ContraFM: Roque da Casa 01 e 02

por Bruno Capelas

Hoje, Portugal parece estar na moda – quantos amigos no seu feed do Instagram postaram fotos comendo um pastel de belém (ops, de natas!) ou um Porto-Tônica nos últimos tempos? Mas nem sempre foi assim: durante décadas, Portugal era, para muita gente, sinônimo de um país atrasado e pouco atraente, especialmente em termos de cultura. E ainda agora, mesmo com Marcelo Camelo e Madonna indo morar em Lisboa, pouco sabe-se da música portuguesa por aqui para além de Roberto Leal e, quem sabe, Amália Rodrigues.

O Scream & Yell vem, há muito tempo, tentando mudar isso: há muita música boa do outro lado do Atlântico, cantada (ou não) em português. Do pop ao post rock, do fado ao hip hop, a produção musical lusitana está em uma de suas melhores fases. Roque da Casa, veiculado pela Contra.fm e disponível em playlists comentadas no Spotify e no Deezer, é um programa para apresentar boa parte dessa produção (e também de canções de outras décadas) aos ouvintes brasileiros. A produção é apresentada por Bruno Capelas, que além de descendente de lusos com bigode que até faz a curva, morou em Portugal e até hoje escreve para o Scream & Yell trocando a gramática brasileira pela lusa. Fogo!

O formato é simples: são seis canções, divididas em dois blocos curtos que apresentam os artistas e porque aquelas músicas devem ser escutadas. Nos dois primeiros episódios, duas pedras fundamentais do pop português. O primeiro é dedicado a Antonio Variações, um dos primeiros artistas gays de Portugal, dono de uma mistura única da música tradicional lusitana com o pop da época. Já o segundo encarta o Deolinda, que ajudou a mostrar, no final dos anos 2000, que o fado e o pop falam a mesma língua e servem de cama para algumas das melhores letras escritas em português neste século, cortesia de Pedro da Silva Martins, um letrista de mão cheia.

Para os próximos programas, outros nomes que já apareceram bastante aqui no Scream & Yell, como The Legendary Tigerman, Linda Martini, Diabo na Cruz ou Ornatos Violeta. Adiante, que há muita terra – e música – à vista. Ouça abaixo os dois primeiros, disponíveis nos players Spotify e Deezer!

ROQUE DA CASA #01 – Antônio Variações

Roque da Casa 1, Bloco 1
– ANTONIO VARIAÇÕES – “É P’ra Amanhã” (do álbum “Anjo da Guarda”, 1983)
– ANTONIO VARIAÇÕES – “Sempre Ausente” (do álbum “Anjo da Guarda”, 1983)
– ANTONIO VARIAÇÕES – “…O Corpo é Que Paga” (do álbum “Anjo da Guarda”, 1983)

Roque da Casa 1, Bloco 2
– ANTONIO VARIAÇÕES – Estou Além (single, 1982)
– TIAGO BETTENCOURT – Canção de Engate (do álbum “Acústico”, 2012)
– DEOLINDA – “As Canções Que Tu Farias” (do álbum “Outras Histórias“, 2016)

ROQUE DA CASA #02 – Deolinda

Roque da Casa 2, Bloco 1
– DEOLINDA – “Mal Por Mal” (do álbum “Canção ao Lado”, 2008)
– DEOLINDA – “Canção ao Lado” (do álbum “Canção ao Lado”, 2008)
– DEOLINDA – “Garçonete da Casa de Fado” (do álbum “Canção ao Lado”, 2008)

Roque da Casa 2, Bloco 2
– DEOLINDA – “Um Contra o Outro” (do álbum “Dois Selos e Um Carimbo”, 2010)
JENNIFER SOUZA – “Parva Que Sou” (do álbum “Faixa Seis“, 2017)
– DEOLINDA – “Nunca é Tarde” (do álbum “Outras Histórias“, 2016)

– Bruno Capelas (@noacapelas) é jornalista do caderno Link, de O Estado de São Paulo. Colabora com o Scream & Yell desde 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.