Faixa a faixa: “All That You Can’t Leave Behind”, U2

por Marcelo Costa

Faixa a faixa escrito especialmente para a revista Rock Press e publicado na edição de novembro de 2000

All That You Can’t Leave Behind“, a volta do U2 ao rock básico, como afirmou a banda, poderia ser descrita como um álbum entre “Unforgetable Fire” e “The Joshua Tree”. Traz um The Edge inspiradíssimo e um Bono feliz com o mundo. Mensagens de “não desista, siga em frente” são encontradas em quase todas as letras. Tem toda grandiloqüência característica da banda, que, na verdade, estava fazendo falta ao mundo pop atual. O público se divide. Uns adoram, outros odeiam. Ouça e depois comente com a gente.

“Beautiful Day”
Batida de bateria a la “Acthung Baby”. No primeiro single o U2 compila tudo aquilo que o faz ser uma das grandes bandas do planeta. Vocal apaixonado, refrão pesado e aquela letra carola típica do Bono.

“Elevation”
Guitarra saturada, a mesma bateria Acthung Baby e uma levada bacana de baixo. Bono parece querer ser mais Bono do que é. A levada da guitarra contagia. E a letra é básica, afinal, “só o seu amor me faz flutuar, baby”.

“Walk On”
Começa lenta com Bono sussurando a letra. Os efeitos de guitarra impressionam novamente. The Edge parece estar só num mundo carente de guitar heros. Bono canta muito nessa bela balada que diz que o amor é a única bagagem que você pode levar.

“Stuck in a Moment You Can’t Get Out Of”
Outra balada, mas nessa o piano comanda. É claro que The Edge arranja um jeito de colocar uns riffzinhos matadores no meio. O refrão soul lembra muito esses grupinhos de boysband, com todo mundo cantando junto. Na letra, Bono procura uma melodia para fazer uma canção. Deve ter encontrado essa em alguma rádio FM, ou na MTV…

“Peace of Earth”
Se a banda disse que estava voltando às origens, podemos encaixar o novo álbum entre “Unforgetable Fire” e “The Joshua Tree”. É essa a primeira impressão que traz a faixa 5, com longa introdução de piano e voz, que diz, carolamente, que Jesus escreveu na canção as palavras que estão atravessadas “em minha garganta, paz na terra”…

“Kite”
Um teclado épico e um riff matador de guitarra. Aquele vocal cativante de Bono e temos mais uma grande canção. A letra – talvez a melhor do álbum – permite ser ao mesmo tempo um poço de pieguice e de beleza. E, no final, diz “The last of the rocks stars / When hip-hop drove the big cars/ In the time when new media/ Was the big idea/ What was the big idea”. Lembra Echo & The Bunnymen.

“New York”
Efeitos. A primeira lembrança é “Miami”, do álbum “Pop”. Parece ser, na verdade, a mesma canção, o que muda são as cidades, e com tudo que caracteriza cada uma. A letra é acida, crítica. Melhor trecho:

“The Irish been coming here for years
Feel like they own the place
They got the airport, city hall
The asphalt dance floor(???)
They even got the police
Irish, Italians, Jews and Hispanics
Religious nuts, political fanatics in the stew
Happily not like me and you
That’s where I lost you”

“In a Little While”
Ótima linha de baixo nessa canção que, realmente, lembra muito o U2 americano de “Rattle and Hum”. A letra é mais do mesmo Bono de sempre e a guitarra é mais do mesmo The Edge de sempre. Para o bem e para o mal…

“Wild Honey”
Balada ao violão de sotaque altcountry com levada contagiante. O exagero no vocal na segunda parte tira um pouco o brilho da canção, mas não apaga a letra bacana.

“When I Look at The World”
Novamente o baixo carrega, em levada acelerada, a canção, com os efeitos de guitarra aparecendo aqui e ali e Bono destilando toda sua poesia num excelente vocal.

“Grace”
Guitarra e baixo iniciam a canção, uma em cada canal. Bono canta por cima dessa base outra de suas letras carolas.

“Summer Rain” (B-side – Single Beautiful Day)
Violão pesado e uma guitarra cheio de efeitos são a introduzam desta grande canção. Estranho que uma das melhores letras da nova safra de Bono tenha sido deixada para b-side. Deveria ter entrado no álbum.

“Always “(B-side – Beautiful Day)
Rock contagiante. Começa com um riff pesado e teclados. Deve ficar muito bem ao vivo. A letra segue o ritmo do álbum.

Texto especial sobre “All That You Can’t Leave Behind” no Scream & Yell

– Marcelo Costa (@screamyell) é editor do Scream & Yell e assina o blog Calmantes com Champagne

Leia também:
– “Songs of Experience” é um U2 renovado, mas melancólico, por Rodrigo Salem (aqui)
– U2 em São Paulo: The Joshua Tree Tour 2017 (Noite 2), por Marcio Guariba (aqui)
– Especial ‘Zooropa’ 20 anos – Seja tudo o que puder ser, por Marcio Guariba (aqui)
– Especial ‘War’ 30 anos – Os meninos vão à guerra, por Marcio Guariba (aqui)
– Live Youtube: a tecnologia caminha de mãos dadas com o U2, por Marcelo Costa (aqui)
– Os três primeiros álbuns do U2 relançados em versão deluxe, por Marcelo Costa (aqui)
– U2 em São Paulo: um megashow com jeito de festinha particular, por Tiago Agostini (aqui)
– “How To Dismantle An Atomic Bomb“: um disco frouxo do U2, por Jonas Lopes (aqui)
– Bono: um gênio de coração mole ou um completo imbecil?, por Diego Fernandes (aqui)

One thought on “Faixa a faixa: “All That You Can’t Leave Behind”, U2

  1. faltou citar, talvez, que na bela walk on, que funciona muito ao vivo, o final me parece ser uma referencia ao pink floyd, com o final de eclipse, no dark side of the moon, aquela lista de coisas, do tipo tudo que vc faz ou deixa de fazer…acho esse o último grande disco da banda,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.