Faixa a faixa: “Titanium”, de Tita Lima

introdução por Marcelo Costa
Faixa a faixa por Tita Lima

Nascida em São Paulo, Tita Lima viveu no Rio até os 13 anos. Foi orientada ao piano por sua avó paterna e mais tarde aprendeu a tocar baixo com seu pai, Liminha, produtor e ex membro d’Os Mutantes. Estudou cinema com o intuito de se tornar diretora de fotografia, mas um dia foi chamada para cantar e produzir uma trilha sonora e foi aí onde ela realmente se encontrou. Dai vieram “11:11” (2007) e “Possibilidades” (2010). Seu terceiro disco, “Titanium” (2019), conta com uma das últimas contribuições do produtor Carlos Eduardo Miranda.

O longo hiato entre “Possibilidades” e “Titanium” tem relação com um grave acidente que Tita sofreu em 2015, e a longa recuperação posterior. “O titânio não só representa a resistência, ele também foi usado para reconfigurar o lado direito do meu corpo sendo implantado na minha perna, ombro e braço. Sinto-me fortalecida, com mais mobilidade e totalmente grata por andar e dançar de novo”, conta Tita. “Usei essa longa pausa para fortalecer meu apreço pela vida e pela música”.

Morando atualmente no deserto de Joshua Tree, na Califórnia, após mudar-se para os Estados Unidos com apenas 300 dólares no bolso (“Estava de saco cheio da dureza que passava no Brasil”), Tita gravou “Titanium” com banda ao vivo no estúdio Plug In, em SP, e levou o disco para Los Angeles onde foram feitos os retoques finais de percussão, sopros, baterias, mixagem emasterização, com colaboração de Alexandre Bursztyn (ex-Móveis Coloniais de Acajú), Pancho Trackman e Peter Pedro.

No faixa a faixa abaixo, Tita Lima conta sobre todas as parcerias do disco (das 10 faixas, apenas uma não traz seu nome entre os créditos de composição) e rememora a produção de Miranda, entre outros detalhes. Confira!

Faixa a faixa de Titanium, por Tita Lima

Pioneira
(Adrian Quesada/ Tita Lima / Fernando Torrico)
Escrevi quando tomei a decisão de me mudar para os EUA, na época eu estava entrando para uma banda chamada The Echocentrics, radicada em Austin, Texas. Estava de saco cheio da dureza que passava no Brasil e me mudei com 300 dólares no bolso, apostando todas as fichas e mergulhando com tudo.

Sweet Sunday
(Peter Pedro e Tita Lima)
O Peter Pedro me deu a base, bateria e syntch, aí coloquei a slide guitar e percussão, o trombone é dele. A letra fala sobre a saudade de um grande amigo, daqueles que você telefona no domingo quando está triste ou saudosa, mas esse amigo na época havia me bloqueado nas redes sociais a mando da nova esposa que era super ciumenta e a letra fala sobre um possível reencontro, mas que nunca aconteceu .

Cais
(Tita Lima, BOSQ, Evan Laflamme)
Essa música escrevi indo para uma festa de réveillon em Paraty, na ilha do Sapeca, aquelas festas históricas que a gente nunca esquece. Eu tinha vinte e poucos anos, não era mãe ainda, era livre como uma pluma e estava entre amigos maravilhosos. Uma das minhas viagens de ácido que deixam as cores mais vivas e os sentimentos mais aguçados. Eu guardei o refrão na cabeça e usei quando Evan Laflame e Bosq me trouxeram um loop como base.

Solitária Solidão
(Adrian Quesada e Tita Lima)
Adrian Quesada, da banda Echocentrics, escreveu a base e o Miranda desconfigurou o arranjo original totalmente. A música tem uma vibe dark e de revolta, a letra fala sobre um dia chuvoso e sobre as chuvas em São Paulo que destroem casas e alagam bairros, deixando muita gente desabrigada e sem nenhum suporte.

Bittersweet
(Ili Naldekova e Tita Lima)
Eu tinha a base e o refrão na cabeça prontos e mandei para Ili , musicista brasileira/ búlgara radicada em Los Angeles que escreve lindamente em inglês. Gravamos literalmente tudo em um take, eu queria que fosse assim, a primeira valendo! A música fala sobre a contradição de ter um relacionamento à distância.

Beijo Seus Lábios
(Baron Retif, Concepcion, Silvia Vasconscellos e Tita Lima)
Essa letra foi um poema escrito por Silvia Vasconcellos (Minadosom) que, para mim, significava o assassinato de um amante. A original dizia sangue escorrendo e eu cantei sangue esquentando porque não me sentia confortável com a imagem que a letra me trazia. A base é de Baron Retif, C Perez, amigos do produtor francês Fulgeance. Os barítonos sax e clarinete foram todos tocados lindamente por Eva La Flamme.

Go Beyond
(Peter Pedro e Tita Lima)
Go Beyond é tudo que precisava ouvir após o meu acidente. Durante os dias de dores, aprendi a meditar e a colocar minha mente em lugares lindos que meu corpo não podia ir.

Novidade
(Ricardo Kudla, Cris Cado e Tita Lima)
Música e letra original de Ricardo Kudla, minha e de Cris Cado. Fizemos a letra da parte em inglês que encaixou perfeitamente. A letra fala sobre estar no pico da meia idade, feliz e satisfeito com a rotina, rodeado por experiências e pessoas incríveis. Fala sobre focar no positivo para se ter beleza e abundância diariamente. Arranjos de Miranda, adoro os teclados e a guitarra dessa música!

El Amor Del Perro Por La Paloma
(Tita Lima, Liminha, Guilherme Held)
Música do meu pai que era pra ser uma bossa, mas Miranda mudou o arranjo trazendo uma vibe pop anos 80. A letra fala sobre amores platônicos, é a paixão de um cachorro que sonha em ter asas para voar e ter um romance com uma pomba.

Você sabe muito bem o que me resta
(Saulo Duarte e Daniel Groove)
Essa faixa foi amor à primeira vista (escuta). A versão que Miranda e eu fizemos teve influência de Korgis 1970, everybody ‘s got learn sometimes. E a letra por coincidência fala também sobre o auto conhecimento e aprendizado de cada um em situações de vulnerabilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.