discos (e numa das capas mais bonitas) do ano.

Nota: 9
Preço em média: $50 (Importado)


“Follow The Lights”, Ryan Adams & The Cardinals


“Coconut”, The Sea and The Cake


“The Devil Never Sleeps – Live on Letterman”, Iron & Wine

6 thoughts on “Ryan Adams, The Sea and The Cake e Iron and Wine

  1. desde q ele pegou carona nos cardinals eu fiquei um pouco pra tras,,, vai lançar disco assim,,,

    corre atrás, sufjan stevens! hehe

    ryan adams é assim: mesmo onde lhe falta foco, sobra inspiração.

    o próprio disco ‘rock n’ roll’ de 2001, q os fãs xiitas acharam fraco, na boa, é um discaço! this is it, so alive, anybody one can take me home,,

    e mais do q cantar pra c*** , escrever e compor com uma verdade e sentimento ímpares, o cara ainda pegou a winona ryder,, respect, man! hehe

  2. Talvez, talvez, o RA e o FB, briguem pelo posto do homem mais prolífico da dácada de 00. É um disco atrás do outro. Não dá nem tempo de absorvê-los. Porém, em algumas vezes o resultado final, é um pouco abaixo da média de suas obras. Enquanto o Ryan já lançou “Heartbreaker”, “Love is hell” e “Cold Roses”, ambos discaços, também arranhou a vitrola com “Rocknroll”, “Gold”, e “Demolition. Mas a média final é bem boa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.