Faro: Panoramas de Outubro na Música e Cultura Ibero-americana

Argentina | Brasil | Chile | Colômbia | Espanha | México | Peru | Uruguai

Oito países unidos pelo mesmo ideal de compartilhar cultura e, com ela, ideias, sonhos, desejos, revoluções. Não a toa, a política norteia muitos dos relatos vindos destes nove países ibero-americanos que compõe o Panorama de outubro da FARO, uma aliança de meios de comunicação musicais e culturais ibero-americanos. Como esta é a segunda edição do Panorama e a primeira participação do Brasil, representado pelo Scream & Yell, eu quis buscar algumas coisas interessantes de meses anteriores que pudessem amplificar no boletim. Na verdade, após traduzir e editar os panoramas dos outros países, já comecei a editar na minha cabeça o de novembro, que deverá ser bastante diferente desta estreia (e ainda mais amplo). O que importa é que aqui e agora estamos juntos com Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, México, Peru e Uruguai na FARO. Seja bem-vindo e aproveite e ouça a nova playslist. Tem muita coisa legal.

Marcelo Costa
Editor do Scream & Yell

ARGENTINA
por Juampa Barbero / Indie Hoy

Outubro trouxe várias surpresas na cena musical argentina. Discos que vieram à tona para esclarecer as sombras que recobrem a situação que paralisou a conexão física entre os artistas e o público. Essa condenação global obrigou a reinventar as formas de exibição artística e desencadeou uma enxurrada de apresentações virtuais que refletem a vitalidade e a esperança de um futuro promissor.

Lançamentos
107 Faunos lançou “El Ataque Suave”, seu sexto álbum editado pela Laptra, emblemática editora indie nacional. Este conjunto de canções soa como uma catarata emocional que investiga a identidade peculiar da banda pioneira do indie rock. 12 anos após o álbum de estreia, os Fauns foram patrocinados pelo festival Primavera Sound e seu selo Primavera Labels.

Através do selo Laptra também saiu “Gracias Por Nada”, o quarto álbum de Bestia Bebé, que será lançado na Espanha pelo selo Sonido Muchacho e no México por El Brillante. O sucessor de “The Destructive Tests” se mantém fiel ao som da banda combinando a energia do rock com um toque nostálgico. Conta ainda com a participação especial de Santiago Motorizado e Tigre Ulli

Para acalmar a ansiedade causada pela incógnita da volta aos shows da velha normalidade, Juana Molina se deu ao luxo de lançar seu primeiro álbum ao vivo. “ANRML” é o registro de seu show no festival mexicano NRML, com um repertório que revê sua trajetória e revela a força tenaz de suas apresentações.

Um dos lançamentos mais esperados do ano foi “Paranoia Pop”, de Bandalos Chinos, e valeu a pena a expectativa. Como em seu álbum anterior, “Bach”, a banda gravou no lendário Sonic Ranch, no Texas, com o produtor Adán Jodoroswky. As músicas entrelaçam histórias de fanatismo e idolatria enquanto a banda opta por um som mais confrontador e rocker. O sexteto comemorou a novidade com uma apresentação via streaming na Movistar Arena.

Barbi Recanati apresentou o videoclipe de “Los Días Que No Estás”, um feat com Paula Trama presente em seu primeiro álbum solo, “Ubicación En Tiempo Real”, lançado assim que a quarentena foi decretada na Argentina. A obra audiovisual retrata uma libertação poética em contraste com o atual estado de isolamento.

Algo que tirou o sabor amargo do contexto pandêmico foi o retorno de San Martín Vampire. Após a declaração final de seu único álbum, “Debut y Despedida” (1999), era difícil acreditar que o trio que se mobilizava há menos de 20 anos com seu techno estilizado voltaria completamente renovado.

Mas nem tudo foi alegre neste mês, pois a notícia da morte de Gabo Ferro angustiou grande parte da população artística. Homenageado por muitos colegas e eternizado em seus discos e poemas, o grande trovador argentino se despediu do mundo aos 54 anos, deixando um legado resplandecente.

Cine
Os festivais de cinema tiveram que se reinventar para acontecerem devido ao fechamento indeterminado dos cinemas. Festivais como o FestiFreak optaram por uma proposta online gratuita em sua 16ª edição. O evento teve mais de 100 títulos disponíveis em uma inusitada experiência audiovisual.

O mesmo aconteceu com o Festival Escenario 2, que disponibilizou o acesso à sua programação a partir da plataforma Cont.ar. Singularizado pelo tema musical, o Festival Escenario 2 incluiu uma série de documentários que refletem histórias e shows transcendentais. Os arquivos de nomes referentes como Suárez, Los Brujos e Pajarito Zaguri foram os destaques.

Literatura
O coletivo literário também não permitiu que fosse ofuscado pelo contexto e configurou a festa de acordo com o consentimento sanitário. Os 10 anos da FILBA foram celebrados de forma virtual, mas não menos interessante. Durante 9 dias foram realizadas diversas atividades para leitores de todas as gerações.

O que vem em novembro
Em novembro acontecerá virtualmente a 35ª edição do Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, o mais prestigioso evento da sétima arte voltado para a telinha. E outro motivo de entusiasmo é a promessa de novas canções de Las Ligas Menores e Tobogán Andaluz.


BRASIL
por Marcelo Costa / Scream & Yell

Como este é o debute do Brasil na FARO, é importante dar um panorama rápido da situação do país: como vocês devem saber, temos um presidente negacionista e genocida que não valoriza a cultura, a ciência, a educação e o meio ambiente (a lista segue infinita). Jair Bolsonaro fez piada com a Covid-19, e esse é um dos motivos não apenas de termos ultrapassado o número assustador de 150 mil mortos como também o de estarmos (parte da população que não ouve o presidente) desde março em quarentena. Não tivemos lockdown nem combate efetivo à pandemia. E, como vocês devem imaginar, a economia do país está ruindo. Bolsonaro atacou a classe artística em diversas frentes e o resultado é um ano desastroso para o cinema (já seria ruim por todo o caos, com ele piorou ainda mais) e para o mercado da música. Casas de shows fecharam, artistas estão tentando se virar como podem, e não há nada que nos faça olhar para o futuro e esperar o melhor. Não é fácil lutar contra dois vírus ao mesmo tempo, mas seguimos atentos e fortes.

Pela primeira vez, a gravadora Warner reuniu raridades de Tom Zé, um dos mestres da Tropicália. São gravações que haviam sido lançadas em compactos e projetos especiais entre 1969 e 1976, grande parte delas inédita no digital. O álbum “Raridades” traz 14 destas faixas e também ganhou edição em CD!

Discípulo de Lanny Gordin, guitarrista genial dos discos de Gal Costa nos anos 70, Guilherme Held lança, enfim, seu primeiro disco como solista. A lista de colaboradores do álbum “Corpo Nós” é um “quem é quem” da nova música brasileira, com mais de 40 nomes, entre eles Criolo, Tulipa Ruiz, Romulo Fróes, os três integrantes do Metá Metá, integrantes do Bixiga 70 e muito mais. A faixa “Sorongo” é, segundo Held, “um afro-samba industrial”. Ele comentou o disco faixa a faixa no Scream & Yell.

Em 2018, a cantautora Badi Assad lançou um livro imperdível, “Volta ao Mundo em 80 Artistas”, contando sobre suas viagens em turnê pelo planeta. Agora ela lança “Around The World”, a trilha sonora do livro, que traz versões voz e violão de canções de Lorde, Alt-J, Camila Moreno, Björk, Chico César e Hozier, entre outros. Ela também comentou o disco faixa a faixa no site.

Em 2020, um dos discos clássicos de Brian Eno, “Another Green World”, completou 45 anos, e um grupo de artistas do Sul do Brasil (Porto Alegre) se reuniu para prestar uma homenagem ao álbum em “Another Green World – Revisitado”. Saiba mais sobre o projeto.

Também em 2020, o primeiro álbum do Autoramas, uma das bandas brasileiras que mais rodou pelo mundo, completa 20 anos. Para comemorar, eles regravaram “Carinha Triste”, que também sai em todas as plataformas digitais em single e ganhará lançamento em vinil pelo selo espanhol Family Spree Recordings.

De Salvador, na Bahia, o rapper Hiran retorna com seu segundo disco, “Galinheiro”, em que ironiza todos que menosprezam seu grande álbum de estreia, “Tem Mana no Rap” (2018), mantendo o mesmo alto nível. Conheça o disco em mais um faixa a faixa especial.

Ainda no Nordeste do Brasil, do estado do Piauí, Valcian Calixto também apresenta seu segundo disco, “Nada Tem Sido Fácil Tampouco Impossível”, com muito axé (gênero popular do carnaval baiano) punk. Em “Nya Akoma”, ele faz um retorno à mãe Àfrica.

Por que muitos artistas ainda trabalham com o formato disco? Marcelo Perdido e Bruno Graziano conversaram com diversos artistas para saber o que os move e o resultado é o documentário “Brasa”, liberado na integra no Youtube, e que você pode assistir abaixo.

Em um momento em que a arte como um todo vem sendo atacada pelo governo Bolsonaro, surge a única publicação impressa atualmente dedicada aos variados aspectos de criação do Cinema Brasileiro: a revista Elipse. A capa da segunda edição traz Wagner Moura (“Narcos”, “Tropa de Elite”, “Marighella”) e ela pode ser lida online. No Scream & Yell, conversamos com o editor.

A mulher do fim do mundo, Elza Soares, festejando a indicação de seu álbum “Planeta Fome” ao Grammy Latino, lançou em single uma versão do hit “Comida”, dos Titãs, com a participação dos próprios. Assista aqui.

O que vem por ai?
Teremos eleições municipais em todo o Brasil em novembro, e o resultado das urnas poderá sinalizar as primeiras mudanças, algo que afetará a todos os setores, Cultura incluso. Torçam por nós.


CHILE
por Equipe POTQ Magazine

Se na primeira edição do Panorama dissemos que setembro é um mês difícil para o Chile, devido à sua história, há um ano, outubro foi registrado como um mês marcante para a mudança de rumo do país. Estes últimos 30 dias foram marcados pelo primeiro aniversário da data de 18 de outubro, que marca uma virada no curso deste país. Naquele dia de 2019, as pessoas que habitam o Chile saíram às ruas para protestar contra a impossibilidade de continuar vivendo em um sistema onde direitos são serviços e o cartão de crédito é o único maio que permite continuar fazendo uma compra mensal de alimentos no supermercado.

Após um ano de protestos, com pessoas presas, outras feridas e vítimas de violência – inclusive sexual – por parte das forças do Estado, no dia 25/10 foi realizado um plebiscito para alterar a constituição do país, a carta escrita por Pinochet que permite que o Chile continue sendo um dos países mais desiguais do mundo até hoje.

E a música sempre cantou sobre essas injustiças, principalmente sobre o que fez o Chile acordar. Se queres saber o que eram essas canções, te convidamos a rever o nosso especial Se Oía Venir, o mesmo nome de um livro lançado em janeiro de 2020 através da internet e para download gratuito na editora Cuaderno y Pauta. David Ponce, editor do projeto, convocou diversos jornalistas e historiadores para escrever textos urgentes, sem deixar o pulso parar, abordando a história da música popular chilena dos últimos 30 anos, todas aquelas canções e movimentos de músicos e músicas que anteciparam o descontentamento e a raiva que explodiram nas ruas desde outubro passado.

Além disso, outubro foi o mês em que lançamos um novo site e um podcast, comemorando nossos 15 anos de vida.

Singles
Este mês começou com uma novidade aguardada. “La Montaña“, o novo single de um das chefonas do pop local, Fakuta. Acostumada a nos dar joias, “La Montaña” não foi exceção e também tivemos a oportunidade de conversar a fundo com ela nesta entrevista.

Em outubro também encontramos novas músicas. a.k.a. Lore, a voz de Chicarica, apresentou seu segundo single solo. Busca e desejo se unem nessa música cheia de influências como Empress Of, Yaeji e Cocteau Twins. Também ouvimos Carolina Espinoza, que ficou conhecida como Deplasticoverde, agora que lançou seu novo projeto: Nocinema. Sua primeira música, “Nocinema # 1“, faz parte de uma série de faixas que prometem ser a trilha sonora de filmes inexistentes.

Uma das grandes surpresas foi o primeiro single de elmalamía. Com apenas 24 anos, o músico e produtor chileno lançou “Quieres Más“, em que combina pop, indie e trap, resultando em um amálgama que nos encantou. Já o corpo chacoalhou com “Glow”, o novo single de Mariel Mariel. Uma bomba de ritmo capaz de tirar você da letargia e da sensação de incerteza que nos atormenta há meses.

Em colaboração com MC Millaray, Ana Tijoux voltou a cantar a revolta social. Depois de musicalizar 2019 com “Cacerolazo”, a dupla de rappers chega com “Rebelión de Octubre“. Uma letra comovente, com o poder vocal e interpretativo de ambos, num som muito mais reflexivo do que o esperado. “Uma homenagem ao aluno, ao trabalhador, à mãe, ao Mapuche, a tantos que se levantaram e se dizem presentes nas ações da humanidade”, disse Tijoux, no dia de lançamento.

Mas essa não foi a única música inspirada em nossa revolução e dedicada às ruas. Na véspera do aniversário do dia 18 de outubro conhecemos este hit composto por Ana Sofia e produzido por Mariana Montenegro (ex Dënver), que também se junta na voz. “Estado de Emergência” nasceu no exato momento em que foi decretado o toque de recolher no Chile. Dançar e lutar garantidos nesta peça pegajosa que protesta contra o abuso de poder, a repressão policial, o medo, a dor, a incerteza, a desigualdade e a injustiça; tudo para alcançar o anseio por um país mais afetuoso e empático.

Dois dias antes de sabermos que o país não estava realmente polarizado, Camila Moreno queria começar a revolução do outro lado, como diz a letra de “Hombre”, esperando o fim da inquisição. “Vou queimar tudo que você construiu porque é uma merda”. Há mais alguma coisa a dizer? Sim, essa música incrível é acompanhada por um vídeo também incrível feito pelo coletivo Taller de Animación #OjoChile e dirigido por Niles Atallah.

Já faz um tempo que Isla Panorama tem feito barulho. Agora, com um remix de Carlomarco de sua canção “Toma la Calle“, estreada na véspera do Plebiscito de 25 de outubro, a artista apresenta as ruas do combativo Chile nos últimos tempos. Batidas rápidas e pessoas normais defendendo seus direitos.

Discos e EPs
Este mês queremos destacar “Quiebre”, o novo EP de Fernanda Arrau. Um trabalho em que você encontra pop sintético cheio de arpejadores, baixos eletrônicos e basicamente tudo que faz de Arrau uma dos grandes produtoras atuais. Como o resto de seu trabalho, “Quiebre” não precisa de letras para se destacar, mas tem uma música chamada “W.F.”, onde Alex June coloca sua voz para encerrar este trabalho de quatro músicas com um floreio.

Por outro lado, o oitavo álbum de Como Asesinar a Felipes é composto por sete canções nas quais tomaram a liberdade de dar novas intenções à fase de desenho sonoro de suas criações. Gravado em fita uma semana antes do bloqueio, os músicos aproveitaram os próximos meses para prestar atenção especial à pós-produção de “MMXX”. A estreia vem com remixes de Igor Calavera, Scientists, Mad Professor, Toy Selectah e Talking Book, entre outros.

E chegamos a “Medium”, do INAD. Um EP que é um diário exploratório em busca da alma. Inspirada no duelo, com homenagens a Anna Cook e com evidente intenção espiritual, a artista funde techno com catarse em imaginários vitais para nos transportar a outros planos.

Indústria
Seguindo o modelo da maioria das feiras do mercado musical do mundo durante 2020 e para tentar superar como setor os estragos econômicos deixados pela COVID-19, a Feria Pulsar anunciou a realização de sua edição 2020 em formato digital a partir do dia 16 a 22 de novembro, com palestras, apresentações, shows e também um mercado musical.

Por outro lado, o festival de documentários musicais e cinematográficos In-Edit Chile, ao preparar sua 16ª edição, também via streaming para o mês de dezembro, comemorou o meio século de Piedra Roja, popularmente conhecido como o “Woodstock chileno”, com a exposição do documentário dedicado ao evento, uma galeria de imagens virtual e um encontro entre dois de seus protagonistas: Jorge Gómez (criador do festival) e Gary Fritz (diretor do documentário), moderado por Gonzalo Planet. Você pode vê-lo aqui.

O que novembro traz
Enquanto o clima no Chile continua convulsionado, já sabemos que poderemos desfrutar de novas músicas da dupla novela Movediza. No dia 11 de outubro conheceremos o novo single “Un Temporal”. Também Arranquemos del Invierno se prepara para lançar seu novo álbum, “El Poder del Mar”, prevendo “Bruma”, uma colaboração com a equatoriana Paola Navarrete. E o selo I S L A, lar de artistas como Merci Merci, Macgarden, Nicolás Alvarado, 49Hrtz e Juan Pablo Abalo, entre outros, vai comemorar seus seis anos de vida com uma compilação.

Por outro lado, a requintada editora local Banda Propia lançará o último romance da escritora e cantora dominicana Rita Indiana, “Hecho en Saturno”.


COLÔMBIA
por Fabián Páez López / Shock.co

O “novo normal” na Colômbia continua a ser tudo menos “normal”. Principalmente quando se trata de shows, festas e música. Embora tenham anunciado que bares e discotecas do país seguirão fechados até o final do ano, o circuito de eventos foi reativado como timidez fazendo malabares. Hoje temos uma longa, longuíssima, lista de eventos, feiras e festas virtuais e uma seleção cada vez mais agitada e crescente de shows para se ver dentro de automóveis com currais e camarotes para apreciar música ao vivo com a distância necessária. De qualquer forma, a cena cultural foi fortalecida com a abertura dos cinemas de bairro e uma boa lista de lançamentos. Aqui estão algumas recomendações do que aconteceu em outubro.

Lançamentos musicais
O mês começou com um dos maiores lançamentos do ano. No dia 1º de outubro, Gabriel Garzón-Montano, que mora em Nova York com um pai colombiano, estreou “Agüita”. Cantor e homem orquestra, reconhecido por suas canções de soul e R&B, Montano tirou da manga este álbum em que explora uma tripla personalidade. Sem perder de vista o R&B, a teatralidade e o soul, GGM se vestiu de hitmaker e estreou no reggaetón e trap com canções como “Muñeca” e “Agüita” (aliás, acompanhamos GGM na filmagem do videoclipe dessa música em Medellín).

Após 10 anos de silêncio, Tres Coronas, um dos lendários grupos de rap colombiano, voltou aos ringues com um novo álbum. “Nueva Era”, um álbum de boom bap dark cinematográfico, que abre o caminho para um novo estágio para Rocca e PNO.

Nascida em Bogotá e moradora do Brooklyn, Gabriela Jimeno, mais conhecida como Ela Minus, assinou recentemente com a Domino Records e lançou seu primeiro álbum completo. “acts of rebellion” é techno pop carregado de discurso e energia. Sem dúvida, um dos lançamentos mais importantes da eletrônica latino-americana.

+ Também apareceram com novos discos Paula Van Hissenhoven, tecladista e backing do Aterciopelados, que apresenta seu primeiro disco solo, “Quién Soy”; Da cidade de Bucaramanga também apareceu uma jovem banda, Bañista Lunar, com seu primeiro álbum, “El año de la rata”, uma placa que traz punk, shoegaze e até dembow; Finalmente, o tradicional grupo Los Gaiteros de Ovejas assinou um tremendo EP de cinco músicas intitulado “Al mejor Estilo”, e a Quemarlo Todo Por Error, de Bogotá, lançaram seu segundo álbum, “A través del miedo”.

Os vencedores nacionais do Shock Fest Dawer X Damper lançaram um single para relaxar, intitulado “Quilo“. A dupla eletrônica da cidade de Barranquilla MNKYBSNSS também pontuou uma das melhores músicas do ano, “All Nite All Nite“, uma música muito groovy e funky feita na companhia do americano Life on Planets. O cantor e compositor Lucio Feuillet, que segue lançando gradativamente as músicas de seu próximo álbum, previsto para 2021, também lançou uma ótima música: “Canción Pequeña”. Mabiland, figura e presente do neo soul e do R&B colombiano, também lançou uma das canções que farão parte de seu novo álbum, intitulada “¿Qué pasó?“. E o rapper Frank Takuma (ex-integrante do grupo Aerophon) estreou “Pullp Fiction“.

Livros
“Norms Rappa”, de Santiago Cembrano: Santiago Cembrano, escritor especializado em rap e colaborador do Shock, anunciou a pré-venda de seu segundo livro, “Norms Rappa”. É uma análise de 10 álbuns americanos que marcaram a última década do gênero, acompanhados de ilustrações do artista Gavilán. Apresentamos aqui a introdução do livro, à venda a partir do dia primeiro de novembro. Você pode encomendá-lo pela Editora Quimbombó e aqui você confere a introdução.

Eventos
Apesar de tudo o que está acontecendo, o mapa de evento está se tornando cada vez mais generoso. E estão chegando as feiras e festivais regionais, a maioria deles destinados à virtualidade. Por enquanto, outubro marcou o 14º aniversário de uma das datas mais complexas do festival Rock al Parque (aqui relembramos a história de um dos sobreviventes do festival). E, quanto aos festivais do Parque de Bogotá, a partir do dia 17 foram reativados com uma longa programação virtual.

Os concertos estão ativos. Caravana, também realizada em Bogotá, continua com sua programação e em novembro receberá a Orquestra Filarmônica de Bogotá, Esteman com Juan Pablo Vega, Vicente García, Aterciopelados e Bomba estéreo.

Cine
Alexis Durán e o apresentador Santiago Rivas estrearam através da plataforma de streaming Mowies o documentário “No trague N’tero”, uma bela dissecação do universo das fake news. Na pesquisa para o filme, eles descobriram como as notícias falsas se originam, por que surgem, quem está por trás delas e seus efeitos. “No trague N’tero” é um convite perfeito para duvidar de tudo.


ESPANHA
por Rubén Scaramuzzino / Zona de Obras

Confinamentos de perímetro, toque de recolher, um novo estado de alarme… A segunda onda de Covid-19 é desencadeada na Espanha e em grande parte da Europa. A incerteza – e também a exaustão – tem seu preço na mente de muitos. Mas, graças à vida, a música e a cultura estão constantemente presentes para tornar os nossos dias mais suportáveis.

Na sexta-feira 16/10 foram entregues os prêmios MIN de música independente e como muitos esperavam os grandes vencedores da noite foram Novedades Carminha e Kiko Veneno. A banda galega arrebatou três prêmios (“Melhor Álbum Pop“, “Melhor Artista” e “Melhor Show”) e o cantor e compositor nascido em Figueras ganhou o “Prémio de Honra Mario Pacheco” e o prêmio de “Álbum do Ano”. Outros vencedores foram Anni B. Sweet (“Canção do Ano”) e Rodrigo Cuevas (“Melhor Artista Emergente”).

Houve muitos lançamentos bons durante o mês de outubro. A banda granadina Apartamentos Acapulco apresentou “Ahora se” – o primeiro adiantamento do que será o seu novo álbum a ser lançado em 2021 –, uma canção em que reina o shoegaze e a presença de reverb com alguma inspiração nas sonoridades do final dos anos 1980 na Inglaterra.

No ano passado, a banda barcelonesa Medalla surpreendeu com um segundo álbum homônimo. Agora eles retornam com uma nova música, “Café para Todos” (estreando um novo selo, Limbo Starr), em que sua essência de rock poderoso e psicodélia ainda está presente com a capacidade de criar hinos que esbanjam atitude e coerência, como neste caso.

O grande Kiko Veneno estreou “Hambre” no final do mês, uma prévia do que será seu próximo álbum, que terá o mesmo título e será a continuação (ou segunda parte) do “Sombrero Roto”. Algumas das músicas do álbum “Hambre” saíram da mesma fornada e a vontade de percorrer com uma sonoridade surpreendente e vibrante persiste.

Das Ilhas Canárias chega Marilia Monzón com “Trazando Rutas”, uma delicada canção pop que cresce muito por seu estilo doce e quase ingênuo. O tema é uma história de superação que se inspira em outros grandes inovadores da canção ibero-americana, como Natalia Lafourcade ou Carla Morrison.

Nacho Vegas publicou uma nova compilação em um álbum duplo que analisa sua produção da última década por meio de cerca de 30 canções entre músicas inéditas, raridades, shows ao vivo e lados B. O título é “Oro, Salitre y Carbón” e aqui destacamos uma das composições novas: “Fabulaciín”, com a expertise e língua afiada que é sua marca.

A seção de novos álbuns em outubro foi muito frutifera e títulos impossíveis de deixar de lado apareceram. Como já dissemos uma vez, Silvia Pérez Cruz pode fazer o que quiser sem nunca perder a excelência. E com o novo “Farsa (género imposible)” ela acerta o alvo novamente. O álbum contém canções que ela compôs em colaboração para outras artes, com outros artistas: teatro, cinema, dança, pintura, fotografia, poesia. Uma delicia.

Já em vias de se tornar uma estrela, Nathy Peluso publica “Calambre”, um grande trabalho que reafirma seu ecletismo e sua busca pessoal por joias como “Buenos Aires” ou “Santa Sana” – com uma homenagem a Mercedes Sosa. A fórmula de hip hop, neo soul e influência da música latino-americana caem como uma luva para o argentino residente em Madrid.

Precedido (e unido) ao primeiro livro de Marc Ros, vocalista e guitarrista do grupo, o primeiro álbum com novas canções de Sidonie desde 2016, “El Regreso de Abba”, é um hino à inocência peneirado pelos saberes e estados de maturidade. Sidonie é um algodão doce que não enjoa, um rubor de contentamento nas bochechas em uma época tão cinza que nos custa imaginar outros tons.

A catalã Maria Rodés canta com medo e nunca cai na tentação de adoçar demais suas belas canções. Agora ela publica seu quinto álbum de estúdio, “Lilith”, no qual se inspira no mundo das bruxas e presta homenagem a todas as mulheres livres que ousaram mostrar sua inteligência, curiosidade, criatividade e inconformismo, embora muitos delas tenham acabado na fogueira.

Em outubro, a indústria da música teve um ponto de encontro. De 26 a 29 foi realizada com sucesso a sexta edição do BIME PRO. Desta vez em formato híbrido, a feira para profissionais da música ofereceu palestras, conferências e vitrines. Faro participou de duas das atividades do evento: a apresentação sobre festivais latino-americanos e a convenção de feiras de música latino-americanas Atlantic Music Conferences Symposium (AMCS).

Quanto à sétima arte, festivais importantes foram realizados; Sitges, referência mundial no cinema de fantasia e terror (de 8 a 18), em que o filme “Possessor Uncut”, de Brandon Cronenberg, ganhou o prêmio de “Melhor Diretor”; e o Seminci de Valladolid, um compromisso dedicado ao cinema de autor (de 24 a 31), que teve “Espiga de Oro” com o prêmio de Melhor Filme, e o filme húngaro “Preparations To Be Together For An Unknown Period of Time” levando os prêmios de “Melhor Novo Diretor” para Lilli Horvát e o prêmio de “Melhor Atriz” para sua protagonista, Natasa Stork.

Nos cinemas foi lançado “La Voz Humana”, média metragem dramático de Pedro Almodóvar, que é uma adaptação livre do monólogo teatral homônimo de Jean Cocteau. A crítica mais uma vez se rendeu ao novo trabalho do gênio manchego.

Na televisão, a quinta temporada de “Radio Gaga”, um dos programas mais lúcidos e inteligentes que se podem ver na telinha, chegou ao pequeno ecrã. Apresentados por Manuel Burque e Quique Peinado, nos oito capítulos são abordados temas como reclusão, prostituição, os atentados de 11 de março de 2004 em Madrid, obesidade e futebol feminino. Tudo com inteligência, graça e classe, como sempre. Disponível em Movistar +.

No campo literário destacamos a publicação de “Las Maravillas”, o primeiro romance da cordobesa Elena Medel, que propõe uma viagem pelas últimas décadas da história espanhola e um retrato lírico e honesto de duas mulheres trabalhadoras.

E por fim, importante mencionar a realização da segunda edição da Lata Peinada. Festival de literatura latino-americana que se realizou nos dias 16 e 17 e que foi organizado pela livraria de Barcelona de mesmo nome, a primeira especializada em literatura latino-americana na cidade. No formato híbrido (presencial e online) estiveram presentes várias mesas nas quais participaram Jorge Carrión, María Fernanda Ampuero, Fernanda Trías, Carolina Sanín, Fabián Casas, Rodrigo Fresán e Alejandro Zambra, entre outros.

O que vem em novembro
Espera-se (ansiosamente) – para o dia 27 – “Si Mi Rayo Te Alcanzara”, o novo trabalho de Xoel López; além da estreia – no dia 13 – do novo filme de Isabel Coixet, “Nieva en Benidorm”; e no dia 20 o de Hil Kanpaiak (“Campanadas a Muerto”), drama de Imanol Rayo. Aguardamos também a publicação de “Zona a Defender” (Alfaguara), um novo livro do galego Manuel Rivas, uma obra empenhada no mundo em que vivemos e que devemos deixar como herança.

De 17 a 22 será realizada a 12ª edição da Monkey Week, que será praticamente online e articulada por meio de um programa de televisão, o Monkey Week TV, que poderá ser visto de todo o mundo.

De 4 a 15 chegará a 3ª edição do festival Cine por Mujeres, de 6 a 14 terá lugar o prestigiado Festival de Sevilha, especializado em cinema europeu; de 13 a 20 o Festival Ibero-Americano de Cinema de Huelva, um dos nossos preferidos; e de 26 a 13 de dezembro, o Festival Márgenes, outro dos nossos favoritos, dedicado ao melhor, mais ousado e inovador cinema independente ibero-americano.

De 18 a 21 de novembro será levantada a cortina para o festival Carballo Interplay de conteúdo digital e websérie, que nesta edição percorrerá as barricadas da comédia feminina na Internet. De referir ainda que de 23 a 27 se realizará a Bienal de Design, que apresentará o melhor design ibero-americano dos últimos dois anos e dará um olhar mais atento ao panorama do setor em cada país.


MÉXICO
por Cynthia Flores / Indie Rocks!

Outubro: México com saudades do famoso “Rocktubre”

Aqui o termo Rocktubre é bastante conhecido por ser um mês repleto de shows, festivais e turnês pelo país. Este ano estamos sem e, embora já existam bares e casas onde acontecem alguns shows e apresentações com capacidade limitada e medidas de saneamento bem estabelecidas, a agenda constante ainda está parada. Aqui um artigo dedicado a essa nostalgia pelo que foi vivido no mês.

Várias cidades do país sentem o movimento normal nas ruas, isso é alarmante porque o número de infecções não diminuiu. E mesmo com todos esses dados, no início do mês houve uma marcha dos Membros da Frente Nacional Anti-AMLO (FRENA) que na Cidade do México conseguiram reunir mais de 100 mil cidadãos que exigem a renúncia do presidente Andrés Manuel López Obrador. O México está cansado desse senhor.

No que diz respeito à cultura, os eventos e festivais de massa seguem seu formato digital, e no mês passado tanto o Festival Internacional Cervantino quanto o Festival de Cinema Morelia, dois eventos culturais muito importantes no país, tiveram suas edições online. Por um lado, o Cervantino durante cinco dias apresentou online 822 artistas de 15 países diferentes e com Morelia, alguns filmes puderam ser desfrutados em salas de cinema, mas também houve a alternativa de desfrutar de uma plataforma online em casa.

Lançamentos
Como estreia do álbum, destaque para Martin Thulin, um produtor musical sueco baseado no México, que está de volta à cena alternativa com “Into the Light”. Esta figura proeminente na comunidade musical é bem conhecida por sua colaboração com a banda Exploded View e por seu trabalho na banda experimental cult Los Fancy Free. Hoje chega com essa entrega cheia de cor, experimentação e sofisticação.

Pepe Mogt (parte essencial do Nortec Collective) traz os sons do deserto da Baja California –norte do México – com o novo álbum “Maia Awi”. Música eletrônica experimental inspirada no mito da Serpente da Sabedoria, que os primeiros colonos da Baja California (Kumiai) a chamaram de Maia Awi. O projeto sonoro surge de uma instalação audiovisual realizada em La Rumorosa em setembro de 2020 onde se combinam sintetizadores, sons Kumiai e elementos da natureza. No final deste ano será lançado um audiovisual especial sobre esta entrega.

Recomendações
José Orozco Mora é um jovem talentoso de Jalisco que apresentou o vídeo para “Contemplaciones”, single que faz parte do seu EP “Formas Aparentes” e que foi realizado pela artista sonora / audiovisual Concepción Huerta. Uma peça mágica para introspecção e harmonização com os sentidos.

Pau Sotomayor, peça fundamental do duo Sotomayor, este mês teve diferentes colaborações musicais, uma com Orions Belte (Noruega) e outra com o sueco Thornato, mas há algumas semanas anunciou o seu projeto solo Pahua, que fará parte do selo National Records. Fique ligado nos próximos lançamentos, pois essa garota tem muitas surpresas sonoras na manga.

Enrique Toussaint, mais conhecido como Tuzeint, numa vibe suave, apresenta “No Mo‘”, single que combina jazz e r&b e que expõe a qualidade desse jovem de 28 anos que faz parte da Bluedot Recordings, gravadora independente de Wet Baes.

Por outro lado, este mês tivemos a estreia de uma session de um projeto eletrônico muito novo chamado Encounters, vale a pena curtir e ver a qualidade com que esta dupla mexicana-alemã trata os sintetizadores.

O estrondoso trio da Cidade do México, Mengers, estreou “Pantitlán”, uma canção cheia de psicodelia e misticismo, produzida por Hugo Quezada. Que fará parte de seu próximo LP, “Golly”.

Uma banda do norte do país que amamos, liderada por garotas, Margaritas Podridas, estreia com “Ceremonia”, uma faixa grunge e shoegaze com psicodelia produzida por Sebastian Neyra (Mint Field / Sonic Emerson) que tem um vídeo lisérgico dirigido por Karl Neudert.

Livro
O americano John Gibler, da editora Sexto Piso, publica “Una historia oral de la infâmia”, que conta a história de ataques coordenados em pelo menos três localidades da cidade de Iguala, Guerrero, que causaram a morte e o desaparecimento de dezenas de pessoas, a maioria delas em Ayotzinapa.

O que vem
A Feira Internacional de Música para Profissionais FIMPRO 2020 terá atividades de 4 a 6 de novembro destacando networking, workshops e apresentações especiais.

De 6 a 10 de novembro acontecerá a Gran Salón, feira de ilustração contemporânea que terá visitas presenciais com marcação prévia e também atividades educativas online.

O Festival Marvin, evento de uma importante publicação musical que aconteceu em maio como uma plataforma para ver ao vivo muitos atos da cena local no México, será realizado de forma digital através de uma nova plataforma que eles apresentam para esta edição.


PERU
por Renzo Lobato/ Rock Achorao

Outubro é um mês com muita mística, cor e tradição no Peru. É conhecido como o mês púrpura em homenagem ao “Senhor dos Milagres” ou “Cristo Moreno”, festa popular que abraça várias gerações de peruanos sob o mesmo lema: a fé. Mas este outubro é especial, pois estamos passando por um ano cheio de choques e sentimentos confusos. Nesse sentido, até mesmo nossos artistas recorreram a propor canções com muito gerenciamento tradicional. No Peru, outubro foi assim:

Lançamentos:
A ponto de apresentar seu tão aguardado álbum de estreia, Evah nos convida a nos dar uma “Pausa“, uma sensual peça de R&B para parar, contemplar a vida e continuar.

O cantor e compositor peruano radicado em Paris continua trabalhando na construção de seu próprio selo baseado na fusão da música tradicional peruana com os sons do mundo contemporâneo. Seu recente single, “Para Ti”, é uma celebração (dança negra das coisas peruanas) que incorpora aquele sentimento eletrizante que nos faz amar e ser amados.

Considerados os precursores do dream pop peruano no início do século, Índigo canta para os músicos latino-americanos que remam “Contramarea” todos os dias para realizar seus sonhos. Uma ode à resistência em uma chave de rock.

Por mais de 20 anos, Ni Voz Ni Voto liderou o movimento do metal alternativo (ou nu metal) no Peru. Apesar de cada produção reafirmar seu notável interesse em evoluir musicalmente, este ano nos surpreenderam com um “trap-metal”, um manifesto de liberdade criativa para nos calar diante de tão absurdo preconceito.

“Destino Errante”, de Plastical People, é uma canção que explora a cumplicidade dos amores impossíveis. Uma balada pop que canta para um amor apaixonado e desenfreado que se torna sombrio e delirante. Uma faixa especial para dançar lentamente.

Brilho pop, intimidade e viagens ancestrais é o combo perfeito do Soldetrópico, o novíssimo projeto musical de Hillary Wolf, nascida em Cusco, que de seu quarto criou um punhado de belas canções que vão do vaporwave à psicodelia. Desfrute de “Sunshine“.

As reminiscências dos anos oitenta são a base e o ponto de partida de Suit Palmera, um novo projeto da cidade de Lima com vista à sua consolidação antecipada. “Quiero” é uma combinação dançante carregada com sintetizadores surround para quebrar na pista de dança.

The Famous Criminals é um dos representantes do novo movimento independente em Huancayo, uma cidade localizada na região central dos Andes peruanos. Entre guitarras funky, sintetizadores retro e gemidos nos mostram em “Flesh & fury” uma nova prévia do álbum de estreia que estão prestes a lançar.

Quanto aos álbuns de médio e longo prazo, temos notícias muito boas.

O mestre percussionista e compositor Manongo Mujica cujo trabalho se baseia na constante exploração e diálogo sonoro com nossa cultura e natureza ancestrais, apresentou “Paracas Ritual”, quatro faixas que visam levar o ouvinte a uma experiência única onde não há forma ou estrutura musical, apenas a qualidade de um som que gradualmente leva você a territórios de pesquisa incomuns.

Na mesma linha de exploração e reinvenção musical a partir da música tradicional, o combo eletrônico Vudufa apresentou seu novo EP “South American Loa”, com o qual busca se conectar com a mitologia africana a partir das crenças das divindades e dos ritmos herdados do berço da humanidade. Os Loa são seres intermediários entre a humanidade e a divindade da mitologia Vudu. O EP foi lançado pelo selo polonês Basy Tropikalne.

Por fim, destaque para “The Life of Insects”, da artista e produtora Ale hop, uma coleção de novas composições experimentais, nas quais sons eletrônicos, samplers e guitarras psicodélicas desenvolvem um estranho e surpreendente mundo sonoro inspirado em nossos amigos insetos. Lançado como de costume pelo prestigioso selo peruano Buh Records.

O que vem em novembro:
Neste momento o Hay Festival Arequipa está em andamento até o dia 8 de novembro, um encontro digital que reúne atores da indústria criativa de várias cidades da América Latina que vão discutir diversos temas culturais. De 1º a 15 de novembro acontecerá a primeira edição virtual da feira independente do livro, AntiFil, com a participação de diversos escritores, artistas, músicos e gestores culturais. Da mesma forma, a quinta edição do festival beneficente Rock Al Frío está chegando a cidade de Puno, no sul do Peru. Finalmente, novas músicas de Gala Brie, Crik Faluzi, Los Stroboscópicos, Suit Palmera e outros artistas deverão ser anunciadas.


URUGUAI
por Kristel Latecki / PiiiLA

Em outubro, a agenda cultural de Montevidéu continua se expandindo, com várias propostas de protocolos pandêmicos. Por seu lado, os lançamentos continuam a surpreender, perante um final de ano que promete como sempre estar carregado de cultura apesar da chamada “nova realidade”.

Neste mês, a agenda cultural uruguaia continuou se expandindo semana a semana, ganhando novos espaços (como a abertura da sala e restaurante PyG) e propondo diversas atividades. Porém, além do privilégio de poder ver a cultura ao vivo, as dificuldades para a área ainda são grandes. No dia 14 de outubro, foi realizada uma manifestação em frente à Torre Executiva no âmbito do movimento #WeMakeEvents, com a reivindicação de um avanço no protocolo de saúde imposto após a pandemia. Técnicos, produtores e diversos trabalhadores culturais solicitaram a ampliação da capacidade (que hoje é de 30% da capacidade da sala) e a disponibilização de eventos ao ar livre. Essa solicitação ainda permanece sem resposta e o número crescente de infecções indica que esse panorama permanecerá inalterado por enquanto.

Lançamentos
Um dos álbuns previstos para outubro era uma homenagem à canção de Florencia Núñez: “Porque Todas las Quiero Cantar”. Esta é a trilha sonora do documentário com o mesmo nome que faz uma revisão das questões que marcaram seus temas e sua sonoridade. Aqui Florencia revisita e versiona – até inovando dentro de seu repertório – seis desses hinos, e acrescenta neste lançamento a música original do seu conterrâneo Nicolás Molina.

Inés Errandonea foi a artista que ofereceu a (quase) estreia do mês, com seu primeiro LP “La Vida Real”, um excelente trabalho de pop delicado com reminiscencias de Fiona Apple tanto na forma de construir letras quanto na instrumentação interessante e diferente. Gravado em Buenos Aires e produzido por Juanito El Cantor, neste álbum o belo encontra o negativo e o feio, com canções cativantes e reflexivas.

Em outubro, a agenda cultural de Montevidéu continua se expandindo, com várias propostas de protocolos pandêmicos. Por seu lado, os lançamentos continuam a surpreender, perante um final de ano que promete como sempre estar carregado de cultura apesar da chamada “nova realidade”.

Sua parceira no grupo coral Coralinas, Papina de Palma, também criou um EP durante sua quarentena intitulado “Lo Que Encontré Mirando Para Adentro”, quatro canções quase que exclusivamente acústicas, com detalhes de instrumentação fornecidos por outros amigos. Entre elas, destaca-se “Zugzwang”, tocada ao lado do cantor e compositor argentino Anamolí e com percussões de Fede Blois, que fala sobre o risco que se deve correr para vencer.

Outro EP de destaque é “Ritos de Pasaje”, de Phoro, no qual condensa seus dois perfis distintos (a música eletrônica e seu formato de banda) para criar canções sedutoras com motivos eletrônicos, especialmente dançáveis e com final rocker.

Este ano Eté & Los Problems, uma das bandas que mais cresceu a nível popular nos últimos anos, teve que se renovar. Seus membros históricos, Sebastián Peralta e Martín Moreno, deixaram o grupo, e Iván Krisman (tido como o quinto Problem), Bárbara Jorcin e Martín Iglesias se uniram. Eles já experimentaram essa formação em vários shows com ingressos esgotados e lançaram uma nova versão de “Máquina del Tiempo”, do álbum “Hambre” (2018), que denota o novo filão que adquiriram.

E se falamos de bandas populares, temos que concluir com os Buenos Muchachos. Um dos grandes favoritos do rock local prepara um novo álbum, do qual eles lançaram duas músicas este mês: “Un Témpano” e “Dormez-vous“, que transitam entre um épico sombrio, tensão e libertação.

Eventos
O Graffiti Awards entregou seus prêmios a Buitres e Bajofondo, que arrebataram três estatuetas cada. Niña Lobo e Nicolás Molina receberam dois prêmios, enquanto Julieta Rada, Eros White, Estela Magnone, Mersey e Socio também foram destaque.

A 8ª edição do Festival Detour premiou “La intención del colibri”, de Sergio de León, com o prêmio Arcos Dourados. “Carmen Vidal Mujer Detective”, de Eva Dans, estreou no festival e recebeu uma Menção Especial. E na categoria de videoclipes, o prêmio Sin Sol foi entregue a “Que te adoren”, de Eli Almic, direção de Flavia Quartino.

No sábado, 31, a Plaza del Libro, uma versão reduzida da clássico Feira Internacional do Livro, foi inaugurada com uma agenda de apresentações de várias novidades como “Visiones para Emma”, de Daniel Mella, a reedição de ‘Los cantos de Maldoror de Isidore Ducasse (Conde de Lautréamont )”, “Oficio de alto riesgo”, a biografia de César Troncoso, de Diego Faraone, e muito mais.

O que vem em novembro
Este mês teremos o primeiro show internacional em cartaz: Julieta Venegas na Antel Arena, e talvez o primeiro festival presencial da pandemia: Fuzz Local con Oro, Las Cobras, Contramarea e Luis Angelero. Entre os lançamentos, espera-se o novo trabalho de Franny Glass, assim como se suspeita da chegada do nono álbum dos Buenos Muchachos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.