Ao vivo: Molchat Doma em uma noite retrofuturista de pós-punk em São Paulo

Texto e fotos por Fernando Yokota

Há algum tempo percebe-se o ressurgimento da estética dos anos 1980 na música. Para além do infame reverb na virada de bateria de “In The Air Tonight”, existe atualmente o ressurgimento de efeitos como o chorus e a ressurreição de instrumentos com a certidão de óbito assinada, como o sintetizador Yamaha DX7 (aquele de “Take On Me”, do A-Ha) e as guitarras Jackson Dinky coloridas (quem viu os recentes shows do Turnstile deve ter reparado).

Em meio à maré retrofuturista temos a releitura triunfante do pós-punk em dimensões globais com nomes como Dry Cleaning, Black Midi, Fontaines D.C. e Black Country, New Road (muitos deles presentes na lista de Melhores do Ano do Scream & Yell). Contudo, é de Minsk, em Belarus, uma das reproduções mais fiéis ao cânone do synthpop/dark wave/pós-punk materializada na forma do Molchat Doma, que se apresentou em São Paulo, na Audio.

Subindo ao palco numa debilitante tarde da noite de segunda-feira, a banda trouxe por quase duas horas o seu simulacro oitentista com o distinto som da década das ombreiras, transformando a casa de shows na Barra Funda num Madame Satã comandado por Egor Shkutko, um Ian Curtis bielorrusso tão brutalista quanto o prédio da capa de “Etazhi”, o álbum que contém o improvável hit que acabou por virar conteúdo viral no TikTok em 2020.

Com exceção do fã mais ardoroso e do eventual estudante de russo, era de se imaginar que a grande maioria veio atraída pelo som e nem tanto pelas letras por conta da barreira linguística. Alheia ao rigor da interpretação dos versos, uma parte do público de fato parecia mais interessada na pulsante (e gelada) levada da bateria eletrônica e dos “até algum tempo atrás” datados timbres de sintetizadores.

Outros, curiosos pela pitoresca combinação (nem tanto, se considerarmos a existência de bandas importantes no passado como os russos do Kino, por exemplo) do idioma russo e a estética pós-punk. Em menor número, os veteranos de noitadas no bairro da Bela Vista respiravam até o último centímetro cúbico do ar úmido de suor como quem inalava o elixir da juventude. A maioria, no entanto, era formada por jovens e legítimos fãs que exorcizavam as mazelas da vida e de forma desprendida cantavam todos os refrões, como em Tantsevat, berrada pela plateia sem mostrar qualquer inibição da barreira linguística.

Conceitualmente, o Molchat Doma é uma fenda do espaço-tempo, um manifesto pós-punk throwback extirpado dos anos 80 com vocais graves e sombrios, sintetizadores e ritmos produzidos por máquinas. O tom da música, soturno, solene e mundano, poderia ser usado em qualquer daquelas cenas de um filme de Aki Kaurismäki ou Jim Jarmusch envolvendo os infortúnios da vida, cigarros e bebida num bar esfumaçado qualquer de Helsinki ou Leningrado.

O som, exageradamente grave, fazia tímpanos e paredes estremecerem, em momentos chegando ao ponto do indecifrável. Intolerável aos não iniciados, o pulsante e mecânico grave metronômico ditava a surpreendente animação dos presentes que lotavam o local. A mania da plateia se chocava com a depressão da banda como o encontro de uma massa de ar quente e uma frente fria resultando numa chuva de pós-punk com trovoadas de subgraves.

Próximo da meia noite, o final da apresentação traz a canção “Sudno”, grande hit da banda e dedicada a Boris Rhzhy, o “último poeta soviético”, e resume a improvável receita: alguns milhares de brasileiros numa noite de segunda-feira gritando em russo fluente junto com uma banda de Minsk do fim dos anos 2010 tocando um estilo musical desenterrado dos anos 1980 cujo hit havia ficado popular numa rede social chinesa em 2020. Alheio às fronteiras — culturais, temporais ou tecnológicas –, o Molchat Doma encontrou na melancolia a língua universal de sua torre de babel.

– Fernando Yokota é fotógrafo de shows e de rua. Conheça seu trabalho: http://fernandoyokota.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.