Quadrinhos: “Últimos Deuses”, “Adagio”, “Gideon Falls – Volume 1: O Celeiro Negro” e “Bone 1 – O Vale ou Equinócio Vernal”

Resenhas por Adriano Mello Costa

“Últimos Deuses”, de Eric Peleias e Hiro Kawarara (Independente)
Com campanha de financiamento coletivo na viabilização, “Últimos Deuses” foi publicado em 2018 de maneira independente, com roteiro e letras de Eric Peleias (de “Até o Fim”) e Hiro Kawarara (de “O Bestiário Particular de Parzifal”) na arte e cores. Os dois conduzem bem o trabalho, com destaque maior para os planos e soluções visuais desenvolvidos por Hiro. A trama tem como alicerce deuses antigos que já não são o que eram e se encontram sozinhos, enfraquecidos e passando por perrengues que nunca imaginariam. Alguns deles insatisfeitos com isso embarcam em uma missão nada nobre de acordar uma forte divindade que lhes promete devolver o brilho de outrora, desde que lhe deem a chance de se vingar de Odin. Mesmo que a premissa de deuses perdendo divindade não seja tão original assim, a dupla criadora narra uma boa aventura em quadrinhos com ação e alguns questionamentos, indicando uma possível sequência no final.

Nota: 6

“Adagio”, de Felipe Cagno (AVEC Editora)
Lançado em dezembro de 2018 na CCXP, “Adagio”, de Felipe Cagno (de “The Few And Cursed”), tem 112 páginas em papel couché. A obra teve campanha de financiamento coletivo, publicação posterior pela AVEC Editora e foi incentivada pelo ProacSP. Com arte de Sara Prado e Bräo, cores da Natália Marques e letras de Deyvison Manes, o roteiro mergulha de cabeça na ficção científica em uma história que tem relevantes correlações com os caminhos que nossa sociedade vem trilhando. Os fatos são ambientados em 2067 onde uma rede social chamada Adagio toma conta do mundo. Nela, os usuários postam os sonhos e correm desesperadamente atrás de interações sendo esse o entretenimento quase absoluto dessa era. Kaya é uma das pessoas que buscam virar sucesso a qualquer custo, mas quando isso acontece não é bem como ela pensava. Conversando sobre solidão, futilidade social e vazio espiritual temos mais um ótimo trabalho nacional.

Nota: 8

“Gideon Falls – Volume 1: O Celeiro Negro”, de Jeff Lemire (Editora Mino)
Jeff Lemire é provavelmente o maior nome dos quadrinhos da atualidade, conseguindo se destacar tanto com heróis conhecidos como em trabalhos autorais. No Brasil, o autor aparece com frequência nos últimos anos (e isso é excelente), sendo que “Gideon Falls – Volume 1: O Celeiro Negro” é mais um exemplo disso. Sucesso nos EUA, o trabalho feito com Andrea Sorrentino na arte – repetindo a parceria que brilhou em “O Velho Logan” – ainda conta com as cores do grande Dave Stewart. Com 160 páginas, capa dura e publicação em 2018 pela Editora Mino, o trio apresenta uma trama de terror onde os fatos são apresentados sem muita pressa, dando ao leitor aquela sensação tensa de suspense sobre o que virá. Entrelaçando os destinos de um jovem com uma estranha mania e um padre que tem a derrota como fiel amiga, apresentam uma história envolvente que só tende a crescer mais.

P.S: O segundo volume também será publicado pela Mino!

Nota: 8,5

“Bone 1 – O Vale ou Equinócio Vernal”, de Jeff Smith (Todavia Livros)
E lá vamos nós de novo e outra vez para mais um capítulo da saga de “Bone” no Brasil (e que ao que tudo indica parece ser o final feliz). A obra-prima do quadrinista Jeff Smith já foi publicada no Brasil pela Via Lettera e HQM Editora, mas nunca de maneira completa. Agora a casa nacional dos primos Fone, Phoney e Smile é a Todavia Livros que em 2018 lançou uma edição com as cores de Steve Hamaker e 448 páginas reunindo os 20 primeiros números da série que saíram nos EUA entre julho de 1991 e outubro de 1995. Vencedora de dezenas de prêmios importantes, “Bone” é o tipo de obra que agrada e emociona até mesmo quem não gosta de quadrinhos. A aventura dos primos no misterioso Vale é repleta de ação, humor variado, fantasia e tragicomédia enquanto apresenta personagens repletos de brilho e criaturas pra lá de exóticas. Obra imprescindível.

P.S: A Todavia lançará o restante da série em mais dois volumes.

Nota: 9,5

– Adriano Mello Costa assina o blog de cultura Coisa Pop ( http://coisapop.blogspot.com.br ) e colabora com o Scream & Yell desde 2009!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.