Cinema: 10 países, 10 filmes de terror

por M. R. Terci

Quando eu era apenas um guri, os filmes de terror na TV eram assustadores e fascinantes. À noite, todos esses filmes me levavam a crer que havia alguma coisa espreitando no escuro do meu quarto. Minha imaginação dava voltas! Mas com o passar do tempo, à medida que fui confrontando esses temores, fui me apaixonando por eles. O fascínio então virou minha grande paixão e eu nem imaginava, àquela época, que pudesse existir tantos guris como eu.

Porém, o horror possuí um fascínio inigualável e sabe unir as pessoas. A propósito, casa muito bem com os auditórios escuros das salas de cinema. Nenhum outro gênero oferece a mesma antecipação misteriosa. O cinema é nosso lugar comum, é o quarto escuro onde nós, guris e gurias, nos reunimos para ver nossa imaginação coletiva dando voltas na grande tela. 

Nossos pesadelos mais íntimos ajudaram a moldar o sonho que compartilhamos e foram as influências artísticas e históricas que contribuíram para a consolidação do gênero horror no cinema. Da literatura romântica gótica, passando pelos movimentos artísticos dos séculos XIX e XX associadamente à sociedade sobrevivente da primeira guerra, todos esses fatores acarretaram o fenômeno que, influenciado pela estética do expressionismo alemão, perpetuaram o gênero como um dos mais populares da atualidade.

Atualmente, as obras do horror estão entre os livros mais vendidos, as maiores arrecadações de bilheteria e os picos mais altos de audiência em TVs e plataformas de streaming. O fascínio virou romance e, hoje em dia, o horror é um dos gêneros mais universais. Uma espécie de religião que une os povos de todas as nações, justamente porque ultrapassa barreiras geopolíticas, étnicas e temporais.  Como exemplo, a lista de filmes abaixo passeia pelo globo representando a universalidade do gênero. O cinema do horror é nosso quarto escuro e, nesse quarto escuro, qualquer que seja sua nacionalidade, você é apenas um guri.

Titulo Original: “Aterrados”, de Demian Rugna (Argentina/2017)
Titulo Nacional: “Aterrorizados”
Um conceituado grupo de pesquisadores paranormais é chamado por um delegado de polícia para investigar estranhos eventos que assolam um bairro de Buenos Aires. Eles conseguirão resolver o mistério antes que esse terrível mal destrua a existência humana como conhecemos?

Titulo Original: “The Thing”, de John Carpenter (EUA/1982);
Titulo Nacional: “O Enigma do Outro Mundo”
Antártica, inverno de 1982. Numa remota estação no gelo estão 12 cientistas que observam com espanto um helicóptero norueguês invadir o espaço aéreo da estação e tentar de todas as formas matar um cão desgarrado de sua matilha. Um enigma biológico que pode prenunciar a mais devastadora e ameaçadora invasão contra o planeta Terra.

Titulo Original: “Trolljegeren”, de André Øvredal (Noruega/2010)
Titulo Nacional: “O Caçador de Troll”
Enquanto investigam denúncias de extermínio de ursos no norte do país, três estudantes de jornalismo acabam descobrindo a existência de criaturas lendárias sendo mortas por um homem a pedido do governo norueguês.

Titulo Original: “Ju-on”, de Takashi Shimizu (Japão/2002);
Titulo Nacional: “O Grito”
No Japão, dois terríveis espíritos vingativos assombram, atormentam e matam qualquer um que entre na casa onde eles morreram: Kakayo, uma mulher assassinada pelo marido, e seu filho pequeno, Toshio.

Titulo Original: “El Orfanato”, de Juan Antonio Bayona (Mexico/2007);
Titulo Nacional: “O Orfanato”
Laura cresceu em um orfanato. Após seu casamento, ela adota Simón. Os três passam a morar na antiga casa que servia como orfanato. Depois que Simón desaparece misteriosamente, Laura começa a ouvir vozes. Ela acredita que podem ser vozes de espíritos, e são os únicos que podem ajudá-la a encontrar seu filho.

Titulo Original: “Suspiria”, de Dario Argento (Itália/1977)
Titulo Nacional: Suspiria
Suzy é uma jovem americana chega em Fribourg, na Suiça, para fazer cursos em uma academia de dança de prestígio. A atmosfera do lugar, estranha e perturbadora, acaba surpreendendo a garota. Aos poucos a jovem vai descobrindo que o local já pertenceu a uma bruxa conhecida como a Mãe dos Suspiros.

Titulo Original: “REC”, de Jaume Balagueró (Espanha/2007)
Titulo Nacional: REC
Uma jornalista e seu cinegrafista acompanham e filmam, do alto de dentro de um edifício em quarentena, o surto de uma doença incontrolável que transforma humanos em canibais perversos.

Titulo Original: “Låt den rätte komma in”, de Tomas Alfredson (Suécia/2008);
Titulo Nacional: “Deixe Ela Entrar”
Oskar é um menino sueco de 12 anos que sofre bullying na escola. Quando se apaixona pela vizinha Eli, ele ganha forças para lutar, mas descobre que a menina tem um segredo.

Titulo Original: “The House That Jack Built”, de Lars von Trier (Dinamarca/2018)
Titulo Nacional: “A Casa Que Jack Construiu”
Em um período de 12 anos, Jack é um ardiloso assassino em série de mulheres que tem um único objetivo sangrento a cumprir: executar o crime perfeito, sem deixar nenhum tipo de rastro, enquanto constrói a casa perfeita.

Titulo Original: “Shutter”, de Banjong Pisanthanakun (Tailândia/2004)
Titulo Nacional: “Espíritos – A Morte está ao Seu Lado”
Depois de atropelar uma jovem, Jane e seu namorado fotógrafo começam a ver uma figura sombria em suas fotos. Preocupada, Jane descobre que ela é uma ex-colega de Tun e desvenda um segredo chocante.

M. R. Terci é escritor, roteirista e poeta. É o criador da série “O Bairro da Cripta”, lançada anteriormente pela LP-Books e que reforçou seu nome como um dos principais autores brasileiros de horror da atualidade. Com base em fatos históricos, Terci substitui os castelos medievais pelos casarões coloniais, as aldeias de camponeses pelas cidadezinhas do interior, os condes pelos coronéis e as superstições por elementos de nosso folclore e crendices populares, numa transposição do gótico para a realidade brasileira. Conheça: https://www.mrterci.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.