Faixa a faixa: “Yin Yang”, de Bayside Kings e Mais Que Palavras

Lançado pela gravadora paulista Hearts Bleed Blue (HBB) em parceria com a AWAM Records, o CD Split “Yin Yang” une duas bandas de hardcore punk brasileiras com três canções do Bayside Kings, quinteto da cidade de Santos, no litoral de São Paulo, formado por Milton (voz), Snoop (guitarra / voz), Teteu (guitarra / voz), Manolo (baixo) e Kid (bateria) e outras três do Mais do Que Palavras, de Brasília, formado por Manoel Neto (Voz), Gustavo Portela (baixo), Nicolas Gomes (guitarra), Fill Braga (guitarra) e Tiago Caetano (bateria).

“A ideia é mostrar as duas bandas falando sobre a mesma coisa – o questionamento interno, só que com intensidades em lados opostos”, explica o vocalista do Bayside Kings Milton Aguiar, que diz que o Split evoca o conceito de dualidade do símbolo título do disco. “O Mais Que Palavras apresenta um som melódico com ideias positivas, enquanto o Bayside Kings mostra um lado mais selvagem, totalmente agressivo, com letras beirando ao pessimismo com ponto de retorno de esperança e auto evolução”, completa.

“Temos uma coisa muito forte que nos mantém ligados, a certeza de que precisamos melhorar como pessoas para poder mudar o mundo. Nossa intenção sempre foi concretizar e aplicar tudo o que o hardcore punk nos ensinou, e fazer disso mais que palavras”, conta Fill Braga, guitarrista do Mais Que Palavras. “Acho que o pessoal que escutar vai curtir o som, tá bem sincero”, aposta Teteu, guitarrista do Bayside Kings. E o vocalista Milton arremata: “É o hardcore como ele deve ser: rápido, enérgico, questionador e selvagem”.

Confira abaixo um faixa a faixa especial sobre o split “Yin Yang”:

Bayside Kings por Milton Aguiar:
“SAD BUT TRUE YOUR FUCKING SCUM”
Esse som é um dedo na ferida, é um dedo no olho das pessoas que sempre usam discurso negativo para te colocar no canto e te encurralar para ver o seu pior lado aflorar. É um som direto na cara das pessoas negativas.

“TIRED OF THIS EARTH”
É uma alusão a HQ “Watchman”, onde um personagem chamado Dr. Manhathan fica cansado da cobrança da humanidade e do egoísmo do ser humano e procrastina os problemas para ele resolver, decidindo se mudar para Marte. É como eu me sinto com a procrastinação do próximo, e isto me desanima, me coloca em xeque, me deixa cansado das regras que fomos condicionados.

“AGAINST THE TIDE”
É um reforço do grito de guerra para se continuar fazendo aquilo que se ama, contra a maré, contra o senso comum, contra todos, uma forma de resistência e existência, onde para se achar, as vezes tem que se perder.

Mais Que Palavras por Fill:
“DEIXE SER LIVRE”
Essa letra fala sobre toda forma de opressão ter a mesma natureza, o delírio de que, em algum momento, a exploração e violência baseadas em conceitos erroneamente aplicados seriam moralmente aceitáveis ou justificáveis. É também sobre a forma sistemática como isso é usado para minar nossa empatia, separando a justiça e liberdade em setores que separados nunca sucederão.

“NENHUM SUSPIRO”
É uma letra simples e direta sobre autoconfiança de forma extremamente positiva. Sobre não desperdiçar o tempo com outra coisa que não o amor, pelo simples fato de ter a certeza que só oferecemos e exteriorizamos o que queremos ver e o que desejamos pra nós mesmos.

“SUPOSTAMENTE SEPARADOS”
Essa música lembra que somos parte de um ecossistema muito sensível, uma cadeia de interdependências de um organismo formado por cada um. Somos ao mesmo tempo individuais e coletivos. Lembrar disso reforça que cada ação direcionada ao externo é igualmente direcionada ao interno, já que não temos como nos desconectar do todo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.