Ouça RAINDOWN, coletânea em homenagem ao Radiohead

2018 é um ano emblemático no coração do fã de Radiohead. Completos nove anos desde a última vinda da banda ao Brasil, muitos fãs que estavam presentes no show de 2009 decidiram ali, naquela ocasião, fazer música, arrancar ideias tortas do papel e dar forma e som a elas. O Radiohead é notadamente uma das principais influências artísticas da nossa época, especialmente para jovens artistas que hoje estão por volta dos 30. Pode-se dizer que é uma entidade do nosso zeitgeist, um farol reluzente no nosso imaginário musical.

É dessa admiração pela banda que os amigos Gabriel Martins, que assina o projeto Filler, e Helder Dutra, que inicia seu projeto-solo Frater Dutra, decidem reviver uma ideia que tiveram há quase uma década:

“A ideia da coletânea vem de 2009, quando o Radiohead veio ao Brasil pela primeira vez. Tentamos organizá-la pela comunidade do Orkut Radiohead Brasil (RHBR), mas na época não deu muito certo. Agora com a volta da banda ao Brasil a ideia foi revivida, somando ao fato de que muitos dos músicos que idealizaram o projeto hoje em dia são mais experientes, possuem carreiras e maior facilidade para gravação e produção.”, conta Gabriel, organizador do projeto. E segue: “Queríamos fazer o projeto com membros da comunidade, como o Gabriel Lana (Dead Ice) e o Felipe Neiva. Com a consolidação da ideia, decidimos convidar para o projeto outros músicos amigos que fizemos ao longo de nossas jornadas. Os critérios eram basicamente dois: a qualidade dos músicos e ser fã de Radiohead.”

Com artistas de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná, “RAINDOWN” é um apanhado multifacetado repleto de leituras muito distintas das canções da banda britânica. Das levadas suaves do violão de Dead Ice à versão krautrock da Goldenloki, a coletânea se inicia com o indie/pop da leitura de Frater Dutra, passa pelo clima tenso e sombrio de Funeral Wounds, e fecha com a versão totalmente instrumental do compositor carioca Martins.

Cada artista da coletânea se entende como fã e reconhece a força que o Radiohead teve em sua formação musical. Sobre essa influência, os músicos da Varney, banda de art rock do interior do Rio de Janeiro, comentam: “A mudança de paradigma causada pelo Radiohead nos anos 90 foi um dos fatores principais para admirarmos a banda. Saber que não precisamos colocar sempre os mesmos elementos numa música para que ela possa “soar correta” foi libertador’.

Victor Meira, músico das bandas Bratislava e Godasadog, racionaliza: “A mistura perfeita entre a música experimental e o pop acessível é um símbolo do Radiohead. Consequentemente, um ‘estado de graça’ perseguido por muitos artistas e compositores – eu, inclusive! Eles se reinventam e bancam as mudanças de rumo em sua estética musical.”

Rodrigo Lemos, músico e produtor que assina o projeto-solo Lemoskine, comenta sobre a sofisticação da banda: “Acredito que a banda nunca tenha falhado em me presentear com novas sensações e pitadas de – muitos – outros gêneros dentro do seu pop sofisticado. Até as empreitadas jazzísticas-forrozeiras-ravemaníacas; todas elas me conquistam pelo risco… Característica que considero fundamental na Música”. André Graciotti, do projeto cellardor, completa: “Eu adorava a ideia de que a cada novo lançamento eles pareciam nunca se repetir e sempre subvertiam qualquer expectativa”

Já os paulistanos da Goldenloki entendem a banda por um viés bem interessante: “A partir do momento que compreendemos a relação do Radiohead com o movimento do krautrock alemão dos 1970, vimos um peso muito maior na banda. Depois do Kid A, começaram a modernizar o motorik das levadas à la Jaki Liebezeit (baterista do Can) de forma muito original, sem soar datado. A cada álbum tinham pitadas dessa marca e quando saiu o A Moon Shaped Pool, a música que bateu de primeira foi “Ful Stop”, justamente por ter essa cara.”

“RAINDOWN” é um punhado de reinvenções, exercícios criativos sobre o trabalho de uma banda que inspira e encoraja o experimento, o novo, a mistura, a música que quer significar o seu tempo. E agora, depois de poder curtir mais uma vez a presença do Radiohead no Brasil, a coletânea é aquele gole de novidade depois de uma ressaca, pra curar as saudades e mostrar como as canções que amamos podem ser vistas e lidas de formas diferentes.

Tudo na coletânea foi feito pelo próprio grupo: é Chris Kuntz, da Goldenloki, quem assina a masterização das faixas. A obra que ilustra a capa é de Erik Baptista, que toca “Nude” no conjunto. O design gráfico foi feito por Victor Meira, assim como a assessoria de imprensa, que assina em conjunto com Daniel e Nathália Pandeló, da Build Up Media. E todas as decisões foram feitas em conjunto num turbulento – e surpreendentemente organizado – grupo de Whatsapp.

Tracklist:

01 – Frater Dutra – Give up the Ghost
02 – Lemoskine – The National Anthem
03 – Filler – Identikit
04 – Cellardoor – Where I End and You Begin
05 – Victor Meira – Daydreaming
06 – Varney – Motion Picture Soundtrack
07 – Erik Baptista e Matheus Fleming – Nude
08 – Jardim America – Decks Dark
09 – Dead Ice – Spectre
10 – Goldenloki – Ful Stop
11 – Funeral Wounds – Last Flowers
12 – Neiva – A Wolf at the Door
13 – Arlanda – Creep
14 – Arthur Martins – Airbag

01- Frater Dutra – Give up the Ghost (RJ): Frater Dutra é a persona de Helder Dutra (Rio de Janeiro/Brasil). Estudante de alquimia, Helder manipulou nos últimos 14 anos as teclas da Orchestra Binária até que sentiu necessidade de realizar sua opus magnum: transformar as anotações de seus diários de estudo em músicas do projeto Frater Dutra. Iniciado no Hermetismo através da obra Tábua de Esmeraldas, Helder é devoto de Jorge Ben. Seu trabalho traz influências também de trip-hop e electronic-rock. Atualmente está em fase de produção de seu primeiro trabalho sob a nova alcunha, com lançamento previsto para o segundo semestre.

02 – Lemoskine – National Anthem (PR): Lemoskine é o trabalho solo do músico e produtor Rodrigo Lemos. Ex-guitarrista e compositor d’A Banda Mais Bonita da Cidade, Lemos atua na cena independente desde a década passada, se envolvendo também com projetos de teatro e performance no Brasil e no exterior.

03 – Filler – Identikit (RJ): Iniciado em 2014 no Rio de Janeiro, Filler é o projeto solo do músico Gabriel Martins, de rock eletrônico e experimental. Em julho de 2016, lançou o clipe da música Falling Debris, que pertence ao álbum de estreia do projeto, Violence. O álbum foi gravado, produzido e masterizado no Kolera Home Studio, no Rio de janeiro, por Celo Oliveira, com uso de sintetizadores e loops para formar a identidade do projeto.

04 – cellardoor – Where I End and you Begin (SP): cellardoor é a “banda de um homem só” do músico e produtor André Graciotti, capixaba radicado em São Paulo. Situado entre o pop dark-romântico e texturas eletrônicas, Graciotti está sempre buscando canções pop que tenham valor de songwriting e complexidade emocional. Lançou os EPs Random Alarms (2013) e Changing Tides (2015) e colaborou com artistas independentes nacionais (Gimu, Godasadog) e internacionais (Factor Eight, Akina Mckenzie, Sinéad McCarthy).

05 – Victor Meira – Daydreaming (SP): Victor Meira é músico, compositor, escritor e voz da banda de rock alternativo Bratislava e do duo indie/eletrônico Godasadog. Nome forte da cena paulistana, Meira se consolidou como uma das novas vozes do underground brasileiro. Como artista solo, lançou o single “Ciço” em 2016, experimentando uma roupagem pop diferente do seu trabalho em bandas. A versão de “Daydreaming” para a coletânea RAINDOWN será seu segundo lançamento dentro da plataforma solo.

06 – Varney – Motion Picture Soundtrack (SP): Varney é uma banda de Art Rock de Campos dos Goytacazes, interior do Rio de Janeiro. Com um EP homônimo de 2013 e o álbum “Fantasma”, de 2016 (inspirado pelo poema “Tabacaria” de Álvaro de Campos/Fernando Pessoa e pelo niilismo) a banda se destacou no cenário underground nacional. A Varney visita a filosofia, a rispidez das guitarras, as melodias vocais e instrumentais em suas músicas. Atualmente, a banda se prepara para lançar um novo EP e um novo álbum.

07 – Erik Baptista (Estrada) – Nude (MG): Erik Baptista é um cantautor/multi instrumentista de Belo Horizonte, porta voz e fundador do finado Estrada (que teve sua trajetória de 2011 a 2015, com vários eps e singles lançados no decorrer desse período). Atualmente trabalha na produção de seu primeiro disco solo, intitulado MU(n)DO que será lançado no segundo semestre de 2018.

08 – Jardim America – Decks Dark (RJ): A Jardim America foi formada em 2015, primeiramente como um projeto do vocalista Lucas Glicério. Conforme o trabalho foi amadurecendo, o projeto-solo virou banda, com a entrada de Pedro Stelling (guitarra), PC (baixo/voz) e Mariano Barros (Bateria). A estreia da banda foi com o EP “Rosa”, 2016.

09 – Dead Ice – Spectre (SP): Dead Ice é o projeto musical de Gabriel Lana, músico de Diadema (SP). Nos últimos oito anos produziu quatro álbuns: Scatterbrain (2010), Traits (2013), Cosmos (2015) e Humans (2017). Suas influências passam pelo rock psicodélico da MGMT ao electronic-rock britânico da Radiohead. Em 2018 a Dead Ice está em fase de pós-produção de seu novo trabalho, Floating Feathers, que será lançado pelo selo Paracelso Records.

10 – Goldenloki – Full Stop (SP): Goldenloki é um quinteto de rock-kraut-noise de São Paulo-SP formado por Otto Dardenne (voz e guitarra) Chris Kuntz (guitarra) Yann Dardenne (Baixo e voz) Leo Arruda (Bateria) e Thales Castanheira (guitarra). A banda se destaca por mesclar dinâmicas e batidas repetitivas nas composições cancioneiras minimalistas.

11 – Funeral Wounds – Last Flowers (EUA) 

12 – Neiva – Wolf at the Door (RJ)  NEIVA é o projeto do cantor/ compositor/ produtor/ multi-instrumentista Felipe Neiva (São Gonçalo – RJ). Iniciou seu processo criativo em 2010, gravando suas músicas com um típico microfone de bate-papo dos anos 2000 em seu próprio quarto. Hoje o músico se aventura por caminhos mais expansivos, que pretendem dissolver as fronteiras entre o pop e o experimental.

13 – Arlanda – Creep (MG): Formada pelo músico mineiro multi instrumentista Matheus Pinheiro, em 2014, Arlanda propõe uma abrodagem filosófica sobre a fria vida pós-moderna. Com um som que vai do alternativo ao post-rock, repleto de sintetizadores, guitarras pesadas e paisagens sonoras, sua música é um convite a quem procura uma orientação, um acaso, uma estrela em meio a esta sociedade doente e infeliz. Arlanda tem três EPs lançados: destino (2014), cinesia (2015) e contato (2017).

14 – Martins – Airbag (RJ): Martins é o projeto musical do artista multimeios Arthur Henrique Martins (Rio de Janeiro). Em fevereiro de 2018 lançou o single “Sal, Mercúrio e Enxofre”. Suas principais influências orbitam entre os planetas Madlib, Matt Martians, Marcos Valle e Solange Knowles. Atualmente dirige o selo carioca Paracelso Records e está em fase de produção de seu primeiro álbum.

Ouça também “BR Rainbows”, tributo brasileiro ao álbum “In Rainbows”, do Radiohead

One thought on “Ouça RAINDOWN, coletânea em homenagem ao Radiohead

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.