Boteco: Quatro Barley Wines da Mikkeller

por Marcelo Costa

Abrindo uma série de Barley Wines da dinamarquesa Mikkeller (a maioria delas colaborativa com a norte-americana Three Floyds) com a Big Worse, cuja receita une maltes Caramunich e Pilsner com lúpulos Nugget, Cascade e Centennial mais Candy Sugar. Produzida na fábrica belga da De Proefbrouwerij, a Big Worse Barley Wine exibe uma coloração âmbar caramelada com creme bege de boa formação e longa retenção. No nariz, bastante percepção de doçura (caramelo e candy sugar), toffee e dos 12% de graduação alcoólica. Na boca, doçura caramelada e toffee chegam juntos no primeiro toque. Na sequencia, ambos são banhados por álcool, que ainda assim não soa agressivo – mas é claramente perceptível. A textura é bastante licorosa com forte picância alcóolica. Daquelas cervejas para se beber com calma e sempre (e, de preferência, dividindo com outra pessoa), a Big Worse finaliza com (pouco) caramelo e (muito) álcool. No retrogosto, toffee, caramelo e álcool.

A segunda (a terceira e a quarta) da sequencia é uma colaborativa entre os dinamarqueses da Mikkeller e os norte-americanos da badalada Three Floyds, de Indiana, e atende pelo nome de Boogoop. Trata-se de uma American Barley Wine feita com trigo sarraceno (Buckwheat) e produzida na fábrica da De Proefbrouwerij, na Bélgica (a Three Floyds também produziu um lote nos EUA). De coloração âmbar alaranjada turva com creme bege claro de ótima formação e longa retenção, a Boogoop exibe um aroma que combina doçura maltada, caramelo, frutado cítrico, leve resina, terroso, e pão. Na boca, doçura maltada e caramelada intensa no primeiro toque. Logo na sequencia, amargor cítrico, resinoso e leve percepção dos 10.4% de álcool. A textura é espessa, sedosa, fofa. O amargor não é o caso aqui, e sim o álcool, que está maravilhosamente encoberto por doçura, trigo, resina e cítrico. O final é amargo, doce e alcoólico, tudo junto. No retrogosto, terroso, caramelo, álcool e leve resina. Uou.

A Mikkeller Three Floyds Risgoop foi a quinta colaboração entre as duas cervejarias, e segue no território das American Barley Wines, só que aqui o diferencial é a adição de arroz e mel. Assim como a anterior, essa garrafa (da safra Mikkeller) foi produzida na De Proefbrouwerij, na Bélgica, mas a Three Floyds também produziu um lote seu nos EUA. De coloração âmbar turva e muito mais alaranjada que a Boogoop, a Risgoop exibe um aroma dominado pelo malte, que distribui caramelo, mas os lúpulos marcam presença acrescentando notas cítricas, que juntas à doçura resultam numa geleia de laranja. Há ainda leve terroso e leve percepção de arroz, e o álcool só se faz notar na coceira do nariz, não no aroma. Na boca, doçura de geleia de laranja alcoólica no primeiro toque. A sequencia traz caramelo, herbal, laranja e abacaxi. A textura é sedosa, espessa e fofa. O amargor é mais marcante aqui do que na Boogoop, o que torna o conjunto a seguir mais interessante, com frutas cristalizas, geleias de frutas amarelas e, incrível, quase nada de percepção dos 10.4% álcool. Incrível. O final é doce e melado. No retrogosto, cítrico, maltado, terroso e leve álcool. Sensacional.

Mais uma Barley Wine colaborativa da Mikkeller com a Three Floyds, a Majsgoop (produzida também na De Proefbrouwerij) traz como diferencial a adição de milho na receita. O resultado é uma cerveja de coloração âmbar turva alaranjada com creme bege claro de ótima formação e longa retenção. No aroma, a Mikkeller Three Floyds Majsgoop está mais para a Boogoop do que para a Risgoop, ouça seja com doçura caramelada derivada dos maltes dando as cartas, mas intensa presença de lupulagem, que neste conjunto em particular oferece bastante cítrico além de leve percepção de resina. Na boca, doçura de caramelo no primeiro toque com cítrico de laranja passada na sequencia e resina completando a percepção. A textura é fofa, sedosa e espessa. Dai pra frente, um conjunto menos brilhante que os anteriores, com o álcool mais presente (aparentemente) e também caramelo e laranja. O final é melado e condimentado (será o álcool?). No retrogosto, caramelo, laranja passada e resina.

Balanço
Abrindo uma série de Barley Wines da Mikkeller com a única da sessão assinada apenas pelos dinamarqueses, a Big Worse, uma pancada de doçura e álcool e intensa que requer atenção. Agora aqui já é coisa de gente grande: a Mikkeller Three Floyds Boogoop é uma Barley Wine em que o trigo Sarraceno adicionado na receita lhe concede ainda mais corpo e fofura, o que consegue deixar os 10.4% de álcool de lado, e é um grande mérito. Bela cerveja. Ainda melhor é a Mikkeller Three Floyds Risgoop, com arroz e mel, que soa como uma geleia de laranja alcoólica e deliciosa. Uma bela surpresa! A Mikkeller Three Floyds Majsgoop pareceu a mais fraca do conjunto, com corpo menos intenso, mais percepção de álcool, e menos sabor.

Mikkeller Big Worse
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 12%
– Nota: 3,56/5

Mikkeller Three Floyds Boogoop
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10.4%
– Nota: 3,83/5

Mikkeller Three Floyds Risgoop
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10.4%
– Nota: 3,93/5

Mikkeller Three Floyds Majsgoop
– Produto: Barley Wine
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10.4%
– Nota: 3,61/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *