Boteco: 12 latões nacionais

por Marcelo Costa

Abrindo uma série de latões com a primeira de três Sournillas, série da excelente 3Cariocas, do Rio, que aqui junta à receita de uma Sour, extrato de baunilha e, neste caso, polpa de maracujá. De coloração amarela mais para o dourado do que para o palha e com creme branco de baixa e rápida dispersão, a 3Cariocas Sournilha Passion Fruit Maracujá apresenta um aroma com sugestão intensa de suco de maracujá, percepção antecipada da pancada de acidez e leve, muito leve presença de baunilha (acrescentando doçura). Na boca, um belo equilíbrio surge no primeiro toque com doçura leve e frutado cítrico de maracujá envolvente, mas, na sequencia, segura que lá vem acidez e azedume pancadas, com um leve salgadinho para temperar. A textura é levemente frisante e picante. Dai pra frente surge um conjunto delicioso, que honra o belíssimo cardápio da 3Cariocas com azedume, frutas e refrescancia. No final, azedume suave e cítrico. No retrogosto, suco de maracujá, azedinho e refrescancia. Delicinha, ainda que a baunilha de pouco as caras no conjunto.

A segunda cervejaria presente aqui é a paulistana Urbana, com três cervejas da linha experimental ULab. A primeira é a Rebelde Sem Causa, uma American IPA bastante aromática com lúpulos Citra, Simcoe e Equinox. De coloração amarela levemente turva e puxada para o palha com creme branco de boa forma e média alta duração, a Urbana ULab Rebelde Sem Causa apresenta um aroma incrível com frutas amarelas saltando para fora da lata assim que ela é aberta (abacaxi e mamão no comando) e percepção suave de leve condimentação. Na boca, cítrico muito mais suave do que o aroma faz esperar e percepção de levedura marcar território com picância, isso tudo no primeiro toque. A cerveja se abre na sequencia com leve herbal, algo de mineral, cítrico e amargor discreto, 53 IBUs que podem ser considerados 33. A textura é suave com uma leve picância. Dai em diante, o conjunto parece sofrer mais ação da levedura do que do trio de lúpulos, o que não prejudica a cerveja, mas altera a recepção após uma primeira percepção de aroma sensacional. O final é suavemente cítrico. No retrogosto, um tiquinho de levedura (condimentação), cítrico e refrescancia. Bem boa.

A terceira é a estreia da cervejaria gaúcha Ruradélica, que marca presença inicialmente com a Bloom, uma American Blond Ale (Summer Ale) cuja receita une malte Viena e flocos de aveia com os lúpulos Mosaic e Citra. De coloração amarela com um leve toque dourado e creme branco de boa formação e média alta retenção, a Ruradélica exibe um aroma que antecipa leveza em sugestões suave de notas frutadas e cítricas (abacaxi, pêssego e pera) mais pão e um leve chulézinho que traz algo de café coado (será da levadura?). Na boca, a leveza que o aroma adianta bate ponto logo no primeiro toque com frutado cítrico bem sútil, e que se abre na sequencia de maneira refrescante acrescida de um amargor bastante leve e equilibrado (25 IBUs honestos). A textura exibe leve aspereza no início e logo vai se tornando cremosa. Dai para frente surge um perfil bastante refrescante e bem suave, cujo final, sútil, exibe um leve azedinho de limão. No retrogosto, cereais, frutado cítrico e refrescancia.

Ainda em Porto Alegre com uma Suricato (enlatada na fábrica da Dádiva, em Várzea Paulista), que retorna ao blog com uma Imperial Porter que leva o singelo nome de Anoiteceu em Porto Alegre, que é uma canção da banda Engenheiros do Hawaii. De coloração marrom bastante escura, quase preta, com creme bege de boa formação e média alta duração, a Suricato Anoiteceu em Porto Alegre exibe um aroma que honra as notas tradicionais do estilo com café e chocolate em destaque e um discreto defumado (com toques de fumaça) em segundo plano. Na boca, chocolate (muito mais ao leite do que amargo) e café suave no primeiro toque. Na sequencia, doçura de chocolate mais café e absolutamente nada dos 11% de álcool, o que chega a surpreender. A textura é suave, macia, com picância tardia. Dai pra frente, um conjunto que desce perigosamente (e deliciosamente) fácil e finaliza aconchegante, suave. No retrogosto, chocolate, leve baunilha e calor alcoólico.

Dando a primeira volta no relógio e retornando à 3Cariocas, com a segunda da série Sournilla, a versão que traz adição de polpa de morango e mantém o extrato de baunilha. De coloração meio âmbar alaranjada com vermelho discreto e creme branco de boa formação e rápida dispersão, a 3Cariocas Sournilla Strawberry não mantém o padrão arisco da versão Passion Fruit, e isso fica perceptível já no aroma, muito mais suave, com doçura de baunilha leve, mas facilmente perceptível, além do morango, que comanda a paleta aromática. A sensação se repete na boca, com um perfil muito mais suave (e menos Sour) que une doçura de baunilha com doçura de morango no primeiro toque, e se abre para acidez moderada na sequencia. A textura, no entanto, soa mais frisante do que na versão maracujá. Dai pra frente, um conjunto suave em que a baunilha brilha tendo o morango na retaguarda até o final, refrescante. Já o retrogosto traz baunilha, morango suave, leve adstringência e refrescancia. Boa.

A segunda da Urbana também integra o projeto ULab: Jabronx, uma New England Imperial IPA carregada de lúpulos Citra, Mosaic e Azacca, nenhum malte caramelo (apenas aveia e trigo), água tratada com sais minerais e fermento Vermont. O nome homenageia o bairro em que a cervejaria nasceu, Jabaquara. De coloração dourada translúcida com leve turbidez a frio e creme branco com traços beges de boa formação e baixa retenção, a Urbana Jabronx exibe um aroma que combina uma pancada de frutas cítricas (doçura de manga e acidez de maracujá) com mineral, herbal e condimentação derivada da levedura (talvez mentolado também). Na boca, um replay do aroma com forte acento cítrico (manga e maracujá) e levedura marcante no primeiro toque. Na sequencia, o conjunto se amplia, poderoso, abrindo espaço inclusive para percepção suave de álcool (8.7%). A textura é suave no começo e levemente picante na sequencia. Dai para frente, uma cerveja excelente, com cítrico e levedura destacados. O final é condimentado e cítrico. No retrogosto, levedura, maracujá, manga e alegria. Uou!

Agora é a vez da segunda Ruradélica, com uma das primeiras receitas da casa, a Wild American IPA, medalha de ouro no 1º Concurso A Melhor IPA do Brasil, realizado pelo IPA Day Brasil, em Ribeirão Preto. De coloração mais para o âmbar alaranjado do que para o dourado com creme branco farto de boa formação e retenção, a Ruradélica Wild American IPA exibe um aroma com um delicioso equilíbrio entre notas herbais (pinho, grama) e cítricas (maracujá, tangerina e um tiquinho de grapefruit) sobre uma base sutilmente caramelada de cereais. Na boca, o mesmo equilíbrio delicioso do aroma acrescido do paladar incrível de pinho e tangerina, em primeiro plano, com caramelo suave, na base, isso tudo no primeiro toque. Na sequencia, ela se abre com um amargor marcante, mas saboroso, que esbarra nos 68 IBUs confortáveis. A textura começa suave e logo fica picante, condimentada. Dai pra frente surge uma baita Old American IPA, diria que uma das melhores já feitas nesse país, que finaliza de maneira cítrica, herbal e amarga, sensações que retornam no retrogosto, delicioso. Baita!

Seguindo com a segunda da Suricato na série, um sucesso no All Beers Sessions 2018, a Gose Goiabinha, que recebe adição de extrato de goiaba, extrato de hibisco e sal, que se juntam ao malte de cevada, ao trigo em flocos e a aveia em flocos para criar um conjunto de coloração impressionantemente avermelhado com creme branco de traços vermelhos com uma média formação e rápida dispersão. No aroma, percepção intensa de goiaba com antecipação clara de acidez e azedume. Também é possível perceber um pouco de sal. Na boca, tudo se confirma já no primeiro toque com goiaba e acidez comandando. Segue-se azedume, goiaba e sal deliciosos enquanto o amargor, de 4 IBUs, é apagado pela acidez e pelo azedume. A textura é levemente frisante e, dai em diante, o conjunto oferece bastante sal, muita goiaba e um frescor incrível. No final, mais sal e mineral do que goiaba, o que traz adstringência suave ao retrogosto, também marcado por sal, mineral e goiabinha. Uma delicinha!

Abrindo a terceira rodada com a terceira Sournilla, da 3Cariocas, a Orange, que nesta versão recebe adição de, claro, laranja (mais a baunilha que se mantém como nas duas anteriores). De coloração amarela com creme branco de baixa formação e rápida dispersa, a 3Cariocas Sournilla Orange exibe um aroma que combina notas cítricas suaves, percepção de acidez e a doçura da baunilha, que surge muito mais equilibrada aqui. Na boca, laranja remetendo a suco em pó (Ki-Suco) e baunilha, juntas no primeiro toque. Na boca, acidez suave e uma percepção ainda maior de suco de laranja. Na sequencia, a acidez é bem suave, e bem refrescante. Dai para frente surge um conjunto com acidez (que remete também a casca de laranja), cítrico equilibrado e final deliciosamente refrescante e azedinho. No retrogosto, suco de laranja (em pó) com azedinho, acidez e refrescância.

Encerrando o trio da Urbana nesta sequencia com mais uma do projeto ULab, a Feira da Fruta, uma Double Juicy IPA com 20 quilos de frutas na receita, uma verdadeira salada com pêssego, maracujá, manga, goiaba e abacaxi. De coloração amarela, juicy, com um creme branco de boa formação e média baixa retenção, a Urbana Feira da Fruta exibe um aroma com forte pegada cítrica, mas, também, presença assertiva da levedura trazendo consigo aridez e condimentação além de resina derivada da lupulagem. Na boca, um equilíbrio no primeiro toque entre frutado cítrico (puxado para a goiaba, que acrescenta acidez) e aspereza (harsh), que pode derivar tanto do lúpulo (será Cryo Hops? Bem provável) quanto da levedura. A textura é levemente picante e com um tiquinho de aspereza. Dai pra frente surge um conjunto extremo, com muita frutas cítricas, mas também um harsh de responsa. No final, amargor cítrico suave (são 80 IBUs que devem beirar apenas uns 50 em todo o percurso) e harsh. No retrogosto, mais frutado cítrico. Uma delicinha.

A terceira da gaúcha Ruradélica é a Crocodilo Double IPA, uma Imperial IPA com cinco lúpulos estadunidenses e o desejo de honrar a escola West Coast IPA. De coloração âmbar caramelada com creme bege clarinho de boa formação e média alta retenção, a Ruradélica Crocodilo exibe uma aroma com caramelo em destaque e variáveis frutadas cítricas e herbais sem muito punch e força, um pouco de pinho, uma leve toranja, quem sabe um maracujazinho e um toquezinho de resina. Na boca, caramelo e uma maior presença herbal (remetendo a pinho) no primeiro toque. O conjunto então se abre para doçura, um pouco de cítrico e amargor que não deve nem ser metade dos 85 IBUs exibidos na lata. A textura é suave com leve picância e percepção dos 8% de álcool pinicando a língua. Dai para frente, uma Imperial IPA que entrega menos do que propõe, com caramelo brilhando, um pouco de toranja, de resina e de pinho. No final, um leve amarguinho. Já o retrogosto reforça a pegada caramelada da cerveja. Esperava mais.

Fechando todo o rolê com a terceira e última da Suricato Ales: Pinocchio Sour Pumpkin Ale, isso mesmo, uma Sour com abóbora e pimenta Jamaica. De coloração âmbar acastanhada com creme bege claro de média formação e rápida dispersão, a Suricato Pinocchio exibe um aroma em que doce (caramelo) de abóbora precisa lutar por atenção com a acidez e o azedume, tudo no mesmo nível de percepção. Há, ainda que mais sutil, condimentação presente. Na boca, a acidez com um tiquinho de azedume toma a dianteira no primeiro toque com a abóbora vindo na sequencia acompanhada, um segundinho depois, pela pimenta e pelo caramelo. A textura é levemente frisante com uma delicada picância. Dai pra frente, azedume e acidez comandam, mas abóbora, pimenta e caramelo chegam junto para construir um conjunto interessante, que finaliza com acidez marcante e leve abóbora. No retrogosto, mais acidez, mais abóbora, um leve azedume e caramelo. Boa!

Balanço
Abrindo esta série de latões brasileiros com a 3Cariocas Sournilla Passion Fruit Maracujá, uma baita Sour que honra o estilo com salgadinho, azedinho e acidez envolventes. Excelente. Já a Urbana ULab Rebelde Sem Causa começa maravilhosamente bem, com aroma perfeito, mas a sequencia fica um pouco atrás, não prejudicando o conjunto, mas diminuindo seu impacto. Eu esperava mais da Ruradélica com essa Bloom, mas ela entrega o que o estilo pede. Fechando a primeira volta no relógio com a Suricato Anoiteceu em Porto Alegre, uma poderosa (e deliciosamente perigosa) Imperial Porter de 11% que desce macio e reanima.

A segunda 3Cariocas Sournilla, a Strawberry, é mais baunilha que Sour, com o morango acrescentando um leve camada de acidez frutada, mas também colaborando na doçura. É menos Sour que a maracujá, mas tão saborosa quanto. Partindo para a Urbana ULab Jabronx, uma das melhores Urbanas que já provei, e que melhora consideravelmente quando vai aquecendo na taça. Uma delícia acompanhar. A Ruradélica Wild American IPA é uma Old American IPA de responsa, deliciosa. Fechando a segunda volta no relógio com uma das melhores Gose do país hoje: Suricato Goiabinha, uma delicia.

Melhor das Sournilla, a 3Cariocas Passion Fruit Orange combina à perfeição doçura e azedinho. Já a Urbana ULab Feira da Fruta mantém a força da pegada da Jabronx, podendo até a vencer por cabeça. A Ruradélica Crocodilo Double IPA foi outra das cervejas que eu esperava bastante na sequencia, mas não entregou nada. Fechando, a Suricato Pinocchio provou-se uma interessante Sour com abóbora. Não sei se beberia outra dela, mas valeu pelo inusitado.

3Cariocas Sournilla Passion Fruit Maracujá
– Estilo: Sour
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5.5%
– Nota: 3,50/5

Urbana ULab Rebelde Sem Causa
– Estilo: India Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,44/5

Ruradélica Bloom
– Estilo: American Blond Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4.2%
– Nota: 3,17/5

Suricato Anoiteceu em Porto Alegre
– Estilo: Imperial Porter
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 11%
– Nota: 3,70/5

3Cariocas Sournilla Strawberry
– Estilo: Sour
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5.5%
– Nota: 3,40/5

Urbana ULab Jabronx
– Estilo: Imperial India Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 8.7%
– Nota: 3,98/5

Ruradélica Wild American IPA
– Estilo: American IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6.8%
– Nota: 3,67/5

Suricato Goiabinha
– Estilo: Gose
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4%
– Nota: 3,71/5

3Cariocas Sournilla Passion Fruit Orange
– Estilo: Sour
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5.5%
– Nota: 3,52/5

Urbana ULab Feira da Fruta
– Estilo: Imperial India Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 9.2%
– Nota: 3,98/5

Ruradélica Crocodilo
– Estilo: Double American IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 3,18/5

Suricato Pinocchio
– Estilo: American Wild Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6.8%
– Nota: 3,35/5

Leia também
– Top 2001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *