Boteco: Quatro Barley Wines safradas Wäls EAP

por Marcelo Costa

Abrindo uma sequencia de Barley Wines safradas da Wäls especialmente para o Empório Alto de Pinheiros em São Paulo numa série que começou em 2014 e seguiu em 2015, 2016 e 2017. Trata-se de uma American Barley Wine com cinco tipos de malte, três lúpulos (Tettnanger, Cascade e Galena) e maturação com lascas de carvalho francês. A versão 2014 já havia passado por aqui no mesmo ano em duas degustações: uma com a garrafa em temperatura ambiente e outra gelada. Na época, as duas Wäls EAP 2014 se portaram muito bem. Passados três anos a carbonatação se perdeu (essa garrafa ainda utiliza a rolha sintética que a cervejaria mineira abandonaria logo depois), mas a cerveja ainda está digna, ainda que inferior. De coloração acastanhada mais turva do que em 2014 e com rala formação de creme, que desaparece no segundo seguinte, a Wäls EAP 2014 oferece um aroma bastante frutado e adocicado sugerindo caramelo, ameixa em calda, nozes, mel e açúcar mascavo. Impressionantemente, nada dos 11.5% de álcool. Na boca, muita doçura, mas pouco corpo. Percepção de açúcar mascavo, mel, ameixa em calda sutil e vinho do Porto. A textura é sedosa, mas não chega a ser licorosa, ainda que sobre a língua os 11.5% de álcool sejam bastante perceptíveis. Dai em diante, o conjunto exibe uma boa Barley Wine, ainda que inferior em carbonatação, corpo e vigor a de 2014. O final é docinho. No retrogosto, ameixa em calda e leve álcool.

A segunda da série recebeu o nome de Wäls EAP Hop Barley Wine, e trazia como diferencial na receita a troca dos três lúpulos da versão 2014 para dois na versão 2015, Ella e Cascade. Aqui a graduação alcoólica também subiu de 11.5% na Wäls EAP 2014 para 13% na versão 2015. Já a coloração está menos turva e mais acastanhada. O creme, assim como na versão 2014, ficou no passado: uma linha rala que some em questão de segundos e demonstra que mesmo essa garrafa, que já apresenta a rolha de cortiça, não manteve a carbonatação. O aroma, porém, está muito à frente da versão 2014, ainda que trabalhe as mesmas notas: calda de ameixa, açúcar mascavo, caramelo, nozes e absolutamente nada que entregue os 13% de álcool , o que é um grande mérito. Na boca, muito mais personalidade: doçura frutada deliciosa no primeiro toque seguida de um leve aceno alcoólico, que, novamente, surpreende. A textura é sedosa, quase licorosa, e mesmo aqui, sobre a língua, o álcool não parece tão potente quanto os 13% que o rótulo antecipa. Dai pra frente, uma Barley Wine absolutamente incrível, caramelada, frutada e “levemente” alcoólica. No final, frutas escuras e calor de álcool. No retrogosto, mais frutas escuras e mais calor alcoólico. Deliciosa.

A terceira da série, de 2016, retomou o Wäls EAP Barley Wine (sem o Hop de 2015) e trouxe como novidades três lúpulos (Polaris, Amarillo e Hallertau Blanc) e a ausência dos chips de carvalho presentes nas anteriores. De coloração acastanhada com leve turbidez e creme bege de média formação e retenção (melhor que as duas anteriores), a Wäls EAP Barley Wine 2016 exibe um aroma caramelado que traz ainda sugestão de frutas escuras suave (nozes, castanha, uva passa) e açúcar mascavo, mas ao invés do vinho do Porto e da calda de ameixa das duas anteriores, o que surge aqui é vinho branco com leve remissão a uvas verdes além de um suave avinagrado e percepção discreta dos 11.5% de álcool. Na boca, doçura caramelada bem suave no primeiro toque embebida em álcool e vinho branco logo na sequencia, de maneira deliciosa. A textura é sedosa, quase licorosa, e picante de álcool. O amargor é esquecível num conjunto bastante caprichado (diferenciado das duas anteriores) que se baliza entre as notas tradicionais de uma Barley Wine e o acréscimo cítrico (uva verde) e avinagrado que transforma esta na melhor da série até o momento. O final é doce e alcoólico (vinho branco). O retrogosto oferece uva verde, vinho branco, álcool e caramelo, este último mais discreto. Muito boa.

Encerrando com a quarta da série, Wäls EAP Barley Wine 2017, que utiliza os mesmos lúpulos da receita 2016 (Polaris, Amarillo e Hallertau Blanc) e foi a única das quatro a exibe um creme (bege clarinho) de boa formação, ainda que de pouca retenção. No nariz, sugestão de frutas escuras (nozes, castanha, uva passa) ainda mais suave do que nas versões anteriores, pois o lúpulo ainda “vivo” parece colaborar no aumento da potência da doçura de caramelo e do açúcar mascavo além de trazer sugestão de vinificação. Nitidamente mais arisca e provocante pelo pouco tempo de guarda (em comparação com as anteriores), a Wäls EAP Barley Wine 2017 exibe doçura e frutado suaves no primeiro toque (caramelo e uva passa) seguido de leve vinificação remetendo a vinho branco e uva verde. A textura é menos licorosa e mais picante do que as anteriores enquanto o amargor também exibe mais potência. Há, ainda, leve acidez. Dai pra frente, um conjunto bastante interessante, provocante e arisco. O final é quente. No retrogosto, vinho branco, caramelo e álcool.

Balanço
Abrindo uma vertical de Barley Wines safradas da Wäls especialmente para o Empório Alto de Pinheiros em São Paulo com a versão 2014, que perdeu carbonatação, corpo e vigor, mas ainda está interessante. Já a Wäls EAP Hop Barley Wine 2015 está absolutamente sensacional. Se fresca, na época, ela trazia mais nuances de lúpulo, dois anos depois isso já não existe mais, e o que ficou é uma Barley Wine legitima e deliciosa, que cumpre com louvor a tarefa de esconder 13% de álcool. Palmas. Já a versão 2016 surpreendeu pela ausência dos chips de carvalho e pela aproximação com vinho branco. Há, ainda, um leve avinagrado, que pode ser fruto de contaminação na guarda, mas acrescentou notas interessantes ao conjunto, delicioso. Fechando o quarteto com a Wäls EAP Barley Wine 2017, a mais nova e “viva” da série, o que torna o conjunto mais arisco, provocante e interessante. Fico na dúvida se prefiro a 2016 ou a 2017, pois ambas, apesar de terem receitas semelhantes, mudaram muito com um ano de guarda. Acho que cada uma cumpre bem sua função, as duas em alto nível.

Wäls EAP 2014
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 11.5%
– Nota: 3,42/5

Wäls EAP Hop Barley Wine 2015
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 13%
– Nota: 4,12/5

Wäls EAP Barley Wine 2016
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 11.5%
– Nota: 4,22/5

Wäls EAP Barley Wine 2017
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 11.5%
– Nota: 4,22/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *