Literatura: “Valsa Brasileira: Do Boom ao Caos Econômico”, Laura Carvalho

por Adriano Mello Costa

“Como a economia de um país continental evoluiu, em apenas sete anos, da euforia de um cenário de crescimento bem acima da média das últimas décadas, com vigorosa geração de empregos formais e alguma redução das desigualdades, para uma das maiores crises de sua história?”

O questionamento acima está no início de “Valsa Brasileira: Do Boom ao Caos Econômico”, primeiro livro da Laura Carvalho, doutora em economia pela New School for Social Research e professora da USP. Publicação da Todavia Livros de 2018, com 192 páginas, “Valsa Brasileira: Do Boom ao Caos Econômico” tenta não somente responder a essa primeira pergunta, como também elucidar para o leitor os anos da nossa economia do final do segundo governo FHC até o governo de Michel Temer.

A autora divide a parte principal em três pontos: 1) O Milagrinho Brasileiro, onde versa sobre esse final do FHC e os ótimos anos de Lula como presidente 2) A Agenda Fiesp, sobre os primeiros quatro anos de Dilma Rousseff e 3) A Panaceia Fiscal, tratando do segundo governo da presidenta Dilma interrompido pela palhaçada do impeachment e a transição para o governo Temer. Nos capítulos “Acertando os Passos” e “Dançando com o Diabo”, a autora traz considerações, reflexões e possíveis caminhos para o futuro.

“Valsa Brasileira” é um livro importantíssimo para expor e explicar os fatos que levaram a (provavelmente) pior crise econômica que atravessamos (e ainda não saímos). Com foco na parte econômica, mas sem deixar de levar em consideração toda política, como também a influência de alguns setores poderosos nas tomadas de decisões, Laura Carvalho coloca de modo didático e da maneira mais simples possível suas colocações, estendidas ainda em mais de 120 notas de rodapé, tão interessantes quanto o texto principal.

Passa pelo grande avanço que o país obteve na década passada ancorado na alta dos preços das commodities exportadas (petróleo, minério e soja), mas não somente por isso. A política econômica do governo Lula distribuiu renda na base da pirâmide (via o Programa Bolsa Família, por exemplo, que em 2010 atendia mais de 12 milhões), proporcionou mais acesso a crédito, valorizou o salário mínimo e aumentou consideravelmente os investimentos públicos em infraestrutura tanto física quanto social (que em contrapartida estimularam investimentos privados). A redução da pobreza e da desigualdade de renda mudaram o padrão de consumo da sociedade, com a inclusão de uma parcela significativa da população nesse mercado.

O ciclo de alta das commodities encerrou em 2011 contribuindo para a trágica performance da economia nacional nessa década, junto com uma instabilidade política apavorante e medidas do governo de Dilma Rousseff que, para a autora, se provaram desastrosas, como a contenção de investimentos públicos, desvalorização da moeda, redução da taxa de juros, dezenas e estapafúrdias desonerações tributárias e o BNDES expandido em demasia agindo como ator principal. Foram decisões que cumpriram exigências das elites empresariais e financeiras e pioraram a situação mais e mais (elites que depois tiraram a presidenta do poder de modo circense e patético para capturarem de novo o país).

O descrito no parágrafo acima aumentou de modo alarmante com o advento do governo Temer – e depois a extensão calamitosa para o atual mandatário da nação – criando o que a autora chama de “hipocrisia fiscal” onde tivemos vendas de ilusões, mentiras institucionais, punição direta das classes mais baixas que estão novamente sufocadas e a aprovação de legislações sem reflexo permanente para o processo de retomada, deixando o país ainda patinando e caindo. Uma crise não tem causa única e é preciso rever o que deu errado até aqui, mas isso não parece ser do interesse de quem comanda, já que os ricos estão mais ricos e os remédios mágicos que vivem alardeando nos seus planos não trazem quaisquer resultados.

Em determinada passagem no final do livro, Laura Carvalho fala que “a política de desenvolvimento produtivo, assim como todos os demais elementos da política econômica, não deve ser moldada pelo interesse de grupos econômicos específicos, e sim por uma análise dos benefícios gerados para o conjunto da sociedade”. Nada mais justo e verdadeiro e que deveria ser o sustentáculo inviolável de todo governo e seus órgãos, contudo, tirando alguns anos da nossa história, isso foi feito de modo esporádico e excepcional. E sofremos por isso.

Nota: 9,5

– Adriano Mello Costa assina o blog de cultura Coisa Pop ( http://coisapop.blogspot.com.br ) e colabora com o Scream & Yell desde 2009!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.