Boteco: Três cervejarias, Nove cervejas

por Marcelo Costa

Abrindo uma série de três cervejarias com a norte-americana Kona Brewing Company, de Kailua-Kona, no Hawai, que chega por aqui com seu terceiro rótulo (já haviam passado pelo site a Big Wave Golden Ale e a Longboard Island Lager): Wailua Wheat, uma American Wheat Ale feita com malte de cevada, malte de trigo e suco concentrado de maracujá. De coloração dourada com creme branco de boa formação e média retenção, a Kona Wailua Wheat exibe um aroma que combina um delicado frutado cítrico que sugere maracujá, casca de limão e abacaxi com as tradicionais notas advindas do uso de trigo na receita. Na boca, doçura leve no primeiro seguido de frutado cítrico bastante dissolvido que remete a suco de laranja com mais água do que deveria. A textura começa frisante e se torna cremosa enquanto o amargor de 15 IBUs é comportado e respeitoso. Dai pra frente, uma boa cerveja simples de verão para se beber na beira da praia no Havaí, ou no litoral brasileiro mesmo. No final, acidez cítrica leve. No retrogosto, frutado cítrico discreto e refrescancia.

Dos Estados Unidos para a Bélgica com a primeira da Brouwerij De Leyerth, que produz suas cervejas na Abadia de La Trappe, e marca presença com a Urthel Saisonnière, uma Farmhouse Ale não filtrada (como manda o estilo) que exibe uma coloração amarela bastante turva com creme branco de excelente formação e média alta retenção. No nariz, percepção de frutado cítrico (casca de laranja e de limão mais banana e pêssego), trigo e da potência da levedura, que acrescenta condimentação. Na boca, uma rápida doçura seguida no segundo seguinte por frutado cítrico e, logo depois, condimentação e picância derivados da levedura. A textura oferece picância suave típica do estilo enquanto o amargor é baixo, abrindo as portas para um conjunto bastante saboroso, com frutas cítricas, trigo e condimentação. No final, doçura suave e levedura. No retrogosto, mais levedura, leve doçura e cítrico. Boa.

Mantendo-se na Bélgica, mas agora na região da Antuérpia, com a segunda De Dochter van de Korenaar a passar por aqui (a primeira foi a Charbon): Belle-Fleur, uma Belgian IPA produzida com lúpulos europeus e norte-americanos com direito a dry-hopping. De coloração âmbar alaranjada com creme bege clarinho de ótima formação e longa retenção, a De Dochter Belle-Fleur apresenta um aroma com bastante frutado cítrico (laranja, limão e maracujá) e leve floral sobre uma base de mel e caramelo. Há, ainda, percepção de levedura. Na boca, doçura rápida no primeiro toque que se traz na sequencia com notas cítricas (casca de laranja) seguida de um amargor potente, 65 IBUs marcantes na pancada com leve perseverança. A textura é cremosa e picante num conjunto que se seguira saboroso, entre o picante cítrico da IPA e o cremoso de uma Belgian Ale. O final é cítrico e amarguinho no final. No retrogosto, mais cítrico (laranja) e mais amargor, ainda que suave. Uma bela Belgian IPA.

Voltando ao Hawaii com mais uma da Kona Brewing Company, a Fire Rock, uma American Pale Ale cuja receita destaca os lúpulos Millenium e Cascade. De coloração âmbar alaranjada (mais escura que a De Dochter Belle-Fleur) com creme bege claro de boa formação e média alta retenção (com direito a perlage ao redor da taça), a Kona Fire Rock apresenta um aroma com notas herbais sugerindo pinho em destaque mais cítrico discreto remetendo a laranja sobre uma base caramelada. Na boca, doçura caramelada domina o primeiro toque herbal bem leve na sequencia. A textura é levemente picante e até um tiquinho áspera. Já o amargor (35 IBUs) é bastante ativo se destacando em um conjunto simplista, que segue em frente com caramelo, laranja e pinho até o final, amarguinho e refrescante. No retrogosto, doçura, leve cítrico e refrescancia.

A segunda Urthel tem a proeza de ter sido lançada antes da Moortgat estrear sua festejada linha lupulada, abrindo um caminho que a concorrente elevaria a perfeição com a Duvel Tripel Hop. Fruto da viagem que o cervejeiro Hildegard fez a América do Norteem 2005, a Urthel Hop-It é uma Belgian Strong Ale lupuladíssima e com teor alcoólico potente (9.5%). Na taça, uma cerveja de coloração dourada turva com creme branco vastíssimo de excelente formação e média alta retenção, a Urthel Hop-It apresenta um aroma que combina picância de levedura belga com notas cítricas derivadas da alta lupulagem e leve doçura na base. Na boca, doçura maltada e aridez típica de levedura surgem abraçadas no primeiro toque seguidas de um suave cítrico e uma pancada de amargor, que apesar dos 80 IBUs, é limpo e sem prolongação. A textura é mais picante (com percepção de álcool) que cremosa num conjunto que se seguirá com traços de Saison, mas lupulagem assertiva. O final é condimentado e doce. No retrogosto, doçura de trigo, levedura e leve cítrico. Ótima!

Voltando a Antuérpia com mais uma De Dochter van de Korenaar, desta vez a Imperial IPA que leva o singelo nome de Extase numa receita que leva tudo ao extremo: malte e lúpulo. Na taça, o resultado é uma cerveja de coloração âmbar clara turva com creme branco de boa formação e longa retenção. No nariz, um aroma interessante que libera notas frutadas cítricas (laranja, e grapefruit), florais e doces (caramelo, que acaba dominando a percepção) além de nozes, leve condimentação (cravo) e toffee. Na boca, doçura caramelada no primeiro toque seguida de leve frutado cítrico remetendo a grapefruit e um amargor marcante, mas longe, longe, muito longe dos 110 IBUs adiantados pela casa (talvez na fonte, fresca, e olhe lá: aqui se chega a 50 IBUs é muito). A textura é suave com picância alcoólica (8.5% bem presentes). Dai pra frente, uma cerveja interessante, com toffee e caramelo e grapefruit e amargor, tudo junto pedindo atenção. O final é picante, alcoólico e bem amargo. No retrogosto, amargor suave, caramelo e grapefruit.

Fechando o trio havaiano da Kona Brewing com a Hanalei Island IPA, uma Session IPA feita com lúpulos Azacca e Galaxy e que recebe adição de maracujá, laranja e goiaba na receita. De coloração dourada com creme branco de boa formação e média alta retenção, a Kona Hanalei Island IPA exibe um aroma incrível com notas tropicais deliciosas sugerindo maracujá, abacaxi e goiaba em primeiro plano mais floral e leve doçura caramelada na base. Na boca, frutado cítrico desde o primeiro toque começando com maracujá e seguindo com goiaba, muito mais presente e dominante no paladar. A textura é levemente picante e o amargor (40 IBUs) leve e envolvente. Dai pra frente surge um conjunto extremamente saboroso, com as frutas dando um colorido especial à receita, que finaliza de maneira bastante leve, com doçura e amargor combinados. No retrogosto, leve mineral, floral e cítrico. A melhor da Kona que bebi até agora.

Fechando o trio belga da Urthel com a Samaranth, uma Belgian Dark Strong Ale de potentes 11.5% de álcool que, segunda consta, foi a cerveja do casamento de Hildegard Van Ostaden, o mestre cervejeiro da Brouwerij De Leyerth. De coloração âmbar escura com creme bege claro de excelente formação e média longa retenção, a Urthel Samaranth exibe um aroma doce, com caramelo, melaço, candy sugar e açúcar mascavo mais ameixa e uva passa, tudo isso envolvido suavemente em álcool. Na boca, doçura caramelada no primeiro toque com algo que remete a boldo e própolis envolvido. Na sequencia, frutas escuras, melaço e… álcool. A textura é sedosa, quase licorosa, com picancia alcoólica, que ocupa o lugar do amargor, que não existe. Dai pra frente, um conjunto delicioso, com muito frutado, caramelo e melaço, tudo isso encobrindo de maneira soberba os 11.5% de álcool, que batem ponto no final, de maneira suave junto a doçura, e no retrogosto, junto ao frutado e ao caramelo. Baita!

Fechando a série com a última da cervejaria De Dochter: Crime Passionnel, uma India Pale Ale cuja receita conta com adição de 45% de malte de trigo e utilização do lúpulo alemão Saphir. De coloração âmbar alaranjada com creme bege clarinho de excelente formação e media alta retenção, a De Dochter Crime Passionnel exibe um aroma interessante com bastante doçura (caramelo, mel e doce de laranja), mas também cítrico (grapefruit), frutado (banana) e trigo (feno). Na boca, doçura frutada e cítrica, tudo junto no primeiro toque oferecendo algo que parece uma compota de laranja caramelada. A textura é cremosa com picância leve enquanto os 50 IBUs de amargor (marcantes) fazem seu trabalho dignamente. Dai pra frente, um conjunto que se baliza na ideia de doçura frutada com bastante amargor, o que soa um pouco confuso, mas interessante. O final é meladinho e amargo. No retrogosto, mel, amargor e cítrico.

Balanço
Abrindo a série com a terceira Kona Brewing Company a passar por aqui, Wailua Wheat, uma cerveja melhor que a Longboard Island Lager, mas bastante inferior a Big Wave Golden Ale. Trata-se de uma American Wheat Ale que tenta atualizar o estilo witbier, mas sem muito sucesso. Cumpre a função de leveza e refrescancia, mas não surpreende. A belga Urthel Saisonnière é uma boa Saison, com levedura ativa marcando presença no conjunto, que ainda oferece cítrico e docura. Já a De Dochter Belle-Fleur surpreendeu com um conjunto muito equilibrado e saboroso de Belgian IPA. A Kona Fire Rock é melhorzinha que a Wailua Wheat enquanto a Urthel Hop-It é um Belgian Strong Ale lupulada e caprichada. A De Dochter van de Korenaar Extase é bem doce, mas não enjoa, pelo contrário. Voltando para o Havaí, a Kona Brewing Hanalei Island IPA é fresca e saborosa, uma bela Session. Caramelo e frutado encobrem 11.5% de álcool na delicinha Urthel Samaranth enquanto a De Dochter van de Korenaar Crime Passionnel, fechando o rolê, parece ter vivido dias melhores – mas ainda está boa!

Kona Wailua Wheat
– Produto: American Wheat Ale
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.4%
– Nota: 2,79/5

Urthel Saisonnière
– Produto: Saison
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,36/5

De Dochter van de Korenaar Belle-Fleur
– Produto: Belgian IPA
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,68/5

Kona Fire Rock
– Produto: American Pale Ale
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5.8%
– Nota: 3,09/5

Urthel Hop-It
– Produto: Belgian Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 9.5%
– Nota: 3,69/5

De Dochter van de Korenaar Extase
– Produto: Imperial IPA
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8.5%
– Nota: 3,59/5

Kona Brewing Hanalei Island IPA
– Produto: Session IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 4.5%
– Nota: 3,38/5

Urthel Samaranth
– Produto: Belgian Dark Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 11.5%
– Nota: 3,79/5

De Dochter van de Korenaar Crime Passionnel
– Produto: India Pale Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 7.5%
– Nota: 3,41/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *