Boteco: 7 cervejas paulistanas

por Marcelo Costa

Abrindo uma sequencia São Paulo por Várzea Paulista, interior do estado, onde a cervejaria cigana paulista Heróica envasou esta Cryo Hoperation, uma New England IPA colaborativa com a portuguesa Post Scriptum Brewery, cujo diferencial é a utilização de lúpulo em pó (Cryo Hops Mosaic) em sua receita visando extrair “um maior potencial de aromas e sabores”. De coloração amarela, juicy, com creme branco de boa formação e média alta retenção, a Cryo Hoperation exibe um aroma com notas cítricas ferozes (limão em primeiro plano que carrega até sugestão de azedinho da casca, o que pode ser derivado da levedura), condimentação e algo rural, meio mofo, meio curral, que cairia bem numa Saison, e soa um pouco estranho aqui, ainda que fãs de Saison (como eu) adorem. Na boca, o primeiro toque traz doçura cítrica que vai se tornando apenas cítrico logo no segundo seguinte, e amargando (65 IBUs) alguns segundos depois. A textura é cremosa e picante num conjunto que segue com levedura arisca até o final, seco e… estranho. No retrogosto, banana. Estranha e doidinha.

Permanecendo em Várzea Paulista, mas agora com uma cerveja da dona da casa, a Dádiva, que em parceria com o Empório Alto de Pinheiros, mítico bar de cerveja artesanal na capital paulista, apresenta a Dádiva EAP Blueberry Imperial Porter, que além de adição de blueberry ainda recebe nibs de cacau na receita. De coloração marrom bastante escura com creme bege claro de média formação e retenção, a Dádiva EAP Blueberry Imperial Porter exibe um aroma meio estranho com mirtilo, café, chocolate amargo e até banana passa surgindo embolados, sem muita definição de prioridade. Na boca, o primeiro toque traz doçura sugerindo chocolate com mirtilo acompanhando. A textura é menos suave do que se espera e o álcool dá as caras (10.3%), mas não de forma agressiva (ainda que prejudique o conjunto “sobremesa” proposto) e, dai em diante, surge um conjunto que melhora consideravelmente quando a cerveja aquece chegando a lembrar levemente floresta negra. O final é levemente picante de álcool. No retrogosto, banana passa, chocolate levemente amargo e café.

De Várzea Paulista para São Miguel do Arcanjo, ainda no interior paulista, com a 11ª versão de American Pale Ale da Cervogia (por aqui, no total, essa é oitava Cervogia, e só uma delas era APA, a 03), resumidamente chamada de AP 11, cuja receita utiliza os lúpulos Equinox e Mosaic. De coloração amarela dourada com creme branco espesso de ótima formação e média alta retenção, a Cervogia AP 11 apresenta um aroma delicioso que sugere notas cítricas (tangerina, laranja e manga) suaves sobre uma base delicada de caramelo. Na boca, o primeiro toque traz frutado cítrico em destaque com leve doçura acompanhando. A textura é cremosa e com leve picância. O amargor é suave e limpo (remetendo a uma New England) com seus 32 IBUs abrindo as portas para um conjunto bastante frutado, cítrico e refrescante. O final é seco com leve cítrico. No retrogosto, mais tangerina, um tracinho herbal e refrescancia. Muito boa.

De São Miguel do Arcanjo para Ipeúna, cidade de pouco mais de 6 mil habitantes vizinha de Rio Claro no interior do estado, que abriga a Brew Center, fábrica que atende de cervejeiros ciganos (como a Synergy) a empresas como a Distribuidora de Bebidas Cerbom, responsável pela linha Lübeck, aqui presente na versão Witbier com Tangerina. De coloração dourada com creme branco de baixa formação e nenhuma retenção, a Lübeck Witbier com Tangerina exibe um aroma que sugere leve doçura, notas frutadas (banana), cereais, condimentação (semente de cravo) e chiclete. Na boca, doçura e banana no primeiro toque seguidas de condimentação suave e tangerina quase imperceptível. A textura é rapidamente frisante e, depois, seca. Já o amargor é baixo e imperceptível num conjunto que soa muito mais alemão (Weizen) do que belga (Witbier). O final é doce e levemente cítrico. No retrogosto, trigo e tangerina discreta.

De Ipeúna para Diadema com mais uma Votus marcando presença por aqui! Depois da 001 e da 011 agora é a vez da 005 Weissbier, uma German Weizen de coloração amarela levemente turva (como manda o figurino do estilo) com creme branco de boa formação e permanência. No nariz, as notas clássicas que se encontram numa Weiss alemã: levedura marcante trazendo frutado que remete a banana e condimentação sugerindo cravo. Na boca, bastante doçura (que não aparece tanto no aroma) no primeiro toque seguida de frutado (banana) e, em menor escala, condimentado. A textura é cremosa e picante. O amargor é baixo e passa quase despercebido num conjunto que valoriza a levedura e, por isso, oferece bastante banana e cravo além de uma doçura interessante. O final é doce e condimentado. No retrogosto, mais doçura, banana e leve cravo.

Voltando para a fábrica da Dádiva em Várzea Paulista com uma Urbana da série sazonal U-Lab, a Trocadalho do Carilho, uma American IPA bem humorada que sarreia os cervejeiros que não resistem a utilizar um trocadilho com a sigla IPA. De coloração amarela turva e creme branco com ótima formação e longa retenção, a Urbana Trocadalho do Carilho exibe um aroma com notas cítricas se destacando, um leve aceno herbal e malte na base. Na boca, a textura é cremosa com leve picância. O primeiro toque traz doçura e notas cítricas chegando juntas de maneira saborosa. Na sequencia, uma refrescancia cítrica deliciosa e um amargor comportado para os 60 IBUs adiantados, mas ainda assim interessante no equilíbrio do conjunto, que segue entre o amargor cítrico e herbal e a doçura maltada até o final, picante e cítrico. No retrogosto, o amargor diz a que veio, com delicioso acompanhamento cítrico e herbal. Bem boa!

Fechando esse septeto paulista na fábrica da Dádiva, novamente com uma cerveja da casa, e novamente outra colaborativa, desta vez com a gaúcha Suricato Ales. Trata-se da Lucid Dream número 2 (a 1 foi lançada em junho a segunda chegou ao mercado em agosto), que as casas definem como Brett New England APA, ainda que classificada apenas com American Pale Ale. De coloração amarela alaranjada lembrando suco de manga e creme branco de boa formação e média alta retenção, a Lucid Dream #2 exibe um aroma bastante frutado com potente cítrico (manga, abacaxi e pêssego) sobre uma base que não exibe rusticidade, e soa até suave. Na boca, doçura frutada (mais manga do que abacaxi) e leve condimentação. A textura é densa e encorpada. Já o amargor (37 IBUs) ganha impulso com uma sensação de casca de laranja, um leve azedume tradicional de Brett, que fica na retaguarda amarrando o paladar. Dai pra frente, o conjunto soa realmente uma NE, encorpada como um suco cítrico com a Brett levemente acrescentando aridez. O final é amarguinho e terroso. No retrogosto, frutado cítrico, levedura e amargor suave. Surpreende mais no paladar do que no aroma.

Balanço
A Cryo Hoperation me soou bem estranha, mas não de um jeito agradável. Há algo de casca de limão intenso durante todo o percurso, e a banana no final deixa uma interrogação no paladar. No quesito decepção, eu esperava bem mais da Dádiva EAP Blueberry Emperial Porter, que me pareceu bastante confusa. No quesito Floresta Negra, a Tupiniquim se deu bem melhor. Em uma escala menor, a Cervogia também alcança seu ápice com esta excelente versão 11 de sua American Pale Ale. Perseverança é o negócio. Já a Lübeck Witbier com Tangerina ainda precisa acertar a receita, pois está mais pra Weizen alemã do que pra Wit belga. E a tangerina nem aparece. Mais redonda, a Votus 005 é uma German Weizen ok, sem nenhum destaque, além de uma doçura marcante. Já a Urbana Trocadalho do Carilho é uma bela American IPA repleta de detalhes e sugestões. Delicinha. A Dádiva Lucid Dream #2, por sua vez, decepciona no aroma, mas surpreende no paladar, com várias elementos agregados (a textura NE, a aridez da Brett, o frutado cítrico das APAs) finalizando uma grande cerveja.

Heróica Cryo Hoperation
– Produto: New England IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,36/5

Dádiva EAP Blueberry Emperial Porter
– Produto: Imperial Porter
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 10.3%
– Nota: 3,31/5

Cervogia AP 11
– Produto: American Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5.5%
– Nota: 3,55/5

Lübeck Witbier com Tangerina
– Produto: Witbier
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 2,35/5

Votus 005
– Produto: German Weizen
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5.1%
– Nota: 2,88/5

Urbana Trocadalho do Carilho
– Produto: American IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6.3%
– Nota: 3,55/5

Dádiva Suricato Lucid Dream #2
– Produto: American Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4.9%
– Nota: 3,55/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *