Quadrinhos: “Cebolinha – Recuperação”, “Garotos do Reservatório”, “Até Aqui Tudo Bem” e “Ar Condicionado”

Resenhas por Adriano Mello Costa

“Cebolinha – Recuperação”, de Gustavo Borges (Graphic MSP)
Em 2018 foi a vez do Cebolinha ganhar edição solo dentro do projeto Graphic MSP, que revista personagens de Mauricio de Sousa. A responsabilidade ficou com Gustavo Borges, quadrinista que, mesmo jovem, já tem no currículo trabalhos bem interessantes como “Pétalas” e “Escolhas”. O roteiro envolve um dos mais cativantes personagens do Mauricio em uma disputa ferrenha com um novo aluno para saber quem é o mais legal da escola, o que o leva a ficar de recuperação. No meio disso o autor insere problemas mais sérios dos pais que ele custa a entender (é uma criança, afinal) e isso dá o tom emocional junto com lições de perseverança e tolerância, além de muitos e muitos planos infalíveis. Mesmo carente de profundidade, “Cebolinha – Recuperação” honra tanto o projeto quanto criador e personagem nas suas 96 páginas e duas opções de capa – como de costume.

Nota: 6,5

“Garotos do Reservatório”, de Celio Cecare e Fábio Cobiaco (Editora Mino)
“Garotos do Reservatório” é uma publicação da editora Mino do primeiro semestre de 2018, com formato um pouco diferente do usual (20 x 15,4cm), 208 páginas e arte em preto e branco. O trabalho trata daquele período complicado na vida da maioria das pessoas: a adolescência e início da fase adulta. Ainda mais quando você não tem os gostos culturais ou se interessa pelas mesmas coisas que todos. Narrando com calma a construção da amizade entre Hector e Victor, a obra invade os anos inserindo um grande hiato de convivência entre os dois e um retorno para essa amizade com pessoas totalmente distintas e estranhas. Tudo bem que esse tema já foi tratado zilhões de vezes antes, contudo a maneira que o roteiro de Celio Cecare e a arte de Fábio Cobiaco passam por isso é pulsante e ferozmente silenciosa.

Nota: 8

“Até Aqui Tudo Bem”, de Rafael Corrêa (Independente)
O gaúcho Rafael Corrêa faz humor desde adolescente. Cartunista, ilustrador e quadrinista, Rafael ganhou prêmios no Brasil e em mais um catatau de países. Em 2018 fez campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse para viabilizar a publicação de uma coletânea onde reunisse boa parte da produção dos últimos 10 anos. Deu certo e “Até Aqui Tudo Bem” ganhou vida e chegou entre nós. Com edição do experiente S. Lobo temos uma obra majestosa. Ele tem o poder de dizer muito usando poucas palavras ou às vezes nenhuma mesmo. Com capacidade de síntese desconcertante vemos cartuns, tirinhas e quadrinhos atravessando com humor e crítica segmentos como política, relacionamento social, dramas pessoais, comunicação nos dias atuais, meio ambiente e o que mais der na telha, sempre com olhar atento e deixando fácil a compreensão da mensagem para quem quer que seja.

Nota: 8,5

“Ar Condicionado”, de Gustavo Piqueira (Editora Veneta)
Uma das coisas mais loucas da vida é quando alguém consegue ir além, quando ousa andar por caminhos que mesmo não sendo inéditos, poucos arriscaram meter os pés. É o que acontece com Gustavo Piqueira em “Ar Condicionado”, publicação de 2018 da editora Veneta com formato grande, 128 páginas e capa dura. Designer de extrema qualidade com mais de 20 livros e vários prêmios conquistados na área, o autor inova nesse trabalho colocando as falas dos personagens e, principalmente os pensamentos, dentro da silhueta de cada um. Se esse instigante enlace entre linguagem visual e escrita já é suficiente para destaque, o texto por trás exibe preocupações individuais mesquinhas de vidas sem graça espalhadas nas ruas de qualquer grande metrópole por aí. E é usando isso que o trabalho brilha ainda mais e faz com que “Ar Condicionado” seja (quase) obrigatório.

Nota: 9

– Adriano Mello Costa assina o blog de cultura Coisa Pop: http://coisapop.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.