Música: “The Tipping Point”, do Tears For Fears, não convence

texto por Paolo Bardelli

“Everybody Loves a Happy Ending” (2004) foi um grande título para um álbum de reencontro, mas também para um álbum definitivo, que encerrava uma carreira. E, tratando-se dos Tears For Fears, que carreira! A dupla Smith / Orzabal, porém, decidiu seguir em frente, e depois de 18 anos publica “The Tipping Point” (2022), cujo título parece ser, ao contrário de seu predecessor, não particularmente auspicioso. Será isso mesmo? Obviamente que não, mas certamente “The Tipping Point” não é um álbum de sucessos, isso deve ser dito imediatamente.

Sua gênese convulsiva inevitavelmente conta: os dois trabalham nele desde 2013, e desde então muitas coisas mudaram, principalmente o mesmo projeto, que começou como um álbum com “feats”. de artistas mais jovens, como está na moda agora, para “atualizar” o som da Tears For Fears (ideia da gravadora), e, depois, com o disco totalmente de volta nas mãos e direção artística dos dois. Isso dá ao presente trabalho um significado ambivalente: embora seja inexoravelmente heterogêneo, pode-se ver nas ranhuras um desejo de vingança positiva, de demonstrar que eles ainda sabem escrever boas peças e podem publicá-las no novo milênio sem soar musicalmente desatualizado.

Assim: nenhuma nota pode ser movida sobre a habilidade de escrita dos dois, que permanece inalterada em sua clara e pura veia Beatles em canções como a conclusiva “Stay”, “Master Plan” ou “Rivers Of Mercy”, aquele mesmo estilo inconfundível que fez grande um álbum como “The Seeds Of Love”, de 1989 (que não é um dos meus favoritos), mas somos obrigados a notar, e isso é uma novidade, a presença de alguns refrões de “denúncia”. Acima de tudo, o vazio de “Break The Man”, que irrita a ponto de nos fazer pular imediatamente a música (que, pelo contrário, começa bem, com um verso em que se menciona explicitamente inserções de “Pale Shelter”, circunstância confirmada por Orzabal ele mesmo um Rock Cellar), mas também o de “Please Be Happy”, que parece vir de uma trilha sonora da Disney.

Consequentemente, os pontos mais em foco, aqueles em que você sente que o Tears For Fears colocou nele, além de sua inegável classe e experiência, também uma inspiração viva, acaba sendo a faixa-título, cuja tendência de shuffle menciona expressamente “Everybody Wants to Rule the World”, mas sem demorar muito na assinatura, e a eletrônica de “My Demons”, um pouco brega na introdução e em algumas escolhas estilísticas, mas no geral redondinha e envolvente. De resto, ouvir “The Tipping Point” é agradável, mas acaba por ser vacilante, algo perdido na natureza fragmentária de um álbum em que cada música parece um pouco um mundo à parte, um genero em si.

Provavelmente, mas esta é minha impressão e minha opinião muito pessoal (de quem viu as duas datas italianas de 2019, em Milão e Pádua, e acho que não há muitos outros que o tenham feito, demonstrando o quanto ainda amo essa banda), Orzabal e Smith precisariam gravar o próximo álbum deixando-o fruir, sem pensar muito sobre isso, e sem superestruturas, como eles vem fazendo. Essa crença deriva de tê-los visto, ao vivo, muito mais como “colegas de trabalho” do que membros de uma banda, guiados mais pela profissão do que pelo fogo inextinguível da música.

Você não pode ser revolucionário ou manter a convicção que tinha aos 20 anos, pode-se dizer, na idade deles, mas então por que continuar publicando mais discos? Porque você ainda tem algo a dizer, é a resposta simples. Assim, tendo verificado que os Tears For Fears demonstram que ainda querem comunicar, devem fazê-lo apenas de forma menos fundamentada, menos filtrada. O resultado provavelmente seria mais convincente do que “The Tipping Point”.

Texto publicado originalmente no site italiano Kalporz, parceiro de conteúdo do Scream & Yell

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.