Boteco: Da Nova Zelândia, cinco 8 Wired

por Marcelo Costa

Abrindo uma sequencia exclusiva da neozelandesa 8 Wired, cervejaria fundada em 2009 em Warkworth, cidade de pouco menos de 5 mil habitantes na península de Northland, com a Semi Conductor, uma Session IPA que combina lúpulos locais com lúpulos dos Estados Unidos, resultando numa cerveja de coloração alaranjada com creme branco de boa formação e média retenção. No nariz, lupulagem em destaque com notas frutadas cítricas (maracujá, manga e lima) se sobrepondo as herbais (grama e leve resina) com doçura do malte delicada na base. Na boca, uma pancada cítrica (bastante maracujá) caramelada em doçura no primeiro toque. A textura é levemente picante e cremosa enquanto o amargor subsequente é eficiente com seus 30 IBUs conseguindo acrescentar personalidade ao conjunto, que segue cítrico, herbal e com leve doçura. O final é meladinho e herbal. No retrogosto, mais herbal do que cítrico e muita refrescancia. Delicinha.

A segunda cerveja da sequencia é a reinterpretação da 8 Wired para o estilo American Pale Ale utilizando apenas lúpulos locais, que leva o apropriado nome de Tropidelic. De cor alaranjada que remete a Semi Conductor e creme branco de boa formação, mas uma permanência muito maior, a 8 Wired Tropidelic Pale Ale exibe um aroma em que a doçura do malte disputa briga por atenção com os lúpulos, o que é, importante ressaltar, uma característica do estilo. Tendo isso em foco é possível perceber tanto doçura delicada de caramelo quanto frutado cítrico suave (maracujá, abacaxi e toranja). Na boca, doçura caramelada e cítrico equilibrados desde o primeiro toque, mas na sequencia o caramelo se sobrepõe às frutas. A textura é suave e com leve picância e o amargor na sequencia é bastante suave, presente, mas suave. Dai em diante, uma NewZeland Pale Ale como manda o figurino, bem equilibrada e saborosa, mas se muito impacto e diferencial. Simples e eficiente até o final, amarguinho. No retrogosto, herbal e doçura. Ok.

A próxima da sequencia é uma autentica cerveja de terroir neozelandês, produzida com malte cultivado no país e lúpulo 100% exclusivo da Nova Zelândia. Com o nome de Hop Wired New Zealand IPA, essa cerveja da 8 Wired exibe uma coloração, isso mesmo, alaranjada com creme branco um pouco mais espesso do que nas duas anteriores, e também com uma permanência maior. No nariz, apesar do destaque ao malte cultivado localmente, a estrela é o lúpulo, que libera notas frutadas cítricas (maracujá, manga, laranja lima e toranja) e também resina sobre uma base bem delicada de caramelo. Na boca, picância suave e cremosidade na textura. O primeiro toque traz mais 80% doçura caramelada e 20% frutado cítrico, que nos segundos seguintes vão virar isso para 80/20 a seu favor. O amargor é mais pegado, ainda que 70 IBUs soem um tiquinho exagerados (55/60 no máximo), e abre as portas para um conjunto delicioso de uma bela IPA modelo antigo, com cítrico, doçura, resina e amargor bem presentes. No final, secura, amargor suave e leve doçura. No retrogosto, um tiquinho de resina e herbal. Boa.

A quarta India Pale Ale da sequencia é uma Imperial com um blend de quatro maltes (Golden Promise, Pilsner, Caramalt e Pale Crystal) e uma grande quantidade de lúpulos neozelandeses e norte-americanos. O resultado é a Super Conductor Double IPA, uma cerveja de coloração alaranjada com creme branco de boa formação e média alta retenção. No nariz, uma pancada de notas frutadas cítricas (laranja, maracujá e manga) acompanhadas de notas resinosas sobre uma base bastante presente de caramelo. Na boca, doçura cítrica deliciosa no primeiro toque (mais laranja e maracujá do que manga) seguida de resina leve. A textura picante e cremosa enquanto o amargor é potente, 80 IBUs que deixam um rastro de resina marcando o céu da boca, seguindo o padrão das Old American IPA norte-americanas. O final é levemente resinoso enquanto, no retrogosto, as notas cítricas conseguem vencer a resina, que se mantém por ali. Boa.

Para fechar o quinteto de IPAs da 8 Wired, Tall Poppy, uma India Red Ale de coloração âmbar avermelhada com creme bege clarinho de ótima formação e longa retenção, com direito a rendas por todo entorno interior da taça. No nariz, uma combinação intensa de notas frutadas cítricas (grapefruit principalmente, mas também tangerina) com doçura de malte caramelo e forte herbal (pinho e grama). Há, ainda, leve percepção de condimentação. Na boca, a textura é cremosa com média alta picância. O primeiro toque oferece rápida doçura caramelada que no segundo seguinte acresce frutado cítrico potente (grapefruit) até chegar a pancada de amargor, 60 IBUs bastante honestos, que abre caminho para um conjunto bastante delicioso, que segue a premissa que o aroma adianta combinando doçura de malte com a potência de amargor, cítrico e herbal dos lúpulos, de maneira caprichada. O final é docinho e terroso. No retrogosto, pinho, grapefruit e caramelo suave. Outra IPA caprichado da 8 Wired.

Balanço
Abrindo uma série da 8 Wired com uma boa Session IPA, a Semi Conductor, lupulada, refrescante e agradável. Já a Tropidelic Pale Ale não impressinou tanto sugerindo uma APA correta, mas sem novidades. Melhor é a Hop Wired New Zealand IPA, bem saborosa, ainda que também sem novidades. A Super Conductor Double IPA é uma Old Imperial American IPA, bem saborosa e muito bem replicada, mas… sem novidades. A mais diferentinha dos caras é a Tall Poppy, uma India Red Ale bastante lupulada, mas sem esconder o caramelo. Boa, mas…

8 Wired Semi Conductor
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Nova Zelândia
– Graduação alcoólica: 4.4%
– Nota: 3,40/5

8 Wired Tropidelic Pale Ale
– Produto: American Pale Ale
– Nacionalidade: Nova Zelândia
– Graduação alcoólica: 5.4%
– Nota: 3,32/5

8 Wired Hop Wired New Zealand IPA
– Produto: India Pale Ale
– Nacionalidade: Nova Zelândia
– Graduação alcoólica: 7.3%
– Nota: 3,61/5

8 Wired Super Conductor Double IPA
– Produto: Imperial India Pale Ale
– Nacionalidade: Nova Zelândia
– Graduação alcoólica: 8.8%
– Nota: 3,61/5

8 Wired Tall Poppy
– Produto: India Red Ale
– Nacionalidade: Nova Zelândia
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,61/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *