Em Salvador: Louis Malle e a desconstrução da “politesse” francesa

por Adolfo Gomes

Não havia tema ou abordagem que intimidasse Louis Malle. O realizador francês ao longo de mais de quatro décadas de cinema tratou de tudo que o interessasse em seus filmes, com “delicadeza”, mas jamais se rendeu às imposições da “politesse”, tão habitual à regra do jogo burguês, sobretudo em seu País natal. Cineasta é destaque no Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador, com a exibição de quatro filmes entre 31 de outubro e 6 de novembro.

Malle estreou com “Ascensor para o Cadafalso” em 1957, filmou o “despertar” da consciência e busca pelo prazer feminino – no tempo em que infelizmente isso ainda era tabu – em “Os Amantes”(1958); abordou o suicídio (“Trinta Anos Esta Noite”, lançado em 1963), o incesto em “O Sopro do Coração”(1971); o colaboracionismo francês durante a ocupação nazista com “Lacombe Lucien” (1974); a prostituição e a pedofilia na sua estreia no cinema norte-americano – “Menina Bonita”(1978) -, o antissemitismo no memorialístico “Adeus Meninos”(1987) e por aí seguiu até sua morte em 1995.

Assistente de direção de Robert Bresson no singular “Um Condenado à Morte Escapou” (1956), Malle, tal e qual o “mestre” e posterior desafeto; trilhou caminho próprio e, de alguma forma, solitário – tanto que, a despeito de ser contemporâneo da chamada “geração nouvelle vague”, nunca se filiou diretamente ao movimento.

Como Rimbaud, se não perdeu a vida (“Canção da Mais Alta Torre”), fez dela um permanente desafio – e do cinema sua expressão mais inquieta, inconformada.

Reencontrar sua obra, é encarar um olhar frontal sobre nós mesmos; a respeito, sobretudo, do que negligenciamos e preferimos deixar passar, como se não percebêssemos sua incômoda existência. Entre outras coisas, os filmes de Malle se insurgem contra a hipocrisia e a condescendência – essa “(…)Inútil beleza/A tudo rendida”, conforme conjurada pelo poeta.

Consulte a programação completa em http://coisadecinema.com.br/xv-panorama/

– Adolfo Gomes é cineclubista e crítico de cinema filiado à Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.