Discos perdidos: Cilibrinas do Éden

por André Fiori

Texto publicado originalmente em julho de 2006; atualizado em janeiro de 2014

No mundo da música, se tornam folclore as histórias de “álbuns perdidos”, discos que foram gravados, mas não foram lançados durante anos, ou mesmo só “vazaram” para o público através de edições piratas. “Smile”, dos Beach Boys, “Cocksucker Blues”, dos Rolling Stones (esse, no caso, apenas um single), “The Ties That Bind”, de Bruce Springsteen & E Street Band, “Tecnicolor”, d’Os Mutantes e “Black Album”, do Prince, são alguns exemplos que nos levam a preciosidade presente neste texto.

Em 1972, Rita Lee estava confusa. Ela já tinha dois discos solos na bagagem que não cortavam o cordão umbilical com Os Mutantes – o primeiro, “Build Up”, de 1970, havia sido produzido por Arnaldo Baptista e Rogério Duprat, e o segundo, “Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida”, de 1972, era um disco d’Os Mutantes creditado a ela – mas havia finalmente deixado a banda (ou, segundo a própria, convidada a se retirar) e não queria aceitar o conselho do diretor da gravadora Phillips, André Midani, de sair em carreira solo.

Rita era amiga de Lucia Turnbull, uma paulistana que, como ela, havia morado dois anos em Londres, e também participado das gravações de “Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida” fazendo vocais. Com Lucia, Rita Lee decidiu formar a dupla Cilibrinas do Éden, buscando uma sonoridade calcada em violões e nos doces vocais de ambas, que soavam maravilhosamente bem juntos. “Cilibrina”, na gangue d’Os Mutantes, era a palavra código para maconha.

A dupla negociou um contrato com a gravadora, e logo foi escalada para tocar no mega-show Phono 73, um festival de música realizado no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo, entre os dias 10 e 13 de maio de 1973, que reuniu todo o elenco de contratados da Phillips, ou seja, o “crème de la crème” da música brasileira da época (a lista, imensa, trazia Caetano, Chico Buarque, Elis Regina, Jorge Ben, Raul Seixas, Wilson Simonal, Fagner, Erasmo Carlos, Gal Costa, Jards Macalé, Ronnie Von, Odair José e muitos, muitos outros).

E a estreia da Cilibrinas do Éden, numa quinta-feira, 10 de maio, abrindo para Os Mutantes, não poderia ter sido… pior. Com músicas desconhecidas, vaias retumbantes soaram durante a apresentação das moças no Anhembi. Rita sacou ali que o público não aceitaria bem um som tão acústico, e tratou de montar uma banda mais rock n’ roll, afinal, os tempos não estavam para sutilezas. Rita encontrou o Lisergia, grupo do guitarrista Luis Sérgio Carlini e do baixista Lee Marcucci, e partiu para o processo de composição e gravação do álbum d’as Cilibrinas.

O disco deveria se chamar “Tutti Frutti”, e as gravações ocorreram ao vivo em dezembro de 1973, no estúdio Eldorado, em São Paulo, sob coordenação de Liminha, em sua primeira produção. O resultado não agradou André Midani, que preferia muito mais Rita Lee solo do que um novo grupo, e vetou o projeto antes do disco ir para a fábrica. Antonio Bivar, então habitué da corte de Rita, conta que a produção foi caótica, divertida e amadora, e se a gravação não chegou ao mercado, tem como mérito ter servido para formar o que seria o embrião da nova banda de Rita Lee, a Tutti Frutti.

A única música aproveitada das sessões d’As Cilibrinas, e regravada para o LP de estreia de Rita Lee com o Tutti Frutti (“Atrás do Porto Tem uma Cidade”, 1974) foi “Mamãe Natureza”, justamente o primeiro clássico de sua carreira solo. Nesse disco, uma música foi o pivô da saída de Lucia Turnbull da banda: “Menino Bonito” tinha uma levada totalmente a lá Cilibrinas, com duas vozes e violões. Qual não foi a surpresa quando o disco ficou pronto, e à revelia da banda, a produção (de Mazola) apagou a voz de Lucia deixando apenas a de Rita com acompanhamento de pianos e cordas.

O sucesso só viria para Rita Lee e o Tutti Frutti, sem Lucia, no ano seguinte, em outra gravadora (Som Livre), e com outro LP (“Fruto Proibido”, de 1975, produzido por Andy Mills, também produtor de Alice Cooper), mas isso já é outro capítulo. Lucia Turnbull ainda participaria do disco/turnê “Refestança”, de Rita com Gilberto Gil, em 1977, e teria um certo reconhecimento emplacando “Aroma”, disco de 1980 lançado pela EMI-Odeon (e até hoje não relançado em CD).

Como um bom “álbum perdido”, a estreia d’As Cilibrinas do Éden circulou durante anos em fitinhas K7, nas mãos dos fãs mais descolados, e quase foi lançado oficialmente nos anos 2000 pelo pesquisador Marcelo Fróes, que esbarrou em questões financeiras, pois Lucia Turnbull, segundo entrevista ao jornal Folha de São Paulo, não aceitou a proposta de divisão de valores, alegando que o disco é de uma banda, não só de Rita, e o projeto foi engavetado.

O fato do disco oficial não ter sido lançado não impede que “Tutti Frutti” (ou “Cilibrinas do Éden”, como vem sendo chamado) possa ser encontrado para download, com boa qualidade de som, em blogs de compartilhamento na internet ou mesmo no Youtube tanto quanto ser adquirido em CD e vinil pirata, pois foi lançado em 2010 pelo selo Nosmokerecords, e encontra-se atualmente na segunda tiragem de 500 cópias – o preço em janeiro de 2014 ia de R$ 135 até R$ 400 no site brasileiro Mercado Livre.

Várias músicas do “disco perdido” das Cilibrinas foram reaproveitadas por Rita em trabalhos posteriores. A primeira estrofe toda de “Bad Trip (Ainda Bem)” reapareceu como “Shangri-Lá”, no álbum “Rita Lee“, de 1980 (sem o provocante final: “Tive sim vontade de… dar”). “Gente Fina é Outra Coisa”, com alterações na letra, virou “Locomotivas”, tema da novela homônima da Rede Globo, em 1977. Quando Rita foi gravar sua participação no LP “Erasmo Convida”, de Erasmo Carlos, a música escolhida foi “Minha Fama de Mau”, que também fazia parte do repertório do álbum d’As Cilibrinas.

Em 1981 foi lançada a coletânea “Os Grandes Sucessos de Ritta Lee” (assim mesmo, com dois “tês”), que inexplicavelmente trazia duas músicas daquelas sessões: “Paixão da Minha Existência Atribulada” e “Nessas Alturas dos Acontecimentos” (esse LP atualmente também pode ser encontrado em sites como o Mercado Livre em preços entre R$ 15 e R$ 150). Só quatro faixas não deixaram traços em outras: “E Você Ainda Duvida”, “Festival Divino”, “Vamos Voltar Ao Princípio Porque Lá É O Fim” e a música tema, “Cilibrinas Do Éden”. Ouça as demais músicas do disco abaixo.

– André Fiori (https://www.facebook.com/andre.fiori.73) é dono da loja de discos Velvet SP

4 thoughts on “Discos perdidos: Cilibrinas do Éden

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *