Música: “Arca”, Arca

por Renan Guerra

O venezuelano Alejandro Ghersi, conhecido como Arca, tem 27 anos e um currículo invejável: já produziu músicas de Kanye West e FKA twigs e se tornou o braço direito de Björk em seu disco “Vulnicura” (2015). Vivendo agora em Londres, Arca lançou este ano seu terceiro disco, que leva seu nome, marcando assim um novo caminho, mais pessoal, em sua carreira e produção estética.

Filho de uma família rica, Ghersi cresceu tendo aulas de piano e viveu entre a Venezuela e os Estados Unidos, onde mais tarde se graduou em música no The Clive Davis Institute of Recorded Music, da Universidade de Nova York. Seus primeiros EPs foram lançados em 2012 e no ano seguinte ele já apareceu trabalhando com Kanye West no disco “Yeezus”. Na sequência, produziu e escreveu junto de FKA twigs todas as canções de seu “EP2”. Essas parcerias aumentaram a ansiedade em torno de seu primeiro disco, que chegou em 2014, intitulado “Xen”, um trabalho essencialmente eletrônico e, em grande parte, improvisado pelo artista nos estúdios de gravação.

2015 é o ano em que o nome de Arca passa a ser constantemente aglutinado ao de Björk: Ghersi aparece em “Vulnicura” como co-produtor de sete faixas e co-autor de duas. Num primeiro momento, percebe-se que o trabalho da islandesa teve influência do universo eletrônico e instintivo de Arca, mas mais que isso, os dois se tornaram amigos. Em uma viagem de carro, os dois cantavam por brincadeira e Björk perguntou seriamente para Ghersi: “Você já pensou em cantar nas suas músicas?”. Ghersi não levou isso muito a sério naquele momento, mas depois acabou acatando a sugestão de sua mentora e o resultado final é o recém-lançado “Arca”, onde pela primeira vez ele canta suas próprias composições.

Nesse meio tempo, antes do novo disco, Ghersi lançou o álbum “Mutant” (2015) e a mixtape “Entrañas” (2016), que já traziam composições em espanhol e que serviram como um prelúdio do que é apresentado em “Arca”. É preciso situar que, anteriormente, o universo de Arca era mais gélido, complexo, feito de eletrônica, experimentações e rupturas, portanto esse seu novo disco é seu aceno a possibilidades de composição e produção mais acessíveis dentro desse universo quebradiço do artista.

Ghersi optou aqui por sua língua materna como a linha condutora de “Arca” por considerar esta como a linguagem em que ele melhor consegue expressar seus sentimentos e suas emoções de uma forma natural. Nesse sentido, o título de sua mixtape, “Entrañas”, caberia muito bem neste novo trabalho: este é claramente o momento em que Alejandro se mostra mais vulnerável em sua carreira. A eletrônica cacofônica ainda está aqui, porém ele deixa transparecer uma poética dolorosa e singular, que apresenta ao ouvinte todas as tensões que envolvem sua intimidade: Ghersi é gay e sofreu muito durante a adolescência até conseguir aceitar isso de forma natural, portanto é uma constante em seu trabalho o retorno a esse deslocamento e a essas incertezas em torno de sua sexualidade.

Com um visual fetichista, Alejandro criou em Arca uma persona que embaralha e provoca com suas botas de cano alto e saltos plataforma, lingeries de couro ou mesmo roupas de BDSM. Sua estética, geralmente produzida em parceria com o artista Jesse Kanda, traz uma violência e uma dubiedade sexual que é ao mesmo tempo instigante e assustadora. O assombro começa pela capa, que traz esse close de Alejandro com grandes olheiras e dentes pretos e se comunica com o clipe de “Sin Rumbo”, faixa que havia sido lançada na mixtape anterior e que retorna neste disco. O vídeo, dirigido por Kanda, traz Arca machucado, como que depois de levar uma grande surra, nesse intermeio entre a violência e o sexo. Aliás, Kanda criou uma tríade de vídeos “tour de force” com Arca neste novo disco: “Reverie” traz o cantor em patas de cavalo mecânicas, que dificultam sua locomoção, apresentando-o como um animal acuado e preso; já “Desafío” traz ele em uma camisa de força de couro, numa estética de bondage, enquanto é arrastado e jogado de um lado para o outro por quatro homens mais velhos; “Anoche”, por sua vez, traz Arca ferido, acariciando cadáveres e dançando entre eles.

Curiosamente, as canções de “Arca” foram criadas de forma instintiva: Alejandro não sentou e compôs as canções, ele foi gravando os versos que iam surgindo e depois de várias sessões, acabou chegando ao material final do disco. Nesse processo criativo acabam surgindo suas referências: “Anoche”, por exemplo, traz os versos “Anoche te añoré / Aunque no te he conocido aún”, que claramente dialogam com os versos “I miss you, but I haven’t met you yet”, da faixa “I Miss You”, de Björk, presente no álbum “Post” (1995). Alejandro, assim como Björk em muitos momentos, acaba falando de situações bastante pessoais, porém através de uma poética quase cifrada, que cria cenas, acontecimentos, tensões e deixa para o ouvinte a possibilidade de inúmeras definições; portanto aqui cabem análises que partem da homossexualidade de Arca até outros caminhos que se relacionam a relacionamentos abusivos, encontros furtivos ou mesmo paixões platônicas.

Com uma carreira complexa, que merece ser explorada com atenção, é claro que “Arca”, por levar seu próprio nome, é seu disco mais pessoal e mais intenso. Ele mostra que há muito mais por trás de sua eletrônica cacofônica e transforma versos como “hay un abismo dentro de mí” quase em um mantra. Arca consegue, aqui, criar paradoxos sufocantes: canções de amor em uma eletrônica quebradiça; músicas dolorosas que nos fazem dançar de forma estranha; um universo sensorial a ser tateado, enquanto dançamos e limpamos as feridas ao lado de Alejandro.

Renan Guerra é jornalista e colabora com o sites A Escotilha e Scream & Yell.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *