Três séries: “His Dark Materials: Fronteiras do Universo”, “The Witcher” e “Watchmen”

Resenhas por Adriano Mello Costa

“His Dark Materials: Fronteiras do Universo” (BBC / HBO)
Desde que o filme “A Bússola de Ouro” foi lançado em 2007 que os fãs da obra do escritor Philip Pullman esperavam por uma sequência ou uma nova adaptação. A sequência não veio (ainda bem), mas a obra virou série pelas mãos da HBO em parceria com a BBC e está disponível desde novembro do ano passado. “His Dark Materials: Fronteiras do Universo” apresenta 8 episódios adaptados pelo roteirista Jack Thorne (de filmes como “Extraordinário”) e contando com diretores como Tom Hooper (de “O Discurso do Rei”) no rol dos contratados. A história tem a jovem e destemida Lyra (Dafne Keen) como protagonista e retrata um universo paralelo ao nosso que é comandado de maneira bruta e opressora pelo Magisterium, uma organização com um poderoso braço armado que usa a religião como forma de se perpetuar no poder. Neste mundo onde ciência e magia às vezes andam de mãos dadas e em outras são ferrenhas opositoras, Lyra se mete em uma jornada de busca a um amigo desaparecido que é repleta de perigos, aprendizados e descobertas pessoais. Com um elenco recheado de bons atores como Ruth Wilson, James Cosmo, Lin-Manuel Miranda e James McAvoy, a HBO faz uma produção bem ao seu estilo, com tons escuros e indo bem nas questões técnicas, apesar dos efeitos visuais deixarem um pouco a desejar quando são mais necessários. Contudo, a forma que a história é contada é lenta demais, arrastada demais e isso faz com que o telespectador saia dessa primeira temporada sem se envolver completamente, e, principalmente, sem a certeza de que encarará a segunda.

Nota: 6

“The Witcher” (Netflix)
Geralt de Rivia é um bruxo solitário. Anda pelo mundo a esmo oferecendo seus serviços que consistem em matar criaturas e monstros em troca de dinheiro. Porém, às vezes as coisas não saem como deveriam e ele aceita um trabalho que não é o que parece, outro que paga mal, outro que não quer e acaba pegando, outro que nem é pago e assim vai. Ser autônomo não é fácil, sabemos disso. “The Witcher” foi criado nos anos 80 pelo escritor polonês Andrzej Sapkowski e anos depois estourou nos games, passou pelos quadrinhos, retornou a literatura e no final de 2019 ganhou série na Netflix com 8 episódios disponibilizados de uma vez só na plataforma, que mostram a rotina descrita no início do texto. Interpretado pelo Henry “Superman” Cavill de maneira às vezes com excelência, às vezes bem canhestra, a série apresenta cada episódio meio que fechado em si com um novo conto, um novo desafio, enquanto aos poucos constrói a trama principal e apresenta o universo. Com dois impérios em guerra no decorrer dos episódios o protagonista descobre sobre o passado, se apaixona, faz algumas promessas, escapa da morte e aumenta o volume de inimigos. Com ótimas cenas de luta, bons efeitos visuais no que tange aos monstros e demais seres, outros personagens com destaque como a Yennefer da atriz Anya Chalotra (que rouba a cena), bom humor e uma maneira não tão óbvia de confrontar presente e passado na trama, “The Wicther” é o tipo de série que cumpre o papel de entreter bem, sem maiores preocupações ou ambições. E parece confortável com isso.

Nota: 7

“Watchmen” (HBO)
“Watchmen”, de Alan Moore e Dave Gibbons, é daquelas obras capazes de mudar as coisas. Ao lado de outras da mesma época redefiniu (para o bem e para o mal) o conceito de super-heróis e ganhou status de “intocável”, o que na cultura pop não quer dizer praticamente nada, convenhamos. Em 2009 o diretor Zack Snyder fez um filme bem fiel, os quadrinhos já revisitaram a história (e continuam revisitando), enfim, vida que segue. Nessa vida está “Watchmen”, série produzida pela HBO e idealizada por Damon Lindelof (criador de “Lost”) que conta com 9 episódios. Recentemente finalizada, manifesta como enredo um mundo imaginado mais de 30 anos depois dos eventos finais da graphic novel que culminaram com a morte de 3 milhões de pessoas. Com um elenco magistral que conta com nomes do porte de Regina King, Jeromy Irons, Tim Blake Nelson, Louis Gossett Jr., Jean Smart e Hong Chau, a produção exibe uma robusta pegada política e social que funciona demais como uma nova história, sendo intrinsicamente ligada ao mundo de hoje e ao momento em que vivemos, retratada principalmente nos ideais estapafúrdios de supremacia branca da Sétima Kavalaria (inspirados em Rorschach e filha direta da abominável Klu Klux Klan), sendo que isso já torna bem recomendável assistir. No entanto, nem tudo são flores, e se analisarmos friamente em relação a relevância do trabalho para o mundo visualizado por Alan Moore originalmente, não se constata maiores patamares de importância. E nesse limbo entre ser uma continuação ou um remix – como o próprio Lindelof já definiu – é que Watchmen vai bem menos longe do que poderia alcançar.

Nota: 7,5

A HBO fez um site explicando vários fatos: https://www.hbo.com/peteypedia

– Adriano Mello Costa assina o blog de cultura Coisa Pop ( http://coisapop.blogspot.com.br ) e colabora com o Scream & Yell desde 2009!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.