Women’s Music Awards chega a sua 3ª edição maior e mais diversa

entrevista por Ananda Zambi

Que as mulheres estão cada vez mais presentes em cima dos palcos, nas rádios e nas plataformas de streaming, já é perceptível, tanto na música popular, como é o caso do “feminejo” (mulheres que cantam sertanejo), por exemplo, quanto no circuito alternativo. Mas e a presença feminina em outras funções do mercado musical, como, por exemplo, as jornalistas, as produtoras ou as empresárias? É para valorizar todas essas mulheres que foi criado em 2016 o WME – Women’s Music Event –, e o WME Awards, primeira e única premiação brasileira dedicada às mulheres da indústria da música (e a segunda do mundo), que chega esse ano à sua terceira edição.

Em 2019, a premiação cresceu: ela acontecerá dia 03 de dezembro, a partir das 21h, em um lugar maior, será transmitida ao vivo e com exclusividade pelo canal TNT, terá mais apresentadoras, comentaristas e novas categorias, como as de Melhor Compositora, Escuta as Minas (apresentada pelo Spotify), Melhor Música Alternativa e Melhor Música Popular – essas duas últimas eram, anteriormente, uma categoria só (Melhor Música). A artista com mais indicações é a cantora e compositora Pitty, com quatro, seguida de Duda Beat, Karina Buhr e Luiza Lian, com três cada.

A cantora e compositora Luiza Lian diz que se sente feliz com a indicação a Melhor Disco (“Azul Moderno”), e principalmente com as de Melhor Clipe (“Mil Mulheres”) e Melhor Música Alternativa (“Sou Yabá”): “Esse clipe foi super delicado pra gente fazer e lançar. O Youtube e o Vimeo não deixaram ele se expandir muito por causa do conteúdo (nudez). E acho que minha música tem um pouco a característica de que ela não é muito pop, não é uma música muito viral”, diz Luiza. Ela também destaca a importância de premiações e incentivos como esse, tanto para sua carreira como para o ecossistema do mercado musical: “O WME está tentando abraçar artistas de diferentes tamanhos e reconhecimentos. Então sinto que ele fez abrir um espaço para que outras pessoas e iniciativas também tivessem essa mesma seriedade para além da moda de um momento”.

Luiza Lian / Foto de Fernando Yokota, Scream & Yell

Além da premiação, o WME realiza uma conferência por ano – o WME Conference (sempre realizado em março, mês da mulher) – , e possui um portal de notícias e um cadastro de profissionais. Tudo isso foi criado pela jornalista, pesquisadora e DJ Claudia Assef e pela gerente artística e empresária Monique Dardenne com o objetivo de conectar as mulheres dessa área, além de dar visibilidade e incentivo a elas. Monique conta que percebeu que era necessário fazer um movimento que fomentasse isso quando estava trabalhando em um grande projeto, que tinha 60 artistas e apenas 3 eram mulheres: “A Claudia era a mediadora do painel e me fez uma provocação. A partir daí, eu senti a necessidade de me conectar com outras mulheres do mercado e criei um grupo fechado no Facebook chamado “Mulheres na Música”, que existe até hoje, e me conectei com essas mulheres no painel. Comecei então a pedir para que elas incluíssem mais mulheres do mercado no grupo. Foi nesse momento que eu enxerguei que existiam muitas mulheres, mas que não estávamos conectadas. A gente achou que a gente estava sozinha, mas não”. Claudia Assef juntou-se a ela nesse projeto também com a vontade de debater sobre outros assuntos que não apenas o da presença da mulher na música. “Queríamos também fazer um projeto onde a gente pudesse também falar sobre assuntos normais do mercado, assuntos que interessam a todo mundo – sobre tecnologia na música, criatividade na música, questões artísticas – e não tivéssemos que ficar a vida inteira falando sobre como é ser mulher na música, que é praticamente uma cota que a gente cumpria dentro das conferências por aí”, afirma.

Mas como nenhum começo é fácil – ainda mais quando se trata de incentivo a minorias –, Monique e Claudia enfrentaram um pouco de resistência por parte do mercado. Monique conta que, além da pouca verba disponível (que saiu do bolso delas), as marcas, no início, tinham medo de se ligarem a um projeto feminista: “A nossa maior dificuldade, até o segundo ano, realmente foi a parte financeira e as marcas realmente mudarem o seu comportamento em querer abraçar uma plataforma feminista e não só entrar na onda.” Claudia ainda complementa que o WME nunca teve o objetivo de mulheres se sobreporem aos homens na indústria musical. “Nossa motivação sempre foi agregar e não segregar”, declara. Agora, com três anos de história, as fundadoras do projeto esperavam, sim, o crescimento do projeto, mas não em tão pouco tempo. Mas para elas, mais importante do que se tornar uma plataforma grandiosa, é deixar um legado na nova história das mulheres na música brasileira. “O que a gente mais comemora é o crescimento, a expansão e a visibilidade que essas mulheres estão tendo no mercado. A gente sabe que a plataforma está impactando, não é só o evento que tá tendo um sucesso de público. Essas mulheres estão se achando, se conectando, crescendo com sua autoestima, achando um lugar de apoio. Então isso é o mais importante, o legado que a gente está deixando”, conta Monique.

Fatima Pissara, Claudia Assef e Monique Dardenne

Para que o Women’s Music Event se tornasse o que é hoje, houve uma ajuda bem importante. O nome dela é Fatima Pissara, sócio-fundadora da VEVO Brasil e produtora da Music2, empresa apoiadora da plataforma. No mercado musical digital desde os anos 1990, quando trabalhava com ringtones na Nokia, Fatima sempre buscou criar projetos na área – sendo uma das pouquíssimas mulheres nesse meio até então –, e quando conheceu o WME, viu nele uma grande oportunidade de mudança nesse mercado. “Quando vi o post do WME, eu pensei: ‘Cara, eu quero fazer um prêmio dessa plataforma’. Aí eu vi que a Monique já tinha me mandado uma mensagem querendo uma reunião comigo”, explica. Daí, Fátima, Monique e Claudia se aventuraram em fazer o WME Awards 2017 em cerca de alguns meses, e deu certo.

A premiação teve mudanças importantes este ano, como por exemplo o surgimento de novas categorias. Claudia Assef conta que a ideia de transformar o prêmio de Melhor Música em Melhor Música Popular e Melhor Música Alternativa veio da ideia de que os dois mundos ainda são incomparáveis em termos de plays e visualizações: “A gente está falando, de um lado, de artistas que conversam com seus nichos e conversam muito bem, que são enormes dentro dos seus nichos, dos seus estilos musicais, e do outro lado, artistas que são totalmente pop e que conversam com a massa”. Monique Dardenne explica que a categoria de Melhor Compositora deveria ter entrado antes, mas que é tão importante quanto as outras. “A mulher, até 30 anos atrás, não podia assinar suas composições. Então é um incentivo e uma visibilidade pra essas mulheres que estão compondo e que as pessoas acham que são só intérpretes. Está na hora da gente realmente mostrar que a mulher em cima do palco não só interpreta: ela compõe, ela pode estar gravando os instrumentos, ela pode ser uma empreendedora, ela pode estar gerindo a própria carreira”, analisa. Por fim, também tem a categoria inédita Escuta As Minas, derivada de um projeto que o Spotify faz para fomentar o trabalho de artistas mulheres dentro da plataforma. “É como se fosse uma revelação independente de mulheres que estão surgindo no mercado agora”, diz Monique.

Luiza Lian acredita que, para continuar acontecendo esse movimento de inserção e valorização de mulheres na indústria da música, é necessária uma transformação nas estruturas musicais, tanto educacional quanto na busca de novos talentos: “É necessário mudar como você estimula esses novos talentos e como que a gente consegue transformar as misoginias presentes em todos os lugares, não só nesse meio, que é tão masculino, mas também entre as próprias mulheres”. Fatima concorda com Luiza e acrescenta que, a presença de mulheres no mercado de trabalho num âmbito geral melhorou, mas que vai mudar conforme forem surgindo as novas gerações. “Com o acesso a informação, vai ser muito mais difícil uma mulher de 10 anos falar: ‘Ah, não vou fazer faculdade porque vou ser dona de casa’. Ela tem acesso à informação, elas tão vendo que as mulheres tão crescendo, progredindo, conquistando seu espaço, então acho que vai ter uma grande virada aí no mercado pra mulher. Mas ainda é pequeno, ainda existe preconceito, ainda existe um mercado muito machista que acaba menosprezando o que a gente faz”, declara.

Pitty lidera indicações / Foto de Fernando Yokota, Scream & Yell

O Women’s Music Event promete algumas novidades para o ano que vem. Uma delas é o lançamento, em janeiro, do banco de talentos, já presente no site da plataforma, em formato de aplicativo, com patrocínio da Budweiser. E a outra novidade é o primeiro festival do WME, previsto para o mês de junho.

A escolha das vencedoras do WME Awards 2019 se deu, em algumas categorias, através do voto popular, que ocorreu entre os dias 17 de outubro e 22 de novembro no site da plataforma, e em outras através de um júri técnico, composto por mais de 150 embaixadoras espalhadas por todas as regiões do Brasil. Como cada edição do WME Awards tem uma homenageada da noite, esse ano será a vez da cantora Gal Costa. A premiação também celebra o legado de alguma artista que já faleceu, e essa edição de 2019 prestará homenagem à sambista Beth Carvalho (Rita Lee e Helena Meirelles foram as homenageadas do primeiro WME Awards, em 2017, e em 2018, Elza Soares e Ivone Lara).

Confira as categorias:

Voto Popular

01- Melhor Álbum
Pitty – “Matriz”
Lauana Prado – “Verdade’
Luiza Lian – “Azul Moderno”
Anavitória – “O Tempo é Agora”
Céu – “Apká”

02- Melhor Cantora
Iza
As Bahias e a Cozinha Mineira
Ludmilla
Pitty
Céu

03- Melhor DJ
Badsista
Anna
Cashu
Ice Cream Girls
Eli Iwasa

04- Melhor Música Popular
Marília Mendonça – “Bebi, Liguei”
Luísa Sonza – “Boa Menina”
Pocah – “Não Sou Obrigada”
Anitta, Ludmilla e Snoop Doog feat Papatinho – “Onda Diferente”
Yasmin Santos – “Para, Pensa e Volta”

05 – Melhor Música Alternativa
Mc Tha – “Rito de Passá”
Duda Beat – “Bichinho”
Luiza Lian – “Sou Yabá”
Pitty – “Noite Inteira”
Adriana Calcanhoto – “Margem”

06 – Melhor Videoclipe
Mil Mulheres – “Luiza Lian”
Pitty – “Ninguém é de Ninguém”
Xenia França – “Nave”
Luísa Sonza feat. Pabllo Vittar – “Garupa”
Iza – “Brisa”

07 – Revelação
Malía
MC Tha
Giulia Be
Yasmin Santos
Tuyo

Júri Técnico

08- Escuta as Minas
Categoria apresentada pelo Spotify.
Josyara
Raissa Fayet
Jéssica Caitano
Nina Oliveira
Ana Frango Elétrico

9- Melhor Diretora de Videoclipe
Joyce Prado
Aline Lata
Ellen Faria
Camila Maluhy
Gabi Jacob

10 – Empreendedora do Ano
Categoria apresentada por Eqlibri
Cris Falcão
Ana Garcia
Amanda Oliveira
Guta Braga
Fabiana Batistela

11- Melhor Instrumentista
Josyara
Jadsa
Karina Buhr
Sintia Piccin
Alessandra Leão

12- Melhor Jornalista Musical
Fabiane Pereira
Kamille Viola
Adriana Couto
Danila Moura
Adriana de Barros

13- Melhor Produtora Musical
Mahmundi
Erica
Monica Agena
Malka
Apuke Beat

14- Melhor Radialista
Patricia Dinis (Alpha FM)
Isabela Azevedo (EBC Brasília)
Fabiane Pereira
Erica Saraiva (Transamérica Salvador)
Luka (89 FM)

15- Melhor Show
Duda Beat
Karina Buhr
Marília Mendonça
Anavitória
Maria Bethânia

16- Melhor Compositora
Tulipa Ruiz
Duda Beat
Bibi
Karina Buhr
Wynnie Nogueira

A premiação será no dia 3 de dezembro (terça-feira), às 21h no Audio Club, em São Paulo, com cerimônia fechada para convidados. Haverá transmissão ao vivo pelo canal TNT.

– Ananda Zambi (@anandazambi) é jornalista e editora do Nonada – jornalismo travessia. Nas horas vagas, também brinca de fazer música.”

One thought on “Women’s Music Awards chega a sua 3ª edição maior e mais diversa

  1. Não entendo por que Pitty entra nesses prêmios, ela já tem a rede globo para se promover, tem aparição a todo momento, tem visibilidade, tem beleza padrão que reforça branquitude e tradição familiar (só encher o corpo de tatuagem não faz de você bicho solto meu bem) tudo que ela já era e poderia ser por causa do seus privilégios desde sempre apesar do machismo e da misoginia estrutural, por que não deixar as estrelinhas para a globo e elevar as minas que não podem competir com a Pitty que foi a escolhida pela mídia de massa para ser a cara da indústria nessa geração? Por que não valorizar as mulheres que construíram e constróem coletivamente com outras mulheres ao invés da estrela da GNT que senta no sofá da tv para repetir o óbvio e ser aplaudida pela militância de internet enquanto na prática não faz nada, não se envolve, não constróe, não quer ninguém roubando seu holofote na grande mídia? Não entendo………………

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.