Música: “Moonglow”, Avantasia

Texto por Paulo Pontes

“Moonglow”, Avantasia (Nuclear Blast/Shinigami Records)

Um projeto que em 2019 completa 20 anos e que se tornou um dos grandes nomes do heavy metal mundial — talvez a ópera rock mais bem sucedida da música pesada —, o Avantasia, liderado pelo vocalista Tobias Sammet (Edguy), acaba de lançar seu oitavo disco de estúdio: “Moonglow” (2019). Em recente entrevista concedida à revista Roadie Crew, Tobias comentou que “cada música é um capítulo sobre uma criatura que foi jogada no mundo, mas que não consegue encontrar o seu lugar. Ela não consegue se conectar com o meio ao seu redor, então busca abrigo no lado mais escuro”.

Nos vocais, além do próprio Tobias Sammet, há uma seleção de estrelas (pra variar): Michael Kiske (Helloween), Bob Catley (Magnum), Ronnie Atkins (Pretty Maids), Jorn Lande (Masterplan), Eric Martin (Mr. Big), Geoff Tate (ex-Queensryche), Hansi Kursch (Blind Guardian), Candice Night (Blackmore’s Night) e Mille Petrozza (Kreator).

“Ghost in the Moon” abre o álbum com uma belíssima introdução de piano acompanhada da voz de Sammet, em uma ótima interpretação. A música cresce com o auxílio de um coral gospel formado por estadunidenses, africanos e holandeses, e que está acostumado a cantar nas mais diversas apresentações da Broadway realizadas na Alemanha. O refrão é grandioso, potente e tem a cara da banda. Na sequência, “Book of Shallows” traz dois estreantes no projeto: Hansi Kursch e Mille Petrozza. Destaque para o segundo, que acrescenta muito com seu timbre característico. Trata-se da inserção de um novo elemento ao som do Avantasia, que deixa a música muito mais pesada da metade pra frente.

A faixa-título, segundo single do disco, nos apresenta a terceira voz a cantar pela primeira vez no projeto de Tobias Sammet: Candice Night, famosa por seus discos ao lado do marido e ex-Deep Purple Ritchie Blackmore. “Moonglow” é uma canção bonita e com um apelo mais comercial. Escolha óbvia para single. Não tão óbvia foi a escolha do primeiro single do disco. “The Raven Child”, divulgada ainda no final de 2018, tem mais de 11 minutos e concentra elementos que os fãs de Avantasia adoram. Ela é épica, recheada de variações rítmicas e conta com uma carga extra de influência da música celta. Aqui temos mais uma vez o vocalista do Blind Guardian, além de Tobias e Jorn Lande — como canta esse homem. Uma das melhores. Já “Starlight” é um Power Metal modesto e, provavelmente, passará despercebida. Apesar da excelente voz de Ronnie Atkins, não acrescenta muita coisa.

Geoff Tate surge em duas faixas seguidas, a emotiva “Invincible” — com uma interpretação brilhante, há muito não vista por parte de Tate —, que serve como uma espécie de introdução para “Alchemy”, uma mistura de metal tradicional com toques de Pop e um refrão forte. Geoff Tate ainda canta muito e sua voz encaixou perfeitamente em ambas as canções. Então temos a faixa que reúne o maior número de vocalistas. Cinco vozes se dividem em “The Piper at the Gates of Dawn”, um power metal vigoroso, rápido e que agradará em cheio aos que sentem falta da sonoridade apresentada pelo Avantasia em seus dois primeiros trabalhos, “The Metal Opera” (2001) e “The Metal Opera Part II” (2002).

O líder da banda Magnum, Bob Catley, coloca sua voz em “Lavender”, hard rock até certo ponto envolvente e acessível. Apenas uma boa música. Em seguida, “Requiem of a Dream”, mais um power metal rápido, agora com Michael Kiske — uma das vozes referência do estilo e grande influência de Sammet. A música remete à sonoridade praticada pela banda de Kiske e traz um poderoso groove de baixo.

A grande surpresa fica para a excelente versão da música “Maniac”, sucesso da trilha sonora do filme “Flashdance”, de 1983, originalmente gravada por Michael Sembello. Na atual versão do Avantasia, Tobias divide os vocais com Eric Martin — um dos maiores vocalistas de hard rock do final da década de 1980, início de 1990 —, transformando a música em um heavy rock de primeira. “Maniac” encerra a versão regular de “Moonglow” de maneira digna de aplausos (a versão nacional, lançada pela Shinigami Records, tem o acréscimo da faixa bônus “Heart”, um tributo ao Journey da era Steve Perry).

Ao final da audição, “Moonglow” reforça o que já sabíamos: Tobias Sammet está, há alguns anos, entre os melhores compositores da música pesada mundial. Vale lembrar que o Avantasia desembarca no Brasil para uma única apresentação — até o momento — como headliner do Free Pass Metal Festival III, no dia 2 de junho, no Espaço das Américas, em São Paulo. O evento contará ainda com as bandas nacionais Rec/All e Shaman (de volta com sua formação original). Assim como o disco, imperdível.

– Paulo Pontes é colaborador do Whiplash, assina a Kontratak Kultural e escreve de rock, hard rock e metal no Scream & Yell

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.